História (Undertale) MafiaTale - Vivendo Uma Vida Entre Um Crime - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Undertale
Personagens Alphys, Asgore Dreemurr, Asriel Dreemurr, Chara, Flowey, Frisk, Grillby, Mettaton, Muffet, Napstablook, Papyrus, Sans, Toriel, Undyne, W. D. Gaster
Tags Ação, Aventura, Mistério, Novela, Romance, Suspense, Tiro, Undertale
Visualizações 88
Palavras 1.326
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Survival, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Necrofilia, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 15 - Outra Promessa


"o que você estava perguntando, pelo número dele? Você sabe que não tem telefone. Você não esperava usar o meu, não é? ", perguntou Sans, enquanto observava Frisk, sentando-se no chão enquanto ela estava fazendo abdominais - era bom ter certeza de que ela estava fisicamente preparada para qualquer coisa que pudesse acontecer, além de estar bem treinada em como lidar com uma arma. Ele só esperava que ele fosse capaz de convencê-la a puxar o gatilho de alguma forma. 

"Bem, talvez." Frisk franziu a testa quando ela estava se sentando mais uma vez. O esqueleto riu incrédulo, antes de balançar a cabeça, dando a ela um olhar que dizia "você está falando sério?"

" sério? você acha que eu seria feliz em entregar meu telefone para que você pudesse ter conversas engraçadas com seu novo namorado repentino? " Sans zombou. Frisk grunhiu em frustração.

"Ele não é meu namorado! Ele é apenas alguém com quem eu queria ser amigo, você provavelmente estava me espionando o tempo todo, então você provavelmente ouviu a conversa. Você não precisa continuar zombando de mim." Frisk resmungou, antes de se levantar depois de ter feito o que parecia ser um milhão de flexões. Especialmente com como ela podia sentir agora os músculos ao redor de seu estômago parecendo que estavam queimando de exercício.

" Bem, mesmo assim, eu não posso simplesmente te dar o meu telefone. Eu não tenho um que eu use para pessoas fora do trabalho, e a última coisa que eu quero é um cara aleatório tendo o meu número. Pegue seu próprio telefone , frisk. " 

Se ela tivesse dinheiro para isso, talvez fosse uma boa ideia! Mas novamente, Sans parecia ser aquele que segurava o dinheiro que eles poderiam ter ganho fazendo trabalhos e missões. Era como se ele fosse um pai mandão que criou as regras e ela era uma criança que não podia fazer nada sobre toda a situação. Quase difícil de acreditar que era, o fato de que ele não era muito mais velho do que ela - já que ele tinha apenas 20 anos depois de tudo.

Depois de uma tonelada de exercícios, Frisk já estava se sentindo muito exausta, trabalhando até os ossos. Ela sabia que ainda não terminaria. O esqueleto ainda queria que ela melhorasse ao manusear uma arma. Uma arma era como um dos seus piores medos. A ideia de apenas vê-lo esmigalhar a carne de alguém. A idéia de sangue em cascata em todos os lugares de um único tiro ... Só de pensar que só ela queria tremer.

Já ao colocar uma arma nas mãos, Sans já podia notar seu nervosismo. " oi, garota. " Sans estalou os dedos na frente do rosto para levá-la a prestar atenção nele. Pareceu funcionar quando os olhos dela seguiram em direção a suas duas pupilas brancas. " Você pode relaxar. Você vê isso, o que você está usando ... " Sans pareceu acariciar sua mão contra o equipamento de proteção que ambos tinham decidido usar em seus torsos. Eles também tinham sobre seus braços - embora ela não visse o que isso deveria fazer contra uma bala, até que Sans dissipou suas preocupações. " é só uma arma de airsoft, ok? é por isso que estamos usando merda para nos proteger, então vai doer muito menos. "

"Você está esperando que eu atire em você?" Frisk se perguntou com preocupação, apenas para se sentir mais aterrorizado quando Sans assentiu. É verdade que não era uma arma de verdade que estava em suas mãos agora, mas ela ainda se sentia como se o homem fosse louco. Mesmo que não fosse letal.

" Eu também tenho um. " Ele disse, mostrando a pistola de airsoft em sua mão. " E a razão para isso é que eu acho que você está melhor tentando praticar com um alvo real. Vendo que você só pode fazer tanto com alvos móveis. apenas tente se concentrar em mim. "Sans brincou com um pequeno sorriso. Frisk ainda estava incerta.

"Sans ... não tenho certeza se posso fazer isso."

" Você disse que ajudaria a encontrar gaster. Se você não conseguir isso, em seguida, vindo para a missão, você não vai fazer um trabalho muito bom em se defender. " Sans apontou. " agora, vamos lá. " Sans fez sinal para ela se virar, antes de fazer o mesmo, então eles estavam de costas um para o outro. Eles iam tentar fazer um empate algumas vezes, só para ver o quão rápido Frisk poderia puxar o gatilho. Em missões, você nunca sabe quando alguém pode se aproximar de você. Então, isso foi necessário.

A cada passo que Frisk avançava, ela sentiu vontade de gritar. Isso não era uma coisa real, ela tinha que continuar se lembrando. Ela não morreria, e nem Sans se ela atirasse nele. Mas por algum motivo, ela ainda se sentia tensa e rígida ao dar cada passo. Chegou ao ponto em que ela estava tão perdida em seus pensamentos que havia esquecido de se virar, e ela podia sentir algo batendo nas costas dela, o que a fez ofegar em choque.

" e você está morto. " Sans suspirou com uma careta quando viu Frisk se virar de surpresa, vendo como ele já havia atirado nela.

"Desculpe eu ... eu ..."

" Vamos tentar de novo. "

E isso é exatamente o que eles fizeram. De novo e de novo o esqueleto desenhava armas com Frisk, e cada vez que Frisk falhava em puxar o gatilho sobre ele. Às vezes parece que ela chegou perto de fazer isso, mas ela nunca foi rápida o suficiente, e ele sempre teve o primeiro tiro nela. Ela realmente era um trabalho muito duro. Praticamente uma causa perdida. Desistir dela não era exatamente uma opção, era? Mesmo que ele dissesse a ela para ficar longe, ela provavelmente insistiria em vir de qualquer maneira.

" Eu acho que é o suficiente por agora. " Sans franziu a testa, indo estender a mão para puxar Frisk do chão, como se ela tivesse de alguma forma caído na última vez que eles tentaram fazer um empate. Ela parecia envergonhada, antes de agarrar a mão dele e se levantar. " você realmente ainda tem certeza de que quer ajudar com essa coisa toda? porque frisk, eu realmente não vou mentir para você ... você é bom no trabalho físico, fugindo ou enxugando as coisas pode não ser realmente um problema para você, talvez. "Ele disse. " Mas eu não posso gastar o tempo todo procurando por você. E com isso sendo assim, há a possibilidade de você ser morta. Você está realmente sentindo isso quando eu não posso te proteger?" tempo inteiro? "

"...Eu sou." Frisk assentiu. "Eu disse que faria, não é? Não, prometo que vou ajudar." Frisk disse com certeza. "Mesmo que isso me mate, eu quero ajudá-lo."

" Por quê? "

Por quê...? Ela não tinha certeza de si mesma. Toda essa situação começou antes mesmo de ela aparecer em suas vidas. Não foi realmente nada a ver com ela. Mas então ela viu o quanto isso danificou as pessoas; como Grillby parecia tão chateado, Sans definitivamente parecia afetado, e a Máfia estava sentindo falta de alguém que deve ter sido um grande negócio para todos. Talvez até para Toriel e Asgore. Enquanto estava na rua, ela não tinha feito muito bem com sua vida. Especialmente não para os outros. Ela havia pensado em si mesma e em si mesma; da situação em que ela estava. Pela primeira vez, ela queria ser útil. Não é uma merda. Não alguém que todos olhassem e pensassem que ela era uma idiota. Ela queria se provar para Sans, ela ainda podia fazer isso. Ela poderia ganhar a amizade dele dessa maneira. Por que ela tanto queria quando ele não ofereceria a ela, ela não sabia. Se ele não desse o primeiro passo, de alguma forma ela faria.

"Eu sei que só quero. E isso é uma promessa." 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...