História Unicórnio do sexo. ( Reescrevendo;Hiatos) - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias EXO, Stray Kids
Personagens Baekhyun, Bang Chan, Chanyeol, Chen, D.O, Han Ji-sung, Hwang Hyun-jin, Kai, Kim Seung-min, Kim Woo-jin, Lay, Lee Felix, Lee Min-ho, Personagens Originais, Sehun, Seo Chang-bin, Suho, Xiumin, Yang Jeong-in
Tags Bekhyun!uke, Chansebeak, Chanyeol!top, Kaisoo, Sehun!flex, Sulay, Xiuchen
Visualizações 210
Palavras 1.612
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha mais um cap aí minha gente.......

Não sei o que falar então blá......

Bjos.....

Capítulo 3 - O picolé do Sr.Byun é mais gostoso.


Fanfic / Fanfiction Unicórnio do sexo. ( Reescrevendo;Hiatos) - Capítulo 3 - O picolé do Sr.Byun é mais gostoso.

O platinado encarava o Oh com um olhar incrédulo. Quem em pleno século 21 fazia uma pergunta daquelas?. O inocência do maior estava escancarada naquele momento, não que ele fizesse de propósito, longe disso. Sehun encara o menor com a famosa "carinha de cachorro pidão", era nítida sua curiosidade. 

Nunca entendera o motivo de seus amigos o tratarem como criança, havia sim uma grande -nem tanto - diferença de idade, mas, para a cabeça avoada do Oh aquilo era apenas números. Chega a ser frustante. Seus país sempre o privaram de ser um adolescente " normal", usam sempre a desculpa de que o Oh era ingênuo demais para as aventuras da vida. Lembrava bem de quando fora tido inocente e contente contar uma grande novidade para sua mãe, coisa que não deveria ter feito. Aos 10 anos Sehun deve sua primeira paixão, aquele que inconveniente você irá se lembrar para o resta da sua vida. Para a mente de criança de Sehun aquilo era algo fantástico, afinal, o que há de errado em gostar de alguém? Talvez o Oh não soubesse mas, gostar de alguém que tenha o mesmo sexo que você é algo pecaminoso para muitos. 

Aquele dia com certeza ficaria marcado para sempre em sua memória, não sabia o motivo da fúria de sua mãe, e muito menos o motivo da sua violência repentina a partir dali. Talvez, esse seja um dos motivos que aguçam o medo do jovem. Nunca, nunca mesmo, depois daquele episódio conseguiu se aproximar de alguém romanticamente. As palavras de sua mãe ecoavam em sua mente sempre que alguém atiçava seu interesse. Oras, por mais que fosse extremante ingênuo para certas coisa, Sehun sabia sim sobre seus interesses e desejos. Era por esses motivos que o jovem encarava ainda esperançoso o desconhecido.

 - Er...sabe...eu...er....- O desconhecido tentava dizer. O jovem fora pego completamente de surpresa. Não era todo dia que alguns chaga em você e perguntava quem era yaoi. Yaoi nem era gente. Suspirou.- Vem, vou te ensinar sobre isso.- Disse dando um sorriso encantador aos olhos do Oh.- Aliás, sou Byun Baekhyun.- Disse curvando-se educado. 

 - Oh Sehun.- Sehun disse meio acanhado por ter os olhoséatentos do menor sobre si.




 [.......] 




 Chanyeol andava de um lado para o outro naquela enorme sala. Estava frustando com o rumo que sua vida ia, suspirava a cada minutos pensando na melhor forma de resolver seus problemas. Seu casamento que até então estava uma maravilha, de repende, tornou-se um grande desastre. Se perguntava o que estava fazendo de tão errado para que seu marido ficasse tão irritado consigo. Sabia sim, que Baekhyun era alguém difícil, mas nunca pensou que após quase cinco anos de casamento as coisa sairiam do seu controle. Chanyeol conheceu o Byun ainda no ensino médio, fora o tal amor à primiera vista quando o maior colocou seus olhos no baixinho. Era nítido o interesse do maior e o mesmo não fazia questão de esconder. Foram longos dois anos até que enfim conseguísse a atenção do menor e pudesse finalmente se declarar. O quão foi seu felicidade ou saber que o menor também nutria sentimentos por ele, era surreal para si aquele momento. Sorriu a lembrar-se do tão maravilhoso dia do seu casamento. Era outono e como esperado seu casamento fora a coisa mais linda desse mundo, segundo suas próprias convicção. Sorriu mais uma vez com aquela lembrança. Chagava a ser frustante sentir a necessidade de te-lo e não ser correspondido, suspirou mais uma vez se decidindo, iria fazer uma supresa era isso. 

 Correu até sua mesa pegando seu celular. Discou o número tão conhecido por si, esse que após o terceira toque foi atendido. 

 - Alô?.- Ouviu a voz um tanto rouca do outro que lhe causou um arrepio.

 - Am...Beakhyun?.- Perguntou se chingando mentalmente por quase te-lo chamado de amor. Era evidente que o seu relacionamento está ruim, até as simples palavras se tornaram algo quase esquecido por eles.- Podemos nos encontar?.- Perguntou meio recuoso. 

 - Agora?.- O outro perguntou um tanto seco para a frustração do maior. - Estou ocupado..-Completou. Chanyeol iria continuar mas algo inusitado aconteceu.

 - Huum Sr.Byun seu picolé é muito gostoso.- Uma voz grossa atravessou aquela linha telefônica fazendo Chanyeol arregalar os olhos.

 - QUE PORRA É ESSA BYUN BAEKHYUN?.- Gritou sem nem ao menos se importa. Não acreditava no que acabara de escutar. 








[.........]



 Sehun caminhava alegremente atrás do mais velho, após alguns minutos de conversa descobriu quase tudo sobre o mais velho, sua instância e curiosidade servia para alguma coisa a final. Mesmo com um pouco de medo seguiu o menor sem exitar, não podia perder aquela oportunidade. Estava decidido, não iria mais ser alguém ingênuo e o primeiro passo era descobria porque esse tal de yaoi iria fazer diferença na sua vida.

 - Sr. Byun?.- Sehun disse meio acanhado quando deu de cara com a entrada de uma famosa sorveteria que tinha nos arredores do seu apartamento. Nunca havia entrado ali, e seus pequenos olhinhos brilharam com a possibilidade de finalmente experimentar os diversos sabores que ali havia. 

 - Já disse para não me chamar assim.- O Byun disse encarando o maior. Não se conformava com a maneira que o outro se referia a si. Parou um pouco observando os olhos brilhantes do maior. Era realmente lindo ve-lo daquele jeito. 

O Byun se sentia culpado por não saber o que estava acontecendo consigo. Era casado, amava com todas as suas forças seu marido, mas, todas as vezes que encarava o maior sentia seu peito esquentar. Byun Beakhyun nunca fôra alguém amoroso, suas idéias sobre amor eram totalmente fajutas e inconseqüentes. Aos 28 anos nunca pensou que se sentiria assim novamente. Oras, estava evidente para si o que estava acontecendo. Nunca foi alguém burro, e sabia que aqueles sentimentos tinham um sentido. Era evidente que a carência e a falta que sentia de Chanyeol contribuam, mas, mesmo que tentasse não conseguia deixar de pensar no marido. Eram cinco anos de casados, fora os anos de namoro. Conhecia cada gosto, cada gesto, cada defeito do maior e se aquilo não fosse amor não sabia o que era. Suspirou, sua cabeça estava a mil por hora, o pobre Byun não sabia o que fazer.

 Dês de que propôs a Chanyeol que adotassem uma criança já que o mesmo não podia engravidar, sentiu que algo havia mudado. A princípio não entendeu até que, em um dia qualquer, ouviu uma conversa de Chanyeol com de seus amigos, dali em diante as coisas só desandaram. O Byun não sabia o motivo das palavras do Park, afinal, um filho não era nada demais aos seus olhos. Ouvi-lo dizer que filhos atrapalhariam sua vida e que aquilo era egoísmo do menor fôra o ápice da discórdia. 

 - Beakhyun?.- Ouviu o voz do Oh e balançou sua cabeça rapidamente tentando dispersar aquela pensamentos. - Tudo bem?. - O Oh perguntou chegando mais perto do menor. 

Estava tão nítida a tristeza do menor que até Oh-cabeçadevento-Suhun percebeu que havia algo errado. Sehun nunca gostou de precisar tristeza ao seu redor. Mesmo sendo inexpressivo muitas vezes o menor tinha sim sentimentos, era um humano também. Sehun não sabia ao certo dos sentimentos que sentia pelo mais velho e torcia interinamente para não ser o que parecia ser. Inconscientemente pensou no Park, ainda se lembrava do olhar penetrante do outro sobre si, extremeceu. Estou cagado, pensou. Aquela era a frase mais sem pudor que Oh conhecia, ou melhor, que ousava em dizer. Suspirou, se deu conta que sim, estava cagado. 


 Os dois homens adentraram o estabelecimento lado a lado, quem os visse achariam que os dois eram um casal devido os sorriso estampado em suas faces. Sehun sorria por finalmente ter sua curiosidade sanada e o Byun, bom, nem ele sabia. Sentaram em uma das mesas mais afastadas no intuito de não chamar tanta atenção, bom, o Byun pensava assim o Oh apenas seguia o menor. Fizeram seus pedidos, ou quase isso. Sehun encarava o enorme pote a sua frente com felicidade e o Byun preferiu apenas um picolé. 

 - Bom...- Começou tentando achar um jeito fácil de começar aquilo.- Yaoi e um gênero de mangas digamos que diferente. Resumindo e um gênero voltado ao público homossexual.- Disse vendo o outro franzir o cenho. É talvez não séria fácil sua explicação. Antes mesmo de tentar mais uma vez ouviu mais uma coisa inusitada. 

 - Podemos fazer um yaoi Sr.Byun?.- O Oh perguntou. Talvez aquilo não fosse sua intenção mas a mente a maléfica do Byun levou aqui para outro caminhos. O menor encarou o Oh por alguns instantes até sentir se celular vibrar. Encarou o nome brilhante na tela e suspirou. Atendeu após três toques ouvindo a voz rouca do outro. 

 - Alô?.- Disse com a voz um tando rouca devido ao nervosismo. Será que ele desconfia de alguma coisa?, pensou.

 - Am...Beakhyun?.- Ouviu o outro se enrolar, queria ouvir aquilo mas o embaraço do outro o fez suspirar mais uma vez - Podemos nos encontar?.- Ouviu a voz recuosa do outro e se perguntou que diabos estava acontecendo. Seu relacionamento não ia muito bem, mas, nos últimos dias as coisas só pioravam.

- Agora?.- Perguntou encarando Sehun que olhava com os olhos brilhantes em direção ao seu picolé. Estendeu o sorvete para o menor que o pegou sem exitar - Estou ocupado..-Completou encarando Sehun que saboreava o sorvete alhio ao mundo. 

 - Huum Sr.Byun seu picolé e muito gostoso.- O Oh disse fazendo o Byun arregalar o olhos. 

 - QUE PORRA É ESSA BYUN BAEKHYUN?.- O Park gritou fazendo o Byun suspirar mais uma vez naquela dia. Puta Merda, fora a única coisa que conseguiu pensar naquele momento.        


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...