História Uma nova História - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Fillie, Finn Wolfhard, Millie Bobby Brown, Olivia Brown Wolfhard
Visualizações 323
Palavras 1.844
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Se vc não gosta de ler hot não leia esse cap!
E sim, eu me empolguei um pouquinho demais ksks

Boa leitura!!

Capítulo 13 - Surpresa.


Fanfic / Fanfiction Uma nova História - Capítulo 13 - Surpresa.

Assim que a porta do apartamento foi fechada atrás de nos, Thomas me prensou ali e começou a beijar minha boca.

 

Eu sei que não e o certo.

 

Sei que e errado usar uma pessoa pra esquecer a outra, mas eu precisava disso...

 

O rapaz roçava seus lábios aos meus com revoricidade, eu podia sentir o gosto de refrigerante em sua boca, não era um beijo desesperado, era bom. E não, ele não estava me engasgando com a língua dele.

 

Sua língua passeava sutilmente pelo interior da minha boca, aproveitei a deixa pra morder o lábio inferior dele, ele sorriu.

 

Sua mão, que ate então se encontrava em meu rosto, desceu para meu ombro aonde ele abaixou as alças do vestido e desceu seus lábios também me deixando um beijo ali.

 

Eu acariciava seus cabelos enquanto ele distribuía beijos pelo meu pescoço e ombro, sua saliva senti fazia um comichão percorrer todo o meu corpo e a essa altura do campeonato eu não me lembrava de mais ninguém que não fosse ele...

 

Mas também... Vai fazer uns cinco meses que eu não transo com ninguém.

 

-Quer ir pro quarto? – convidei e acabei não contendo um gemido baixo que me obrigou a morder meu próprio lábio inferior, ele riu baixinho contra a minha pele.

 

-O que deu em você ein?! – perguntou voltando a me beijar.

 

Ah meu querido.... Não queira saber.

 

-Eu só quero você, rápido. – falei ofegante, ele riu e concordou.

 

Thomas desceu suas duas mãos ate meu quadril os apertando com força e depois me erguendo pra si. Passei minhas pernas por sua cintura e comecei a beijá-lo com intensidade.

 

Caminhamos comigo em seu colo ate meu quarto e eu podia sentir sua excitação crescendo a cada mordiscada ou chupão que eu deixava em seu pescoço.

 

Abrimos a porta, a janela estava aberta o que fazia o quarto ficar iluminado pela luz da lua e também uma brisa fria nos atingir.

 

Ele me deitou sobre a cama e logo veio pra cima de mim, afastou meus cabelos do meu pescoço e voltou a trabalhar ali.

 

Minha mão foi pra de baixo de sua blusa, ele era sarado e sentir seus músculos e sua pele quente me deixava mais excitada ainda...

 

Quer saber, que tudo se foda, eu quero e esse homem.

 

AGORA!

 

Levantei sua blusa de uma vez só, ele ergueu seus braços me ajudando a tira-la de seu corpo. Aproveitei sua distração e nos girei na cama ficando por cima dele e assumindo o controle.

 

Ele gemeu meu nome quando eu me remexi sobre seu colo, sorri e então mordisquei seu mamilo direito, ele sempre gostou disso...

 

Tho abaixou zíper do meu vestido e eu o passei pelos braços deixando meu busto livre da peça branca. O homem correu os olhos pelo meu corpo semi nu e molhou os lábios os mordendo em seguida.

 

Eu sabia bem o que ele estava pensando...

 

Quando foi que ela ficou assim?

 

-Vai só olhar? – provoquei falando baixinho bem perto do seu ouvido de forma que meu seio esbarrasse contra seu rosto.

 

Ele não respondeu, apenas me virou na cama de uma vez só. O garoto arrebentou o feixe frontal do meu sitiam e o jogou pra longe.

 

Era isso uma das coisas que eu mais gostava nele... Thomas Hopson não tinha nada de delicado quando o assunto era sexo.

 

O garoto agarrou um dos meus mamilos com os dedos e o apertou com força me fazendo me contorcer de prazer em baixo dele... Ele sorriu ao ver o que me causava e colocou meu outro mamilo dentro de sua boca o chupando com força.

 

-Hmm, Thomas... – gemi perdida nas caricias dele. – Isso... Ah..

 

-Vou te fazer ter um orgasmo antes mesmo de entrar em você... – disse me causando arrepios.

 

E la foi ele... Me levando a loucura e me fazendo esquecer de qualquer coisa que tivesse me deixado triste hoje.

 

Ele apertava meus seios um contra o outro enquanto tentava dar atenção igual com a língua para ambos.

 

Eu estava nas nuvens, ate revirando os olhos de tanto prazer que ele me causava.

 

-Aahh... – Gemi alto ao sentir o orgasmo me atingindo em cheio, ele sorriu contra meu seio mas não parou, pelo contrario, mordeu meu mamilo me dando mais prazer ainda.

 

-Eu não disse... – disse ele satisfeito enquanto vinha me beijar.

 

-Agora e sua vez... – anunciei e o girei na cama, eu ainda recuperava o meu fôlego.

 

O garoto estremeceu quando eu segurei seu pênis ainda por cima da calça. Desabotoei a peça e então ele se levantou um pouco a tirando do seu corpo já junto com a cueca.

 

Ele estava tão excitados que seu membro saltou pra fora na hora que ele tirou a roupa intima, aproveitei a deixa e me livrei de vez do vestido ficando apenas de calcinha.

 

Voltamos pra cama e eu beijei a boca dele enquanto me esfregava contra ele. Meus beijos desceram pela sua mandíbula, queixo, pescoço, peito, barriga e então eu cheguei aonde eu queria...

 

Lambi apenas a cabecinha sentindo o gosto de seu pré gozo, que escorria por toda a sua extensão, enquanto o ouvia suspirar.

 

-Olivia... – sorri.

 

-Quer que eu pare? – perguntei me levantando dali, ele arregalou os olhos.

 

-Não! – logo disse, sorri e me agachei outra vez.

 

Abocanhei tudo o que eu conseguia e comecei a fazer movimentos de vai e vem, descendo e subindo, ele segurou meus cabelos com suas mãos me auxiliando na velocidade que ele gostava.

 

Rápido... Muito rápido...

 

Mas eu gostava de torturado um pouquinho, então parava de vez em quando pra dar algumas chupadelas e lambidas.

 

Suas veias já pulsavam em meu lábios e eu via que ele estava próximo de gozar, então parei o que fazia e ele entendeu pois logo tratou de me puxar pra cima dele e me beijar enquanto tirava minha calcinha do meu corpo.

 

Me encaixei contra seu membro e sentei de uma vez só. Não foi difícil o fazer entrar já que eu estava muito excitada e molhada também.

 

-puta que pariu... – murmurou ele enquanto eu começava a me remexer ali.

 

Suas mãos apertaram minha bunda e ele escondeu o rosto entre meus seios enquanto eu subia e descia ali.

 

-Fica de quatro pra mim, vai... – pediu ao pé do meu ouvido, sorri.

 

Assenti e sai de cima dele me posicionando na cama, essa era a posição favorita dele...

 

Thomas me preencheu de uma vez só, estocando com força pra dentro de mim e me fazendo gemer alto.

 

-Hmm... Thomas...

 

-Gostosa... – disse ele enquanto estocava com cada vez mais força e rapidez pra dentro de mim.

 

Eu já não mandava nos gemidos que saiam da minha boca e ele soltava alguns também. Gritei quando senti um tapa atingindo minha bunda.

 

Aquilo foi meu fim... Gritei alto e então senti o meu segundo orgasmo da noite atingindo, bem mais forte e duradouro agora.

 

Thomas estocou mais uma vez e então seu gozo foi jorrado dentro de mim e escorreu pelas minhas pernas.

 

Ele beijou minhas costas e então saiu de dentro de mim se deitando na cama. Fiz o mesmo... Eu estava exausta.

 

Nenhum de nos dois disse nada... Não conseguíamos.

 

Apenas nos abraçamos e então o sono veio.

 

Acordei com batidas insistentes na porta, quem era? Maxon e May me ligaria caso fossem eles... As meninas devem estar desmaiada uma hora dessas...

 

Ignorei mas a pessoa continuava batendo sem parar. Bufei enraivecida e me levantei pegando a camiseta de Thomas e minha calcinha. As vesti com pressa e passei as mãos pelos meus cabelos tentando os domar.

 

Estava com o meio das pernas dolorida e os seios também mas ok... Caminhei ate a porta e a abri sem nem perguntar quem era, não estava de bom humor.

 

Fiquei com menos humor ainda quando vi quem estava ali, me encarando de cima a baixo...

 

- O que esta fazendo aqui? – perguntei seria, ele engoliu a seco e tirou os olhos das minhas pernas pra olhar meu rosto.

 

-Eu quero conversar, podemos? – Mike perguntou, revirei os olhos.

 

-Não tenho nada pra conversar com você, Michael. Agora se me da licença... – comecei a fechar a porta mas ele a segurou impedindo que eu fizesse isso.

 

-Eu sei que você ouviu tudo, Olivia. Nada daquilo e verdade, e claro que você importou pra mim, claro que você significou, significa e sempre vai significar pra mim. – ele disse invadindo meu apartamento, engoli a seco.

 

-Sai daqui, Michael. – apontei pra porta mas ele negou com a cabeça.

 

-Não ate conversarmos! – disse cruzando os braços.

 

-Eu não quero conversar com você! – falei me esforçando pra não gritar, não queria que Thomas acordasse e visse isso.

 

-Por favor, acredita no que estou falando. – ele se aproximou de mim me segurando pelos ombros, sai de sue toque e o deis as costas.

 

-Eu não tenho que acreditar em nada. Você tem namorada, deveria estar com ela agora e não aqui. – falei sem olhá-lo.

 

-Quando foi que você ficou tão cabeça dura ein? – ele perguntou alto bufando em seguida.

 

-Para de gritar! Eu não to sozinha. – me virei pra ele com a cara fechada.

 

-E eu to vendo... – ele apontou pra camiseta de Thomas que eu usava. – Não acredito que ta ficando com ele. Ele e um idiota, só gosta de quebrar corações... – revirei os olhos.

 

-E eu não pedi sua opinião. – fui seca, ele bufou e revirou os olhos.

 

-Nossa viu... Quer saber, eu já disse o que eu tinha pra dizer. Aquilo não era verdade, nada daquilo, fiquei preocupado com você, mas pelo visto você ta ótima né!? – ele sorriu cínico.

 

-Sim to ótima! A propósito, tenho que te entregar uma coisa. – ele suspendeu as sobrancelhas, caminhei ate o sofá, aonde minha bolsa estava e peguei o cordão dele com a aliança de lá.

 

-Eu fiquei louco atrás disso... Achei que algum bêbado tinha pegado. – ele falou olhando pra jóia na minha mão, sorri cínica.

 

-Me poupe das desculpas, admiti que jogou fora... mas afinal de contas, nunca significou nada né?! Então... não faz diferença. – ele me olhou pasmado.

 

Respirei fundo.

 

Cinco anos com isso no pescoço...

 

Mas era hora de por um ponto final nisso.

 

Tirei o colar do pescoço e juntei ao dele, queria chorar...

 

-Olivia... – ele começou se aproximando de mim.

 

-Pronto. – coloquei as duas jóias em suas mãos. – Jogue os dois fora e nos damos um ponto final de vez nisso. – a lagrima escorreu mas eu a limpei a tempo.

 

-As coisas não tem que ser assim... – começou.

 

-Michael, chega! Vai embora! – falei alto e apontei pra porta fechada. – Vai ficar com a sua namorada, e falar mais um pouco que o seu passado e insignificante, eu to cansada disso! – bufei. – Vai embora, por favor! – ele suspirou.

 

-O que ta acontecendo aqui? – A voz de Thomas ecoou pelo lugar, eu e Michael o encaramos estava usando apenas a calça.

 

-Mike veio buscar uma coisa, já estava indo embora. – falei com os braços cruzados contra o corpo. – Na verdade os dois deveriam ir.

 

Caminhei ate a porta e abri mas foi então que veio a surpresa.

 

 

 

 

– Pai?


Notas Finais


Eita que o Finn chegou na pior hora skskks

Alguém ainda tem esperança pra Milivia???

Primeiro Hot da fic!! usfbdsasfjka fazia tempo que eu não escrevia hot kkk

Comentem!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...