História Unidos Por Uma Paixão - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Ada, Alfredo, Ámbar Benson, Ana, Benício, Delfina, Emília, Gaston, Jazmin, Luna Valente, Matteo Balsano, Nina, Personagens Originais, Ramiro, Rey, Sharon, Simón, Yam
Tags Benimilia, Elite Way, Gastina, Lutteo, Musica, Romance, Simbar, Sou Luna, Soy Luna, Yamiro
Visualizações 102
Palavras 2.045
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Mais um capítulo..

Capítulo 5 - "Foi Ela Que Me Agarrou"


...

— Isso é loucura! De jeito nenhum!- Fala Simón, sem acreditar no que Âmbar havia acabado de sugerir e balançando a cabeça em negação. O moreno ia saindo quando a voz da loira o deteve.

— Então, não quer vingança?- Diz Âmbar sorrindo provocante, arrumando seu cabelo para trás e vendo o moreno engolir a seco enquanto a encara com um olhar diferente de cima a baixo. Um olhar parecido com desejo.

— Como você quer que eu descubra algo sobre o fato de seu PAI ter matado os MEUS PAIS!- Diz Simón, se recompondo do estado de transe em que a filha do seu pior inimigo o deixava para retrucar sobre o plano nada normal dela.

— Ué, é bem simples, nós dois namoramos, e então, você e o meu pai vão ficar um pouco mais próximos e logo logo, você vai ter a informação se meu PAI matou SEUS PAIS.- Responde Âmbar como se fosse a coisa mais fácil de entender do mundo.

— Não sei não... Você nem me conhece. Nos vimos a algumas horas. E se eu descobrir o que está óbvio, você teria coragem de incriminar seu proprio pai?- Diz Simón, coçando sua nuca nervosamente, sem tirar os olhos da jovem, quem respirou fundo.

— Quanto a isso de não nos conhecermos, sem problemas. Você me diz o seu nome e pronto, questão resolvida. E sobre o que outro assunto, é complicado. Você não sabe o que eu passei ao lado do meu pai todos esses anos, então, sim, teria coragem..-Diz, tentando parecer o mais confiante possível e provando a si própria que iria sim denunciar seu próprio pai se assim julgasse necessário. - E aí? Topa ou não?- Pergunta Âmbar.

— Eu...Topo.- Fala Simón, sorrindo e se achando um louco por se meter nessa furada. Mas, ele tinha que se vingar de Bernie, e se sua filha queria tanto ajuda-lo quem era ele para recusar? Novamente se perdeu naquele sorriso brilhante e olhos azuis como o céu. Ela era linda. Praticamente uma Deusa. - E bom, eu queria dizer que me chamo Simón Álvarez. E ao que parece sou seu novo namorado, senhorita Benson. - Brinca, sorrindo amplamente.

- Simón. - A jovem repete, parecendo fascinada. - Belo nome. Mas não tão belo quanto seu dono. - Deixa escapar, se arrependendo em seguida ao ver os olhos esbugalhados e a expressão surpresa do garoto.

- Cortesia sua. - Responde ele, ao mesmo tempo em que pega na mão direita da mesma e lhe deposita um casto beijo. Ato o qual causa arrepios e tremores estranhos em ambos os jovens. Então voltam a se perder um nos olhares do outro, sem saber o que dizer a seguir.

....

 Emília e Pedro ainda mantinham seu beijo, a essas alturas, a jovem dark  já encontrava-se sentada no colo de Pedro, quem estava adorando o momento e sentia seu amiguinho inferior ganhar vida dentro da calça de tanto tesão que sentia pela garota.

Ele não interrompeu o beijo e nem ia, até porque, estava adorando! Até que um estrondo alto se escuta, ocasionado pela queda da cadeira a qual Emilia colocara numa tentativa de impedir que a porta da sala fosse aberta, o que claramente não deu certo pois a filha de Lily havia mal-posicionado a mesma. Então, a porta acaba por ser aberta e alguém indesejavel naquele momento aparece..

— MAS O QUE É ISSO? - Um grito estridente pode ser ouvido, e aluna e professor se afastam bruscamente, visivelmente assustados. Mas, já é tarde. Foram pegos no ato proibido e terão que dar muitas explicações.

...

— Desmaiou?- Rey foi até a garota, parecendo extremamente preocupado.

— Sim!- Matteo fala, mantendo sua pose de preocupado da melhor forma que podia, enquanto Benicio assiste tudo e se segura ao máximo para não rir.. - Eu fui falar com ela e ela desmaiou em meus braços! Mente ele, sorrindo fraco.

— Você, estou de olho, se te ver com uma garrafa de novo..- Fala Rey seriamente para Benicio, quem apenas assente afirmativamente. - Vamos, vamos leva-la para a enfermaria!- Diz Rey, se dirigindo a Matteo.

Reinaldo vai um pouco na frente pensando que Matteo o está seguindo com Luna, mas o mesmo ainda não tinha começado a andar.

— Te livrei dessa vez, mas não vai ter próxima!- Matteo adverte o irmão e vai atrás de Rey.

Sozinho, Benicio desata a rir feito louco e pega sua garrafa da mesa do diretor, abrindo e tomando um grande gole da bebida alcoólica, suspirando satisfatoriamente ao terminar.

- Ah, é disso que eu gosto. - Sussurra, feliz por ter se livrado de uma bronca feia a qual certamente viria. 

...

Jazmin anda de um lado para o outro nervosa, enquanto Nico, seu melhor amigo do colégio, ajeita seus óculos e tenta acalmar a ruiva, sem sucesso.

Nico e Jazmin se conhecem a anos, desde que ambos ingressaram no Elite Way, e se deram bem logo de cara. Talvez por serem ambos estudiosos e terem gostos extremamente parecidos. Ambos podem ser considerados "nerds", todavia não se importam. São felizes sendo quem são e tendo a amizade um do outro. 

- Calma, Jazmin. - Nico fala. - Talvez o senhor Rey só esteja ocupado mesmo, afinal o ano letivo vai começar e ele sendo o diretor daqui deve ter muito que fazer, como sempre. Quem sabe depois ele te conte algo sobre quem paga sua mensalidade aqui.

A ruiva parou e olhou para o amigo loiro, negando com a cabeça em discordância. - Não, Nico, não é isso. - Responde, parecendo ter certeza do que diz. - Não é de hoje que eu pergunto a ele quem paga minha mensalidade e ele simplesmente foge do assunto como se nada fosse. Rey não me contará nada. Terei que descobrir sozinha. - Suspira, frustrada.

Nico anda até ela e a abraça desajeitadamente. Jazmin encosta a cabeça no peito do rapaz e ficam assim por alguns segundos, se sentindo bem com o fato de estarem praticamente colados um no outro.

Então, Nicolás se afasta repentinamente, fazendo Jazmin ficar confusa e franzir a testa, não entendendo a atitude do amigo.

- Já sei! - Exclama, animado.

- O que, Nico? Não to te entendendo. - Diz Jazmin, sendo sincera e o encarando como se o mesmo fosse louco.

- Como sabe, eu sou um fera em informática. - O loiro começa, e Jazmin assente, ainda sem entender onde o jovem quer chegar com isso. Me passou aqui pela cabeça que se eu pudesse hackear o sistema do colégio, talvez pudéssemos entrar nos arquivos confidenciais do Rey e descobrir quem paga sua mensalidade.

A ruiva sorri, e seus olhos chegam a brilhar de empolgação ao escutar a ideia do mesmo. - Ótima ideia! - Exclama, contente. - Faria mesmo isso por mim? - Indaga, encarando os olhos de Nico fixamente e se sentindo estranha ao se perder na imensidão dos mesmos.

Nico fica meio envergonhado com a forma intensa na qual Jazmin o encara e começa a suar frio, o coração batendo forte sem que o mesmo entenda o motivo dessa reação.

- Cla, claro que faria. - Gagueja, estando um tanto nervoso. - É pra isso que os amigos servem. Pra aju, ajudar uns aos outros, não é? - Sorri fraco.

- Sim, claro. Obrigada mesmo, Nico. Te adoro muito. - A garota responde, e o abraça fortemente mais uma vez, piorando seu nervosismo e o pulsar do coração do rapaz, quem cada vez entende menos o que está se passando, ou então não quer entender.

...

Nina anda pelos corredores á procura de Emilia, quando esbarra com Gastón, como aconteceu mais cedo.

— Nina! Desculpa, eu não estava olhando..- Fala Gastón, a encarando de cima a baixo encantado e se arrepiando com o encontrar das mãos de ambos.

— Não, tudo bem, eu tambem estava distraida..- Diz Nina, ajeitando seus óculos e encarando o loiro nervosamente.

— É...Já que estamos aqui..Eu tava te procurando! Você... não quer sair comigo? Dar uma volta, sei lá. Já que as aulas só começam amanhã e tudo mais. - Pergunta Gastón, achando-se um pouco apressado já que mal conhece a garota e já está a "cantando". Entenderá perfeitamente se ela recusar seu convite.

Nina engole a seco, não esperava esse pedido tão repetino. Mal se conhecem. Depois de tudo o que lhe aconteceu tem medo de se aproximar de qualquer homem, e será dificil voltar a confiar. No entanto, Gastón parece ser legal e não tem cara de que lhe fará algum mal. Não vê problema em aceitar pelo fato de não ter nada para fazer ali até o dia seguinte. 

— C..Claro. - Diz Nina, um pouco envergonhada. Gastón sorri com a resposta, enquanto Simonetti se vê lhe sorrindo de volta.

...

— Então ela apenas desmaiou de repente?- Pergunta a enfermeira, enquanto Luna permanece deitada na maca fazendo seu melhor papel de desmaiada. Matteo engole a seco, sentindo os olhares firmes e inquisitivos da mulher e do diretor sobre si. Nunca foi bom em mentiras, quem é perito nisso é Benicio. E está se metendo em uma furada apenas para salva-lo de uma encrenca. Como sempre acontece.

— É, eu acho qu..- Luna acorda, e todos se viram para a jovem de imediato. Matteo respira aliviado e coloca aquilo na lista de coisas pelas quais terá que agradecer à Marrentinha.

— Onde estou?- Luna finge estar desorientada ao mesmo tempo em que o italiano se surpreende com a jovem. Ela é uma atriz nata. É incrível o quão naturalmente atua.

— Está tudo bem querida? Você desmaiou!- Diz a enfermeira, sorrindo para lhe tranquilizar.

— Não, eu devo ter comido pouco por...Estár de dieta! É isso!- Fala Luna.

— Bom mas você tem que se aliment..- Luna a interrompe.

— O importante é que agora eu tô bem!- Diz Luna, sorrindo e tentando ao máximo disfarçar seu incómodo e também o tédio que sente com toda aquela situação.

— Ah, que bom, se as pessoas ficassem  sabendo  que uma garota desmaiou ia ser uma noticia horrivel para o Elite Way!- Fala Rey saindo sem dar a minima para o bem-estar da aluna.

— É..Eu vou levar ela pro...Quarto!- Fala Matteo, sorrindo torto e querendo sair dali o mais rápido possível.

— Leve. Cuidado Luna! Coma melhor, voc..- Luna a interrompe mais uma vez, já se irritando com a mulher.

— Okay.- Fala ela saindo com Matteo.

— Valeu mesmo pelo que fez, marrentinha. Salvou meu irmão de uma enrascada, e a mim também!- Diz Matteo em agradecimento, andando ao lado da loira.

— Ah, sem problemas!- Diz Luna, sorrindo. - Gosto de ajudar pessoas..

— Valeu mesmo assim, a minha mãe ia ficar louca se soubesse disso!- Fala Matteo, a encarando e percebendo que não apenas ela era linda, mas seu sorriso também.

— Qual o problema do seu irmão? Bebendo aqui?! Se ele fosse pego..- Luna para de falar ao ver a expressão de Matteo tornar-se triste e apagada. Fica preocupada com o mesmo.

...

— Professora?- Pergunta Emília se levantando espantada do colo de Pedro e ajeitando sua roupa amassada em seguida ao ver a cara furiosa de Tamara, docente a qual conheceu na excursão de há pouco e quem daria aula de educação física. Está ferrada. Foi pega no flagra agarrando um professor logo no primeiro dia que chega no colégio. Que ótimo. Dona Lily certamente vai lhe fritar viva por isso.

— O que está acontecendo aqui?- Pergunta ela, mesmo que já soubesse a resposta exata pelo que seus olhos viram a pouco.

— Desculpe, professora, mas...Foi ela que me agarrou!- Pedro acusa Emília sem pudor algum. A garota encaea o mais velho furiosamente.

...

— Ah, mas eu já fui em Páris, nem é tão legal assim..- Diz Yam, enquanto anda lado a lado com Ramiro pelos corredores do Elite Way.

— Sério que já foi lá? Caramba! Pisar ali  é um dos meus grandes sonhos!- Fala Ramiro, sorrindo empolgado.

— Ah, eu já fui sim..- Fala Yam- Mas foi porque meu pai me obrigou a ir com ele e sua esposa!

— Falamos sobre muita coisa, mas não sobre seus pais. Quem são?- Pergunta Ramiro, olhando a garota de forma curiosa e ao mesmo tempo encantada.

— Meua pais...Bom...Minha mãe morreu quando eu tinha 8 anos, e meu pai, é empresário e não tem muito tempo pra mim...- Yam abaixa a cabeça tristemente ao lembrar da falta de atenção recebida do pai, o que lhe machuca profundamente.

— Ei...Você não está sozinha..- Ramiro levanta a cabeça de Yam, e ambos se encaram, sentindo-se arrepiarem.

Os dois acabam ficando bem próximos e..

...


Notas Finais


Mais um capitulo postado!
Espero que estejam gostando.
Lembrando que até agora todos esses acontecimentos fazdm parte do mesmo dia! Logo o tempo irá passando e teremos muitas surpresas.
Nos vemos nos comentários.
Até breve..


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...