1. Spirit Fanfics >
  2. Uma punição errada >
  3. Prólogo

História Uma punição errada - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Prólogo


°》Estam preparados crianças?

°》Para uma grande aventura?

°》Estam preparados para LEMOM HOT?

°》Estam preparados para sangramentos nasais com fofuras e mmmmmuuuuiiiiitttttoooo mais?



Para os que não gostam, não vejam; os que não acreditam são os perdedores de suas vidas; se pensa que é mentira é fraco (que ainda precisam de versos que vem de um livro fantasioso). Não preciso citar quem ganhou nessa história.

Vamos começa com:



PASSADO


" - Com muito custo voltei para a mansão, o que não esperava era receber uma recepção calorosa de uma criança tão mimada ao lado do cientista que não parava de mimar aquele...."

" - E tudo começa acontecer novamente, dia atrás dia sem parar, não existir descanso quando sua sombra te assustar......"

" - Nem tudo termina triste o alegre, apenas termina e nem percebemos....."

" - Cortesia, apenas por cortesia que estou aqui, não sou da família e nunca serei amigo de ninguém....."



~~~~~~~<<<☆☆☆>>>~~~~~~~~



PRESENTE 


– Agradeço a todos por comparecerem a este recinto! - sentou -se na cadeira, no centro da sala estava o famoso 'caos' do universo sete, acorrentado e cercado por guardas — Como bem sabem nós reunirmos aqui para cumprir as leis e punir o demônio Bill Cipher por todos seus crimes, Cipher declare sua inocência!

– Bom.....Vejamos, destruí minha dimensão, criei um Weirmageddon na Terra, quase te matei, tive o poder da matéria e outros, dominei outras galáxias. - ele contava seus feitos indicando com os dedos, falou alguns dos seus crimes cometidos no passado porém não com detalhes por completo – Acho que só? Tem mais algo que eu tenha esquecido?!

– Não seja um hipócrita! - esmurrou a mesa e sua áurea se intensifica em uma sombra negra – Se defenda por teus erros ou serei obrigado a manda-lo para morrer!

— E o que te importa se eu morrer? Acaso não era por isso que eu fui caçado por todos esses anos para morrer?! - exclamou com fúria, para ele o Bebê do Tempo era o hipócrita.

– Senhores do júri o que aconteceu depois do ataque do Weirmageddon? - Ignorou as próximas perguntas do Cipher.

– A cidade de Gravity Falls foi destruída e uma grande parte dos cidadãos foram mortos. Quem reconstruiu o lugar foram a família Pines, os próprios que derrotaram Bill! - Em claro e em bom tom os vinte e quatro seres do júri falam sincronizados formando uma única voz.

– Ora, ora, ora, quem diria não é mesmo Cipher?! O grande Bill Cipher derrotado por humanos, aqueles que tanto você odeia te derrotaram! - Debocha do demônio, não se importou se o Cipher estava vermelho de raiva – E o como estão na atualidade? Suas vidas financeiras como estão?!

– Estão protegidos e a cidade nunca fora tão pacífica como é agora, sua condição não está boa. Tempos difícil vieram para a família Pines, acreditamos que a morte rodará por eles! - Novamente o júri impõe sua voz, o que faz um grande na sala.

– Há há há há - Riu alto - Receberam um preso por terem me humilhado, por quanto tempo iriam joga na minha face minha derrota?! - Disse sem se importa com a probabilidade de mortes.

– Não sei por quê não me impressiono com sua frieza!? - Deu um suspiro, frustrado pelas atitudes do réu – Até agora você não se defendeu, não reclame se você não esta levando a sério seu próprio julgamento!

– Em minha defesa, apenas queria construí meu mundo na Terra e único jeito para isso era exterminar os humanos! - Falou inocente como se nunca tivesse massacrado cidades ou planetas, o que no seu caso inocência era uma piada bem contada.

– A mesma história de tantos outros... - Esfregou suas temporãs evitando uma dor de cabeça – Como o réu não declarou muito sua defesa, alguma testemunha veio para ajudá-lo?

– Sim e a testemunha é a mãe adotiva do réu Cipher. - Os vinte e quatro seres se levantam de suas cadeiras –Peço que ele compareça para depor a favor do réu!

Mal as portas se abrem e uma pessoa corre como se estivesse preste a perder seu tesouro. Era engraçado, porém não era o momento para piadas, a pessoa carregava na cabeça uma sacola e o que lhe permitia enxerga era os óculos que tinha por cima da sacola, tinha pequenas curvas que lembravam uma mulher só que sua voz quebrava essa ideia.

– Por favor, vim ajudar meu filho! Ele é inocente! - Parou no limite que era permitido de se aproximar do réu – Senhor juiz deve considerar todos seus feitos da atualidade, acredito que já foram pagos uma parte de seus crimes?!

– Já disse que não sou seu filho sua vadia, acha mesmo que lhe chamava de mãe era por quê te queria?! Não se engane, sentia raiva em lhe chama de uma coisa que você nunca foi pra mim, você nem é uma mulher! É apenas um homem com vontade de....

– SILÊNCIO CIPHER! - O barulho do martelo sendo batido na mesa corta a fala do demônio – Ele pagou os menores delitos, queremos puni-lo por seus grandes crimes. Assassinatos em grande massa, destruição de planetas e o principal, seus acordos!

Nem todas as mães eram piedosas, algumas deixavam seus filhos sofrerem para terem sua lição merecida. Mas essa, mesmo sendo homem gostava ser chamado de mãe, ele tomava o papel melhor do que algumas. Não se sabe como, mas ele conseguiu passar pelos guardas e se ajoelhou. Definitivamente, ele cumpria com perfeição ou por pura idiotice o papel de mãe.

– Peço que o júri junto com vossa Excelência vejam os dois possíveis futuros que meu filho poderia ter! - Pedi em meio a lágrimas que molhava sua sacola, sua armadura para esconder seu pior segredo: sua face deformada molhada por sua imensa tristeza pelas duras palavras ditas por seu filho. – Vossa Excelência o meu depoimento está no dois tipos diferentes do futuro que meu filho poder ter e eu peço isso, não faça uma escolha errada!

– Certo....- Falou aceitando os pedidos de uma mãe desesperada pela vida do seu filho, o Bebê do Tempo não queria mortes e nem pediria para a mãe se sacrificar no lugar do seu filho. – Senhores do Júri por breves minutos irei ver o futuro do réu, mantenham ele nas correntes da fênix!

O Bebê do Tempo esperou as suas ordens serem cumpridas para que assim fechar seus olhos e se concentrou para avança o tempo. Duas portas ficam na sua frente na qual ele escolheu a segunda porta; nela havia uma "alternativa" de vida em que tinha muitos obstáculos e Bill poderia conseguir vencer, todavia, tinha um desafio maior onde o Bebê do Tempo não sabia se ele conseguiria. Já na outra porta; nessa tinha uma "alternativa" pior que a outra e que poderia ter mortes muito ser doloroso, porém, essa havia um belo fim com parado a outra porta.

O Bebê do Tempo já tinha sua decisão, mesmo que pessoas muito importantes morressem era necessário. Então a primeira opção foi escolhida. Abri seus olhos e sua voz ecoa pela sala.

– Já tomei minha decisão...

A sala ficou em um silêncio agonizante, todos estavam imóveis. O choros da mãe eram silenciosos, suas lagrimas caiam mas não se ouvia seus soluços. Bill estava se comendo por dentro, mas com a expressão fria para não tirar seu posto de "demônio forte".



Notas Finais


Tenho no wattpad, mas com outro título mas os capítulos são os mesmo

Obs: Fiquei indecisa na capa e coloquei os dois, só que App's diferentes ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...