História Uma vez na vida - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Magnus Bane
Tags Alec Alfa, Asmodeus Fdp, Magnus Ômega, Robert Fdp, Sebastian Fdp, Universo A/b/o
Visualizações 93
Palavras 3.858
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 6 - Forma de você


Comendo uma tigela de cereal em sua cozinha, Isabelle estava folheando a galeria de fotos de seu telefone. Ela não podia deixar de dar um pequeno sorriso com cada nova foto. Alguns eram profissionais, com ela dando uma boa posição com um sorriso bonito. Enquanto outros eram completamente inigualáveis, com ela afastando a língua ou ela e o Cary sendo idiotas completas. Era uma manhã de domingo cedo naquele dia.

O sol estava apenas subindo, e a cidade estava pronta para começar um novo dia. Sempre sendo uma madrugadora, ela não esperava que ninguém se levantasse. Mas quando a porta do pátio traseiro se abriu, sua cabeça instantaneamente bateu na porta. 
 

"Aguente, é só eu". A voz disse. 
 

Caminhando em direção à porta dos fundos, ela se encontrou instantaneamente com seu irmão mais velho, Jace. Ela estava prestes a perguntar-lhe por que ele estava chegando tão cedo, mas sua aparência disse tudo. Seu cabelo estava amarrotado e ela podia ver um pedaço de gramado com eles, suas roupas tinham manchas sujas sobre eles, especialmente com uma marca de garras cortada na frente e seu corpo estava encharcado de suor. Sem respirar, olhou para ela e deu um grande sorriso. Com as mãos nos quadris, Isabelle não podia deixar de repreendê-lo. 
 "Deixe-me adivinhar." Ela disse. "Amanhecer tarde da noite?" 

Jace encolheu os ombros. "O que posso dizer? Está no meu sangue". 

Com um pequeno sorriso, Isabelle dirigiu-se para o armário no corredor e pegou uma toalha. Lançando para o irmão Jace imediatamente começou a limpar o rosto. Embora o sorriso de Isabelle tenha desaparecido quando ela percebeu o cheiro de Jace. Cobrindo o nariz, ela olhou para ele. 

"Jace, o que diabos?" Ela questionou. 

"O que?" Ele perguntou.

"Você nunca ouviu falar de um banquete?" Ela perguntou. 

Rolando os olhos, Jace jogou a toalha no balcão. 
 
"Bem, quando você corre com a floresta toda a noite, tende a esquecer um banho". Ele respondeu. 
 
 Lançando a toalha suja na lavadora, ambos irmão e irmã relaxaram juntos na cozinha. Desde o dia em que seus pais adotaram Jace, ele sempre esteve perto de seus irmãos. Tendo suas próprias pequenas pijamas na sala dos outros, passando pela escola primária, média e secundária juntos, e agora adultos. Jace não poderia ter pedido uma família melhor.
 

Mesmo quando seus pais estavam vivos, eles não eram a família mais próxima. Ambos trabalhando longas horas, deixando Jace sozinho com uma babá por horas. Mas agora ele tinha uma família para chamar a sua. Pais, que talvez não fossem os pais mais fáceis, mas sabiam quando estar lá para seus filhos. Mesmo que fossem difíceis com seus filhos, eles estavam se preocupando com toda a família. 
 "Então ... como você se sente sobre Magnus e Alec?" Jace perguntou. "Estou surpreso porque Alec decidiu passar por toda isto". 
Encolhendo os ombros dela Isabelle inclinou-se sobre o balcão da cozinha. "Estou feliz por ele encontrar alguém". 

 Jace acenou com a cabeça antes de arrancar um morango da tigela de frutas. "Sim, acho ... é surpreendente sobre o quão perto eles se tornaram". 

 "Surpreendente? Por que você diz isso?" Ela perguntou. 
 "Porque você e eu sabemos, Alec é melhor que ninguém". Jace olhou fixamente. "Durante todo o tempo que me lembro, Alec sempre joga o campo pela mente e não pelo coração. Esse relacionamento de acasalamento pode arruiná-lo, se não correr bem". 

Um sorriso pequeno cresceu em seus lábios. "Eu acho que ambos estarão bem". 

"O que te faz dizer isso?" Ele perguntou. 
Um sorriso cresceu em seus lábios quando ela se lembrou da imagem da noite passada. Vendo Alec e Magnus tão contentes ..... em paz. Não apenas um com o outro, mas também eles mesmos. Não era como Alec ser completamente afetuoso com alguém.

Claro que com seus irmãos, ele os abraçaria em seus braços e os protegeria. Mesmo com sua mãe, quando seu pai estava sendo áspero com ela, a consolaria. Muitas vezes ele tentou ver se ele poderia ajudá-la a deixar seu marido ... mas como sempre ela negou isso, mas com Magnus ... foi diferente.

Na noite em que os viu no sofá, não era como qualquer coisa que já viu com Alec. Ele estava sendo gentil e doce com o ômega jovem. Seus braços se envolveram ao redor dele como se ele estivesse tentando protegê-lo de todo o mundo malvado. Embora Magnus olhasse como se estivesse no céu.

Seu corpo parecia mais relaxado e não era tão tímido. Com o rosto do jovem ômega enterrado em seu companheiro, ambos pareciam em paz. O que Isabelle não pôde deixar de sorrir e sentir seu coração bater ainda mais rápido. 

"Enquanto você estava em sua pequena sessão de uivamento, entrei na casa de Alec. Todos estavam ocupados, então eu decidi fazer uma visita. Ele não respondeu seu telefone nem nada assim quando cheguei ao seu lugar, cheirava a outro aroma A .... ômega. Abri a porta e vi, Alec e Magnus." 

"Oh, meu Deus, você entrou com eles fazendo sexo!" Jace riu. 
 Batendo o braço, Isabelle deu um brilho na direção dele. "Não, espertinho. Eles estavam ambos adormecidos e .... Alec tinha seus braços em volta, Magnus e ambos simplesmente pareciam tão pacíficos. Como nada no mundo poderia machucá-los". 

Jace assentiu com a cabeça. "Estou feliz por ter encontrado alguém. Mas só porque o relacionamento deles é bom agora, não significa que será mais tarde." Nem todos os alfa e ômega são ". 

"Alec, não é como qualquer alfa. Você e eu sabemos disso, Alec poderia ser abusivo para com Magnus. Mas ele não é. Ele é o oposto completo". 

"Vamos ver como tudo isso funciona". Respondeu. 
Agitando acordando, Magnus começou a abrir os olhos. A luz solar que procurava através das cortinas o cegava lentamente. Na primeira, ele não sabia onde ele estava. Cortinas de seda, um tapete macio e um cobertor em seus ombros. Mas o que mais o surpreendeu foi o forte braço que o segurava. Eles estavam quentes e ele podia sentir os músculos dentro deles. Instantaneamente, ele começou a olhar para baixo e a tentar ver se suas roupas ainda estavam e, felizmente, elas estavam. A primeira coisa que ele não quis ver foi que ele instantaneamente dormiu com alguém, mesmo que fosse Alec. Eles não estavam prontos ... ele não estava pronto. 
Mas sua preocupação foi acalmada quando ele percebeu o que ele estava deitado. Era amplo, mas quente e sentia como se pudesse dormir o dia todo. Ele tinha medo de olhar para cima. Sua mente não o disse para você ... mas seu coração disse que sim. Lentamente, ele olhou para o gigante do sono em que ele estava e sua respiração instantaneamente engatou. Alexander ficou lindo quando estava dormindo.

Seus olhos hipnotizantes, a profundidade de sua voz, a forma adorável de que ele falava os dedos e muitas outras coisas faziam Magnus querer estar com Alec cada vez mais a cada dia. Mas ainda assim o assustou com a profundidade com que ele estava começando a sentir por Alec.

Ele conhece os alfa antes de tratá-lo como um rei, mas mais tarde eles o trataram como se estivesse sujo. Embora talvez Alec fosse diferente ... talvez Alec não quebrasse seu coração. Mas quando sentiu o corpo de Alec começar a mudar, ele sabia que o jovem alfa estava acordando.

Lentamente, Alec abriu os olhos e Magnus imediatamente sentiu um nó na garganta. A luz do sol brilhava através de seu cabelo de seda e meia-noite, a luz refletindo sobre sua pele pálida. Em seus olhos, Alec era a pessoa mais bonita que já viu.

Como alguém tão masculino e forte, seja paciente, gentil e respeitoso com ele ... especialmente com um ômega. Embora seus pensamentos foram interrompidos quando uma voz grogue fala com ele. 
"Bom Dia." Alec disse entre um pequeno bocejo. Um pequeno sorriso não podia deixar de se formar no rosto de Magnus.  
 "Por que você sorriu?" Alec perguntou. 
  Encolhendo os ombros, Magnus não conseguiu se empenhar em empurrar um fio de cabelo do rosto de seu companheiro. 
"Nada ... você parece tão calmo quando você dorme 
 "Bem, quando eu tenho uma pessoa incrível em meus braços, todos meus problemas parecem desaparecer. "Alec respondeu com confiança. Magnus imediatamente teve um grande sorriso no rosto dele. Há muito tempo que alguém já fez Magnus sorriu. Todas as suas relações no passado sempre o deixaram com um rosto manchado de lágrimas e outro coração partido.

Mas com Alec foi diferente. Cada momento que passaram juntos, tornou-se uma memória nunca abençoada para Magnus. Risos, sorrisos e piadas jogados um do outro. 
 "Vamos ... não estou tão bem". Magnus disse olhando para baixo. Foi-lhe dito várias vezes que ele não equivaleria a nada. Que ele foi decepcionado, uma desgraça ... uma decepção. Mas não foi até que ele sentiu os braços ao redor dele puxá-lo mais perto, e um dedo erguendo a cabeça do queixo.

 À medida que os olhos cor de avelã se encontram com marrom, cada lobo pode sentir  o coração bater. Alec olhou com um sorriso para o companheiro. 
"Você é ótimo ... você é incrível". Alec disse a ele. "Não permita que ninguém lhe diga o contrário". 

Ambos perdidos nos olhos do outro, era fácil deixar o tempo passar. Mas não foi até que os olhos de Magnus viram o relógio e ele instantaneamente podia sentir seu coração parar.  7:00 da manhã ? Ele disse a seu pai que ele voltaria a noite passada, e aqui ele estava mais do que uma hora atrasada.

Lentamente, ele começou a se levantar, e Alec imediatamente deixando seus braços em volta dele cair. Uma vez que viu Magnus começar a pegar as tigelas da mesa, ergueu uma sobrancelha confusa. 

 "Magnus ... o que você está fazendo?" O alfa perguntou. Magnus agarrou as tigelas da mesa e imediatamente começou a colocá-las na pia. Agarrando a esponja e acendendo a água, começou a esfregar as tigelas. Com Alec seguindo logo atrás dele, ele viu como seu companheiro começou a esfregar os pratos sujos com um pouco de pressa. 
Como se ele estivesse com medo de que ele estivesse demorando, Alec entrou ao lado do ômega ocupado. Inclinando-se contra o balcão, cruzou os braços sobre o peito e pegou a aparência de Magnus. O ômega jovem estava olhando diretamente para a pia, 
Sentindo uma sensação desconfortável em seu estômago, Alec virou-se para Magnus para descobrir o que estava errado. 

"Magnus, o que há de errado?" Ele perguntou. Seu companheiro instantaneamente sacudiu a cabeça enquanto mantinha o olhar baixo. 
"Nada ... eu só tenho que lavar os pratos". Ele afirmou claramente. 

"Você sabe que eu poderia obtê-los". Alec disse a ele. "Realmente não seria um problema". 
 Magnus instantaneamente balançou a cabeça contra a ideia. "Não ... não está bem. É meu trabalho ... sou um ômega". 
 Alec imediatamente se levantou. "Magnus, só porque você é um ômega ,isso não significa que é minha empregada pessoal". 
 "Não, Alec está bem." Magnus disse. "Eu entendi. Eu prometo que não vou demorar". 
Graças à sua audição sobrenatural, Alec podia ouvir o rápido batimento do coração de Magnus, o tempo que fluía de sua respiração e a rapidez com que sua mão terminaria de lavar a louça. Uma pergunta veio à sua mente ... o que Magnus quis dizer com demorar?

Colocando a mão no botão da torneira, ele desligou a água. Magnus levantou a cabeça e levantou um olhar preocupado nos olhos dele. Ele levantou as mãos e envolveu seus braços em torno de si mesmo. Como se ele estivesse protegendo-se de qualquer mal a vir. 

 "Eu sou ... desculpe". Ele imediatamente se desculpou. "Não queria demorar tanto tempo". 
 

 -Flashback- 

"O que há de errado com você?!" O alfa gritou. "Você não consegue lavar os pratos a tempo?!" 
Magnus, imediatamente envolveu seus braços ao redor dele enquanto olhava para o chão. "Eu sei ... sei que eu sinto muito." 
Uow, sua desculpa? "O homem rosnou." Como você pode ser bêbado ! "  
Ao olhar para cima, nada o preparou para uma mão que espreitava ... e golpeando-o diretamente na cara.   " 

"Magnus". ... Magnus " 
Ele ouviu uma voz chamando seu nome suavemente. Embora o flashback continuasse correndo por sua mente. Seus braços se envolvendo ainda mais apertado. Mas não foi até que ouviu uma voz suave chamar seu nome mais uma vez, e uma mão pousou em cima de seu ombro.

O ômega jovem ainda estava olhando para o chão, envergonhado de olhar nos olhos do alfa. Mas quando sentiu um dedo levantar a cabeça do queixo, ele sabia que ele precisaria. Olhando para o rosto de Alec, em vez de ver raiva e frustração, ele viu um olhar tranquilo e simpático para com ele. Os olhos do alfa disseram tudo por ele. 

"Magnus ... o que há de errado?" Ele perguntou. "Você parece que está prestes a ter uma queda". 
Não sabendo o que dizer, Magnus apenas encolheu os ombros. "Eu não queria decepcioná-lo. Sou ... Suponha-se fazer tudo certo para você. Eu di- eu  não queria ..." 

"Ei, ei, ei." Disse Alec. Lentamente, ele colocou os braços em torno da cintura de Magnus e puxou-o para mais perto. A respiração do ômega engoliu com medo de que Alec o atingisse. Mas, em vez disso, ele conseguiu algo muito diferente. Os braços de Alec apertaram sua cintura e então ... ele o puxou para um abraço. Suas mãos quentes imediatamente esfregavam círculos nas costas de seus ômega e ele podia sentir lágrimas começando a molhar sua camisa. 
 "Magnus ... Eu não espero que você faça tudo perfeito para mim". Ele ficou. "Ouça-me ... Não espero que você seja perfeito. Todos cometemos erros ... não somos apenas lobisomens, somos meio humanos". 

"Mas ... eu sou um ômega. É meu trabalho cuidar de você, obedecer você ... para agradar você". Ele afirmou. Olhando instantaneamente para o alfa. 
"Quem te contou isso?" Ele demandou. 
"Meu ... meu pai. O relacionamento passado que eu tenho ... tive". Magnus admitiu.  
Lentamente, Alec levantou as mãos e afastou as lágrimas do rosto de Magnus. Ele podia sentir Magnus se encolher sob seu toque, mas acalmar-se uma vez que viu o que Alec estava fazendo. Ele podia ver as lágrimas se juntando aos lindos olhos de seu companheiro ... e ele nunca quis ver essa imagem novamente. 
 "Não os escute". Disse Alec. "Eles estão mentindo para você ... Magnus, você sabe que eu nunca iria te tratar assim. Como sem valor, porque você não é". 

Ele não podia acreditar no que ele estava ouvindo. Ninguém nunca lhe contou essas palavras, nem mesmo lhe deu a hora do dia como Alec. 
"Magnus, você acredita que eu machucaria você?" Alec perguntou. "Você realmente acha que eu faria?" 

Memórias instantaneamente preencheram seus pensamentos. Soco e mais  socos, tapas e esbofeteadas, era tudo o que Magnus conhecia. Mas então aqui está um homem ... um alfa dizendo-lhe que ele nunca o magoaria, que ele valia a pena algo. Acentuando lentamente a cabeça, Magnus olhou para o companheiro morto nos olhos e respondeu. 

"Não .... não, eu não". Magnus finalmente respondeu. 

"Bom ... porque nunca faria isso". Alec disse a ele. Sem um segundo pensamento, Magnus envolveu as mãos ao redor do pescoço do alfa e puxou-o para um abraço. Disse que o alfa decidiu envolver seus braços ao redor de seu companheiro mais apertado, ambos os lobos assumindo o cheiro do outro. 

Puxando a cabeça ligeiramente para trás, Magnus pôde olhar para os olhos de Alec e não pôde deixar de dar um pequeno sorriso. Seu coração estava batendo rápido, e ele sentiu algo em seu baú. Algo que ele nunca sentiu antes, geralmente com medo, mas não é assim.

"Obrigado, Alexander". Ele disse.

Abaixando os ombros, tudo o que Alec poderia fazer era acenar com a cabeça. "Não se preocupe com isso. Você merece ser feliz".

"Ninguém nunca me tratou do jeito que você faz". Magnus admitiu. "Ser bom, gentil, atencioso e até mesmo com aqueles pequenos roncos pequenos adoráveis". 

"Eu não ronco". Alec riu. 

"Pelo contrário, meu querido ..." Magnus disse.

Mas sua sentença foi interrompida quando ele percebeu o quão perto ele e Alec realmente estavam. Eles eram literalmente de peito para cofres com Alec sendo um par de polegadas mais alto do que Magnus. Com as mãos de seu companheiro em sua cintura, Magnus estava preso ao pescoço dele. Os polegares de Alec esfriam ligeiramente os ossos do quadril com conforto. Ambos estavam olhando um para o outro e sentiram como se não pudessem respirar. Com um outro perdido nos olhos do outro, eles não perceberam o que estava acontecendo.

Alec estava perdido nos profundos olhos castanhos de Magnus, e ele não podia deixar de tentar manter seu olhar nos lábios dos ômega. Mas toda vez que ele tentava ... ele avistou-os novamente. Lentamente, ele balançou a cabeça para baixo para pressioná-lo suavemente contra o Magnus e, desta vez, nunca significa que poderia mover um músculo. Ambos pensando exatamente a mesma coisa .... "Ele está tão perto ... Eu nunca quero  deixa - lo  ir ."

Magnus lambeu seus lábios quando se viu  próximo a Alec. Mas o que mais o surpreendeu foi quando ele começou a se inclinar para Alec, que não estava muito para trás. Instantaneamente seus lábios se encontraram a meio caminho e ambos os esmagaram juntos. Em um instante, sentiu como se fossem os únicos no universo. Nada poderia estar a caminho. Lentamente Magnus empapou a cabeça, para aprofundar o beijo e Alec mais do que felizmente obrigado.

Isso não foi nada que Magnus tenha experimentado antes. Ele já teve seu primeiro beijo sim. Mas cada um não era nada cheio de pura luxúria e ganância. Cada vez que ele beijava o seu outro, eles iriam impedi-lo de tentar tirar a roupa em um instante. Embora com Alec ele fosse gentil, paciente e cada segundo, o beijo durou quanto mais os dois se sentiam mais difíceis pela outra. Mas, infelizmente, as crianças chegaram ao fim quando Alec se afastou. 
Agora, olhando uns para os outros, os dois agarraram suas cabeças e não conseguiram evitar um suspiro de alívio. Olhando para os olhos do outro, eles não podiam deixar de perceber o quanto tinham sorte. A maioria dos alfas e ômegas nunca mostraria qualquer tipo de carinho para outro. Mas com Magnus e Alec era diferente, puro ... amoroso.

"Como é isso para um bom dia?" Alec perguntou. Um pequeno sorriso em seu rosto.

Magnus, simplesmente encolheu os ombros e não pôde deixar de dar uma pequena risada. "Mil vezes melhor do que o último".

"Desde quando você vai para a livraria?" Jace perguntou. "Você já não ouviu falar de leitura on-line?"

Com um tapa de Isabelle, Jace só podia esfregar o braço. Mas isso não ajudou, mas deixou um sorriso no rosto das jovens.

"Não seja um idiota, Jace". Ela brincou. 
"Deixe, Alec comprar para seu companheiro algo legal".

O trio de irmãos, estava visitando uma pequena livraria ao virar da esquina. Eles não pisaram aqui por anos, apenas quando eram crianças pequenas. Horas passando o tempo na loja lendo todos os livros infantis, rindo de cada brincadeira que leem e sorriram para cada final feliz. Mas desta vez eles estavam em uma missão. Um que Alec tinha chamado para chamá-los e liderar.

"Estou apenas dizendo, alguns desses livros nunca foram ouvidos?" Jace disse olhando cada livro na prateleira. Ao pegar uma das prateleiras, ele a segurou para seus irmãos. "The Outsiders? Você já ouviu falar disso, porque agora estou bem que não?"

Agarrando o livro dele, Isabelle olhou para a capa por um segundo antes de levantar o livro e dar uma bofetada na cabeça de seus irmãos. 
"Por que diabos foi isso?" Ele perguntou esfregando a cabeça.

"Lemos este livro no ensino médio, estúpido". Ela brincou.

Com um simples suspiro, Alec continuou olhando por toda a prateleira. Seus olhos procurando um determinado livro ... bem, na verdade, séries de livros. Desde a manhã em que ele e Magnus compartilhavam o ômega nunca deixaram a cabeça. Ele ainda podia cheirar seu perfume, seus lábios no dele e fez seu coração bater mais rápido a cada segundo. Quando eles estavam assistindo, Shadowhunters, juntos, Alec diz como os olhos de Magnus se iluminam quando ele se divertiu sobre o show.

Então, quando o ômega percebeu que o show tinha uma série de livros, um grande sorriso cresceu no rosto. Com seu aniversário chegando em breve, Alec decidiu que, para o presente de seu companheiro, ele o compraria, Os Instrumentos Mortais. Ele aprendeu que Magnus passou a amar a leitura e ele sabia que isso colocaria um sorriso no rosto de seu companheiro. Um que desejava poder ver todos os segundos do dia.

Não foi até que sua irmã ficou ao lado dele e olhou por cima da prateleira, que ele foi tirado de seus pensamentos.

"Então você está comprando a Magnus uma série de livros?" Ela perguntou. "Qual o motivo?"

Abaixando os ombros, Alec ainda olhou para a prateleira. "Uh ... é o aniversário dele logo. Pensei que ele adorasse a série de TV para Shadowhunters de que ele adoraria a série de livros também".

"Mas ainda assim eu nunca vi você dessa maneira". Ela disse a ele. "Desde que você e Magnus se tornaram companheiros, você mudou ... mas de uma maneira boa".

"Bem, o que posso dizer, Magnus me mudou de maneiras que ninguém mais tem". Alec admitiu

Isabelle sentiu instantaneamente uma sensação calorosa no peito. Ela não podia deixar de perceber o leve rubor nas bochechas de Alec quando falou sobre Magnus. O sorriso que cresceu sobre ele e ela podia ouvir a batida rápida de seu coração.

"Alec ... você e, Magnus parecem estar realmente perto". Ela percebeu. "Toda vez que alguém o traz, um sorriso cresce em seu rosto. Eu posso ouvir seu calor batendo no seu peito".

"Tudo bem, o que isso tem a ver com qualquer coisa?" Ele perguntou.

"Cara, é óbvio que você está apaixonado por ele". Jace afirmou.

Alec olhou instantaneamente para seus irmãos com os olhos arregalados. Apaixonado? Apaixonado por Magnus? Talvez ... talvez ele possa ser.

"Vamos, pessoal ... acho que é cedo para ... essa palavra".

  "Qual, amor?" Isabelle perguntou. "Alec, você pode nos dizer qualquer coisa. Sua queda para, Magnus ... difícil."

Os pensamentos começaram a correr pela cabeça de Alec. Memórias que ele e Magnus criaram até agora. Cheio de sorrisos, risos e alegria. Ele sempre sentiu algo diferente quando estava com seu companheiro. Alec sentiu uma sensação calorosa no peito e seu coração sentiu como se estivesse saindo do peito. Mas então seus olhos pegaram alguma coisa ..... a série de livros! Ele finalmente encontrou. Agarrando as novelas, ele e seus irmãos começaram a caminhar em direção ao caixa.

Mas não foi até que ele ouviu Isabelle falar, que sua mente instantaneamente ficou em branco.

"Magnus, é um tipo, Alec". Ela afirmou. "Você não encontrará outro homem como ele em um milhão de anos".

E instantaneamente em sua cabeça, Alec só podia pensar em uma coisa.

"Eu não encontrarei ninguém mais, Magnus. Eu cuido dele ... quero protegê-lo ....... eu amo ele".



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...