1. Spirit Fanfics >
  2. Uma volta ao tempo. >
  3. Irmãos Pettersons

História Uma volta ao tempo. - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - Irmãos Pettersons


 - Harry. -Encarei Cedrico que me olhava com seu belos olhos acinzentados que assim como seus cabelos reluziam com a luz do sol o deixando mais belo do que antes. Não pude deixar de sorrir bobo com aquilo.- Gostaria muito que fosse ao baile comigo ao baile de inverno. Sabe, eu o amo Harry. Amo muito. Eu amo desde seus belos olhos desde sua testa rachada. -Cedrico riu da própria piada em relação a minha cicatriz. Eu fiquei vermelho com o que ele falou. Mas e a Cho ? Ele deveria ir com ela. Não comigo, o que vão falar sobre a gente ? Eu gosto do Cedrico, mas tenho medo do que pode vir a seguir. Cedrico ergueu meu queixo e aproximou seu rosto do meu.- Eu realmente amo você meu amado Harry. Quando seus lábios estavam prestes a tocar os meus, sua voz mudou e se transformou em uma voz feminina.-HARRY. ACORDA.

  Abri meus olhos assim que senti uma ardência na minha bochecha. Minha visão estava borrada, mas consegui perceber que era uma pessoa com cabelos escuros. Era Joy. Espera. ELA ME DEU UM TAPA ?

Me levantei em um pulo e olhei ao meu redor. Não conseguia enxergar direito, era tudo borrões. Havia dois borrões que estavam um de frente para o outro. Franzi o cenho ao tentar identificar quem eram.

- Aqui.- Joy colocou meu óculos e assim consegui enchergar a minha volta. O cômodo era grande. Ao meu canto esquerdo havia uma mini biblioteca onde as estantes iam desde o chão de mogno até seu teto com rochas. Ao lado das estantes havia uma abertura que leva a um outro cômodo um pouco mais arrendondado com uma cama dorsel com edredomvermelho e branco, as cortinas eram em um vermelho mais escurecido. Ao lado da aberta que leva a esse como havia uma mesa de escritório e materiais necessários para qual seja a ocasião. Mas o que mais intrigou naquele canto, não era os quadros que estava vazios porém com belas paisagens, era uma gaiola de ouro onde havia uma bela e formosa fenix. Os borrões que havia visto era Luna e um Homem mais alto e de cabelos acastanhados. Ele me analisava por baixo dos óculos meia lua. À, esse deve ser o Dumbledore mais jovem. Uau, ele era bem bonito em comparação ao seu eu do futuro. Ele parecia perdido com a situação a sua volta. Luna sorria de orelha a orelha. Enquanto Joy estava com uma expressão um pouco mais séria. Eu coloquei minhas mãos no local onde ainda ardia e...

-POR MERLIN, O QUE VOCÊS DUAS ESTÃO FAZENDO AQUI ? -Gritei para as duas assim que cobrei a consciência do que estava acontecendo comigo naquele lugar.

-Ah, a gente veio tomar chá com a cabra velha.-O sarcasmo da Joy era palpável. Eu já disse que essa minina me deixava meus nervos fervendo. O homem fez um som rouco com a garganta. Era o jovem Dumbledore. Joy revirou os olhos.-Que deixou de ser velha e se tornou em um cabra jovem.

O homem resmungou algo inaudível mas que fez Luna rir. Eu amo quando Luna ri.  Ela tinha uma energia que contagiava.

   Olhei para o jovem Dumbledore que ainda encarava a gente como se fossemos alienígenas. Eu nem sei como começar a conversa com ele. Como eu posso conversar com uma pessoa que deixou de ser uma cabra- senhor de idade ? Abri a minha boca varias e varias vezes. Eu não sei, eu realmente não sei e-

- A gente é do futuro.-Disse a Joy de uma vez.

-O..que ? -Dumbledore disse perdido com o que lhe foi falado e quem não estaria ?! Joy jogou de uma vez sem nem pensar e agora o jovem Dumbledore nos encara (se já não nos encarava) como se a gente fosse trouxas que acabaram de sair de um hospício.- Por Merlin, do que vocês estão falando ? Do futuro ? Vocês usaram o vira tempo ?

  Não usamos a sua mãe. Ouvi Joy murmurando e como eu estava mais próximo dela só eu consegui ouvir. Só agora que reparei que ela estava sentada no chão. -mas de um jeito de uma dama. Suspirei e encarei Dumbledore.

-Por mais que isso seja impossível, essa é a verdade. Você me mandou vir para o passado com uma missão pendente.- Disse ao tentar contar ao homem ao lado de Luna. Tateei meus bolsos a procura dos frascos e entreguei ao homem que se aproximou de mim.- O seu eu do futuro mandou que lhe entregasse isso.

  Dumbledore me encarou e logo seu olhar foi para os frascos que agora estavam em suas mãos. Ele analisou os frascos e logo murmurou palavras na qual eu não prestei a atenção. Ele agitou sua varinha e logo uma penceira apareceu. Eu nem sabia onde ela estava, ou eu não prestei a atenção onde a mesma estaria. Ele derramou o conteúdo dos frascos e logo mergulhou na mesma. 
Joy andou pelo lugar e analisou os títulos dos livros. Luna veio até mim e perguntou se eu estava bem. Encarei analisei Luna e vi que ela continha alguns arranhões pela sua pela pálida. A respondi e logo perguntei preocupado onde Edwiges estava.

-Ela está no corujal. Não se preocupe, ela está bem. Achamos melhor deixar ela por lá para que se alimentesse e conseguisse melhorar um pouco melhor.

-Ele não tem nada de interessante.-Reclamou Joy. Ela deixou os livros e se aproximou da Fawkes. A Fênix aproximou seu rosto da morena em silêncio, e logo ela gritou. Assustando eu e as meninas.- Filha de um gnomo.-Pixinchou. -Quando que a cabra velha vai voltar do mundo das lembranças ? -E como irônia do destinou. Dumbledore levantou seu rosto. Ele encarava a parede com o rosto surpreso. Ele acariciou seus cabelos.

- Eu sabia que o jovem Riddle seria uma pessoa que surpreenderia a todos e um rapaz de gênio forte e que contém ideologias extremas, mas pensei que fosse só uma fase... Eu quando era mais jovem também tinha certos... objetivos. Mas não sabia que ele iria se tornar aquilo.- Ele disse e se sentou na cadeira que ele conjurou. Pronto ! O velho, quero dizer jovem morre e a minha missão já era e eu e essas duas vamos vagar por aí sem rumo.

- Um banshee que se faz de ninfa. Não me surpreende. -E mais um cometário da Joy que fez Luna rir e Dumbledore a encarar com o cenho franzido. Ela encolheu os ombros e começou a mexer na mesa a sua frente. Curiosa é só apelido.

- Vocês são muito corajosos de voltarem no tempo. Mesmo depois de tudo o que ele fez...eu não conseguiria ter a coragem que vocês tiveram de estar aqui.Podem contar comigo crianças, irei ajuda-los no que for preciso. -Seus olhos brilharam para eu e Luna. Senti um alívio enorme com aquilo. Minha chances sobraram agora. Até sinto um pouco de coragem para enfrentar o Riddle desse tempo. MAS. EU. NÃO. VOU. BEIJAR. ELE. E. MUITO. MENOS. CHEGAR. AS. ETAPAS. FINAIS.- Só espero que vocês tenham mais chances do que eu tivem com o meu Grindelwald.-O sorriso tristonho de aguçou minha curiosidade. E aparentemente não fui o único já que Joy deixou de lado o que quer que seja o que ela estava fazendo e se sento ao meu lado. Aproveitei a situação e estiquei minhas pernas em cima das suas coxas.

-Grindelwald ? Espera...meu ? Quer dizer que o senhor...- Parei de tentar falar. Eu não consegui imaginar Dumbledore seduzindo Grindelwald e...bem, chegando....Merlin não consigo nem completar meus pensamentos. E pelo o que eu pude observar, eu não era o único já que Joy e Luna encaravam Dumbledore com o rostos vermelho.

-Ahh.- Suspirou sonhador. - Eramos jovens. E eu não consegui resistir. Por Merlin, realmente não tinha como..ele era gentil e dócil. Um cavalheiro e encantador e...

-Pare. Por amor ao Merlin. Simplesmente pare.- Disse Joy que estava mais vermelha que as cores que representam a grifinória.

-Oh perdoam-me. -Se desculpou rapidamente.- Uma coisa que não pude deixa de reparar era que fiquei muito bonito com aquela barba.

  Ah, ele reparou na barba e não na aparência do Voldemort. Que maravilha. E como o passar do tempo, foi mais fácil lidar com esse novo Dumbledore. Eu e as meninas ficamos dormindo na pequena sala daquele lugar. Para passar o tempo, eu e as meninas ficamos passando o tempo lendo os livros de Dumbledore ou fazendo tranças no cabelo de Luna, já que Joy odeia q toquem no cabelo dela sem sua permissão. Faltavam apenas cinco semana para que voltassem as aulas em Hogwarts. Dumbledore resolveu me colocar perto do Riddle mais cedo possível. Resumindo, eu teria que ir para um orfanato.

-Gostaria que vocês duas não se metensem nessa minha missão.-Disse para as garotas a minha frente.

-Mas Harry, e se ele fizer algo ruim com você ? Eu não posso ficar parada e só observar.- Lamentou-se Luna.-Se ele te machucar ou fazer alguma coisa por baixo do meu nariz eu não irei me perdoar.

- Essa missão é minha Luna. Não quero meter você em apuros.- Disse tentando a acalmar. O que eu podia fazer ? Ela não podia ficar na minha cola. E se Riddle fizesse algo com ela ?? Era a LUNA !!! Não queria que nada acontecesse com umas das minhas únicas amigas.

-Olha. -Encarei Dumbledore que ajustava seus óculos.-As duas podem ir juntos vão ter que...-Quando Dumbledore ía terminar a frase, Joy o cortou

-Manter distância e blá blá blá.

  Dumbledore pegou um frasquinho com um líquido estranho e bebeu-o, em seguida ele fez uma careta na qual eu tive vontade de rir. Mas me segurei. Logo sua aparência mudou. Se tornando um homem alto e magro que seus mebros chegavam ser maais finos. Nossa, a magreza minha não se compara nada com o "novo homem" a minha frente. Seu rosto era comprido e usava óculos meia lua e continha um bigode longo. Suas roupas era simples e usava um chapéu coco, havia uma pequena bolsa junto com ele. Ah, a velha poção polisuco.

- Podemos ir ?- Questionou. Ele estendeus os dois braços. Eu e Luna fomos no lado direito. Aparantamos. Aquilo foi horrível, meu corpo ainda esta machucado, tive que me segurar com força no braço de Dumbledore para que eu não caísse de tanta dor.

A nossa frente havia um grande portão com um grande letreiro escrito: Ofarnato wool.

- Ele mora em um orfanato ?-Questionei incrédulo. O prédio a nossa frente era quadrado e com altos muros ao seu redor. Parecia ser um lugar sombrio, só que limpo.

-Surpreso ?- Dumbledore ergueu a sombrancelha para mim.

- Pelo visto vocês dois tem algo em comum. Ambos os dois são órfãos.-Encarei Joy incrédulo com aquilo. Eu sou órfão por culpa dele !

-Bom, eu volto aqui da que alguns dias...até lá você tenta se aproximar de Riddle de forma displicente.-Disse picando um dos olhos para mim. E lá estava ele dando dicas de como seduzir Tom. Logo ele abriu a sua bolsa e de lá tirou três maletas.- Alterei as memórias dos funcionários do orfanato para fazer eles acreditar que irão receber trigêmeos que foram tirados uma família abusiva.- Explicou. Agora eu entendo o motivo dele não ter cuidado dos nossos fermentos.- Boa sorte.

- Vou precisar mais do que só sorte- O que será que Tom Riddle vai fazer comigo quando descobrir que eu sou ?

Andamos até a porta do orfanato. Luna ficou atrás de mim segurando sua pequena maleta assim como Joy. Eu sabia que Dumbledore havia colocado a minha capa de invisibilidade dentro da minha mala. 
Dumbledore bateu na porta do orfanato e nós quatro aguardamos. Uma mulher de idade e mal encarada abriu a porta. Ela torseu seu nariz que muito me lembra um bico de tucano, assim que seus olhos encararam nós três. Ótimo, vamos ser bem recebidos nesse lugar que parece uma casa mal assombrada. Sentia as mão de Luna agarem com força o meu braço.

-Madame...trouxe os trigêmeos ao qual conversamos mais cedo. -Trigêmeos ? Isso é sério ?

-Vocês devem ser os Pettersons ?- Disse com cara de nojo. Meu rosto tava coberto de bosta por acaso ? Para fazer essa cara de nojo só pode ser isso.  Eu e as meninas não respondemos. Joy jogava olhares de ódio pra cima da mulher a nossa frente. Ela não era a única nesse requisito.-Sigam-me.- rosnou a mulher. Sem duvidas eu não gostei dela.

-Até mais pequeninos..espero que suas estádia nesse lugar seja agradável. - Dumbledore se despediu de nós. Posso ter um ataque de pânico agora ?

   Encaramos a mulher a nossa frente que encarava a gente como se fossemos inquilinos de rua. Não a julgo. Também pensaria dessa forma. Afinal, estamos vestindo trapos. A mesma deu a passagem e rosnou um entrem. Luna entrou agarrada no meu braço. Será que aquela mulher a deixou com medo ?
  A mulher nos guiou até o segundo andar. Havia um corredor extenso e frio. As luzes eram falhas e deixavam o lugar meio que assombroso.

- Você irá ficar nesse quarto e as duas vão fica no quarto da esquerda. As luzes são apagadas as oito. Estejam em pé as sete e deixem o quarto limpo e arrumado. Não quero baderna aqui dentro da residência. Só podem rir e se divertir no pátio. A madre irá vistorisar seus quartos para ver se concluiram seus deveres. Não desobedecem essas regras, se fizerem isso irão ficar no quarto escuro. -Rosnou a última frase. Quarto escuro ? Minha vontade quebrar essas regras se foram só de pensar em ir a esse tal quarto escuro. Eu abri a porta e encontrei um quarto frio e escuro. Havia uma pequana cama com lençóis brancos. Um guarda roupa e uma escrivania que já teve seus dias melhores e uma cadeira surrada. A única iluminação no local era a pequena janele que ficava no alta da parede. As meninas assim como eu deixamos as maletas no meu quarto. 

-O banheiro fica no final do corredor.- Disse apontando uma porta totalmente desgastada e mofada.

- O café vai ser servido as sete no refeitório e se atrasarem ficarão sem comer. Entendido ?- Regras estúpidas. Quem as inventou ??

-Sim senhora.- Respondemos em conjunto.

- Sem rirem ou conversae em voz alta. Se fizerem isso sofreram com as consequências.

Dumbledore nos enviou no exército ? As consequências seria o que ? Paulada nas mãos ? Ou 30 polichinelo ?

- Esperamos boa higiene pessoal do nossos internos. Entenderam ?-Disse olhando para meu cabelo e o de Luna. A qual é ! Meu cabelo é indomável, e o da Luna é muito bonito

Ela andou até o corredor e fez um sinal que a seguisse, o que fizemos. Joy até agora tinha feições duras e indecifrável. Queria eu estar assim. Mesmo querendo desafiar a mulher, eu tava me borrando de medo.

-Aqui é o refeitório, está na hora do jantar. Vão se sentar, e nada de bagunça.-Disse abrindo as portas duplas. Resmungas sim senhora.

Havia 12 (pelo o que eu contei) crianças de idades diferentes, como esperado, elas não riam e muito menos conversavam. Era como se o local tivesse se infestado de dementadores. Todas as mesmas ergueram a cabeça para nos encararem. Mas haviam apenas uma pessoa que não havia erguido a cabeça. E a única que estava sozinha. Eu sabia quem era. Era o jovem Riddle.

  Super sociável. Talvez eu pegue umas dicas com ele.

  Ele estava igual ao Tom do diário. Será que foi esse ano que ele criou aquela coisa ? Mais trabalho para fazer. 
Seus cabelos estavam muito bem penteados dando a ele uma aparência aristocrática.  Suas roupas estavam bem passadas e muito bem alinhadas. Ele poderia entrar em qualquer festa se fosse preciso.

  Chutaria que a idade dele seria 16 ou 17 anos. Então ele estaria estudando em Hogwarts. E mais missão foi jogado as minhas costas. Por que eu não era que nem a Luna e a Joy ? A única coisas que ela fariam seria ficar juntas e longe de mim e daquele monstro.

  Se bem que se comparar ele atual e o do seu eu do futuro. Ele seria muito mais do que só bonito, com toda a certeza ele conseguiria seduzir tanto mulheres quanto homens com grande facilidade.

  Mas por que caralho ele troco essa beleza por um ser sem nariz ?

  Ele até conseguiria me seduzir, mas fracassaria com sucesso.

  Ele estava sozinho em uma mesa no canto. As crianças pareciam ter medo dele. E quem não teria ? Com aquela cara de que aparenta ter chupado limão de tão azedo que era.

  Não era para eu mexer mexer com ele. Maaas, eu sou meio que obrigado, então vou ter que me fazer de besta e seguir em direção a morte certa. Peguei minha bandeja e me servi com a comida que mais parecia uma gororoba. E segui em direção a mesa do Riddle. Diversas crianças cochichavam entre si. Tom era tão ruim assim ?

  Posso dar meia volta e ficar num cantinho e chorar por causa das minha péssimas decisão que eu tomo na vida ?

  Me sentei a sua frente e passei a comer. Ignorando total presença do Tom e o olhar que queimava sobre mim. Ignorei aquilo e passei a comer a gororoba que estava a minha frente. 
O silêncio me incomodava. Mas eu tentei ao máximo ignorar e...

  AH que se foda !

  Ergui minha cabeça e o encarei. Era a primeira vez nesse tempo que o encara de frente. Sem duvidas ele era muito bonito. O mesmo me olhava com um olhar mortal. Era como se ele falasse: SAIA DAQUI ANTES QUE LHE JOGO UM AVADA KADRAVA.

— Olá Tom.- Merdaaaa, o que eu tou fazendo ? Eu sou suicida só pode. Já não basta eu ter sentado de frente para ele. Eu tenho que dizer o seu nome. Qual é o meu problema ?

  Dumbledore disse que era para eu me aproximar de forma displicente...não sei o seu significado, melhor perguntar para as meninas.

—Como sabe meu nome  ?- Questionou irritado ou surpreso, e-eu não sei.

  Pensa Harry pensa. Olhei de relance a onde Luna estava e me lembrei da palavra que sempre me irritava quando ela falava.

—Magia.- Sorri de canto e voltei a ignora-lo. Se eu fico furioso quando Luna diz isso, imagina ele ?!

  Suicida, sem duvida alguma eu sou suicida.

  Fingi ignorar a aura homicida que estava ao meu redor. Assim que terminei de comer. Acho que chamei atenção de mais em minha opinião, mas espero que seja uma atenção boa e não uma na qual ele pode me matar. Me retirei sem dizer uma única palavra.

Entreguei a bandeja para a funcionária baixinha e rechonchuda com uma rendinha no cabelo e segui em direção ao banheiro. Não antes de ir no meu quarto e ter pego meu pijama e uma toalha.

  Enquanto andava pelo corredor eu podia sentir a minha nuca queimar. Fanzi o cenho e olhei para trás, não havia ninguém. Acho que a volta no tempo afetou meus sentidos.

  Ignorei aquele situação e entre no banheiro. Havia 4 chuveiros, um do lado do outro mas sem sem divisória. Olha que lindo que é esse banheiro. Super chique, entende ? As únicas divisória eram Onde eu presumir se onde os assentos sanitários ficavam.

  Deixei a água gelada cair sobre meu corpo. Meus pensamentos navegaram para o passado. Sempre que pensava nisso meu cérebro volta direto ao Cedrico e os meus amigos. A saudades era grande. Queria estar em Hogwarts com meus amigos, rindo do Rony, tendo as orelhas puxadas pela Hermione em requisito ao meus estudos. De quando eu voava pelo campo de quadribol. Aquilo era tão satisfatório e...

*click*

  Fiquei alerta assim que ouvi o som da porta se abrindo. Quem era ? Por favor que não seja Joy e muito menos a Luna.

  Olhei de relance por cima do ombro. Era Tom (eu acho). Pensando bem, prefiro as meninas a ele. Sem dúvidas.

  Ele queria o que ? Me assassinar ? Por favor que não seja estrupar.

  Me fiz de desentendido em relação sobre sua pessoa e continuei a me banhar. Assim que terminei, pegue a tolha e coloquei meus óculos e olhei para ele. Meus cabelos estavam no meu rosto. E com um pouco de dificuldade por conta dos meus cabelo o encarei de volta.

  Ele me olhou de cima a baixo. Como se medisse e assim que ele me olhou nos meus olhos ele bufou e saiu do banheiro.

  Oxê. É doido.

  Assim que coloquei meu pijama eu segui em rumo ao meu quarto. Mas uma cena me chamou a atenção. Era Tom que segurava na gola de um menino franzino. Ele faz bulliyng ?

  Por que eu tou surpreso ??

 —Me diga quem ele é. Agora - Ordenou com uma voz potente. Olha o Voldemort aí. E pensar que tenho que seduzir ele. Que lindo.

—E-eu só s-s-sei o que ouvi da madre.- O garoto se segurava para não chorar.

—Então fale !- Rosnou. 

—Ele é Herry Petterson e..e-ele..e suas irmãs gêmeas foram retirados da guarda de seus parentes abusivos.- Choramingava o garoto que estava aos prantos.  Que raios de nome é esse ? Era para ser algo discreto e não tão óbvio. Porra Dumbledore.

— Que tipo de abusos ?- Questionou Riddle.

  Oh mãe dina, viu.

—E-eu.. não.. sei...p-por f-favor..não me machuque.— Foi aí que ele começou a chorar. Ah qual é.

—Se estava interessado na minha pessoa era só ter perguntado pessoalmente e não aterrorizar essa criança trouxa — Sorri convencido. 
  
  Ele me encarou enfurecido. Parecia que ele tentava atirar lâminas pelo olhos. É sério que ele tá bravo ? Eu é quem devo ficar bravo. Eu não ia ficar parado enquanto ele fazia bulliyng com o garoto. E quem não iria ajudar ?

  Tom largou o garoto de qualquer jeito e se virou para sair. Mas Joy estava logo a sua frente com braços cruzados e com uma cara de quem chupou limão (se bem que ela sempre tem essa cara, mas é um amor de pessoa). Luna estra logo atrás dela segurando o tecido do vestido trouxa e esfarrapado de Joy. 
   
  Riddle rosnou e andou pisando duro pelo corredor. É serio mesmo que vou ter que seduzir um rapaz que é declarado como meu inimigo mortal e um bulliyng ?

—Vocês estão bem ?— Questionou Luna preocupada. Joy ainda mantinha seus braços cruzas porém suas feições estava suavizadas. O menino a nossa frente desabou em chorar. Luna e eu se aproximamos dele para o acalmar.

—C-cuidado...ele..e-elepode fazer ruim.— Avisou entre os soluços e fugiu. Ridsle estava no final do corredor e ele me estudava de longe, ele estava bravo por que eu ajudei um trouxa ? Ah que filho da p..

  Sorri convencido. Suicida a a a a.

  Alguns dias se passaram e as crianças grudaram em mim como carrapatos. Pelo visto Riddle não mostrava o seu pior lado. Mas como consequência disso, as crianças atrapalhavam em eu tentar conversar com a Luna e a Joy sobre a missão. Não tinha o que fazer, eu meio que virei protetor das crianças o que pelo visto não agradou nem um pouco o Riddle.

  Bom, ao menos estava chamando a atenção do Riddle enquanto eu aguardava a segunda parte do plano: Dumbledore aparecer.

  Esse fatídico apareceu. Estava no refeitório com as meninas ao meu lado e ao nosso redor as criança trouxas. Riddle que estava ao longe jogava olhares de assassinos para cima de mim. Mas me fiz de egípcia. Foi quando Dumbledore apareceu no refeitório com uma funcionária. Vi que Riddle ficou interessado com a visita do bruxo, provável que imaginou que fosse para ele.

—Família Petterson.—Chamou uma funcionária.

  Figir estar surpreso e logo me levantei sendo seguido pelas meninas. Dumbledore usava suas roupas de cores berrantes. Se com pararmos seu vestuário com o seu eu do passado verá que não mudou nada. Demonstrei como se não entendia o que acontecia. Sabia que Riddle me olhava pois minha nuca queimava.

— Esse cavalheiro desejava conversar com os senhores.— Falou a mulher educadamente. Pelo visto ela queria demonstrar simpatia (ou fingir) na frente do jovem Dumbledore. Seguimos em direção ao meu quarto para termos mais privacidade além de ser um local reservado e calmo. Em um certo momento olhei por cima do meu ombro. Conseguia ver Riddle que nos seguia em uma distância razoável.

—Senhores Pettersons. Sou o professor Alvo Dumbledore. Leciono na escola de magia e bruxaria de Hogwarts.— Cumprimentou apertando minha mão. Joy como sempre, mantinha seus braços cruzados enquanto luna com o seu coque desajustado e sorria de orelha a orelha. Fingi interresse educado. Joy havia deixado uma festa na porta, para que Riddle escutasse a nossa conversa.

  Dumbledore se acomodou na cadeira da escrivanhia.

— Já ouvi falar dessa escola.—Disse desinteressado.

— Soube que os senhores estudaram seus primeiros anos em Dumtrang. E que havia se mudado para a casa de seus tios na Noruega ainda crianças. Estou certo ?

— Como ele sabe sobre isso ?— Questionou Luna para Joy que só ergueu os ombros. Tentei ao máximo não mostrar minha surpresa. Elas eram boas. Sem dúvida.

— Assim que entraram em nosso território recebemos um carta da Noruega.— Ele limpou a garganta e proceguiu.— E sabemos da história de vocês. Mas agora que estão de volta a Londres, gostaria de saber se os senhores gostaria de voltar a estudar na sua escola antiga ? ou se gostariam de terminarem os estudos em Hogwarts ?— Dumbledore entrelaçou seus dedos a frente de seu rosto. Olhei para as meninas. Joy fez um sinal para a porta e mexeu os lábios ele está aqui. Luna colocou as mão em frente a sua boca e riu. Em baixo tom, é claro.

—Oh, adoraríamos de mudar um pouco os ares, Dumstrang tem políticas na qual não gostaríamos de citar-las e, adoraríamos mudar para Hogwarts..se for possível.— Joy revirou os olhos com meu cometário. Esqueci que ela teve seus estudos nos primeiros anos em Dumstrang.

— Será um prazer ter os senhores em nossa escola, e soube que o senhor Henry tem um grande... potencial—Disse fazendo ênfases na palavra potencial. Merda, do que ele está falando. Que pontecial ? A única coisa que tenho de potencial seria o de só fazer merda na minha vida.

—Aqui está a lista de material dos senhores.—Disse nos dando uma carta simples para mim.

—Hmm...—Fingi estar incomodado com algo.

—Algum problema ? —Questionou Dumbledore já esperando que eu fizesse tal ato.

—Senor, sou novo em Londres. Então não sei onde comprar meus materiais.— Menti descaradamente. Outro ato concluído. Por Merlin. Ainda bem que ensaiamos antes de virmos para o orfanato.

—Oh, eu poderei ver em meus horários, algum tempo livre e...

  A porta abriu em um baque, assustando a nos quatro. Joy e Luna deram curtos gritos. Era Riddle. OK, aqui virou uma novela para ter essa cena tão dramática ?

  Ele entrou quase aos tropeços. Tive que me segurar para não rir. Joy gargalhou com aquilo, fazendo com que Riddle jogasse olhares assassinos para cima dela.

—Senhor Riddle ? — Dumbledore fez uma careta de surpresa muito engraçada.

— Eu estava passa por aqui e desculpe..não pude deixa de ouvir o jovem Petterson..

—E suas irmãs.—murmurou Joy mas foi ignorada

—Precisa de ajuda. Então eu pensei em me oferecer em levar eles para o Beco diagonal. Afinal, sou estudante e monitor de Hogwarts.—  Tom usou todo o seu carisma para cima de Dumbledore.

—Ouvir de trás da porta é indelicado senhor Riddle, mas agradeço ao senhor em se oferecer ajudar os novatos.

—Senhor Dumbledore. Eu e Joy não poderemos acompanhar eles amanhã.— Comentou Luna. ISSO NÃO TAVA NO E SCRIPT.— Então eu acho que o Jovem Riddle poderia levar o nosso irmão e o senhor levasse nós duas em um outro momento.

  Dumbledore encarou Luna com o cenho frazido. Até eu tou dessa forma. O que ela tá fazendo, ela tá praticamente me jogando para cima desse futuro monstro.

  Dumbledore fez uma cara de surpresa. Ele entendeu o que ela quis dizer com aquilo.

—Pois bem, senhor Henry, gostaria de saber se o senhor está de acordo ?— Dumbledore questionou sereno.

  Encarei Riddle que tentava arrumar a postura e me lançou um sorriso....assustador. Não tinha como voltar atrás, elas praticamente me jogaram de mão bejada para cima do meu inimigo mais mortal. Eu acenei em concordância para Dumbledore. O que só aumentou o sorriso macabro de Riddle.

  EU VOU SAIR COM A PORRA DE UMA COBRA !!

                          Continua...


Notas Finais


______________________________________

Oi meu amores ♡

Tudo bem com vcs ?

Intão, como vcs puderam ver, eu sou uma péssima escritora quando se trata de escrever em primeira pessoa.

Mas mudando de assunto, vcs também viram que o capítulo tá maio que igual a da fanfic da Amyu-Chan (Na qual todos os créditos são para ela).

Eu só vou ter um pouco de dificuldade pq tenho que sempre acrescentar cenas que envolvem a Joy e a Luna. E como vocês tmb viram que vai ter M-preg Yeeaah

Eu tenho que chegar nessas cenas também, mais trabalho e dificuldades eeeee...

Mas tentarei fazer o terceiro capítulo o mais rápido possível. Até a próxima.
Byyyye 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...