1. Spirit Fanfics >
  2. Uma nova chance para recomeçar - Lendo Harry Potter >
  3. Dix

História Uma nova chance para recomeçar - Lendo Harry Potter - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


I'm back!
Não ia postar hoje, mas é aniversário do Harry
Aproveitem!

Capítulo 11 - Dix


- Capítulo 3 – lê Neville – O Nôitibus Andante

Harry já estava bem distante quando se largou em cima de um muro baixo na rua Magnólia, uma rua curva de prédios geminados, ofegante com o esforço de arrastar o malão. Sentou-se muito quieto, ainda espumando de raiva, escutando o galope desenfreado do seu coração.

Mas depois de uns dez minutos sozinho na rua escura, uma nova emoção se apoderou dele: o pânico. De qualquer maneira que considerasse o caso, ele nunca se vira em situação pior. Estava perdido, sozinho, no escuro mundo dos trouxas, absolutamente sem ter aonde ir. E o pior era que acabara de executar um feitiço sério, o que significava que quase certamente seria expulso de Hogwarts. Violara tão flagrantemente o decreto que limitava o uso da magia por menores, que se surpreendeu que os representantes do Ministério da Magia não tivessem caído em cima dele ali mesmo.

- Por Merlin, Harry – disse Remus – O que você fez dessa vez?

- Eu transformei tia Guida em um balão – respondeu o menino encabulado – ela estava falando algumas merdas sobre meus pais e eu perdi o controle da magia, ela começou a inchar e depois de um tempo saiu voando por aí...

Depois da explicação dele os marotos não conseguiram não rir, isso sim é responder alguém que fala mal de quem você ama com estilo, eles deveriam ter pensado nisso antes; imagina o Snape saindo voando igual um balão, pensou Sirius. Lilian apenas pensou que seu filho não tinha muito controle emocional, se com treze anos ainda fazia magia acidental; mas ela não podia culpar o garoto, provavelmente era tudo culpa da criação dos Dursley que o deixou com esse trauma psicológico.

Harry estremeceu e olhou para os dois lados da rua Magnólia. O que ia lhe acontecer? Seria preso ou simplesmente banido do mundo dos bruxos? Ele pensou em Rony e em Hermione, e seu coração ficou ainda mais apertado. Harry tinha certeza de que, fosse criminoso ou não, Rony e Hermione iriam querer ajudá-lo agora, mas os dois estavam no exterior e, com Edwiges ausente, ele não tinha meios de entrar em contato com os amigos.

E tampouco tinha dinheiro dos trouxas. Havia um ourinho na carteira que guardara no fundo do malão, mas o resto da fortuna que seus pais tinham lhe deixado estava depositado em um cofre do banco dos bruxos em Londres, o Gringotts. Ele jamais conseguiria arrastar o malão até Londres. A não ser que...

Ele olhou para a varinha que ainda mantinha segura na mão. Se já fora expulso (seu coração agora batia dolorosamente depressa), um pouco mais de magia não iria fazer mal algum. Tinha a Capa da Invisibilidade que herdara do pai – e se encantasse o malão para torná-lo leve como uma pena, o amarrasse à vassoura e voasse até Londres? Então poderia retirar o resto do seu dinheiro do cofre e... começar uma vida de proscrito. Era uma perspectiva terrível, mas não podia ficar sentado naquele muro para sempre, ou ia acabar tendo que explicar à polícia dos trouxas o que estava fazendo ali, na calada da noite, com um malão cheio de livros de bruxaria e uma vassoura.

Lily suspirou triste, essa negatividade toda também deveria ser por causa do trauma psicológico que era morar com os Dursley, afinal eles faziam questão de punir o menino do pior jeito possível por qualquer coisa que acontecesse na casa. Harry já havia sido notificado por fazer magia fora da escola – apesar de não ter sido ele –, então uma outra notificação poderia o banir do único lugar onde era feliz, ainda que acontecesse aqueles encontros desagradáveis com Voldemort. Fazia sentido ele ficar com medo de ser expulso de Hogwarts, mas esse pensamento de querer pegar todo o dinheiro e fugir com treze anos era definitivamente por causa dos Dursley.

Harry tornou a abrir o malão e empurrou as coisas para um lado à procura da Capa da Invisibilidade – mas antes de apanhá-la, endireitou o corpo de repente e olhou mais uma vez a toda a volta.

Um formigamento estranho na nuca o fizera sentir que estava sendo observado, mas a rua parecia deserta e não havia luz nos grandes prédios quadrados.

Ele tornou a se curvar para o malão, mas quase imediatamente se endireitou, a mão apertando a varinha. Não ouvira, sentira uma coisa: alguém ou alguma coisa estava parado no estreito vão entre a garagem e a grade atrás dele. Harry apertou os olhos para enxergar melhor a passagem escura. Se ao menos aquilo se mexesse, então ele saberia se era apenas um gato  sem dono ou... outra coisa qualquer.

Lumus – murmurou Harry, e apareceu uma luz na ponta de sua varinha, que quase o cegou.

Ele levantou a varinha acima da cabeça e as paredes incrustadas de seixos do no 2, de repente, faiscaram; a porta da garagem reluziu e entre as duas Harry viu, com muita clareza, os contornos maciços de alguma coisa muito grande com olhos enormes e brilhantes.

- Era só o que me faltava – murmurou Alice – o garoto vai ser atacado por um monstro gigante.

Harry recuou. Suas pernas bateram no malão e ele tropeçou. A varinha voou de sua mão quando ele abriu os braços para amortecer a queda, e aterrissou com toda a força na sarjeta.

Ouviu-se um estampido ensurdecedor e Harry ergueu as mãos para proteger os olhos da luz repentina e ofuscante...

Com um grito, ele rolou para cima da calçada bem em tempo. Um segundo depois, dois faróis altos e dois gigantescos pneus pararam cantando exatamente no lugar em que Harry estivera caído. As duas coisas pertenciam, Harry viu quando ergueu a cabeça, a um ônibus de três andares, roxo berrante, que se materializara do nada. Letras douradas no para-brisa informavam: O Nôitibus Andante.

Por uma fração de segundo, Harry ficou imaginando se o tombo o teria deixado abobado. Então, um condutor de uniforme roxo saltou do ônibus para anunciar em altas vozes aos ventos da noite:

– Bem-vindo ao ônibus Nôitibus Andante, o transporte de emergência para bruxos e bruxas perdidos. Basta esticar a mão da varinha, subir a bordo e podemos levá-lo aonde quiser. Meu nome é Stanislau Shunpike, Lalau, e serei seu condutor por esta noi...

- E é assim que você consegue uma carona para o Caldeirão Furado com estilo – brincou Ronald. Hermione o olhou brava por ter falado o destino de Harry, mas não falou nada, apenas pediu para Neville continuar a leitura antes que o Weasley falasse demais.

Lalau parou abruptamente. Acabara de avistar Harry que continuava sentado no chão. O menino recuperou a varinha e ficou de pé como pôde. Aproximando-se, viu que Lalau era apenas alguns anos mais velho que ele, tinha dezoito ou dezenove anos no máximo, grandes orelhas de abano e uma grande quantidade de espinhas.

– Que é que você estava fazendo aqui? – perguntou Lalau, pondo de lado sua pose profissional.

– Caí – respondeu Harry.

– E por que foi que você caiu? – caçoou Lalau.

– Não caí de propósito – respondeu Harry, incomodado. Uma perna de seu jeans se rasgara e a mão que ele estendera para aliviar a queda estava sangrando. De repente ele se lembrou por que caíra e se virou depressa para o lado para ver a passagem entre a garagem e a cerca. Os faróis do Nôitibus agora a inundavam de luz e ela estava vazia.

– Que é que você está olhando? – perguntou Lalau.

– Havia uma coisa grande e escura – respondeu Harry, apontando hesitante para a abertura. – Parecia um cachorro... mas enorme...

Sirius olhou para Remus e James, será que finalmente fora atrás de seu sobrinho? Mas por que só agora? O que ele estava fazendo durante esses doze anos?

Harry olhou para Lalau, cuja boca estava entreaberta. Com um certo constrangimento, Harry viu o seu olhar se deter na cicatriz de sua testa.

– Que é que é isso na sua testa? – perguntou Lalau de repente.

– Nada – apressou-se a dizer Harry, achatando os cabelos em cima da cicatriz. Se os funcionários do Ministério da Magia estivessem à sua procura, ele não ia facilitar a vida deles.

– Qual é o seu nome? – insistiu Lalau.

– Neville Longbotton – respondeu Harry com o primeiro nome que lhe veio à cabeça. – Então... este ônibus – emendou ele depressa na esperança de desviar a atenção do rapaz –, você disse que vai a qualquer lugar?

- Ei – se interrompeu Neville – eu sou o Neville Longbotton, você estava usando meu nome por aí?

- Desculpa, mate – respondeu Harry – foi o primeiro nome que pensei. O que é ótimo, significa que eu te considero muito.

O Longbotton mais novo respondeu que estava tudo bem, ao mesmo tempo que corava e soltava uma risadinha. O garoto continuou a ler, mas estava pensando que era ótimo ser uma das pessoas que Harry Potter se importa e confia, ele havia lhe dado a missão de matar a cobra, afinal.

– Isso aí – respondeu Lalau orgulhoso –, qualquer lugar que você queira desde que seja em terra. É imprestável debaixo da água. Aqui – disse ele outra vez desconfiado –, você fez sinal para a gente parar, não fez? Esticou a mão da varinha, não esticou?

– Claro – confirmou Harry depressa. – Escuta aqui, quanto custaria me levar até Londres?

– Onze sicles, mas por quatorze você ganha chocolate quente e por quinze um saco de água quente e uma escova de dentes da cor que você quiser.

Harry remexeu outra vez no malão, tirou a bolsa de dinheiro, e empurrou um ourinho na mão de Lalau. Ele e o rapaz então ergueram o malão, com a gaiola de Edwiges equilibrada na tampa, e subiram no ônibus.

Não havia lugares para a pessoa sentar; em vez disso havia meia dúzia de estrados de latão ao longo das janelas protegidas por cortinas. Ao lado de cada cama, ardiam velas em suportes, que iluminavam as paredes revestidas de painéis de madeira. Na traseira do ônibus, uma bruxa miúda usando touca de dormir murmurou:

– Agora não, obrigada, estou fazendo uma conserva de lesmas. – E voltou a adormecer.

– Você fica com essa aí – cochichou Lalau, empurrando o malão de Harry para baixo da cama logo atrás do motorista, que se achava sentado em uma cadeira de braços diante do volante. – Este é o nosso motorista, Ernesto Prang. Este aqui é o Neville Longbotton, Ernesto.

Ernesto Prang, um bruxo idoso que usava óculos de grossas lentes, cumprimentou com um aceno de cabeça o novo passageiro, que tornou a achatar nervosamente a franja contra a testa e se sentou na cama.

– Pode mandar ver, Ernesto – disse Lalau, sentando-se na cadeira ao lado do motorista.

Ouviu-se mais um estampido assustador e, no instante seguinte, Harry se sentiu achatado contra a cama, atirado para trás pela velocidade do Nôitibus. Endireitando-se, o menino espiou pela janela escura e viu que agora deslizavam suavemente por uma rua completamente diferente. Lalau observava o rosto surpreso de Harry achando muita graça.

– Era aqui que a gente estava antes de você fazer sinal para o ônibus parar – disse ele. – Onde é que nós estamos, Ernesto? Em algum lugar do País de Gales?

– Hum-hum – respondeu o motorista.

– Como é que os trouxas não ouvem o ônibus? – perguntou Harry.

– Os trouxas! – exclamou Lalau com desdém. – E eles lá escutam direito? E também não enxergam direito. Nunca reparam em nada, não é mesmo?

– É melhor ir acordar Madame Marsh, Lalau – disse Ernesto. – Vamos entrar em Abergavenny dentro de um minuto.

Lalau passou pela cama de Harry e desapareceu por uma estreita escada de madeira. Harry continuou a espiar pela janela, sentindo-se mais nervoso a cada hora. Ernesto não parecia ter dominado o uso do volante. O Nôitibus a toda hora subia na calçada, mas não batia em nada; os fios dos lampiões, as caixas de correio e as latas de lixo saltavam fora do caminho quando o ônibus se aproximava e tornavam à posição anterior depois de ele passar.

Lalau voltou do primeiro andar, seguido de uma bruxa meio esverdeada e embrulhada em uma capa de viagem.

– Chegamos, Madame Marsh – exclamou Lalau alegremente, enquanto Ernesto metia o pé no freio e as camas deslizavam bem uns trinta centímetros para a dianteira do ônibus. Madame Marsh cobriu a boca com um lenço e desceu as escadas, titubeante. Lalau atirou a mala para ela e bateu as portas do ônibus; ouviu-se novo estampido, e o veículo saiu roncando por uma estradinha do interior, fazendo as árvores saltarem de banda.

- Apesar desse vai e vem todo dentro do Nôitibus, o Ernesto ainda dirige melhor que você, Rony – brincou Harry – eles não bateram em árvore nenhuma.

Rony deu uma risada sarcástica e respondeu que o amigo era muito comediante, que deveria usar a fama do nome para conseguir fazer dinheiro na comédia. Hermione apenas mandou os dois calarem a boca e pararem de gracinha.

Harry não teria conseguido dormir mesmo se estivesse viajando em um ônibus que não produzisse tantos estampidos e saltasse um quilômetro e meio de cada vez. Seu estômago deu muitas voltas quando ele tornou a refletir no que iria lhe acontecer, e se os Dursley já teriam conseguido tirar tia Guida do teto.

Lalau abrira um exemplar do Profeta Diário e agora o lia mordendo a língua. Um homem de rosto encovado e cabelos longos e embaraçados piscou devagarinho para Harry em uma grande foto na primeira página. Pareceu-lhe estranhamente familiar.

- Esse é o momento – comentou Harry deixando os do passado confusos – como eu queria ter a câmera do Colin agora pra pegar a reação de todos vocês.

Neville não deixou ninguém fazer alguma pergunta sobre o comentário do amigo, continuando a ler.

– Esse homem! – exclamou Harry, esquecendo-se por um momento dos próprios problemas. – Ele apareceu no noticiário dos trouxas!

Lalau virou para a primeira página e deu uma risadinha.

– Sirius Black – disse, confirmando com a cabeça. – Claro que apareceu no noticiário dos trouxas, Neville, por onde você tem andado?

- Mas o quê? – exclamou Sirius – O que eu estou fazendo na primeira página do Profeta e no noticiário dos trouxas?

E deu uma risadinha de superioridade ao ver o olhar vidrado no rosto de Harry, rasgou a primeira página e entregou-a ao garoto.

– Você devia ler mais jornal.

Harry ergueu a página diante da luz e leu:

BLACK AINDA FORAGIDO

- É o quê? – gritou Sirius novamente – Foragido?!

- Se você não ficar quieto – respondeu Snape – nunca saberemos o que você fez que te colocou em Askaban.

- Askaban? – indagou o Black surpreso – Mas por que Askaban?

- Está escrito foragido, Black – respondeu Severus novamente – o que significa que você deveria estar preso mas fugiu. Agora, se você quiser saber: fica quieto!

Sirius Black, provavelmente o condenado de pior fama já preso na fortaleza de Azkaban, continua a escapar da polícia, confirmou hoje o Ministério da Magia.

“Estamos fazendo todo o possível para recapturar Black”, disse o Ministro da Magia, Cornélio Fudge, ouvido esta manhã, “e pedimos à comunidade mágica que se mantenha calma.”

Fudge tem sido criticado por alguns membros da Federação Internacional de Bruxos por ter comunicado a crise ao primeiro-ministro dos trouxas.

“Bem, na realidade, eu tinha que fazer isso ou vocês não sabem?”, comentou Fudge, irritado. “Black é doido. É um perigo para qualquer pessoa que o aborreça, seja bruxo ou trouxa. O primeiro-ministro me garantiu que não revelará a verdadeira identidade de Black. E vamos admitir – quem iria acreditar se ele revelasse?”

Enquanto os trouxas foram informados apenas de que Black está armado (com uma espécie de varinha de metal que os bruxos usam para se matar uns aos outros), a comunidade mágica vive no temor de um massacre como o que ocorreu há doze anos, quando Black matou treze pessoas com um único feitiço.

- Eu fiz o quê? – gritou Sirius – Louco? Matar treze pessoas? Isso é impossível! Eu não faria isso!

O mais velho dos Black começou a chorar dizendo que ele nunca faria aquilo, era impossível. Ele, então olhou para os amigos, ainda chorando, e começou a repetir que nunca faria isso; eles precisavam acreditar nele. Remus e James abraçaram o amigo e toda vez que Sirius dizia que nunca faria isso eles respondia com um “nós sabemos, acreditamos em você, deve ter sido um engano”. Mas Lily não sabia o que era pior: ele ser preso por cometer aqueles crimes, ou ele ser preso injustamente por doze anos.

Regulus não conseguia ver o irmão assim, ele estava desolado com a informação de que passaria doze anos preso em Askaban por ter matado treze pessoas. Ele sabia que o irmão era bom demais para fazer isso, era muito mais provável Regulus matar os treze do que Sirius.

Os outros três não sabiam o que fazer. Alice e Frank sempre gostaram muito do Black, não viam como ele seria capaz de fazer tal atrocidade. Já Severus pensava que ele seria sim capaz de fazer isso, dependendo da situação, se fosse para defender seus amigos; mas por querer?, achava bem difícil.

Os quatro do futuro não sabiam o que fazer, se Padfoot estava assim quando foi acusado de matar treze pessoas, imagina como ele ficará quando for acusado de matar o melhor amigo e Lily? Eles esperaram que Sirius estivesse melhor para que Neville continuasse a ler.

Harry olhou bem dentro dos olhos sombrios de Sirius Black, a única parte do rosto encovado que parecia ter vida. O menino jamais encontrara um vampiro, mas vira fotos nas aulas de Defesa Contra as Artes das Trevas, e Black, com a pele branca como cera, se parecia muito com um.

– Carinha sinistro, não é mesmo? – comentou Lalau, que estivera observando Harry enquanto lia.

– Ele matou treze pessoas? – admirou-se Harry, devolvendo a página a Lalau. – Com um feitiço?

– É isso aí, bem na frente de testemunhas e tudo. Em plena luz do dia. Armou uma confusão do caramba não foi, Ernesto?

– Hum-hum – confirmou Ernesto sombriamente.

Lalau girou a cadeira de braços, cruzou as mãos às costas, a fim de olhar melhor para Harry.

– Black foi um grande partidário de Você-Sabe-Quem – disse ele.

- Oi? – gritou Sirius pela terceira vez – Eu nunca me juntaria a essa ralé! Eu iria preferir morrer do que virar um Comensal da Morte!

Isso é verdade, todos pensaram, o Black nunca se juntaria a Voldemort. Essa foi uma prova de que ele, na verdade, é inocente e foi preso injustamente. Mas o que será que aconteceu para que ele virasse culpado por isso? James e Remus acalmaram o amigo novamente, todos sabiam que Sirius iria preferir morrer do que ir para o lado das trevas.

– De quem, do Voldemort? – disse Harry sem pensar.

Até as espinhas de Lalau ficaram brancas; Ernesto deu tal golpe de direção que uma casa de fazenda inteira teve que saltar para o lado para fugir do ônibus.

– Você ficou maluco? – gritou Lalau. – Pra que foi que você foi dizer o nome dele?

– Desculpe – apressou-se a dizer Harry. – Desculpe, eu... me esqueci...

– Se esqueceu! – exclamou Lalau com a voz fraca. – Caramba, meu coração até desembestou...

– Então... então Black era partidário de Você-Sabe-Quem? – repetiu Harry como se pedisse desculpas.

– Éé – confirmou Lalau, ainda esfregando o peito. – Éé, isso aí. Dizem que era muito chegado ao Você-Sabe-Quem... Em todo o caso, quando o pequeno Harry Potter levou a melhor sobre Você-Sabe-Quem...

- Muito chegado ao Você-Sabe-Quem? – gritou Sirius pela quarta vez; parece que até o fim desse ano ele perde a voz, pensou o irmão. Remus e James, novamente, acalmaram o amigo, dizendo que isso era um absurdo e que nunca aconteceria, portanto ele tinha que se acalmar para que todos conseguissem saber o que havia acontecido.

Harry, nervoso, achatou a franja na testa outra vez.

– ... todos os partidários de Você-Sabe-Quem foram caçados, não foi assim, Ernesto? A maioria deles sacou que estava tudo acabado, Você-Sabe-Quem tinha desaparecido e o pessoal ficou na moita. Mas o Sirius Black, não. Ouvi dizer que ele achou que ia ser o vice quando Você-Sabe-Quem assumisse o poder. Em todo o caso, eles cercaram Black no meio de uma rua cheia de trouxas e o cara puxou a varinha e explodiu metade da rua, atingiu um bruxo e mais uma dúzia de trouxas que estavam no caminho. Uma coisa horrorosa! E sabe o que foi que o Black fez depois? – Lalau continuou num sussurro teatral.

- Ficar ao lado de Voldemort? Matar doze trouxas? – Sirius disse, dessa vez, baixinho, voltando a chorar. O que havia acontecido com ele para que todos pensassem isso dele? Não é possível, ele é tão leal aos amigos, nunca os trairia e o mundo bruxo o coloca como um psicopata louco, amigo de Voldemort, que mata trouxas por diversão? Se ele realmente tivesse virado tal pessoa, ele merecia passar o resto da sua existência em Askaban. Imagina, se tornar tudo aquilo que mais despreza na vida, aquilo que foi motivo para ele ter fugido de casa.

– Quê? – perguntou Harry.

– Deu uma gargalhada. Ficou ali parado dando gargalhadas. E quando chegaram os reforços do Ministério da Magia, ele acompanhou os caras sem a menor reação, rindo de se acabar. Porque ele é maluco, não é, Ernesto? Ele não é maluco?

- Bem – começou Remus abraçado ao amigo que ainda chorava baixinho com a descoberta do que seu eu futuro faria – conhecendo o Sirius, se for uma situação completamente sem noção, do tipo: ele disse um bruxo e doze trouxas, né? – perguntou, recebendo acenos de cabeça como resposta – Então, se esse bruxo fosse na verdade o comensal que fez o feitiço para matar os trouxas, mas desse um jeito de virar a situação contra o Padfoot, ele definitivamente iria começar a rir que nem um louco. Eu já falei para ele parar de rir em situação em que rir pega mal, agora, me diz se ele escutou?

As pessoas do passado pensaram no que Lupin falou, percebendo que Sirius era, sim, meio sem noção que provavelmente riria em uma situação dessas. Já os do passado olhavam chocados para o ex-professor; como ele conseguia fazer teorias tão corretas?

– Se ele ainda não era quando foi para Azkaban, agora é – comentou Ernesto com sua voz arrastada. – Eu preferia estourar os miolos a pisar naquele lugar. Mas acho que é bem feito... depois do que ele aprontou...

– Tiveram uma trabalheira para abafar o caso, não foi, Ernesto? – disse Lalau. – Ele mandou a rua antiga para o espaço e matou todos aqueles trouxas. Que foi mesmo que falaram que tinha acontecido, Ernesto?

– Explosão de gás – resmungou Ernesto.

– E agora ele anda solto por aí – continuou Lalau, examinando mais uma vez a cara encovada de Black na foto do jornal. – Ninguém nunca fugiu de Azkaban antes, não é mesmo, Ernesto? Não sei como foi que ele fez isso. É de apavorar, hein? E olha só, não acho que ele tivesse muita chance contra aqueles guardas de Azkaban, hein, Ernesto?

Ernesto sentiu um arrepio repentino.

– Vamos mudar de assunto, Lalau. Esses guardas de Azkaban me dão até dor de barriga.

Lalau largou o jornal com relutância e Harry se encostou na janela do Nôitibus, sentindo-se pior que nunca. Não podia deixar de imaginar o que Lalau iria contar aos passageiros nas próximas noites... “Você soube o que aconteceu com aquele Harry Potter? Mandou a tia pelos ares! Ele viajou aqui no Nôitibus com a gente, não foi mesmo, Ernesto? Estava tentando se mandar...”

Ele, Harry Potter, tinha infringido as leis dos bruxos igualzinho ao Sirius Black. Fazer tia Guida virar balão seria suficiente para ir parar em Azkaban? Harry não sabia nada sobre a prisão dos bruxos, embora todo mundo que ele já ouvira falar daquele lugar o fizesse no mesmo tom de medo. Hagrid, o guarda-caça de Hogwarts, passara dois meses lá ainda no ano passado. Harry jamais esqueceria a expressão de terror no rosto do amigo quando lhe disseram aonde ia, e Hagrid era uma das pessoas mais corajosas que Harry conhecia.

- Eu acho que homicídio é mais grave do que transformar a tia em balão, Harry – disse Hermione rindo do desespero que o amigo sentia naquele momento. O menino, porém, não conseguiu rir de volta, ainda pensava na reação do padrinho.

O Nôitibus corria pela escuridão, espalhando para todo o lado moitas de plantas, latas de lixo, cabines telefônicas e árvores, e Harry continuava deitado, inquieto e infeliz, em sua cama de penas. Passado algum tempo, Lalau se lembrou de que Harry pagara pelo chocolate quente, mas derramou-o no travesseiro do garoto quando o ônibus passou bruscamente de Anglesea para Aberdeen. Um a um, bruxos e bruxas de roupa de dormir e chinelos desceram dos andares superiores e desembarcaram do ônibus. Todos pareciam satisfeitos de descer.

Finalmente, Harry foi o único passageiro que restou.

– Muito bem, então, Neville – disse Lalau, batendo palmas –, em que lugar de Londres você vai ficar?

– No Beco Diagonal – respondeu Harry.

– É pra já. Segura firme aí...

BANGUE.

E na mesma hora o Nôitibus estava correndo pela rua Charing Cross como uma trovoada. Harry se sentou e ficou observando os edifícios e bancos se espremerem para sair do caminho do veículo. O céu estava um pouquinho mais claro. Ele tentaria passar despercebido por umas duas horas, iria ao Gringotts no instante em que o banco abrisse, depois iria embora – para onde, ele não sabia muito bem.

Ernesto fincou o pé no freio e o Nôitibus parou derrapando diante de um bar pequeno e de aparência malcuidada, o Caldeirão Furado, nos fundos do qual havia a porta mágica para o Beco Diagonal.

– Obrigado – disse Harry a Ernesto.

Ele desceu os degraus com um pulo e ajudou Lalau a descer o malão e a gaiola de Edwiges para a calçada.

– Bem – disse Harry. – Então, tchau!

Mas Lalau não estava prestando atenção. Ainda parado à porta do ônibus, arregalava os olhos para a entrada sombria do Caldeirão Furado.

– Ah, aí está você, Harry – exclamou uma voz.

Antes que Harry pudesse se virar, sentiu uma mão segurá-lo pelo ombro. Ao mesmo tempo, Lalau gritou:

– Caramba! Ernesto, corre aqui! Corre aqui!

Harry ergueu a cabeça para o dono da mão em seu ombro e teve a sensação de que um balde de gelo estava virando dentro do seu estômago – desembarcara diante de Cornélio Fudge, o Ministro da Magia em pessoa.

- Ah fodeu – murmurou Regulus – ele queria evitar o ministro que qualquer jeito e ele o encontra assim.

Lalau saltou para a calçada, ao lado deles.

– Que nome foi que o senhor chamou Neville, ministro? – perguntou ele excitado.

Fudge, um homenzinho gorducho, vestindo uma longa capa de risca de giz, parecia enregelado e exausto.

– Neville? – repetiu ele, franzindo a testa. – Este é Harry Potter.

– Eu sabia! – gritou Lalau radiante. – Ernesto! Ernesto! É o Harry Potter! Estou olhando para a cicatriz dele!

– Bem – disse Fudge, irritado –, muito bem, fico satisfeito que o Nôitibus tenha apanhado o Harry, mas ele e eu precisamos entrar no Caldeirão Furado agora...

Fudge aumentou a pressão no ombro de Harry, e o menino sentiu que estava sendo conduzido para o interior do bar. Um vulto curvo segurando uma lanterna apareceu à porta atrás do balcão. Era Tom, o dono encarquilhado e sem dentes do bar-hospedaria.

– O senhor o encontrou, ministro! – exclamou Tom. – Quer alguma coisa para beber? Cerveja? Conhaque?

– Talvez um bule de chá – disse Fudge, que continuava segurando Harry.

Ouviram-se passos que arranhavam o chão e gente ofegante atrás deles, e Lalau e Ernesto apareceram, carregando o malão de Harry e a gaiola de Edwiges, olhando para os lados, excitados.

– Por que é que você não nos disse quem era, hein, Neville? – disse Lalau sorrindo, radiante, para Harry, enquanto o cara de coruja do Ernesto espiava muito interessado por cima do ombro do ajudante.

- Por que não queria ser reconhecido? – disse Alice de saco cheio da maneira como as pessoas se comportavam perto do menino. Harry apenas balança a cabeça em confirmação com a fala da lufana.

– E uma sala reservada, por favor, Tom – pediu Fudge enfaticamente.

– Tchau – disse Harry, infeliz, a Lalau e Ernesto, enquanto Tom encaminhava Fudge, com um gesto, para um corredor que se abria atrás do bar.

– Tchau, Neville! – disse Lalau se retirando.

Fudge conduziu Harry por um corredor estreito, acompanhando a lanterna de Tom, até uma saleta. Tom estalou os dedos, um fogo se materializou na lareira, e, fazendo uma reverência, ele se retirou do aposento.

– Sente-se, Harry – começou Fudge, indicando a poltrona junto à lareira.

Harry obedeceu, sentindo arrepios percorrerem seus braços apesar da lareira acesa. Fudge despiu a capa de risca de giz, atirou-a a um lado, depois suspendeu as calças do seu terno verde-garrafa e se sentou em frente a Harry.

– Eu sou Cornélio Fudge, Harry. Ministro da Magia.

Harry já sabia disso, é claro; vira Fudge antes, mas como estava usando a Capa da Invisibilidade do pai na ocasião, Fudge não devia saber disso.

- É – disse Frank rindo – Acho melhor não contar essa parte para o ministro.

Tom, o dono do bar-hospedaria reapareceu, com um avental por cima do camisão de dormir, trazendo uma bandeja com chá e pãezinhos de minuto. Pousou a bandeja entre Fudge e Harry e saiu, fechando a porta ao passar.

– Muito bem, Harry – disse Fudge, servindo o chá –, não me importo de confessar que você nos deixou preocupadíssimos. Fugir da casa dos seus tios desse jeito! Eu já tinha até começado a pensar... mas você está são e salvo, e isto é o que importa.

Fudge passou manteiga em um pãozinho e empurrou o prato para Harry.

– Coma, Harry, sua cara é de quem não está se aguentando em pé. Agora... Você vai ficar satisfeito em saber que cuidamos do infeliz acidente com a Srta. Guida Dursley. Dois funcionários do Departamento de Reversão de Feitiços Acidentais foram mandados à rua dos Alfeneiros há algumas horas. A Srta. Dursley foi esvaziada e sua memória alterada. Ela não lembra mais nada do acidente. E isto é tudo, não houve danos.

Fudge sorriu para Harry por cima da borda da xícara de chá, como faria um tio examinando um sobrinho querido. Harry, que não conseguia acreditar no que estava ouvindo, abriu a boca para falar, não conseguiu pensar em nada para dizer, e tornou a fechá-la.

– Ah, você está preocupado com a reação dos seus tios? Bom, não vou negar que eles estão muitíssimo aborrecidos, Harry, mas se dispuseram a recebê-lo de volta no próximo verão, desde que você passe em Hogwarts as férias do Natal e da Páscoa.

- Fode-se os Dursley – disse James bravo com a enrolação do ministro – Ele está preocupado com Hogwarts.

A língua de Harry se soltou.

– Eu sempre passo em Hogwarts as férias do Natal e da Páscoa, e não quero nunca mais voltar à rua dos Alfeneiros.

– Vamos, vamos, tenho certeza de que você vai pensar diferente depois que se acalmar – disse Fudge em tom preocupado. – Afinal, eles são sua família, e tenho certeza de que... bem lá no fundo, vocês se querem bem.

- Acho que não – disse Lilian – eles sempre fizeram questão de dizer que Harry não era bem-vindo. Eu, na verdade, quero que eles se explodam e que fiquem bem longe do meu filho.

Não ocorreu a Harry corrigir Fudge. Continuava esperando ouvir o que ia lhe acontecer em seguida.

– Então agora só falta – disse Fudge, passando manteiga em um segundo pãozinho – decidir onde é que você vai passar as duas últimas semanas de férias. Sugiro que alugue um quarto aqui no Caldeirão Furado e...

– Espera aí – falou Harry sem pensar. – E o meu castigo?

Fudge piscou os olhos.

– Castigo?

– Eu desobedeci à lei! – disse Harry. – O decreto que proíbe o uso da magia aos menores!

- Harry, meu filho – disse James – quando a situação já está bem para a gente, não fazemos perguntas que podem a piorar.

- Eu sei, eu sei – respondeu Harry – eu só estava preocupado com a possibilidade de ser expulso.

– Ah, meu caro menino, nós não vamos castigá-lo por uma coisinha à toa como essa! – exclamou Fudge, agitando o pãozinho com impaciência. – Foi um acidente! Nós não mandamos ninguém para Azkaban por fazer a tia virar um balão!

- Foi o que eu disse – fala Hermione rindo.

Mas isto não batia com os contatos que Harry tivera anteriormente com o Ministério da Magia.

– No ano passado, recebi uma notificação oficial só porque um elfo doméstico largou um pudim no chão da casa do meu tio! – disse ele a Fudge, franzindo a testa. – O Ministério da Magia disse que eu seria expulso de Hogwarts se acontecesse mais um caso de magia por lá!

- Harry! – disse James novamente – Se você quisesse tanto ser expulso fizesse mais uns feitiços na Guida e nos Dursley!

A não ser que os olhos de Harry o enganassem, Fudge de repente parecia pouco à vontade.

– As circunstâncias mudam, Harry... Temos que levar em consideração... no clima atual... Com certeza você não quer ser expulso?

– Claro que não – disse Harry.

- Então fica quieto – disse Rony arrancando risadas dos amigos – e para de perguntar o porquê de você não ser expulso!

– Bom, então, por que toda essa agitação? – riu-se Fudge. – Agora coma mais um pãozinho, enquanto vou ver se Tom tem um quarto para você.

Fudge saiu da saleta e Harry ficou observando-o se retirar. Havia alguma coisa muito estranha acontecendo ali. Por que Fudge viera esperá-lo no Caldeirão Furado, se não ia castigá-lo pelo que fizera? E agora, pensando bem, com certeza não era normal um Ministro da Magia se envolver pessoalmente com casos de magia praticada por menores!

- É realmente estranho – disse Lilian – talvez com Sirius foragido, e como eles acham que ele seria capaz de ser um comensal, o que eu não acredito, ele queira ficar de olho para que as pessoas não achem que o “menino que sobreviveu” ficou desprotegido com um “comensal” – Lily fez questão de fazer o sinal das aspas, nunca que Sirius Black seria um Comensal da Morte – perigoso a solta.

Fudge voltou acompanhado de Tom, o dono do bar-hospedaria.

– O quarto onze está livre, Harry – anunciou Fudge. – Acho que você vai ficar muito bem instalado nele. Mas tem uma coisa, e estou certo de que vai compreender... Não quero você passeando pela Londres dos trouxas, certo? Fique no Beco Diagonal. E tem que voltar todos os dias antes do escurecer. Tenho certeza de que vai compreender. Tom vai ficar de olho em você por mim.

– Tudo bem – disse Harry lentamente –, mas por quê...?

– Não queremos perdê-lo outra vez, não é mesmo? – disse Fudge com uma risada calorosa. – Não, não... é melhor sabermos onde é que você anda... quero dizer...

Fudge pigarreou alto e apanhou a capa de risca de giz.

– Bom, vou andando, muito que fazer, sabe...

– Já teve alguma sorte com o Black? – perguntou Harry.

Os dedos de Fudge escorregaram no fecho de prata da capa.

– Que foi que disse? Ah, você ouviu falar... bem, não, ainda não, mas é só uma questão de tempo. Os guardas de Azkaban até hoje não falharam... e nunca os vi tão furiosos.

Fudge estremeceu ligeiramente.

– Então, vou dizendo até logo.

Ele estendeu a mão, e Harry, ao apertá-la, teve uma ideia repentina.

– Ah... ministro? Posso perguntar uma coisa?

– Com toda certeza – disse Fudge com um sorriso.

– Bom, em Hogwarts os alunos do terceiro ano podem visitar Hogsmeade, mas os meus tios não assinaram o formulário de autorização. O senhor acha que poderia?

- Não custa tentar, não é mesmo – brinca Remus rindo da inocência do menino.

Fudge pareceu constrangido.

– Ah – respondeu. – Não, não, sinto muito, Harry, mas não sou seu pai nem seu guardião...

– Mas o senhor é o Ministro da Magia – disse Harry, ansioso. – Se o senhor me desse autorização...

– Não, sinto muito, Harry, mas regras são regras – disse Fudge sem entusiasmo. – Talvez você possa visitar Hogsmeade no ano que vem. De fato, acho melhor você nem ir... é... bem, vou andando. Aproveite a sua estada aqui, Harry.

E com um último sorriso e um aperto de mão, Fudge deixou a saleta. Tom, então, adiantou-se sorridente para Harry.

– Se o senhor quiser me acompanhar, Sr. Potter. Já levei suas coisas para cima...

Harry o seguiu por uma bela escada de madeira até uma porta com uma placa de latão de número onze, que Tom destrancou e abriu para ele.

Dentro havia uma cama muito confortável, uma mobília de carvalho muito lustroso, uma lareira em que o fogo crepitava alegremente e, encarrapitada no alto do armário...

– Edwiges! – exclamou Harry.

A coruja muito branca deu estalinhos com o bico e voou para o braço de Harry.

– Coruja muito inteligente a sua – disse Tom rindo. – Chegou uns cinco minutos depois do senhor. Se precisar de alguma coisa, Sr. Potter, por favor, é só pedir.

Ele fez outra reverência e saiu.

Harry ficou sentado na cama durante muito tempo, acariciando, distraído, as penas de Edwiges. O céu visto pela janela foi mudando rapidamente de um azul-escuro e aveludado para um cinzento metálico e frio, depois, lentamente, para um rosa salpicado de ouro. Harry mal conseguia acreditar que abandonara a rua dos Alfeneiros havia apenas algumas horas, que não fora expulso e que, agora, tinha diante de si duas semanas inteiras sem os Dursley.

- Definição de perfeição – brincou Regulus – duas semanas sem aqueles trouxas.

– Foi uma noite muito estranha, Edwiges – bocejou ele.

E sem nem ao menos tirar os óculos, ele se largou em cima do travesseiro e adormeceu.

- Já são onze e meia. – diz Alice – Vocês querem ir almoçar agora ou vamos ler mais um capítulo antes?

- Não estou com fome agora – disse Sirius desanimado – Acho que podemos ler mais um antes de almoçar.

Ninguém quis contestar o Black, não quando ele estava tão depressivo. Descobrir que fora para Askaban não fazia bem para ninguém, ainda mais tendo uma chance dele ter ido injustamente. Rony pega o livro da mão de Neville e começa:

- Capítulo cinco: O dementador.


Notas Finais


Ois
Não ia postar nos dias 31, mas como hoje é aniversário do Harry, resolvi fazer esse agradinho.
Início do terceiro ano! O melhor livro everrrr!!
Sirius descobrindo que foi preso em Askaban por matar doze trouxas e um bruxo, muito tristinho. Remus consolando o marido e teorizando tudo corretamente, como sempre.
Lilian pensando nos problemas psicológicos que Harry teria desenvolvido por crescer com os Dursley. Btw, isso é um crítica que eu faço em Harry Potter, a pesar de entender o porquê J.K. não foca nesses assuntos. Harry deveria ser extremamente danificado psicologicamente, por tudo que aconteceu com os Dursley e em Hogwarts, mas eu entendo que é um livro para crianças e ler sobre traumas psicológicos é muito dark.
Acho que é isso! Bebam água, lavem as mãos, usem máscara e fiquem em casa.
D


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...