1. Spirit Fanfics >
  2. Unforgettable Third >
  3. Capítulo 12. Grêmio Estudantil.

História Unforgettable Third - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


Oi gente, eu voltei!
Boa leitura, nos encontramos nas notas finais!

Capítulo 12 - Capítulo 12. Grêmio Estudantil.


Alícia 

    Após o retorno do Panapaná, as férias passaram voando. Passei algumas semanas com meu pai, como todos os anos, alguns dias na praia e o restante do tempo com Paulo, Marcelina e o pessoal da turma de vez em quando. Nas férias, são raros os dias em que todos conseguimos nos encontrar, justamente por quase sempre estarmos viajando. 

    Porém, na sexta-feira anterior à volta às aulas, os compromissos começaram a aparecer: tínhamos nossa primeira reunião do Grêmio Estudantil no ano. 

    Entro na sala do Grêmio Estudantil e percebo que fui a primeira a chegar. 

    Sento-me em um dos puffs espalhados pela sala e olho ao redor, com fotos de alunos espalhadas pelas paredes, a bandeira da escola em um canto, uma estante repleta de troféus que conquistamos em competições estudantis ao longo dos anos e um pouquinho de cada um de nós naquele ambiente, relembro de como nos esforçamos para que aquilo tudo fosse real. 

    Alguns anos antes de entrarmos no ensino médio, o grêmio da escola Mundial havia sido extinto, por conta de algumas irresponsabilidades cometidas pela antiga diretoria. Entretanto, todos os discentes, e até mesmo alguns docentes, sabiam da falta que uma representação estudantil fazia. Sendo assim, juntamente com a professora Helena, lutamos até conseguir convencer todo o Conselho Escolar de que aquilo seria útil e melhoraria a convivência entre pais, direção e alunos. Aparentemente deu certo, afinal recebíamos muitos elogios por nossa gestão e a escola até passou a ter um destaque maior nos campeonatos e feiras que participava. 

    Naquela época eu também estava em guerra pela criação de times femininos em todos os esportes da instituição. Aquela divisão de vôlei para meninas e futebol para meninos era totalmente injusta. O que nos proíbe de ser quem somos e fazer o que gostamos? 

    Por este motivo, acabei me tornando a capitã do time de futebol feminino e fui convidada para compor o GE como vice Diretora Esportiva. Entretanto, no ano seguinte, passei a atuar como Diretora Esportiva de fato, pois o garoto que ocupava o cargo se formou. Atualmente, a nossa turma ocupa a maioria dos lugares no Grêmio Estudantil. Porém em breve vamos nos formar... e tudo isso vai acabar. 

    Saio dos meus devaneios ao escutar a porta abrir, observando o Daniel passar por ela. 

    "Normalmente o presidente é o primeiro a chegar às reuniões." digo brincando, enquanto ele se joga na cadeira localizada na ponta da mesa. 

    "Eu cheguei aqui há uma hora. A diretora Olívia e a professora Helena me arrastaram para uma reunião que parecia não ter fim nunca." ele responde, demonstrando cansaço. Levanto-me e vou até nosso armário, pegando canetas e blocos para usarmos quando começar. 

    "Pelo visto teremos uma grande bomba para lidar." ouvimos a voz de Maria Joaquina, que havia acabado de chegar, seguida por alguns alunos dos outros anos que também participam do GE. 

    "Nada que já não estamos acostumados." afirma Daniel, enquanto Majo vem ao meu encontro e ajuda a distribuir os objetos pela mesa. 

    Minutos depois, todo o resto do grupo chega à sala. 

    "Ótimo, podemos começar a reunião?" pergunta Daniel, assumindo seu papel de presidente. À sua esquerda está Marcelina, nossa secretária geral, com o notebook pronto para anotar tudo que falaremos. Já a sua direita se encontra Maria Joaquina, a vice presidente. 

    Todos afirmamos em concordância, então Daniel respira fundo e começa a falar: 

    "Bom, acabei de sair de uma conversa com a Diretora Olívia e a professora Helena. Elas querem que a gente organize um evento de volta às aulas..." 

    "O ano nem começou e já estamos metidos em encrenca?" reclama Jaime, recebendo olhares de advertência. Ele é o nosso vice diretor de cultura e, por incrível que pareça, exerce muito bem sua função. Para ser sincera, acho que a faz até melhor do que o diretor principal, que nem está presente...

    "Podíamos fazer uma festa!" fala Valéria, totalmente empolgada. Ela ocupa o lugar de diretora de comunicação e, sem dúvida alguma, nasceu para isso. 

    "Tá doida Valéria? A diretora nunca vai deixar isso acontecer. No máximo ela vai querer uma palestra de três horas..." refuta Brenda, uma aluna do segundo ano. 

    "Na verdade elas pediram algo que colabore para a integração dos alunos, mas que também ajude a comunidade." explica Daniel, massageando as têmporas. Pelo que conheço dele, deve ter ficado o tempo todo tentando encontrar uma solução para aquilo. 

A sala, até então agitada, fica em completo silêncio. Aparentemente todos tentam desvendar aquela charada. 

    "E se nós fizermos uma gincana?" A voz de Marcelina ecoa pela sala, atraindo todos os olhares para ela, que rapidamente fica vermelha. Observo Maria Joaquina e Daniel trocarem um olhar, como se estivessem ponderando sobre aquilo. 

    "Desenvolva seu ponto de vista, Marce." a patricinha fala amigavelmente. Minha cunhada me lança um olhar de desespero, mas eu apenas sorrio e faço sinal para que fale. 

    Deixando toda sua timidez de lado, a baixinha respira fundo e retoma a ideia: 

    "Então, uma gincana seria ótima para desenvolver a união e integração dos alunos, visto que teríamos que trabalhar em equipe. Além disso, podemos pensar em provas que ajudem a comunidade escolar e, quem sabe, até mesmo do bairro. E isso também sairia da monotonia da sala de aula, podendo ser divertido para os alunos..." olho ao redor e percebo sorrisos nascendo na boca de todos os presentes, demonstrando que estavam gostando da ideia. 

    "E como seriam as equipes, Marce?" pergunto, numa tentativa de incentiva-la a continuar. 

    "Cada turma do ensino médio pode se dividir em duas equipes. Acredito que assim daria uma boa quantidade... O único problema é que a nossa turma ficaria em desfalque, pois temos a maior quantidade de membros do GE..." 

    "Mas isso nós conseguimos resolver!" grita Daniel, visivelmente empolgado e aliviado. "Nós não precisamos de todo o Grêmio Estudantil participando da elaboração da gincana... podemos pegar um de cada turma, para ficar justo para todos, e o restante se divide na equipes." 

    "Acho uma boa ideia. Mas eu daria a opção da Marcelina escolher se quer participar da elaboração das provas ou da execução das mesmas, já que foi ela quem deu a ideia..." sugere Majo, dando uma piscadinha para a Guerra. 

    "Claro! Marce, você pode escolher no que quer participar. Mas não precisa responder agora... Antes, podemos discutir quais temas vocês acham interessantes abordar na gincana, assim posso mostrar as sugestões para a Olívia e para a Helena e então..." 

    "Dani, na verdade eu tive mais uma ideia." Marcelina interrompe o presidente, olhando para baixo. "Nós podíamos fazer uma festa para o encerramento da gincana, assim os alunos se sentiriam motivados a participar e alegraria a todos..." 

    Uma onda de aplausos preenche a sala após a proposta de Marcelina. Surpresa com a reação de todos, ela abre um enorme sorriso. 

    "Ótimo, teremos uma festa de encerramento! Quer dizer, se a direção permitir..." completa Daniel, feliz com a participação da secretária geral. 

    Continuamos debatendo ideias que poderiam ser convertidas em provas e tarefas para a gincana. Ao final, contamos com uma lista enorme e com a certeza de que seria um sucesso. 

    "Encerramos a reunião agora, mas eu gostaria de dizer que estou muito orgulho de nós. A Primeira Gincana de Integração da Escola Mundial será incrível! Brenda, Carlos, Milena, João e Marcelina, precisaremos de uma nova reunião na segunda-feira, para começarmos a organização juntamente com a direção. Aos demais, peço que não mencionem nada com os outros alunos até termos o veredito." anuncia Daniel, recebendo acenos de concordância de todos. É visível a felicidade estampada em sua face. Involuntariamente, sorrio também. Nosso terceiro ano seria inesquecível. 

    Despedimo-nos de todos e aguardo Marcelina, que está terminando uma conversa com Daniel, para irmos juntas para sua casa. 

    Sim, tivemos uma reunião na escola... Mas ainda é sexta-feira e eu quero aproveitar o restinho dela com o meu namorado. 

    "Estou tão feliz, Ali! Você acha que fiz bem em escolher ficar na organização?" questiona a baixinha ao se aproximar de mim. 

    "Marce, tenho certeza que você fará um ótimo trabalho. Estou muito orgulhosa de você!" respondo, passando o braço por seus ombros e caminhando com ela para a saída da escola. 

    "É... eu também. Estou feliz por ser ouvida." 

    A Marcelina é uma garota maravilhosa, Mas, muitas vezes, não consegue enxergar o brilho que possui. Por insegurança, acaba ficando quieta e deixando várias oportunidades de lado. Entretanto, hoje havia sido diferente. E eu estou muito feliz pela minha melhor amiga. 

    "Agora anda logo, baixinha, estou morrendo de fome e tenho certeza que minha sogrinha linda está nos esperando com o jantar." digo, apressando o passo. 

    "Isso é felicidade pela comida da minha mãe ou saudades do meu irmão?" ela provoca, fazendo-me revirar os olhos. 

    "Diferente de você, eu não passei a tarde inteira grudada no meu namorado." respondo. "Aliás, como vai o Mário? Faz tempo que não o vejo. Meu Deus, acabei de pensar que provavelmente terei que fazer grupo com ele e com o Paulo. E você estará lá para me ajudar! Marcelina, que tipo de melhor amiga você é para me abandonar assim?" 

    "Do tipo que confia na sua capacidade de aguentar os amores de nossas vidas sozinha. Mesmo quando eles agem como se ainda possuíssem oito anos de idade…"

    "Espero que a dona Lilian tenha feito sobremesa… vou precisar de muito doce para superar essa traição." 

    "Alícia, não é o fim do mundo." 

    "Ficar sem minha melhor amiga na minha equipe da gincana do colegial é pior do que o fim do mundo para mim…" falo fazendo biquinho. 

    "Santo Deus, quanto drama! Estou começando a ter pena do meu irmão quando você está de TPM…" Marcelina responde, causando risadas. 

    Com esse clima tranquilo e divertido, seguimos conversando até chegar a casa dos Guerra. 

    Pela primeira vez na vida, eu me sinto ansiosa para a chegada da segunda-feira.


Notas Finais


Espero que tenham gostado do capítulo. Esse foi mais tranquilo, apenas para dar um rumo à história. Nos próximos, teremos a gincana... O que será que ela reserva aos alunos? Com certeza muitas emoções.... façam suas apostas!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...