História Uma vida, dois apaixonados - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Amorbi, Amorgay, Gay, Históriaoriginal, Maleo, Original, Romance, Tragedia
Visualizações 6
Palavras 1.721
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), LGBT, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Volteei, avisa que é o penúltimo. Gente, la reta finale. Muitas coisas vão acontecer...
Boa leitura. Nos 'veremos' nas notas finais.

Capítulo 5 - Capítulo 4- Esqueça tudo


Fanfic / Fanfiction Uma vida, dois apaixonados - Capítulo 5 - Capítulo 4- Esqueça tudo

Já em casa, depois do que pior dia de folga da vida do Leandro se transformou, ele entrou em seu quarto, tirou o celular e a carteira, colocando-os na escrivaninha, despui-se de suas roupas e saiu em direção ao banheiro com uma toalha em mãos. Dessa vez ele sequer lembrou-se de seu costume de escutar música, queria apenas voltar para perto do seu amor. Tomou seu banho e saiu com a toalha na cintura em direção ao quarto, vestiu-se e foi à cozinha. 

- Vamos ver o que temos aqui!- Sua voz era cansada.

Leo pegou um biscoito de morango e uma latinha de refrigerante. Essa seria a única refeição que ele fará, comeu rápido e foi novamente para o seu quarto, pegou seu celular, e leu o nome do pai de Marcelo na barra de mensagens, pedindo-o para descansar mais. E dizendo também, que não aceitaria um não como resposta. Fui obrigado a aceitar, agradeci, e fui descansar. 


***


No hospital, após 1:34 minutos do termino da cirurgia, Marcelo acorda, e seu pai, que está em uma poltrona ao lado do leito, se levanta, afim de encarar seu filho. 

- O-Onde estou?- Olhando em volta, endagou.- Como diabos vim parar aqui?

- Leo! Ele te trouxe.- Flashs, invadem à cabeça do Novais mais novo. O carro do Loiro, a tentativa de ultrapassagem, e a perda de controle do carro. E depois nada vêm à sua mente.- Você teve que passar por uma pequena cirurgia. Para retirar estilhaços de vidros de boa parte do seu corpo.

- Quanto tempo? 

- Algumas horas. Mas foi rápido, comparado a tempos de outras. 4 horas!- O espanto no rosto do mais novo ficou evidente.

- Ele ficou todo esse tempo? Por mim?- Um sorriso singelo, formou-se em seus lábios, e seus olhos brilharam, mais que em qualquer outro momento de sua vida! - Hâ, ele saiu à 1:30 - Disse olhando no relógio de pulso.- Sinto que as coisas vão melhorar entre vocês. E eu torço muito por isso, você sabe né? 

- Sei sim, pai. E agradeço muito por toda ajudar que o senhor me deu... mas eu acho que isso foi necessário. De alguma maneira vai ajudar-nos a crescer. Juntos!


***


Leandro acorda depois de quase duas horas, e depois de minutos vai para o hospital. Chegando lá ele se encontra com o pai de Marcelo e vai até ele.

- Daniel, pode ir para casa. Eu fico aqui, descanse! 

- Ele está acordado! Vai ser a oportunidade de vocês conversarem. Claro que vou!

- Dani, o senhor não chance né?- Leo riu.

- Me senti um velho aqui. Não ma chame de senhor. Não sou um idoso caindo os caquinhos, tenho força para muita coisa. Viu?- Os dois riram, em seguida, se abraçaram e o mais velho saiu, deixando o cartão de acompanhante com o Leandro e avisando na recepção que iria descansar um pouco, e teria chegado um outro acompanhante para o paciente Marcelo Novais. 

Ele entra no quarto e logo lágrimas teimam em escorrer pelo seu rosto, pelo amor de sua vida estar naquele hospital, meio que por sua culpa, ele se controlou, mas ao ver que ele estava melhor, e ao perceber que de sua boca saiu um 'Te amo, amor' do moreno, não evitou que elas escorregassem por suas bochechas.

- Eu também te amo. Muito! Desculpa por te mandar embora, não queria. Mas...

- Ei, calma. Tudo bem, estamos bem agora né? E é o que importa realmente.- 

Leo se aproximou e fitou os olhos castanhos do Marcelo enquanto sentava-se numa parte vazia da cama, inclinou-se, sentindo as respirações de ambos se misturarem, e selaram seus lábios em sinal de perdão, não em um beijo, mas em um selinho

- Esqueça tudo! Esqueça que tivemos aquelas brigas bobas. Eu te amo muito 'pra ficar longe... - Agora, um beijo foi iniciado, dessa vez demorando um pouco mais do que o "permitido", todavia o ar se fez necessário. Então ambos se olharam e Marcelo, entrelaçou seus dedos aos da mão do loiro, sentado em sua cama, deu um sorriso em agradecimento e o silêncio reinou Até o moreno quebrar-lo.

- Volta 'pra mim!? Sinto sua falta, sinto falta do teu cheiro, dos seus olhos, da tua boca, da tua voz, principalmente da tua voz!- Os dois pares de olhos se encheram d'água.

- Me desculpa, amor! Eu agi errado com tudo, me precipitei, e não te ajudei quando você mais precisava, ao contrário de você, que a todos os momentos estava ao meu lado. Te amo muito, e eu volto

'pra você, tendo a certeza que nós nunca nos separamos.- Com voz embargada, Leandro faz o que Marcelo mais ama nele, cantou!(Treat you better-Shawn Mendes)- Posso te tratar melhor do que todos poderiam, sabe por que?- Marcelo balançou a cabeça negativamente, porém sorriso como se soubesse. E ele sabia.- Porque eu te amo!-


***


Dias depois:


Marcelo já estava na sua casa, junto de seu pai, depois de dias no hospital, em observação. Leandro, também estava na casa dos Novais, naquele dia uma comemoração à três seria feita.

Marcelo já estava 96% bom, mas algumas pontadas eram sentidas, nada que o impedisse de ir à uma simples comemoração, um almoço, seguido de uma volta na cidade. Leandro vestia uma blusa branca com detalhes em vermelho, e uma calça jeans preta, com sapatos branco com detalhes prateados. 

- Essa calsa me faz lembrar o dia que nos conhecemos! É muito parecida, mas não a mesma. Duvido que aquela ainda caiba em você.- Marcelo estava com uma camisa polo vermelha, com dois botões abertos, uma calça skinny preta. Além de seus sapatos vermelhos em detalhes brancos.

- Me chamou de gordo?- Marcelo riu, negando com a cabeça.- Claro que não é a mesma. Aquela calça era do tempo do 3° ano. Se eu tivesse com ela, passaria vergonha de tão surrada que está.- Risos foram ouvidos, era Daniel chegando na sala.- E outra, não entraria nem em meu joelho. Está ouvindo Dani, seu filho querendo me fazer passar vergonha. Eu mereço? 

- É 'pra falar a verdade? Merece sim.- Eles se olharam sério, mas depois caíram em risos quase incessantes.- Vamos comer, senão ficaremos com pouco tempo, além de que podemos comer comida fria. Vocês querem? Porque eu não vou querer.

Aliás, vocês estão lindos! Um casal perfeito, como é que vocês dizem? Eu... shi... é, shippo muito.- Seu rosto ficou rubro com as palavras que fora ditas. sentaram-se à mesa e os Novais sempre trocavam olhares, como se estivesse planejado algo, para aquela ocasião. E eles tinham, na verdade era para ter feito isso à tempos.

- O que estão aprontando? 

- É, Marcelo... Já tá na hora, não acha?-

O moreno assente, levanta e pega do microondas uma caixinha preta, com detalhes dourados, se ajoelha na minha frente, fazendo meus olhos arregalarem, cheios de lagrimas,imaginando o que viria pela frente! Então começa a tocar uma das músicas favoritas do Leandro -treat you better-. Daniel estava com uma caixinha na mão reproduzindo-a!

- Leandro, meu amor. Aceita, oficialmente, namorar comigo?

- Meu amor, lógico que sim. Eu te amo!-

Marcelo põe o objeto prateado no dedo anelar do Loiro, que olhou-o nos olhos. Marcelo levantou-se, pondo a mão na nuca e na cintura do seu namorado, beijando-o. Mas foram repelidos pelo pigareado do Daniel, que observara tudo com os olhos lacrimejados, supostamente por ser super a favor da relação.

- Que lindo Deus! Meu casalzão juntinhos, que emoção grande de imensa... I love you together!

- Pai menos. Parece que nunca nos viu juntos!- Marcelo recebe olhares como se dissessem, sério isso?- Ah é, ele não tinha visto. DESCULPA NÃO FOI INTENÇÃO, falei sem pensar. Espero que me perdoe, senhor!- Andou para perto, e curvou-se diante seu pai.

- Imbécil, para a forca, agora!- Entrando na onda, Daniel, "ordena" levantando o braço direito em direção à porta. Leandro pega seu braço levando-o embora. Risadas tomam conta da sala, mas logo cessa! 

- Vamos? Quanto mais cedo melhor! Aproveitaremos mais, juntos. E de uma vela ambulante, no caso eu!- Todos riam enquanto uma voz foi ouvida. 

-Leo! Tá com tempo?- Um frío percorreu a espinha do loiro ao escutar aquela voz, ele virou e arregalou os olhos. Era um homem alto, negro de olhos castanhos, quase mel e corpo atlético.

- Patrick, Não! Vou sair com meu namorado, e meu sogro.- O olhar do rapaz tomou-se de tristeza e ódio, quando passou suas orbes castanhas sobre Os Novais.

- Cara, vai ser rápido, eu prometo...

- Não temos NADA para conversar. NADA!- Cortou o rapaz, sem se importar. 

-  eu te amo. E só agora entendi isso, desculpa por te fazer chorar!


- Cara. Você é surdo? Ele namora comigo, e não quer conversar.

- Amor, na verdade eu quero! Eu quero dizer que eu não sou o mesmo do 3° Ano. As coisas mudam, pessoas evoluem e os sentimentos acabam, outros florescem. Eu amava você, te falei isso. E o que você fazia? Saia rindo de mim. Enquanto isso, Marc sempre me ajudava. É ele que eu amo. Seja feliz e esqueça tudo que te falei, aquelas juras amorosas já eram! Adeus.-

Patrick ficou lá, estático. Enquanto isso Marcelo, Daniel e Leandro saíam de frente.

- Foi fofo te ver encorajado pelo ciúme! Mas eu só tenho olhares pra você.- Deram as mãos, recebendo olhares de nojo, admiração, e indiferença. Mas não ligavam para nada eles só queriam curtir sem rótulos ou limitações.

- Agora a vela ta feita.- Resmungou Daniel. 


Um ano e meio depois...


- Bom dia meu amor. Acorda senão atrasaremos. É o primeiro dia de estagio, causar Boa impressão é a alma do negócio. E para nós literalmente!- Marcelo estava de pé na ponta da cama tentando acordar o loiro. Depois de uns minutos ele levanta faz suas higienes toma um banho veste a roupa do estágio e vai tomar café.

Algum tempo depois ele chega no estágio, e vai até sua sala, que fica no 2° andar. Sai do elevador, e distraído esbarra com alguém ao virar o corredor, caindo.

- Desculpa, não foi...- O rapaz parou de falar, para fitar o loiro com suas orbes âmbares.-...minha intenção. Prazer, sou Derek!- Ele estende a mão e segura forte para que o loiro levantasse.

-Leandro! Satisfação.- Os olhares não cessaram da parte do Derek, mas logo, ele se pronunciou.- Bom, acho melhor ir. Senão me atrasarei. Foi bom te conhecer, até a próxima.

- Espero que sem esbarros.- Riu tímidamente, e saiu cada uma para sua sala.


Notas Finais


Obrigado por chegar até aqui. Kisses! Até domingo, com o último capítulo! Já deu saudades! ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...