1. Spirit Fanfics >
  2. Uma pequena perda de Inocência >
  3. Quarenta e Sete

História Uma pequena perda de Inocência - Capítulo 49


Escrita por:


Notas do Autor


Não revisado

Capítulo 49 - Quarenta e Sete


Fanfic / Fanfiction Uma pequena perda de Inocência - Capítulo 49 - Quarenta e Sete

•Noite de sexta

A jovem ruiva estava olhando para o teto com algumas colagens de jornais e posters de bandas desgastados na laje em madeira. Sua mão suava e seus pés que estavam fora do colchão balançavam freneticamente.

Ela encontrava-se nervosa, era nítido; contudo presumia que não deveria sentir-se tão amedrontada pelo fato que em alguns minutos iria ver Brooklyn novamente, e a todo custo buscava convencê-se que não deveria estar sentindo aquele tornado de borboletas dentro do seu estômago  pelo simples motivo que seria apenas um encontro casual entre colegas, já que Ellysson estaria presente.

April pegou o celular e tratou de verificar assim que sua amiga Ellysson veio em seus pensamentos — ela não havia dado notícias desde a escola e isso era muito estranho, uma vez que a mesma havia inventado esse encontro.

“Oi, tudo certo para hoje?” 

Apertou em enviar

Sem nenhum sinal de vida da garota, a ruiva caminhou até seu guarda-roupa montessoriano e o revirou sem vontade. Não existia uma peça adequada para aquele momento e… April balançou a cabeça para tratar de interromper seus pensamentos equivocados — passou a mão agarrando uma jardineira jeans acompanhada de uma blusa branca sem detalhes.

Um colar com pedras chamativas retirado, a troca de uma botinha coturno para uma sandália gladiadora horrível, mas que April adora. A garota estava aflita em frente ao espelho — empenhando-se em encontrar mais coisas consideráveis exageradas que poderiam fazer Brooklyn achar que ela arrumou-se toda apenas para aquilo.

Seu celular tocou brevemente e ela imediatamente correu em direção a ele que encontrava-se do outro lado do quarto. Ela o agarrou, em seguida encostou-se na cômoda a fim de ficar mais confortável para ler a mensagem que por um acaso era de Ellysson.

ler a mensagem seguinte da sua amiga foi o suficiente para fazer seu coração parar por um segundo, ou foi isso que ela sentiu que aconteceu em seu peito. Teve sorte que estava apoiada em algo, caso contrário estaria estirada no chão.

— Ellysson sua… — April sussurrou fitando a parede a sua frente sem reação definida. — Como ela pôde fazer isso comigo? Eu não vou… — Disse em voz alta enquanto digitava a mesma coisa.

O celular apitou novamente um minuto depois e na mensagem longa havia vários sermões de Ellys para April. A ruiva digitou uma resposta, no entanto logo desistiu de enviar e largou o aparelho.

Aproximou-se do espelho novamente, respirando profundamente, e enquanto examinava seu reflexo começou a proferir. — Eu consigo, eu consigo! Não é nada tão… assim nossa para eu ficar tão nervosa.. hoje vou fazer mais uma amiga e é apenas isso!

Ajeitou o cabelo, sua roupa uma duas, três vezes antes de resolver sair.

Na porta do TheBurbks as palavras de encorajamento que vinha dizendo para si mesmo durante o percurso não estava mais fazendo efeito — queria fugir, contudo colocou as mãos nos bolsos e entrou com passos vagarosos.

Atravessou a entrada da lanchonete vendo por imediato o rosto de Brooklyn em uma mesa perto de uma máquina de refrigerantes.

Seu chão foi tirado por alguns longos segundos e sua volta parou de existir, apenas a garota em sua frente ganhou foco. 

Ela estava trajando um vestido lilás e uma parte do seu cabelo estava presa no topo de sua cabeça; seus pés tremiam mais que as pernas de April. A garota olhava para os cantos sem pausa e com muita aflição estampada em suas expressões e qualquer um que passava por perto podia sentir sua tensão. Em sua cabeça milhares de paranóias negativas de o porquê teria levado um bolo faziam bagunça.

Contudo Isso mudou quando seu olhar cruzou a entrada. Seus olhos graúdos encontraram um par de olhos verdes protegido por um óculos  redondo logo.

O coração de ambas aceleraram-se de uma forma assustadora e seus ventres se contraíram com nervosismo.

A ruiva fitou o chão e iniciou sua ida até a garota, enquanto Brooklyn esperava sua chegada(que pareceu eterna) com ansiedade.

Chegou perto o suficiente da mesa; Broo levantou o olhar para o rosto sardento da garota. Achava fofo as pintinhas do seu rosto, era como constelações e ela ama os corpos celestes, principalmente as estrelas.

— Oi 

Brooklyn disse sorrindo largo.

— Olá

April proferiu virando a cabeça para o lado com vergonha.

— Pode sentar…

April travou totalmente depois das palavras de Brooklyn, naquele momento parecia ter esquecido como era que se fazia para sentar. — O-o que? — Balbuciou confusa.

— Se sentar… — Ela riu baixo ao entender o que havia acontecido. — Tipo, puxa uma cadeira e depois descansa o bumbum em cima dela! — Explicou rindo de forma modesta.

A garota concordou totalmente desorientada, então sentou-se ligeiramente no assento.

Depois disso um silêncio formou-se entre as duas adolescentes. Brooklyn olhava para April de relance e sorria discretamente; já April olhava para uma cestinha em cima da mesa completamente envergonhada, pois sentia os olhares da garota a sua frente e isso estava fazendo suas bochechas arderem.

— Então… A Allysson não vem? 

A moça de fios rosa perguntou apoiando seu queixo em suas mãos.

— N-não. — April disse. — Teve um probleminha em casa, eu acho! E o nome dela é Ellysson... com E!

Brooklyn levantou as sobrancelhas grossas. 

—Ah, que pena que a Ellysson com E não pôde vim! — indagou mudando a posição do seu rosto, dando ênfase na letra E. — Seria legal conhecer alguma de suas amigas…

— Sim…

O silêncio voltou novamente por alguns poucos minutos.

— Eu preciso ir ao banheiro...

April ajeitou os óculos e saiu caminhando com passos largos e rápidos em direção a uma entrada.

— O que você vai pedir… você vai pedir algo? 

A assim que April Acomodou-se, Brooklyn perguntou folheando o menu.

— Um suco de limão e um sanduíche de queijo com tomates 

Respondeu Harris.

Brooklyn sorriu amplo. — Meu sanduíche preferido. — Disse erguendo o braço para chamar a garçonete.

A mulher aproximou-se segurando uma caneta e um blocos de anotações. Fitou sua colega de trabalho e sua companhia de forma indiscreta antes de perguntar o que as duas iriam pedir. April abaixou a cabeça e Brooklyn foi quem se atreveu a falar.

— Vamos querer dois sanduíches de queijo com tomates, um suco de limão e um suco de manga… — Disse sem tirar os olhos da lista. Seu dedo indicador descia pela folha plastificada, enquanto lia a seção de sucos mentalmente. — Se não tiver manga, pode substituir por um suco de goiaba com leite ou maracujá. — Finalizou fechando o cardápio e o colocando embaixo dos seus cotovelos.

A noite estava úmida e os pequenos escassos flocos de gelo caiam lentamente sobre os casacos das duas garotas silenciosas que caminhavam lado a lado na calçada.

— O que você quer fazer agora?

Brooklyn escutou a voz falha e logo olhou para a pessoa ao seu lado tentando esconder o espanto. Ela vinha tentando puxar assunto durante todo tempo, contudo sempre terminava em uma resposta fechada. April havia falado sem a garota ter feitos perguntas ou algo do tipo, e os pensamentos de sua companhia diziam que esse momento era merecedor de ser eternizado com um feriado.

— Eu não se… — Parou quando lembrou de um lugar; seus olhos brilharam e um sorriso extenso brotou em seus lábios. — Vamos! — Segurou na mão de April e saiu a puxando com pressa.

— Aonde vamos? 

Harris perguntou assustada.

— Você verá quando chegar lá.

 Respondeu a olhando rápido.

— Não vale olhar!

Brooklyn girou a garota antes que ela pudesse olhar o que estava a sua frente.

— Feche os olhos e não se mova ou faça movimentos bruscos. — A dona da surpresa pediu indo com um sorrisinho para as costas da ruiva. — Ok! — Aproximou-se lentamente fazendo April desconfiar.

— Brooklyn?

Ela teve a primeira brilhante ideia de cobrir os olhos da garota imóvel lá, no entanto lembrou-se dos óculos e bufou com decepção. A única solução era pedir para April continuar com os olhos fechados, já que não sabia se a mesma podia ver sem aquelas lentes.

— Pode olhar!

— Um parque? 

April indagou dando um passo para frente.

— Não! — Brooklyn a alcançou. — É um quintal abandonado. — Corrigiu.

— É você invadiu uma propriedade?

Olhou para ela com as sobrancelhas arqueadas. A garota de fios rosa apenas deu de ombros.

— Vem comigo!  

Colocou-se à frente do corpo da ruiva, a olhou nos olhos e agarrou suas duas mãos antes de iniciar uma caminhada segurando apenas uma única mão, novamente.

— Você adora me puxar. 

April comentou

— E você parece ter recuperado sua voz!

 Retrucou rindo.

Brooklyn cessou os passos, o que acabou fazendo April fazer o mesmo.

— Meu balanço mágico. — Olhou para a sardenta e em seguida saiu correndo até um balanço feito com madeira e correntes de ferro. 

— Eu que fiz! — Empolgou-se enquanto sentava segurando nas cordas. — Venha cá, não seja tímida! — Sorriu.

April olhou para os lados antes de resolver se juntar. Retirou toda a sujeira do banco primeiramente.

— Aliás, sua apresentação foi incrível!

Olhou para o rosto angelical. 

— Obrigada… muito importante para mim! — Desviou sua atenção para o céu e pegou impulso com os pés para fazer seu lugar no balanço sair do lugar. — Meu pai recebeu algumas críticas “construtivas” — Usou os dedos para fazer aspas. — sobre ela que me deixaram puta, mas tudo bem! — Sorriu. 

— Sinto muito… eu achei perfeita… cada detalhe! 

Seus olhos voltaram para a ruiva e eles brilhavam mais que a lua em noites sem luz elétrica. Eles desviaram novamente para o céu e April passou a fitá-la com curiosidade, desejando saber onde seus pensamentos encontravam-se naquele instante. 

Brooklyn olhou para o chão soltando uma risadinha abafada e em seguida voltou-se para a garota ao seu lado. — Quer saber no que estou pensando? — Perguntou a olhando diretamente nos olhos, como sempre costuma fazer. 

April assustou-se virando a cabeça rapidamente para frente, envergonhada. 

“Estava tão evidente assim?” Pensou. 

Brooklyn riu novamente antes de continuar. — Eu estava me imaginando em Paris na época natalina... — Levantou-se mantendo seu olhar fixo no nada. — Andando pela cidade da luz. — Suspirou sorrindo amplo fechando os olhos. — Dançando como nunca!

— Consigo imaginar!

April disse a observando novamente.

Momento seguinte a garota retornou para o mundo real soltando um suspiro deprimido. — Sonhos! — Balançou a cabeça entortando os lábios. — Eles são muito bons para sair da realidade, mas você não deve se apegar muito… eles enganam muito bem!

April abriu a boca para falar algo encorajador, contudo foi interrompida por Brooklyn. — Qual o lugar você gostaria de conhecer um dia? — Indagou virando de frente para ela. 

April apertou os lábios para procurar algo em sua mente. — Eu não sei! — respondeu erguendo os ombros.

— Não! Impossível! — Brooklyn riu passando o cabelo para atrás das orelhas. — Como não sabe? — Perguntou espantada. 

April ergueu as sobrancelhas. — Eu não sei… nunca parei para pensar nisso! — Respondeu em meio de risadas curtas.

— Ok, ok. — A garota com cabelo rosado disse de forma fofa movendo suas mãos. — Você pode ir comigo para Paris! — Sugeriu sorrindo amplo. 

— Eu adoraria! 

Gesticulou sorrindo com os lábios unidos, transmitindo todo o que estava sentindo através do olhar. 

A expressão no rosto de Brooklyn mostrava sua surpresa, como se não estivesse acreditando no que ouviu. 

— Sério? — Questionou com os olhos esbugalhados. — Claro que é sério! — Sussurrou para si mesma. — Eu acredito em você, mas para ter certeza… v-você tem que fazer um juramento! — Avisou enrugados a testa, dando uma leve mexida na cabeça. 

— Onde eu assino? 

April perguntou olhando em volta.

Brooklyn riu. — Que tal um juramento com os dedos mindinho? — Disse com expectativas. — Tudo bem por você? 

April ergueu os ombros. — Tudo! 

Brooklyn chocou as mãos de forma sutil. — Ok! — Suspirou, em seguida concedeu três passos até April. — Suas mãos! — Pediu levando suas duas mãos até de encontro com a garota. 

Harris olhou para as mãos a sua frente e depois para a dona dela e logo após segurou firme e Brooklyn a puxou sendo cuidadosa. As duas ficaram frente a frente. 

— Tudo bem! — Brooklyn olhou para chão antes de continuar. Voltou a olhar olhar para o rosto sardento e abaixou todos os dedos, deixando permanecer erguido apenas o mindinho. — É só enganchar o seu dedo aqui e a promessa estará feita! — Explicou. 

April observou por poucos segundos antes de fazer o que ela disse. — Pronto! — Sorriu com satisfação. 

A garota de cabelos médio deu um pulinho de alegria e logo depois pulou no pescoço da ruiva a sua frente, oferecendo um abraço aconchegante, o melhor abraço de suas vidas. — A gente tem uma promessa juntas! — Brooklyn disse baixo soltando April aos poucos. 

Seus rostos permaneceram próximos e seus olhos encontraram-se com ainda mais intensidade do que os encontros anteriores. As duas já não estavam conseguindo conter os impulsos de suas vontades; o corpo de April negava obedecer suas investidas falsas para evitar aquilo, pois era nítido o quanto desejava.

Suas respirações saiam simultaneamente aceleradas, do mesmo modo que encontravam-se seus batimentos cardíacos conforme seus lábios iam ficando mais próximos. 

April fechou os olhos lentamente quando seus lábios já estavam perto o suficiente para iniciar o beijo. Brooklyn a admirou por um curto espaço de tempo enquanto as pontas gélidas de seus dedos a tocavam suavemente nos braços, causando um pequeno choque nas duas. Depois suas mãos estenderam-se até o pescoço da ruiva, parando lá e só então cerrou seus olhos também. 

Assim que seus lábios quentes encostaram-se, uma vibração entre as duas acabou causando um susto, fazendo um afastamento súbito acontecer. Brooklyn sorriu sem graça e colocou a mão no bolso de seu sobretudo, retirando um celular acesso. 

— É meu pai, eu preciso atender. — Disse olhando para o celular. — Eu já volto! — Avisou arrastando o dedo na tela do aparelho, em seguida afastou-se com ele no ouvido. 

April soltou todo o ar de seu pulmão, descansando a mão em seu peito. Não podia acreditar no que acabara de quase acontecer, estava assustada e totalmente nervosa.

— Eu preciso ir! 

Brooklyn olhou para April.

— Tudo bem! 

April afirmou com a cabeça evitando a todo momento olhar para a garota em sua frente. 

— Tchau!

— Tchau.

Brooklyn acenou com um sorriso sem ânimo e logo após saiu deixando o aroma de seu perfume para trás.


Notas Finais


Obrigada por ter lido 🥰🖤🍒


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...