História Unidos por Contrato - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Eldarya
Personagens Erika, Ezarel, Jamon, Keroshane, Leiftan, Mery, Miiko, Nevra, Personagens Originais, Valkyon
Tags Eldarya, Elfo, Ezarel, Mundo Alternativo, New Adult, Romance
Visualizações 38
Palavras 680
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Alguém andou sumido, não? shaushsu desculpem, vou tentar compensar isso não sumindo durante tanto tempo dnv

sem mais delongas, vamos ao capítulo,

boa leitura! 💕

Capítulo 3 - Decisões


Fanfic / Fanfiction Unidos por Contrato - Capítulo 3 - Decisões

Observei o vapor se condensar no ar gélido quando assoprei o chá, antes de bebericar do recipiente de porcelana.

Eu ainda fazia uma careta quando a porta se abriu devagar, e ele colocou o rosto para dentro, parecendo um pouco surpreso.

— Achei que te encontraria dormindo — lhe respondi com um leve sorriso. A cama afundou levemente quando ele se sentou na beirada, seu olhar acinzentado me percorrendo com cautela; preocupação. 

Eu não conseguia falar nada, pois havia uma guerra acontecendo dentro da minha mente. Venceria o lado que decidisse o que eu deveria fazer. 

Ficamos apenas perdidos em nossos pensamentos, antes que Nevra quebrasse o silêncio entre nós. 

— Quando vai contar para ele? — aquela pergunta me atingiu como um soco. Não, não, não… Como?

Ewelein… 

Mas como se lesse meus pensamentos, ele logo continuou:

— Não, ela não me contou nada. Fui atrás de vocês duas, quando vi que estavam demorando, e eu estava prestes a chamá-la quando ouvi. Desculpe — ele apontou para as próprias orelhas — audição aguçada. 

Algo dentro de mim quis rir com aquilo, mas eu estava tão assustada com tudo, que não conseguia expor nada além de medo. 

Medo porque tudo poderia ter acontecido, menos aquilo. Tudo o que eu tinha que fazer, era ajudar nas buscas dos malditos cristais e em troca, eles me levariam para casa quando achassem os elementos para fazer o feitiço, e reabrir o portal. Era tão simples. Fácil. 

Mas depois que eu o vi. Não consegui ficar longe. E apesar do ódio inicial dele por mim, percebi que era recíproco durante uma tarefa no laboratório. E descobrimos que éramos uma combinação explosiva. 

Tanto, que acabei me queimando no processo. 

Que engraçado, Érika. 

— Não sei — confessei — eu não sei o que faço, não era pra ter acontecido, eu… o que eles irão fazer se descobrirem? 

Humanos não eram aceitos ali. Muito pelo contrário, eram caçados como qualquer outro inimigo. Eu estava escondida havia alguns meses. 

Eles jogaram um encanto sobre mim que conseguia disfarçar meu cheiro característico de humana, e eu não tinha uma raça definida, no fim de tudo, era uma boa desculpa,  a maioria acreditava apesar das suspeitas, que não passavam disso.

— Se nascesse faery haveria boas possibilidades. Mas caso sua aparência fosse totalmente humana… Iriam condená-la, tanto você, quanto Ez, por traição. E a criança… — ele suspirou — seria abandonada em alguma aldeia ao sul, para tentar a sorte, se sobrevivesse às péssimas condições da maioria delas. 

Meu peito afundou ao ouvir aquilo. Eu não o queria. Não conseguia me sentir mãe, e duvidava que isso fosse acontecer em algum momento, mas só a idéia de seu sofrimento… era doloroso

— Preciso ir embora — a minha voz não era mais do que um sussurro — não posso contar com a sorte. Pior que isso, sinto que não posso contar com ele. 

Era mais do que uma intuição, aliás. Era quase óbvio. Ezarel nunca aceitaria. Nunca.

O rosto de Nevra se fechou em puro ódio. 

— O que? Você tem que contar a ele. Não fez isso sozinha, Érika — ele começou a andar de um lado para o outro no quarto, pensativo, antes de se virar para mim novamente — e se esse imbecil sequer pensar em te deixar na mão, eu o jogo daquele maldito laboratório, e o deixo rolar escadaria baixo aos chutes.

Dessa vez senti meus olhos encolherem quando gargalhei, apesar de que Nevra ainda parecia bastante sério com sua afirmação. 

— Obrigada, Nev. Você é um verdadeiro amigo pra mim, e eu prometo pensar no que me disse, mas por enquanto, quero focar no que disse à você: voltar para casa. 

Eu sabia que haviam muitas coisas das quais eles me escondiam. Mas no momento em que Nevra respirou fundo, antes de me dar um breve aceno e me deixar sozinha, eu soube que tinha um aliado de verdade. Uma lágrima ousou cair finalmente. 

Mesmo que no fundo, eu preferisse que esse aliado tivesse os cabelos azuis e seus olhos, brilhassem como esmeralda.

 


Notas Finais


É... Parece que nem a Érika tá aceitando essa gravidez, imaginem o Ezarel se soubesse? Fica aí a dúvida ahauahau

Nevra um anjo mesmo né? aff <3

um bj e até logo mores ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...