1. Spirit Fanfics >
  2. Un castillo de naipes (Jikook - BTS) >
  3. 2 - É uma promessa...

História Un castillo de naipes (Jikook - BTS) - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura💕

Capítulo 2 - 2 - É uma promessa...


Andar pelo castelo já era algo monótono para Park. Seus passos lentos e despreocupados faziam pequenos sons no chão enquanto colocava suas mãos no bolso da sua camiseta. Se sentia exausto apesar de ter dormido a noite inteira. A cada dia mais se aproximava de seu casamento, mesmo não querendo admitir, queria que acontecesse todo esse casamento rápido para que a dor de ver seu amado longe de si acontecesse logo e não ficasse angustiado pelas horas que pareciam às vezes andar tão rápidas e outras mais lentas que uma tartaruga.

— Jimin...? — escutou aquela voz grave porém ao mesmo tempo suave de Myugu, seu amado, após ser puxado e ter sido beijado com rapidez e desejo do mesmo — eu não quero te perder...!

— Eu também não quero meu amor, mas a igreja já confirmou o casamento, você sabe o poder da igreja perante nós. Não tem mais o que fazer... Prometa não me esquecer, que eu não esquecerei você. — disse com algumas lágrimas nos olhos, então Jimin o puxa para mais um beijo, só que dessa vez com mais desejo ainda. Sabia que estava errado em desrespeitar seu pai, mas queria seu amado mais do que tudo.

Andaram até seus aposentos e trancaram a porta, permitindo que as mãos gélidas de Myugu passassem pelas belas curvas de Park, que soltava arfares baixíssimos, não poderiam correr o risco de serem descobertos. Esse amor proibido, que eles adentraram a fundo como se não houvesse o amanhã. Myugu segurou as nádegas de Park com força, enquanto o puxou para um beijo lento e cheio de desejo, eles sabiam que essa seria a primeira e última vez que se amariam novamente, e que sentiriam o gosto um do outro.


Reinado dos Jeon’s.

— Vocês são incompetentes ou que? Vai, solta a corda. — diz Jeon com sua fatídica expressão séria.

Um dos seus serviçais foi condenado a forca por abusar de uma das empregadas de Jeon, por isso, Jeon chamou seu povo para ver a cena do mesmo sendo enforcado.

— Por favor não meu príncipe, eu suplico, não mate meu filho! — os gritos de sua mãe juntamente com as lágrimas desesperadas da mesma eram escutadas como um som repetitivo.

Jeon escutava tudo com nojo. Eles sabiam o horror que aquele maldito serviçal havia feito para a sua empregada e mesmo assim ainda o defendem. Jeon encara um de seus soldados e o mesmo solta a corda, deixando o mesmo morrer asfixiado, deixando Jeon sorrindo feliz por ver aquela cena que para muitos pode ser doentia, mas para Jeon não era.

Jeon não era um alguém sanguinário. Seu coração era sim bom, mas acreditava que, se fizesse algum mal ao seu povo, teria o que merece. Sim, poderia estar sendo sanguinário o bastante por condenar o mesmo pela forca na frente da sua mãe, irmã, e até outros familiares. Mas sabia o motivo e todos sabiam Também o motivo. Achava que um homem como esse não merecia viver.

Depois de algum tempo, o homem já havia morrido e Jeon já havia mandado jogarem o corpo daquele homem em algum lugar nojento que combinasse com aquele homem mais nojento ainda. Jungkook foi até seu castelo novamente e seu pai o encara com desprezo.

— O que você quer agora? — pergunta Jeon, encarando seu pai novamente sem expressão.

— Por que você condenou a forca um dos melhores serviçais que nós tínhamos?! — Jeon o encara com nojo, porém suspira para não surtar ali mesmo.

— Ele abusou da Lee, a nossa jardineira. Mas você, como o bom incompetente e covarde que é fingiu que não soube disso, sendo que dava para escutar seus gritos sôfregos na distância. Foi por isso paizinho. — disse Jeon debochado, depois estralando sua língua no céu da boca.

— Ela era apenas uma vadia nojenta. Não precisávamos dela, as flores poderiam ter ficado sem ela. Quem irá organizar minhas jóias raras agora seu bastardo?! — perguntou e Jeona acreditou que seu legítimo pai estaria brincando. Não era possível que um homem fosse tão inacreditável quando se trata de seu modo de fala.

— Trate de achar outro. Acredito que em nosso povo tenham vários que precisem de emprego, ainda mais quando se é um da realeza. — disse o moreno e deu às costas, pronto para ir visitar sua mãe para ver se estava melhor.

Caminhou pelos corredores e olhou pela janela, vendo um clima chuvoso se formar. Suspirou e continuou a andar, os corredores que pareciam infinitos e meio escuros pareciam mais melancólicos sem a felicidade de sua amada mãe, Jeon Mina. Tudo era alegre, mesmo que seu maldito pai fosse tão desgraçado ao ponto de espancá-la quando a mesma não o obedecia ou não fazia sexo com o mesmo. Jeon se lembra do horror que viu e passou durante toda sua infância, e então por isso que seu coração nunca se apaixonou por alguém, pois pertence somente a sua mãe, para defendê-la da maldição que é seu pai.

Chegou na sala e viu sua mãe deitada na sua cama real, onde tinha várias flores que Jeon havia trazido para a mesma. Sorriu. Sua mãe parecia bem. As marcas que seu pai haviam deixado permaneciam ali, mas Jeon não se importou e abraçou a mãe como uma dócil criança.

— Mãe! — então uma lágrima escorreu de seus olhos acastanhados — você está bem...? O rei veio vê-la? — a mais velha sorri.

— Meu filho, estou bem. — então encarou e lhe deu um olhar aconselhador — seu pai veio me contar que você se casará... É verdade? — sabia que não poderia mentir para quem mais amava. Mas, mesmo assim, achou incrível o fato de seu pai mentir na cara dura.

— Sim, irei mãe... Mas será um casamento arranjado. — a mais velha desmancha seu sorriso — com o filho de Park III...

— O que?! — a mais velha arregala os olhos — tome cuidado meu filho, Park III tentará unir nossos reinados para dominar tudo, você sabe o quão sanguinário e infeliz ele é! Tome cuidado por favor....

— Eu sei... Mas o rei não me escuta. Disse o quão absurda é essa idéia, mas ele nega e diz que quem governa é ele, ou seja, quem decide é ele.

A mais velha suspirou triste e decepcionada, e então abraçou seu filho novamente.

— Por favor, prometa que tomará as decisões certas quando assumir o comando meu filho...

— Tomarei sim mãe, é uma promessa...


Notas Finais


fiz esse capítulo pra vocês entenderem um pouquinho mais da história da mãe do jk e tudo mais...
enfim, digam o que acham e até um próximo capítulo💕 amo vocês 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...