1. Spirit Fanfics >
  2. Unforgivable Alpha >
  3. 03

História Unforgivable Alpha - Capítulo 4


Escrita por:


Capítulo 4 - 03


Depois daquela tatuagem que recebi do ômega, agora terei a obrigação de pegá-lo de volta. Até porque não me importaria por causa da marca que eu dei, mas quando um alfa da minha raça recebe a do ômega destinado é como se estivesse em um inferno. 

- Aquele ômega, ele me paga. - rosnei baixo enquanto trocava de roupa. 

Assim que terminei de por meu terno, senti uma puta dor queimando minhas costas, tentei ignorar, mas não dava, ele está com problemas e tenho certeza de que seja algum filho da puta. 

Então rapidamente sai de meu quarto descendo as escadas com pressa. Peguei minha chave da moto com Kim e sem demora fui até a mesma dando partida rapidamente. 

Cada mais que chegava, mais a dor ficava insuportável e quando senti aquele cheiro de avelã forte, parei no mesmo instante. 

Desci do veículo e corri até um beco vendo meu ômega sendo agarrado obrigatoriamente por um alfa. Esse dever é meu, ninguém deve encostar naquilo que não é dele. 

Andei até aquele alfa Escroto o empurrando do Jimin, logo fazendo seu corpo ir de encontro com o muro e minha mão em seu pescoço. 

- Você é cego? Um ômega marcado, quer dizer que ele tem um alfa. - digo seriamente com um forte desejo de o matar sem piedade alguma, porém senti o Park me abraçar por trás e apertar forte. 

- Por favor, não o mate Senhor Jeon, eu faço o que você quiser, mas não mata ninguém. - disse me implorando e aquela opção me pareceu uma boa ideia, então joguei o cara para o outro lado não me importando mais com ele e peguei no pulso do Jimin o retirando dali. 

Em frente a minha moto parei com seu corpo em minha frente e apertei suas bochechas com força o olhando irritado.

- Não sabe que não podes sair quando estiver no cio? És burro por acaso? - perguntei e então soltei sua pele vendo um bico enorme em seus lábios - Fica emburrado que te jogo em frente do carro. - ameaço e o vejo se afastar, mas peguei fortemente em seu braço e o puxei para perto de mim. Olhei fundo em seus olhos seriamente mostrando o tanto que estava irritado. - Terei de te por na minha casa, se fizer algo que me deixa irritado, ou me desobedecer, será um ômega morto - digo e assim o solto.

Entrego para ele um capacete e monto na moto, esperei fazer a mesma coisa, só que antes da gente sair vi um alfa correndo até em nossa direção. 

- Ei espere, o Jimin trabalha na lojinha. - disse e eu apenas sorri de canto. 

- Não trabalha mais. - digo e então dei partida e fui direto para minha casa. 

Senti ele se hesitar em me abraçar, mas quando aumentei a velocidade, o mesmo me pegou e agarrou minha cintura com medo. Acabei sorrindo por causa dessa atitude, é engraçado.

Quando chegamos em minha casa, o peguei pelo braço e levei até meu quarto, estava esperando algo sair da sua boca, mas nada saía, então comecei a dizer primeiro. 

- Park Jimin, já que você tem minha marca e eu a sua, então vamos fazer o seguinte, a partir de hoje viverá aqui na minha casa. Terá de seguir minhas regras, te ajudarei no seu cio e se você for bom, realizo um pedido seu, se não eu te castigo até aprender e eu não me importarei de te machucar, muito menos se me der vontade de te matar. - digo sério vendo ele me olhar assustado e ainda continuar calado - Me responda caralho. - falo nervoso e o mesmo da um sobressalto na cama. 

- E-Eu vou fazer... - disse e me aproximei perto dele colocando minhas mãos ao lado de seu corpo uma em cada canto em cima do colchão e olhei atentamente para seu olhos. 

- Terei de te ensinar a ter bons modos quando fala? Não sou seu amigo Park, muito menos seu namorado. Terá de me tratar com respeito, quem manda, quem faz o que quer com seu corpo e quem te machuca sou eu e mais ninguém, quero escutar "Senhor" nas suas frases. - digo seriamente e o vejo recuar um pouco. 

- Sim senhor, me desculpa. - disse choroso e logo me afastei do mesmo. 

- Vá tomar seu banho, pegarei seu almoço. - ordeno e no mesmo instante ele se levanta e fica meio confuso então o mostro aonde ficava o cômodo e logo saio do quarto. 

Assim que fechei a porta, me aproximei das escadas e as desci indo diretamente para o meu mordomo Kim SeokJin, ele estava preparando a comida, só ele que faz comida aqui. Então vi os pratos prontos e logo preparei uma bandeja pra levar para Park. 

- Kim quero que você faça um quarto do jeito que eu gosto ao lado do meu. Rosa, pelúcia, roupas eróticas e pijamas reveladores, quero tudo feminino. Compra meias, calcinhas, saias, baby-doll, encha o closet com roupas variadas, e me entrega a chave. Quero isso pronto amanhã de manhã. - digo e o mesmo assente com a cabeça. 

Peguei a bandeja voltando ao quarto novamente, subi as escadas com calma e assim que cheguei na porta abri e vi Jimin sem toalha e de costas se trocando. 

- Se me recebe-se assim sempre talvez eu seria muito bom para você. - digo e o vejo na mesma hora pega a toalha e tampar seu corpo. - Já vi e já comi, porque está escondendo? - pergunto observando suas expressões, olhando seu rosto levemente ficar vermelho. 

- E-eu só não gosto Senhor... - disse com a cabeça baixa se afastando aos poucos. 

Coloquei a comida em cima do criado-mudo e andei até o mesmo. 

- E porque não gosta? Do que você não gosta? Seja mais específico Park. - peço curioso. 

- M-meu corpo é feio, tenho muita bunda, muito peito e minhas curvas são iguais de mulheres. Nenhum alfa gosta disso é estranho. - disse e acabei me irritando um pouco. Nenhum alfa, e eu sou o que? 

Já próximo peguei em seu braço com força e prenssei seu corpo contra a parede usando um pouco de brutalidade, olhei atentamente em seus olhos e me aproximei de seu rosto. 

- E eu sou o que para você Park? - pergunto deslizando minha destra que estava em seu braço e subindo até seu rosto. 

Coloquei meu dedo indicador dobrado em seu queixo e fiz sua cabeça erguer para cima, assim conseguiria vê seus olhos, aqueles que me chamaram tanto atenção e é aqueles que amo vê quando está desesperado. 

- O S-senhor não deve gostar de mim... - desviou seu olhar e voltou novamente para os meus olhos - Eu digo algo para mais sentimental, todo ômega quer um alfa ao seu lado e que cuide dele, o Senhor não tem esse tipo de sentimento por mim - disse e eu senti sua tristeza. 

- Então você desejaria que eu fosse assim Park? - perguntei chegando um pouco mais perto de seus lábios sorrindo de canto e fitando seus olhos e sua boca - Você me quer, não é? Quem sabe eu não vou pensando enquanto te avalio? - dou um selar demorado e me afasto. 

Ando até meu guarda-roupa pegando uma blusa que ficaria enorme nele e jogo para o mesmo. 

- Veste apenas ela e fique no quarto, se quiser assistir televisão, o controle está ali, e não saía daqui. - digo sério e assim coloco a bandeja de comida em cima da cama. 

Abro a gaveta do criado-mudo tirando dois celulares, um meu e um dele, em seguida coloco o meu aparelho no bolso e o de Park deixo em cima da cama. 

- Apenas coloque os números de seus pais, estarei no meu escritório qualquer coisa me manda mensagem. - o aviso e saio do quarto imediatamente. 

Observei os locais de minha casa e assim fui até minha sala de trabalho. Precisava resolver algumas papeladas e também de pensar em como eu poderia eliminar os empregados que estão tentando me matar.

- Senhor Jeon - me chamou Seok batendo suavemente na porta e assim que permitir ele entrar vi Park ao seu lado. Ele sabia que se encostasse um dedo no ômega iria morrer - Estava tentando fugir, então me perdoe por isto. - disse e reverenciou. 

- Tudo bem, pode ir e feche a porta - digo e o mesmo faz. 

Olhei friamente para o ômega a minha frente então me levantei andando enquanto o observava e me escorei na mesa. 

- Então, você prefere cinto ou minha mão? - pergunto enquanto desafivelava o couro em minha cintura o retirando calmamente. 

- E-eu só queria comer algum doce... - disse se distanciando, mas não tinha para onde ele correr. 

- Se você sair por essa porta, irei atrás de você, não irá desejar isso não é mesmo? Tranque e me entregue a chave. - ordenei e assim ele fez, estava trêmulo, choroso e com medo. Isso me excita. 

Assim que ele chegou próximo de mim, peguei em seu braço fazendo seu corpo ir de encontro com o meu, olhei para seus olhos fixamente sorrindo de lado. Me aproximei de seu rosto dando um selar em seus lábios e outro em seu nariz, sentindo que até sua respiração estava mais calma. Por enquanto.

- Abre a boca. - ordenei e o vi obedecer - Se fosse assim, seria bem melhor, não acha? Assim eu não precisaria te punir meu anjo - coloco o couro em sua boca - Morde agora - digo e sorrio vendo seus olhinhos desesperados.

Desci com minhas mãos até suas nádegas apertando fortemente e então dei um tapa bem forte em sua bunda sentindo suas mãozinhas apertarem minha blusa e seus olhos lacrimejarem. 

Dei mais um no mesmo lugar enquanto lubrificava meus lábios observando suas expressões deliciosas. Escutei um arfar sair de seus lábios e ele quase pula pelo terceiro tapa dado em bunda. 

- Quer que eu pare bebê? - pergunto o vendo assentir. 

Sorri de canto e com a minha destra fui até o cinto e retirei de sua boca que já estava babada. Nunca vi algo tão gostoso como isso, puta merda, meu pau até latejou agora. 

- Vamos vê se eu posso te deixar livre. - digo e então volto com minha mão para sua bunda - Olhando para mim, sabe o porque está apanhando Park? - pergunto e então logo ele respondeu. 

- O-o senhor me disse... para ficar no quarto e eu saí - me respondeu e sorri de lado, na mesma hora dei um tapa estalado o vendo fechar os olhos com força e chorar baixinho. 

- Não está esquecendo de nada Park? Vou fazer a pergunta novamente, sabe o porque está apanhando Park? - questiono. 

- O-o senhor... me disse... para ficar no quarto e eu saí, e também menti para o Senhor falando que iria pegar doces, sendo que estava querendo ir embora - respondeu-me e eu sorri contente. 

- Muito bem, sabendo que iria apanhar, teve a coragem de me desobedecer, és muito atrevido Jimin, o que eu faço com você, hm? - pergunto subindo com minha mão direita por dentro de sua blusa alisando sua pele com meus dedos. 

- E-eu vou ser obediente agora... só não me bate... por favor Senhor Jeon... - pediu enterrando seu rosto em minha blusa. 

Sentia seu corpo tremer, acho que devo ter exagerado na força, então peguei seu corpo no colo deixando com que seus braços me abraçarem e suas pernas se entrelaçarem em mim, peguei a chave abrindo a porta do escritório e fui até meu quarto. 

Chegando, fechei e tranquei, levei Jimin até a cama e me sentei na mesma deixando o pequeno ali por enquanto. Peguei meu celular que estava em meu bolso e liguei para o Kim. 

- Que sabor de sorvete você gosta Park? - perguntei e ele ainda perto de meu pescoço chorando me respondeu. 

- De Flocos - disse e assim que fui atendido pedi para Seok comprar o sorvete para o Jimin e desliguei a chamada. 

- Já passou, não vou te bater mais, só não me chateei e não me desobedece novamente, entendeu Park? - pergunto e assim ele me responde. 

- Sim Senhor, me desculpe. - pediu afastando seu rosto de meu pescoço e me olhando. 

Dei um selar em seus lábios e passei meus polegares perto de seus olhos limpando suas lágrimas. 

- Vista a roupa que te disse para vestir - ordeno ainda autoritário e assim Jimin saiu de meu colo e pegou a blusa indo direto para o banheiro - Aqui na minha frente bebê, não se esqueça seu corpo me pertence, eu já vi você pelado, não me importo da sua opinião, só faça aquilo que mando. - digo e assim senti ele querendo me bater - Quer me bater? Vem cá, me bata - o provoquei e ele apenas ficou emburrado - Tire - ordenei novamente e assim ele começou a retirar sua roupa. 

Por causa da sua vergonha acabou que demorando bastante e eu não achei nem um pouco ruim era bem excitante e quando o vi que iria retirar a calça o parei. 

- Vira-se, quero que tire com suas mãos até os pés e sem dobrar as pernas - digo e ele no mesmo momento ficou com o rosto avermelhado, sabia que estava sem cueca e isso vai ser super gostoso. 

Quando ele iria fazer ouvi a porta do quarto bater então rosnei de reprovação e escutei Jimin correr até o banheiro. 

- Kim, me lembre de reduzir seu salário. - digo sorrindo forçado após ter aberto a porta e pego o sorvete de sua mão. Fecho novamente e vejo Park voltar só com a blusa que tinha deixado para ele - Aqui seu pote e uma colher - estico e ele veio até a mim - Mas primeiro, quero meu beijo em forma de agradecimento. - sorrio de canto colocando o pote no criado-mudo volto com a atenção ao Jimin e antes de ele fugir segurei em seu pulso. 

Sorri novamente e o puxei para mim, guiei seu corpo até a cama fazendo ele se deitar, a sua blusa levemente se levantou mostrando apenas suas coxas fartas, quase revelando o restante que eu queria muito vê, mas não vou constranger ainda mais o menor, então apenas me aproximei de seu rosto e dei selares demorados em seus lábios. 

Mordisquei o seu inferior puxando com meus dentes levemente e então iniciei um beijo lento, porém intenso. Colei mais de meu corpo com o dele e acabei sorrindo percebendo que estava duro. 

- Tão safado. - digo, mas acabo deixando para lá, não vou satisfazê-lo da forma que quer. Assim me afastei levantando e pegando o seu sorvete, o entreguei e fui direto para o banheiro - Se tentar fugir de mim novamente, irei te torturar.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...