1. Spirit Fanfics >
  2. Uma Paixão (anos 60) - Imagine Jaehyun >
  3. Ensinar uma garota a como obedecer os pais

História Uma Paixão (anos 60) - Imagine Jaehyun - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Oi lindos do meu <3. Sumi mas não morri, okok?

Capítulo 6 - Ensinar uma garota a como obedecer os pais


Assim que as duas garotas entraram na lanchonete, Rafaela e o garoto que elas desconheciam se levantaram para vir na direção deles. A princípio, Nicolle achou que eles iriam cumprimentá-las, mas eles saíram pela porta. A garota achou tudo aquilo um pouco grosseiro, mas vivendo em uma época naquelas, nada mais a surpreendia. 

Assim que ela se sentou na mesa, Barbie* deu um sorrisinho e também deu meia volta. Agora sim, Nicolle estava ficando preocupada, sua amiga nunca recusava comida e um pedido para ir a lanchonete então? Mas quando a viu sair porta afora como se não fosse nada demais, ela teria que fazer algumas perguntas.

- Ahn...jaehyun? O que está acontecendo? 

- Eu pedi para eles saírem - Respondeu o garoto - Queria conversar em particular com você, tem algum problema?

- Eu...Não. Acho que não - Nicolle olhou para os frascos de ketchup e mostarda que estavam sob a mesa - O que quer falar comigo?

(...) Lá fora

- Sabe qual é o problema de gostar dos seus amigos? - Perguntou Bárbara para literalmente o nada - É que você fica idiota, muito mais idiota! Eu não posso acreditar que ele me convenceu a fazer uma coisa dessas...Recusar comida! Onde já se viu?

- Falando sozinha de novo, Barbie*? - Perguntou Rafaela apoiada no murro - É só por algumas horas, depois nós podemos entrar e comer alguma coisa. 

- E porque não fazemos isso agora? - Peguntou o garoto que se nomeou como Luke Ross - Aposto que não tem só essa lanchonete na cidade. 

- Gente que ideia maravilhosa! - Exclamou Bárbara - Luke, você é um gênio!

- Sim, eu sei - Sorriu ele - Então, vamos? 

- Eu não estou certa disso - Rafaela parecia apreensiva - Eu mal te conheço e...

- Rafa, se ele quis entrar no grupo, é porque ele pensa igual a nós. Não podemos ter medo dos nossos similares. Além do mais, ele não me parece uma pessoa má. 

- E como sabe disso? 

- Porque pessoas más não são bonitas - Barbie* pegou a amiga pelo braço - Vamos antes que a sorveteria feche. 

(...) Na lanchonete

- Nicolle...- Jaehyun estava com dificuldade em falar - Eu nem sei como falar isso, mas...Acho que....

- Tem dinheiro para pagar, crianças? - Perguntou a garçonete - Porque se não eu recomendo que saiam antes que eu chame o gerente. 

- Antes de você me interromper com essa sua atitude grosseira - Jaehyun olhou feio para a mulher - Sim, nós temos dinheiro. Acho que mais até do que você tem na sua carteira. Pode se retirar e só volte aqui quando alguém lhe chamar. 

Nicolle estava de boca (abrida kkk) aberta. O garoto nunca fora tão grosseiro como agora. Deixou até mesmo a garçonete constrangida. A mulher apenas revirou os olhos numa tentativa falha de se manter superior e saiu rodando os seus patins, com alguns cardápios nos braços, indo para a mesa mais longe possível. 

- Realmente me desculpe por isso - Respondeu ele agora com o seu tom usual - Mas a julgar, percebi que ela não iria nos deixar ficar aqui, ao menos que alguém me mostrasse controlador. 

- Nossa, você me assustou - Nicolle deu uma risada sem graça - Pensei que você tinha se tornado mais um desses idiotas de plástico.

- Idiota de plástico? - Perguntou ele, confuso - O que é isso?

- Ah, nada de mais - Nicolle parecia envergonhada por falar algo tão pessoal - É só uma coisa que eu inventei para nomear todos os que não pensam fora da caixa. 

- Entendo - Jaehyun sorriu docemente - Gostei, posso chama-los assim também?

- Claro! Fico feliz de que o meu termo possa ter te ajudado - A garota olhou nos olhos do outro - Realmente, muito obrigada. 

(...) 

- Luke, sabe quando eu disse que você era um gênio? - Perguntou Barbie*, ofegante 

- Lembro - Respondeu o garoto - Apoiando suas mãos nos joelhos - Porque?

- Porque agora eu acho que você é uma anta. Não percebeu que estamos apenas rodando o bairro e essa sorveteria nunca chega?

- Eu avisei para não irmos na conversa desse daí - Rafaela, apesar de cansada, fazia uma cara de "eu te avisei" - Agora como vamos voltar para casa?

- Nós não vamos voltar - Luke se apressou em dizer - Vamos de bonde, é mais rápido

- Boa ideia! - Exclamou Barbie* fazendo um gesto para que o bonde que tinha pela rua parasse no ponto - Como não pensei nisso antes?

- Quem é a anta aqui? - Provocou o garoto - Me diga quem é?

- Você por não ter tido essa ideia a muito tempo atrás - Bárbara disse ajudando Rafaela a subir no veículo - falando nisso, você paga, porque eu estou só com o dinheiro do sorvete. 

(...)

Depois que a garçonete (a mesma mal humorada que Jaehyun dera uma bronca) trouxe para eles sanduíches e milk-shakes de baunilha. Os adolescentes logo começaram a conversar sobre assuntos do dia a dia, esquecendo completamente o que o garoto queria dizer a Nicolle, mas ele não havia esquecido, apenas adiado, para que ela ficasse mais confortável. 

Passado algum tempo, quando ele achou que seria a hora certa. Ele parrou de comer e pegou as mãos de Nicolle, a olhando nos olhos. Respirou fundo e começou a falar novamente. 

- Nicolle, o que eu queria te falar era... - Ele foi interrompido novamente por uma risada desdenhosa que invadiu o lugar - Merda...

O coração de Nicolle quase parou de bater no mesmo momento. 

- Olha só quem está por aqui... - Guilherme apontou para que a mãe de Nicolle pudesse ver o que já estavam bem óbvio - Viu tia? Eu falei que eu havia visto ela na rua. 

- Muito obrigada Guilherme - Respondeu a mulher com uma voz ríspida - Agora, se você não se importa, tenho que ensinar uma garota  a como obedecer os pais. 


Notas Finais


VISH MARIA DO CEU


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...