1. Spirit Fanfics >
  2. Uma Rosa Para Jungkook >
  3. Mudanças

História Uma Rosa Para Jungkook - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Oii seja bem vindx novamente, Boa leitura!😊😊

Capítulo 2 - Mudanças


Fanfic / Fanfiction Uma Rosa Para Jungkook - Capítulo 2 - Mudanças

Jeon jungkook

Me encontrava relaxado, submerso no mundo dos sonhos, estava feliz. Estou completamente satisfeito com a vida que tenho hoje e tudo o que conquistei. Mesmo sendo novo, eu consegui assumir grandes deveres.

Me casei com Kwan que tinha apenas quinze anos e, dois meses depois descobri que em breve contruiriamos nossa própria familia, fruto do nosso Amor.

Confesso que no início me desesperei, criar um filho era uma enorme responsabilidade. Porém ao ver ômega completamente seguro em relação a isso, me tranquilizei, naquele mesmo dia o ômega ressaltou todas as minhas qualidades como alfa, que contribuíam para que eu fosse um ótimo pai para nosso filho.

A expectativa era grande, fazíamos muitos planos pois não queríamos cometer muitos erros na criação do nosso primeiro filho. Era até engraçado, quando eu voltava no final da tarde do trabalho e o ômega me contava sobre mais um conhecimento ou curiosidade que aprendeu conversando com ômegas mais experientes no assunto.

Vê-lo ansioso em estar com nosso filho em seus braços e perceber o quanto ele havia amadurecido e se tornado alguém forte, era completamente diferente da imagem que eu tinha em minha mente do ômega de 2 anos atrás.

Comecei a sentir movimentações ao lado da cama, alguns chiados e palavras desconexas. Continuei a dormir até que ouvi um chamado desesperado.

-Alfa- Kwan me balançou fortemente. -Arrrgh jeon jungkook- me sentei no mesmo instante ao ouvir meu amado gritar, me sentindo tonto em seguida.

-bebê?- murmurei tentando estender o que se passava com o loiro, logo percebendo a cama molhada...jimin urinou?

-E-e-eu acho que a bolsa estor-rou- ouvi o seu tom apreensivo, logo comecei a juntar as peças do que ocorria ali. -ARGHHH me ajuda! Ahh -aquilo foi a gota d'água para que eu colocasse nossos planos em ação. Levantei da cama com cuidado, enquanto acendia as lamparinas e velas do lugar.

-AAAH Não, Não, não! Socorro! -os gritos de Kwan aumentavam, se isso é bom? Eu não sei! Mas creio que sim. O quanto mais rápido fosse o parto melhor para meu pequeno. Peguei a chave de nosso quarto logo em seguida abrindo a porta do mesmo.

Gritei chamando pelos guardas que pelos corredores do Castelo ficavam, três deles me apareceram. A essa altura as palavras de meu amado estavam completamente desconexas.

- Vossa Graça. algum problema duque? O que estás ocorrendo? - disse um deles

-As parteiras...meu ômega... está grávido...chame-as agora! - disse me sentindo deslocado naquela situação, enquanto sentia pela marca a dor de meu ômega, mas não na mesma intensidade em que o menor sentia.

Vi os guardas se destanciarem apressados no longo corredor, adentrei o quarto logo indo de encontro ao meu amado que estava deitado em nossa cama.

- Força bebê, força, aguente!- segurei sua mão como um ato de que estaria ali com ele para o que der e vier.

Alguns minutos se passaram e a dor de Kwan aumentava, podia sentir parte dela por conta de nossa marca, seu desespero e sua feição de dor me deixava inquieto pois não sabia o que fazer para ajudá-lo. O loiro gemia de dor, oras gritava, me lançava olhares apreensivos como um pedido mudo que por ajuda.

Logo as 2 parteiras e umas servas apareceram em meus aposentos, permiti que elas entrassem e fizessem o trabalho de parto. As vi acomodar meu pequeno em uma posição semi-deitado perto da ponta da cama.

Em seguida, a mais velha pediu permissão a Kwan para que ele abrisse bem as pernas enquanto as servas molhavam panos na bacia e secavam o suor do corpo mesmo.

Kwon estava totalmente despido. Ele falava coisas desconexas, enquanto recebia massagens nas costas. Eu sentia que aquilo tudo estava apenas começando.

- você consegue meu amor...Continue, está indo muito bem!- falei calmamente em seu ouvido sentindo o mesmo apertar minha mão.

-AAHHHN isso é tudo culpa sua! Aaiii- meu marido disse entredentes, seu eu pudesse passaria toda a sua dor para mim. Ele não merecia isso, era tão novo... - Grrrr- ouvi-lo rosnar em minha direção me deixou aflito mas em momento algum sai de seu lado.

-A-AI TÁ DOENDO! ARGHHH como você pode f-fazer isso comigo?- o ouvi gritar enquanto apertava fortemente os olhos e lágrimas saiam dos mesmos.

Estava preocupado. O tempo parecia não passar naquele quarto. A dor de Kwan era visível e eu odiava ver meu ômega naquele estado.

- Sua Graça kwan- disse a parteira mais velha. - o senhor precisa relaxar seu corpo, preciso que respire fundo junto comigo e faça a maior força que conseguir quando eu disser, certo senhor?- o vi assentir diversas vezes. -respire...3...2...1...AGORA!

-AAAAAARRRRGH- meu ômega fazia o maior esforço que podia, enquanto eu apenas dava o apoio necessário.

Aquilo foi repetido diversas vezes...eu podia sentir o cansaço que o mesmo estava adquirindo. estava preocupado porém mesmo tendo apenas 16 anos, ele era forte, maduro e centrado. Nos casamos quando o mesmo tinha 15 anos, idade máxima que um ômega plebeu podia ficar solteiro.

Tive muita sorte de o encontrar, pois Kwan sempre chamou muita atenção pelo seu corpo, delicadeza e beleza. Alfas e Betas de diversas classes tentavam se aproximar e cortejar o mesmo...mas apenas eu consegui conquista-lo.

Poucos meses depois de termos nos unido em matrimônio, percebi sintomas e cheiros diferentes vindo do mesmo, cheiros do qual eu não conhecia.

Os ciúmes me cegaram e me fizeram ter pensamentos duvidosos e maldosos em relação ao ômega, cheguei a pensar sobre uma possível traição. O que não veio a se propagar por muito tempo, pois logo, apareceram visíveis mudanças em seu corpo.

Tivemos confirmação médica que se tratava de uma vida no ventre de meu pequeno, fruto do nosso amor. Um pedacinho de nós!

Confesso que no começo ficamos assustados, se tratava de uma vida ali. Seria uma grande responsabilidade entretanto, vendo e ouvindo conselhos de amigos e familiares nossos, nos tranquilizamos.

                       

                          ●●●


Os gritos de Kwan estavam altos, ele estava cansado porém não desistia, não sei ao certo quantas horas se passaram mas ver o meu ômega sangrar e sofrer não era bom para mim. sentia um aperto no peito sempre que ouvia um grito mais agudo de dor, seus olhos se apertaram até que...

-E-eu consigo ver a cabeça! Continue Vossa Graça, estamos quase lá! -disse a mais velha que estava no meio das pernas de kwan, o incentivou a continuar, estava perto! no mesmo instante me senti arrepiar pés da cabeça aos pés.

-AAAAAH- um gemido dolorido saiu do fundo da garganta de Kwan. Foi amor a primeira vista, o vi pela primeira vez...tão pequeno e estava coberto de uma camada branca e sangue. Foi acolhido pela mais nova das parteiras enquanto a mesma cortou o cordão umbilical com uma tesoura.

-Nhéeee- o ouvi chorar e jurei a mim mesmo ser o melhor pai e o proteger de todo o mal que há no mundo.

- É um menino! - disse uma delas. Um ômega macho. Eu não podia estar mais feliz. Teria dois meninos ômegas para proteger e cuidar.

- É um menino! É nosso filho bebê!- dirigi o olhar para o mais novo ao meu lado, em seguida beijei seus lábios com todo o carinho e amor que consegui.

O vi estender as mãos para elas e pega-lo nos braços. Ele estava enrolado em um cobertor e pareceu reconhecer a voz do pai pois parou de chorar quando o mesmo falou.

- Ei filho, você é tão perfeitinho...esperei tanto por você meu doce. Prometo amar você- disse meu ômega com a voz cansada e rouca devido os gritos.

Ficamos um tempo ali admirando nosso filho, fruto de nosso amor...até que Kwon começou a sentir dores fortes.

-AAAI- me desesperei tentando entender que diabos estava acontecendo.

-Uuuuii...O que acontece-e-ndo jungkookie?- olhei a minha volta esperando uma resposta das ômegas responsáveis pelo parto.

-hummmm- uma das servas pegou meu filho dos braços de Kwan, enquanto o mesmo abraçava o próprio ventre.

A mais velha se posicionou na cama, entre as pernas do ômega e nos revelou algo surpreendente.

- São gêmeos! - disse a mais velha surpresa.

Algumas horas depois...

As contrações de Kwan aumentavam e o mesmo já estava cansado, mal conseguia fazer força, estava pálido, Não tinha mais voz, só conseguia se expressar por meio de suas feições, eu segurava fortemente sua mão e dizia que ia ocorrer tudo bem e que no final do dia seríamos apenas eu ele e nossas crianças, eu estava com medo; Apavorado.

O ômega ao meu lado sangrava demais, e mesmo eu não entendendo do assunto, eu sabia que era ruim pois os olhares que as ômegas olhavam para ele demonstravam isso, parecia que ele não ia aguentar, e aquilo me assustava, me quebrava. 

Ele estava cansado, esgotado, eu sentia pela marca. 

Logo, outro chorinho ecoava pelo quarto...Era uma Menina!

- Acabou amor!- susurrei o vendo desabado na cama, o rosto pálido e os lábios sangravam pela de seus dentes usada ali. - Pode ficar tranquilo meu anjo, eu estou aqui, irei cuidar de você. - Kwan nada disse. Estava muito quieto. Parado.

- Kwan!! - o balancei sentindo o desespero me consumir, pensando ter Acontecido algo de ruim a ele. - pequeno...- disse tranquilo ao ver seus olhos se abrirem levemente. sua respiração estava calma.

-k-ook-iie- disse com a voz entrecortada e rouca. - eu consegui?- ele disse emocionado.

-S-sim meu amor, você conseguiu. Temos um casal de gêmeos lindos! - dito isso senti uma fraqueza vinda de meu ômega pela marca, vendo o mesmo não aguentar e desmaiar.


Notas Finais


Os Gêmeos de Kwan e Jungkook serão os gêmeos mais bonitos da Spirit! Em breve, saberão o porquê.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...