História Uma promessa - Jackson Wang - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Black Pink, Got7, UNIQ
Personagens Jackson, J-hope, Rosé, Zhou Yi Xuan
Tags Drama, Jackson Wang, Romance
Visualizações 208
Palavras 1.502
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Reencontro


Fanfic / Fanfiction Uma promessa - Jackson Wang - Capítulo 2 - Reencontro

Senti algo ser jogado em cima de mim, abri os olhos vendo meu irmão deitado em cima de minhas pernas.

 — Acorde maninha!  — dei um tapa em sua cabeça fazendo-o rir. 

 — Gege! Me deixa aqui.    digo manhosa, fazendo-o me puxar para fora da cama.   Yixuan!    grito seu nome, fazendo minha mãe entrar no quarto correndo.

 — Ah! Menina não grite assim, pensei no pior!    exclamou a mais velha saindo, me fazendo soltar uma gargalhada na companhia de meu irmão.

Yixuan é o melhor irmão que eu podia ter, mas às vezes comete gafes que  não da para perdoar. Ele me ajuda muito, quando Jack foi embora, ele foi o único que ficou em meu lado, que veio atrás para saber como que eu me sentia.

 — Gege! É hoje que irá ver o emprego?   pergunto fazendo ô mais velho me colocar no chão. 

 — É! — respondeu desanimado. Fazendo-me olhar em seus olhos.

 — Ei! Você vai conseguir, eu estou aqui torcendo por você.    exclamo abraçando o chato de meu irmão.  Lembra que me prometeu que iriamos, na muralha quando conseguisse esse emprego?   questionei fazendo-o me soltar.

 — É por isso! que está aqui, dizendo que irei conseguir. Sua interesseira!    me virei de costa para o mais velho fazendo-o me puxar.   Yuga! Não acredito que irá chorar com isso!   riu me abraçando.  Mèi mèi! Sua boba.  beijou minha bochecha, arrancando-me um riso.

 — Sou boba mesmo!    digo fazendo beicinho.   Eu tenho coração. 

 — Me lembro disso! Não precisa ficar falando.   Agora vá tomar um banho! você está, toda suada.   fez uma cara engraçada que não aguentei e ri de sua cara. 

 — Como tenho um Gege chato.   digo correndo para o banheiro. 

                            **

Depois de pensar tanto no banho, saí do banheiro pegando um vestido rodado que  minha mu qīn fez, ela costura tão bem. Minha mãe, se sairia bem no mundo da moda. Mas a senhora Wang fala que é melhor ela nem tentar que não conseguiria sair do lugar. Às vezes; me da vontade de falar algumas coisas para a senhora Wang, prefiro que ela fala de mim do que de minha mãe, já peguei ela dando uma bolsada nas costas de minha mu qīn isso me irritou, mas sempre que tento enfrentá-la nada saí de minha boca. 

 — Yuga! Filha quando estiver pronta vai tomar café. Teremos um dia cheio!    disse minha mu qīn, penteando meu cabelo.    Temos que cortá-lo. Segurou as pontas me mostrando-o. Realmente tenho que cortá-lo. 

 — Ok! Mu qīn.    dou um beijo em sua bochecha fazendo a mais velha sorrir.

 — Estou na mansão!  disse caminhando até a porta. 

   Mu qīn!    lhe chamo.  O Gege já saíu?     pergunto fazendo-a negar.

 — Está ajudando seu pai lavar o carro.  

 —  O senhor Wang já vai sair?   digo fazendo-a negar. 

   Não! Hoje ele ficará.    saíu me deixando sozinha. Me sentei na cama. 

 — É hoje que terei que aguentar, ele reclamar de tudo que faço!   exclamo para mim mesmo. 

Não gosto de ficar perto do senhor Wang, ele me olha de um jeito que não sei explicar, me da medo. Lembro que uma vez ele me viu tomar banho e ficou sorrindo a minha reação foi sair correndo pelada do banheiro e me esconder de baixo da minha cama. Depois disso ele acariciava meu rosto sorria sem motivo para mim, e até passava a mão em minhas coxas suas atidudes me dava nojo. É horrível eu me sentia mal em cada toque dele. 

Yixuan já me falou para tomar cuidado com cada um desses homens. Ele me explicou um pouco sobre sexo, é claro que fiquei com vergonha. Afinal nunca fiz. Meu irmão é namorador se deixar todas as garotas do bairro vem aqui procurá-lo. 

                            **

 Fui até a mansão dos Wang's estava silênciosa como sempre. Ao entrar na cozinha vi minha mãe escorrendo macarrão. 

  — Carbonara?  —  perguntei fazendo a mais velha se assustar. — Irá fazer carbonara?

  — É!  —  disse desfiando olhar para o fogão.

  — Ele já está chegando?   —  pergunto fazendo a mais velha se aproximar de mim.

  — Yuga filha! A senhora Wang me pediu para não deixar você aqui no almoço.   

  — Ok! Irei ficar em casa. — digo sorrindo fraco para minha mu qīn.   —  Cadê o meu fù qīn?   

  — Foi buscar ele no aeroporto!  — me sentei na mesa ficando em sua frente.   — Desça dessa mesa se a senhora Wang entrar aqui e vê-la, ai em cima, é capaz de arrancar seus cabelos. 

Desci da mesa revirando os olhos. Caminhei para fora daquela cozinha imensa até o jardim que logo vi o Hope cuitando das flores rio ao ver o coreano se assustar com uma abelha.  

  — Hope! Para que tudo isso.   —  digo correndo até ele. 

  — Yuga! Esse bicho é chato.   — exclamou ofegante. Fazendo-me rir.

  — Você que mexeu com ela!  —  exclamo, fazendo o coreano, me olhar fingindo está ofendido. 

  — Você fala como se viu!  — me olhou tocando em meus ombros. — Tá! Quer me ajudar?   —  questionou me fazendo sorrir.   —  Levarei esse sorriso como um sim.

Gosto de conversar com o Hope ele é legal, e me faz rir. Ele saíu da coreia para cuidar de sua tia que  está doente ela viajava alguns países para vender alguns acessórios femininos, e acabou sendo atropelada aqui em Hong Kong ficando de cadeira de rodas. 

  — E sua tia está melhor?   —  pergunto fazendo-o suspirar.

  — Ela está bem, ontem não sofreu nem uma crise!   —  respondeu fazendo-me sorrir. 

  — Espero que o tratamento começe logo. — exclamo acariciando um de seus ombros. 

  — Também espero! Yuga. Mas agora vamos arrumar essas flores que estão feias!   — disse apontando para uma flor murcha. 

Começamos arrumar as flores Hope tentou ligar a mangueira mas estava difícil começei a rir de suas caras e bocas ao tentar liga-la. Quando ia ajudá-lo sentir um jato de água em minha barriga. 

  — Oh, desculpa Yuga! Me desculpa eu não queria fazer isso.  —  o seu desespero me fez rir. 

Largou a mangueira me fazendo pegá-la.

  — Hope!  —  gritei o seu apelido fazendo-o me olhar, coloquei dois dedos na frente do jato fazendo ir de encontro com o seu rosto. Ri da cara do rapaz que estava de olhos fechados.  — Desculpa! Foi porque eu quis! — digo fazendo o rapaz sorrir.

  — Corre Yuga! Corre. — disse me fazendo soltar a mangueira e sair correndo  em volta de uma fonte de pedra.   — Você vai ver, disse jogando um pouco da água em mim.

Tentei correr mas meus pés que estavam descalços perderam as forças fazendo-me cair no chão hope riu, e se deitou ao meu lado. Começamos a rir.

  — Tudo isso é culpa sua!   —  exclamo ofegante fazendo o coreano se virar de lado para me encarar.

  — Minha? Foi um acidente e você que continuou!  —  sorriu, me olhando de mais.   — Yuga! Eu preciso te dizer uma coisa. 

  — Diga!  —  tento me levantar mas o rapaz se coloca por cima de mim.  — Hope! Pode sair  de cima de mim? — exclamo assustada com o seu ato.

  — Yuga! Eu quero dizer que estou.... 

  — O quê é isso?  —  perguntou o senhor Wang me fazendo, empurrar o rapaz para o lado. Me levantando em seguida. 

  — Senhor Wang! Não é nada disso que está pensando. — exclamo olhando o rapaz ao seu lado que olhava-me sério. 

  — O seu pai sabe do namoro? —  perguntou o senhor sorrindo fazendo-me arregalar os olhos. 

  — Não!  — grito fazendo o senhor Wang me olhar em reprovação. — Me desculpa! Mas não estou namorando. — digo sentindo minhas bochechas esquentarem.

  — Vamos! —  disse Jack colocando sua mão no ombro do pai.  — Quero ver  minha mu qīn!   

Jack me olhou, porém não foi como antes, foi um olhar que fez meus olhos lácrimejarem, e o coração doer. Saíu sem olhar para trás, na companhia de seu pai. Sentir uma mão em meu ombro olhei para o lado vendo hope sorrir fraco.

  — Tenho que ir hope!  —  exclamo baixo para o rapaz que me entrega as sandálias. — Obrigado! — sorrio para o rapaz.   —  Tchau!   

                         **

Ao chegar em casa procuro por Yixuan mas não tenho resposta, só queria ele aqui agora para chorar em seus braços. Me contento deitando na cama, abraçando um urso que Jack me deu no último passeio que tivemos. 

Me lembro que ele, estava sorrindo para tudo e para todos nesse dia, ele cantava e dançava comigo naquela praça. Eu penguntava para ele qual era o motivo dos seus sorrisos, mas Jack só dizia que eu iria descobri o mesmo sentimento e ele seria o motivo dos meus sorrisos. 

  — Eu não queria! Que fosse assim o nosso reencontro.— exclamo entre os soluços para mim mesma.








Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...