História Unconditional - Neagle (ShortFic) - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Neagle
Personagens Gabriel "Neox" Soares, Personagens Originais, Victor "Eagle" Trindade
Visualizações 31
Palavras 1.038
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção Adolescente, LGBT, Romance e Novela, Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - We can be seventeen?


Neox POV

Os dias têm se passado bem lentamente, parece que a escola está cada vez puxando mais o saco da gente. São cada vez mais provas, e eu juro que não sei mais o que fazer! Já não aguento mais de tanto estudar...

Eu nunca fui um dos melhores alunos da escola, porque convenhamos né, há muita coisa melhor pra fazer do que ficar com a cara enfiada nos livros o dia inteiro... ou não, não sei ao certo. Eu só sei que essa escola praticamente sempre esteve sob o meu comando. A diretora é uma baba-ovo minha que faz tudo por mim, é só por causa disso que passo de ano.

Eu ainda não consigo tirar aquele maldito garoto da minha cabeça... ora, maldita hora que fui o achar! E isso não me ajuda em nada quando tento estudar e a toda hora me lembro do seu sorriso adorável.

Arghhh, porquê deus, PORQUÊ?!

Agora, já em plenas sete da manhã, estou aqui eu andando em direção à escola com cara de quem hoje acordou com o pé direito... eu tô cansado dessa merda de vida, sendo bem sincero com vocês.

É quando noto um pequeno ser sentado em um dos bancos dos corredores – que estão a essa hora praticamente vazios – lendo. Awn, ele usa óculos! Que fofo... vou até ele e sento-me ao seu lado.

— Hey sweet. Então é isso que você faz nos seus tempos livros? Que interessante... — sorri provocativo. Ele pulou de susto, tanto que seus óculos quase saíram. — Awn, Eagle! Eu não sabia que você usava óculos. Tu fica tão adorável desse jeito! — aperto sua bochecha rodada, o mesmo cora cada vez mais violentamente. Rio baixo, beijando sua testa.

— Q-quando você chegou, Neox? — ele fechou o livro, me olhando fixamente. Um sorriso adorável surgiu em seu rosto. Eu posso apostar que senti meu coração se aquecer de amor. — E aliás, é um milagre você chegar a essa hora tão cedo.

— Ah, eu acordei hoje mais cedo, então te vi aqui sozinho e vim aqui ter com você.

— Oh, ok. — ele virou o rosto, desviando o olhar rapidamente.

— Eagle? Ta tudo bem?

— T-tá sim... — ele engoliu seco.

Virei seu rosto pra mim e vi seus olhos cheios d'água. Ué, o que eu fiz agora?!

— Sweet, porque você tá chorando? Eu fiz ou disse algo de errado?

— Oh, não N-Neox, você não fez nada de errado. Calma! — os olhos dele de certa forma me transmitiam calma, tão inocentes, repletos de alegria, fofura, doçura e curiosidade.

— Então o que houve? — indaguei-o curiosamente.

— É só que... — ele fungou baixo. — Vamos pra outro lugar... eu não preciso que os outros me vejam neste estado...

— Tudo bem. Vem, vamos pro banheiro que lá estamos mais a vontade.

— Tá bom então. — ele abaixou a cabeça. Segurei sua mão e puxei-o até o banheiro, eu podia muito bem notar suas bochechas tomando uma coloração rosada. Awn, ele está corado!

Assim que entramos eu tranquei a porta, não sem antes verificar se havia alguém dentro. Ótimo! Não tem ninguém...

— Agora me conta Eagle, o que houve?

— Eu só... eu só queria poder agir normalmente, viver normalmente como todo adolescente de dezessete anos faz. Neox, você não entende, é horrível esse sentimento! — Eagle começou a desabar em meus braços. Comecei a afagar seus cabelos, eu queria poder pegar toda a sua dor e passa-la pra mim, mas infelizmente isso é impossível. — A minha vida é h-horrível, mamãe me odeia, e papai tem uma doença grave e seus meses de vida estão praticamente c-contados... — o menor engoliu seco, me olhando com os olhos brilhantes e lágrimas transbordando.

— Eagle...

— Eu só tenho a meu pai e meu irmão, e ainda assim... eu me sinto bem sozinho. Eu não tenho amigos, os garotos s-só sabem me olhar com olhos de como quem fosse me comer com os olhos, Gabe. E-eles só me querem levar pra cama e depois ficar se gabando pra cima dos outros. — ele baixou a cabeça. — Eu vivo sozinho todo santo dia, e isso também acontece em casa, já que mamãe não tá praticamente nunca em casa e também não ajuda nosso pai na doença. Ela diz que é a consequência de me mimar tanto... talvez ela tenha razão, t-talvez eu seja mesmo um pecador, uma aberração... — não o deixei terminar. Eu já não aguentava mais ouvi-lo falar aquelas coisas tão dolorosas e cruéis sobre si mesmo.


Ótimo, estamos danificados, realmente danificados

Mas isso não nos faz sábios

Nós não somos especiais, não somos diferentes

Nós não escolhemos quem vive ou morre


Oh, senhora Trindade, em que monstro você s tornou?


Vamos ser normais, ver filmes ruins

Tomar uma cerveja e assistir TV

Vamos assar biscoitos ou jogar boliche

Você não quer uma vida comigo?


— Sweet, por favor, não diga essas coisas!

— M-mas ela tem razão, Gabe...

— Não pequeno, ela não tem.


Não podemos ter dezessete anos?

Isso é tudo que eu quero fazer

Se você pudesse me deixar entrar

Eu poderia ser bom com você


— Eu só queria poder agir como um garoto normal de dezessete anos, Neox...

— Mas você pode, Eagle. Você vai conseguir passar por tudo isso, eu sei que sim! Você é um garoto tão forte e adorável, e não se esqueça que eu estarei sempre aqui para te apoiar e ser seu protetor. — beijei sua testa carinhosamente.


As pessoas nos ferem (ou desaparecem)

E você está certo, isso realmente marca

Mas nos deixamos ir (respire fundo)

Então vá comprar algumas roupas de verão


— Eu acho que até foi bom te reencontrar... — ele sorri adoravelmente. O meu coração se aqueceu de amor. Entretanto, as lágrimas ainda caíam de seus olhos, porém eram poucas.

— Eu posso dizer o mesmo, Vic.


Nós vamos acampar (jogar algum póquer)

E nós vamos comer algumas batatas fritas

Talvez na noite do baile, talvez dançando

Não pare de olhar nos meus olhos (seus olhos)

Não podemos ter dezessete anos?

Isso é tão difícil de acontecer?

Se você pudesse me deixar entrar

Eu poderia ser bom com você

Nós deixe ter dezessete anos

Se nós ainda temos o direito

Então, o que vai ser?

Eu quero estar com você

Eu quero estar com você

Quero estar com você

Esta noite

Riverdale Cast – Seventeen


Notas Finais


sim eu usei uma música do musical de heathers da versão de rvd nesse ep, bjo rs

[SPOILER DO PRÓXIMO CAP:


muita putaria
muito cu doce
mais putaria
mais cu doce
muita treta
e mais putaria :)]


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...