História Uniquely Perfect - Camren - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camila, Camilacabello, Camren, Hibridos, Hybrid, Lauren, Laurenjauregui, Laurmila
Visualizações 496
Palavras 3.346
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fantasia, Ficção Adolescente, LGBT, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 6 - 06


Fanfic / Fanfiction Uniquely Perfect - Camren - Capítulo 6 - 06

 

Lauren POV

 

Ally e Camila chegaram a um acordo, pelo que parece. Mas Camila admitiu para mim, uma vez que tínhamos voltado ao nosso apartamento que a garota loira agora a aterrorizava. Eu a acalmei, explicando o que uma figura de linguagem significava, depois, claro, eu assegurei a ela que eu não ia morrer de fome como eu tinha dito, e então nós tínhamos assistido “Os Aristogatas” ao seu pedido. Depois de jantarmos sopa, ela tomou um banho enquanto eu lavava louça, e depois fui para a cama, com ela mais uma vez indo para o fundo dos meus pés até que eu a convidei a se deitar ao meu lado.

Para a alegria de Camila, ela não teve que ir para a Dinah no dia seguinte, porque meu chefe ligou mais uma vez e me informou que eles ainda estavam trabalhando no problema da tubulação. Assim que eu desliguei, Camila se sentou em cima de onde ela estava enrolada, em seu cobertor. "Lauren não tem que sair hoje?" ela perguntou, esperançosa.

"Não" respondi a ela, levantando-me da cama. Eu mandei uma mensagem de texto para Dinah, avisando-a que não iria para o trabalho novamente, antes de ir escovar os dentes e tomar banho. "Eu vou ficar em casa hoje."

"Camila vai fi-ficar em casa também?" ela também se levantou da cama e começou a me seguir.

"A menos que você tenha outros planos." eu provoquei.

Mas eu só consegui confundir a garota mais jovem: "Outros p-planos? Será que Camila tem outros planos?"

"Camila tem que ir assistir televisão, enquanto Lauren toma banho.” eu ri, entrando no banheiro. "Você quer escovar os dentes primeiro?"

"Sim!" Camila disse, pulando para o banheiro ao meu lado, e foi escovar seus dentes. Uma vez que Camila tinha terminado, eu a enxotei para fora do banheiro. E tomei banho o mais rápido que pude, imaginando o que fazer para o café da manhã. Quando saí do banheiro vestindo uma calça de moletom preta e camiseta roxa, fui para a sala de estar à espera de ver a menina de orelhas de gatinho sentada no sofá. Para minha surpresa, eu nem sequer a vi.

"Camila?" Gritei, com uma bolha de medo se formando em meu estômago enquanto minha mente me lembrou de todos os lugares em que a gatinha poderia se ferir.

"Camila não está aqui", veio à resposta estridente.

Minha testa se franziu e eu andei na direção em que ouvi a voz dela, olhando para trás da televisão. Camila tinha conseguido enfiar-se entre ela e a parede. O espaço era incrivelmente pequeno, e parte de mim se perguntava como ela tinha conseguido esse feito: "O que você está fazendo aí, sua garota boba?”

"Bateram", disse Camila em confusão. "na por-porta!"

A pequena bolha de medo reapareceu: "Você... Respondeu-a assim? Sem o seu gorro?"

"Não", ela choramingou. "C-Camila se escondeu."

"Bom", eu respirei de alívio, estendendo a mão para ajudar Camila sair da onde ela estava. "Boa, gatinha."

"O q-que aconteceria se Camila tivesse a-atendido a p-porta?" Camila pegou a minha mão na sua, agarrando-se perto de mim quando eu a puxei para fora de seu esconderijo, às orelhas achatadas e escondidas debaixo de seus cabelos.

"Bem," eu comecei me perguntando o que exatamente aconteceu mesmo. "Depende de quem estava lá. Alguém pode ter medo de você, porque ninguém nunca conheceu alguém como você. Outras pessoas poderiam pensar que seria perfeito para executar testes para tentar curar doenças."

"Camila não sabe o que isso significa.” sua expressão ficou perturbada quando ela me seguiu até a cozinha.

"Basicamente", eu suspirei. "As pessoas iriam levá-la embora."

Camila suspirou, "Camila n-não q-quer ir embora!"

Antes que eu pudesse responder, ela estava agarrando o meu braço em pânico. Eu rapidamente me virei para afagar suas costas, tentando acalmá-la. "Ninguém vai descobrir sobre você.”

"E se descobrirem?" Camila gemeu, olhando para mim em desespero com as orelhas mais uma vez achatadas em seu cabelo.

"Eu não vou deixar ninguém te levar." Eu dei de ombros antes de acrescentar, brincando. "A menos que eles me ofereçam dinheiro..."

"Lauren deixaria-?" Camila começou estridente.

"Não, gatinha, era uma piada!" Eu a aliviei, percebendo que Camila, embora fosse muito inteligente, ainda tinha problemas para entender o que era uma brincadeira e que não era.

"É... não foi muito agradável", ela fez beicinho, e suas orelhas voltaram para a sua posição normal.

"Você quer comer?" Eu perguntei, na esperança de mudar de assunto.

"Pizza ou corndog?" ela perguntou esperançosamente.

"Er... Que tal cereal?" Eu ri. "Se come com leite."

"Mostre-me." disse Camila, tomando um momento para se certificar de que usou a gramática correta.

Peguei duas tigelas do armário, o leite fora da geladeira, e o cereal que ficava no outro armário. Camila mais uma vez ficou bem perto de mim, examinando curiosamente cada movimento meu. Como eu coloquei o cereal nas tigelas, Camila animadamente apontou para os cereais da cor vermelha.

"Isso é um círculo!"

"Bom trabalho, Camila!" Louvei, segurando a caixa. "Que forma é essa?"

Camila fez uma pausa, olhando para a caixa e pensando por um momento antes de dizer: "Re-retângulo?"

"Sim!" Eu aplaudi, despenteando seus cabelos. "Veja, você está aprendendo muito já!"

"Camila quer aprender m-mais formas!" disse ela, saltando um pouco na ponta dos pés.

"Depois de comermos, talvez." Eu ri, derramando leite nas tigelas e inserindo as colheres nelas.

Ela suspirou, mas tomou sua tigela quando eu a entreguei para ela e a levou para a mesa. Camila rapidamente começou a devorar o cereal, ansiosa para terminar. Sentei-me a sua frente e estendi a mão para agarrar seu pulso gentilmente, impedindo-a de encher outra colherada na boca, até que ela tinha mastigado as outras três. Ela fez um som de protesto, e eu levantei minhas sobrancelhas, "Você vai engasgar".

Camila rapidamente mastigou o que ainda tinha na boca e engoliu, suspirando: "Mas... eu... quero aprender as formas."

"Você vai aprender mais formas ainda hoje.” eu prometi, liberando o pulso da menina para que ela pudesse continuar a comer.

"Depois a ler!" ela me lembrou.

"Isso é mais para a Dinah." eu ri. "Ela tem mais paciência."

"Por que Lauren... por que você precisa de paciência para ajudar Camila... me ajudar... a aprender? " ela perguntou lentamente.

"Você está animada para aprender hoje, hein? Formas, ler... você está trabalhando nas suas habilidades de fala." Comentei.

"Cam-Eu não quero que ninguém descubra que eu sou diferente", ela murmurou, olhando para a mesa. "Eu não quero que me levem embora."

Senti meu coração apertar na expressão triste que a menina usava. Eu nunca sabia muito bem o que fazer quando as pessoas ficavam tristes, "Ninguém vai levá-la. Eu prometo a você, Camila... Ninguém vai descobrir."

Camila acenou com a cabeça, "Tudo bem."

"Agora termine o seu cereal, gatinha." eu apontei. "Temos que começar a trabalhar com o seu aprendizado.”

Eventualmente, nós duas terminamos nosso cereal, e Camila ficou ao meu lado para me ver lavar os pratos. "Camila gostaria que fizessem cereal de pizza."

"Ew!" eu ri alto, surpresa. "Eu não acho que seria muito bom."

"Pizza é bom, o leite é bom, cereal é bom..." Camila observou antes concluir. "Cereal de pizza".

"Faça algum", sugeri. "Nós poderíamos usar o dinheiro."

"Isso foi... uma piada?" Camila perguntou, sorrindo um pouco quando ela inclinou a cabeça para mim.

"Muito bem", eu ri.

Eu estava prestes a drenar a água da pia, mas eu havia esquecido um copo lá dentro, sem querer o emborquei ao pegá-lo, e como a torneira estava ligada, a água bateu no mesmo, fazendo espirrar para tudo quanto é lado. E simplesmente aconteceu de Camila estar praticamente pressionada ao meu lado.

E a água bateu diretamente nela. Direto no rosto. Ela soltou um grito assustado, tropeçando para trás esfregando freneticamente em seu rosto, enquanto suas orelhas se achataram. Meu cérebro estava me lembrando de que a menina se recusou a tomar banho de chuveiro, porque ela não gostava de água em seu rosto, e lá estava eu acidentalmente espirrando água na cara dela.

Eu abri a gaveta que continha os panos de prato, pegando um: "Eu sinto muito, gatinha! Sinto muito! Vem cá, deixe-me ajudá-la! Vou secá-la, espera." Tomando um pano de prato seco, eu coloquei a mão suavemente por trás da cabeça da garota para impedi-la de se afastar de mim e usei a minha mão com o pano de prato para esfregar no seu rosto.

Eu cuidadosamente limpei toda a água que ela havia deixado em seu rosto, esfregando os dedos da mão embalando a parte de trás de sua cabeça entre as orelhas suavemente. Todo o tempo ela foi se encolhendo para longe, com os olhos cerrados com força e o rosto amassado. Uma vez que eu tinha certeza que eu tinha limpado a água fora de seu rosto, eu joguei o pano de prato para o balcão e puxei a menina para um abraço, esperando que ela me perdoasse. No entanto, ela se contorceu para longe, balançando a cabeça freneticamente.

"Ca-Camila não g-gosta de água no rosto dela!" ela choramingou.

"Eu sei", eu sussurrei culpada. "Eu sinto muito... foi um acidente, gatinha! Eu prometo que isso não vai acontecer novamente."

Camila, no entanto, foi se esgueirando para longe de mim, e foi para sala de estar. Eu rapidamente me aproximei da pia para retirar o dreno, abandonando a tigela que eu tinha deixado cair e fui correndo atrás de Camila.

Ela havia enrolado a si mesma no canto do sofá, com os joelhos puxados para o peito. Minha culpa agora estava ameaçando me sufocar. Eu andei mais perto dela, mas ela simplesmente enterrou o rosto em seus braços que estavam descansando em cima de seus joelhos.

Na tentativa de animá-la, coloquei Aristogatas e fui me sentar do outro lado da sala, na poltrona. Ela acabou espiando por cima de seus braços, mas ela não veio até mim ou me convidou para me sentar seu ao lado. Suas orelhas pretas apareceram de volta a partir da posição achatada sob seus cabelos. Então ela assistiu em silêncio ao filme inteiro.

Quando ela terminou, eu murmurei um silêncio: "Camila?" Camila baixou os olhos para o chão, recusando-se a me encarar. Eu tentei de novo, "Por favor, fale comigo, gatinha..."

Ela ainda não respondeu então eu infelizmente saí da minha poltrona e fui para o meu quarto ligar para Dinah e pedir um conselho. Eu simplesmente queria pedir a ajuda dela para tentar me desculpar com a menina e fazê-la entender que havia sido um acidente.

Depois de discar o número de Dinah, eu esperava impacientemente que ela atendesse. Ela finalmente me respondeu depois de dois toques e meio.

"Se divertindo em seu dia de folga?" ela respondeu com uma risada.

"Eu sou uma pessoa horrível!" Eu disse imediatamente.

Dinah ficou em silêncio por um momento antes de perguntar: "O que você fez com a Camila?"

"O quê?" Eu perguntei, instantaneamente confusa.

"Lauren, eu sei que lhe disse para mantê-la com você, mas se você a chutou de casa ou algo assim, então honestamente, você deveria tê-la trazido aqui, eu não sabia que você era tão cruel..." Dinah divagava.

"Dinah!" Eu a interrompi com um estalo. "Eu não a chutei de casa! Eu acidentalmente joguei água no rosto dela e agora ela me odeia!"

Mais uma vez, Dinah ficou calada, suspirou e resmungou sarcasticamente: "Oh, sim Lauren, você é um monstro. Você deve ser condenada à prisão perpétua.”

"Cale a boca, Dinah!" Eu rosnei. "Você não entende! Ela não gosta de água no rosto dela! Ela não toma banho de chuveiro por causa disso!"

"Ela vai ficar bem, Laur." ela riu.

"Mas ela vai me odiar agora..." Eu fiz beicinho.

"Nah", Dinah finalmente chegou ao dar conselhos. "Ela provavelmente está apenas assustada."

"Venha e fale com ela?" Eu implorei.

"Ally pode ir?" ela perguntou.

"Por que você ainda pergunta isso?" Eu zombei. "Não é óbvio que se eu estou convidando uma, eu estou convidando a outra?"

"Tudo bem!" Dinah riu.

"Vejo vocês em breve." eu respondi, desligando meu telefone e deslizando-o no meu bolso.

Caminhando de volta para a sala, logo percebi que Camila não se moveu, então caí de volta na poltrona e olhei com tristeza para a menina mais nova, que estava sentada com o queixo nos joelhos, enquanto olhava para o chão.

Depois do que pareceu uma eternidade, Dinah finalmente chegou ao apartamento. Eu podia jurar que a porta estava trancada, mas ela provavelmente tinha conseguido a chave debaixo da pedra no pequeno canteiro de flores do lado de fora do apartamento.

"Oi Lauren!" Ally apareceu primeiro, atirando-se no meu colo.

"Olá Ally." eu ri. Sua cauda estava escondida, mas eu sabia que se eu pudesse vê-la estaria abanando loucamente.

Olhei ao redor da menina canina no meu colo para olhar para Camila. Dinah tinha ido de alguma forma até ela e estava tentando persuadi-la para fora de sua posição curvada, mas Camila apenas enterrou o rosto em seus braços. Ally saiu de cima de mim com curiosidade e correu para Camila.

"Qual é o problema?" perguntou para a garota de cabelos lisos.

Camila chiou, percebendo o quão perto Ally estava dela. Ela se encolheu ainda mais para baixo contra o sofá, então Dinah deu um tapinha no assento ao lado dela, "Sente-se aqui, amor. Você está a perturbando."

"Mas nós somos amigas!" Ally choramingou.

"Desculpe, Allyson." eu suspirei. "Eu acidentalmente joguei água no rosto dela... e ela está chateada comigo."

Camila ainda não estava olhando para ninguém, então eu decidi que iria falar com ela um pouco mais. Fui até lá e fiquei ao lado do braço do sofá que Camila estava encolhida contra, e disse calmamente: "Agora, não se esqueça de como falar, Camila. Você ainda tem que aprender a ler, lembra-se? Você quer aprender algumas formas agora? Eu vou te ensinar... eu prometi, lembra?"

A promessa não foi tão cumprida como eu disse que seria, e Camila praticamente me ignorou. Então eu fiz o que toda pessoa madura de 21 anos faria. Atirei-me de bruços no chão, com um gemido.

Ouvi Ally sussurrar para Dinah: "Por que Lauren está morrendo?"

E eu poderia abraçar a vida toda da garota loira pelo que aconteceu em seguida. Ouvi a voz de Camila perguntar estridentemente: "Lauren está morrendo?" e então eu senti alguém caindo no chão ao meu lado e cutucando gentilmente em minhas costas. "Q-qual é o problema? Lauren está t-triste! P-por que Lauren está t-triste?"

Sentei-me, mas antes que eu pudesse responder, uma garota pulou para o meu colo e se aninhou no meu peito. Os cantos de minha boca se contorceram um pouco, e eu hesitantemente, passei meus braços ao redor da menina mais nova, com medo de que ela não aceitasse meu pedido de desculpas de novo.

“Lauren não está triste. Camila está brava?" Dinah olhou para mim pelo meu uso da gramática. Eu necessariamente não podia culpá-la... só era fofo quando Camila fazia.

Camila balançou a cabeça: "Não... você não está mo-morrendo, está? Era uma figura de linguagem, certo?"

"Tipo isso." eu ri. "Mas não, eu não estou morrendo."

Eu parei de abraçar a menina mais nova, esperando que ela fosse correr para fora do meu colo, mas ela apenas se aconchegou mais. Minhas sobrancelhas levantaram e eu desajeitadamente dei um tapinha nas costas da garota mais jovem, olhando para Dinah: "Está vendo o porquê eu a chamo de gatinha?"

"Hey," Dinah ergueu as mãos em defesa. "Ela nunca chegou tão perto de mim antes... além de ontem, quando eu roubei seu casaco."

"Podemos," Camila começou timidamente. "Aprender as formas agora?"

Eu apontei para a televisão, "Que forma é essa?"

"Retângulo", disse ela automaticamente.

"Ótimo!" Eu incentivei, e Dinah ergueu as sobrancelhas em surpresa.

"Eu quero tentar!" Ally se mexeu no sofá e foi para o chão, ficando ao meu lado e de Camila.

Camila se encolheu um pouco em mim, mas eu acariciei seus cabelos para fazê-la relaxar. Ally apontou para seus ouvidos: "O que forma são essas?"

Camila empalideceu. Ela só reconheceu retângulos e círculos. Eu me inclinei para frente, indiferente sussurrando: "Triângulo..."

"Triângulo!" Camila declarou triunfante.

“Ladra!" Ally a acusou. "Vocês duas são ladras!"

"Nuh uh!” Camila argumentou, e Dinah riu.

Ally estreitou os olhos, o que significa que agora ela falava sério. Ela se levantou e estendeu as mãos para Dinah, "Carteira!" ela exigiu, e Dinah confusamente puxou a carteira e colocou nas mãos de Ally. Ela voltou para ao lado da menina gatinha, empurrando a carteira no rosto de Camila, "Qual é essa forma?"

"Retângulo." Camila afirmou.

"Errado!" Ally cantou, jogando a carteira de volta para Dinah. "É um quadrado!"

"Isso é um retângulo!" Camila disse em frustração.

"Quadrado!"

"Retângulo!"

E eu não pude conter meu riso mais. Eu explodi em histeria, fazendo Camila olhar para mim com surpresa. Eu tentei abafar meus risos, conseguindo falar: "Vocês duas... estão discutindo sobre a carteira!"

"Não é um retângulo?" Camila chiou.

"Poderia ser um retângulo," Eu a acalmei, ainda rindo. "Mas é mais de um quadrado."

"Quadrado." Camila bufou, subindo do meu colo e pegando uma caixa de CD que estava na prateleira de filmes. "Retângulo ou quadrado?"

Eu estava de pé, sorrindo para a garota mais jovem, "É um quadrado. Veja como os lados são todos iguais e do mesmo comprimento? Isso é o que faz com que seja um quadrado!"

"Oh..." disse Camila, balançando a cabeça lentamente.

"Tirando a parte cima e juntando as duas do lado forma um... triângulo?" perguntou ela.

"Sim", eu assenti. "Três lados. Espere... você pode contar né?"

"Sim!" ela exclamou com orgulho.

"Legal!” Eu sorri para ela.

"Estou com fome", Ally gemeu.

Assim terminamos o aprendizado do dia. Ally e Dinah permaneceram conosco até que o dia escurecesse, almoçando e jantando comigo e Camila. Em um momento Camila e Ally entraram em algum jogo competitivo. Até que Camila finalmente adormeceu ao meu lado e Dinah praticamente saiu arrastando Ally do apartamento.

Depois que as duas saíram, eu olhava para a menina travessa que estava praticamente deitada em minha volta. Ela era uma espécie boa de ter por perto, e ao contrário da maioria dos animais de estimação, ela não fazia xixi no meu tapete.

Então, novamente, ela não era um animal de estimação. Ela era mais que uma conhecida... uma conhecida muito fofinha. No entanto, eu mal tinha dinheiro suficiente para pagar as contas e me alimentar, muito menos alimentar a garota. Embora, eu tinha certeza que poderia alimentá-la com pizza pelo resto de sua vida que ela não iria reclamar.

Achei que deveria, eventualmente, levar a garota mais jovem para a cama, mas eu não tive coragem de acordá-la. Ela parecia tão... bonita. Mas eu abaixei suavemente a cabeça dela fora do meu colo, levantei-me cuidadosamente e puxei a menina para os meus braços, embalando-a suavemente contra mim.

Milagrosamente, eu consegui levar a garota com sucesso para minha cama sem acordá-la, e então saí do quarto e fui para a cozinha. Eu fiz chá e despejei o líquido quente numa xícara, eu precisava pensar.

 Eu tinha duas opções. Eu poderia manter Camila comigo e nós duas poderíamos morrer de fome, ou, já que agora Ally e ela se gostam... poderia deixar Camila com Dinah.

Provavelmente Camila viria a gostar de Dinah mais do que de mim... era normal que as pessoas gostassem mais de Dinah, mas tinha sido bom ser uma das favoritas pelo menos uma vez.

Depois de ficar sentada à mesa até a meia-noite, e tomado cerca de quatro xícaras de chá, eu finalmente decidi. Eu gostei de Camila. Ela era uma boa menina gatinho e tudo... ela estava mais quente, fofinha e fácil de conviver. Mas eu não podia dar ao luxo de pagar para nós duas morarmos no meu apartamento.

Teria que trabalhar muito mais, e eu odiava trabalhar onde trabalhava. No dia seguinte, quando eu deixasse Camila com Dinah, eu diria que estava deixando Camila com ela... eu deixaria que Camila descobrisse por si mesma. Não adiantava perturbar a garota antes que ela fosse para lá. Mas eu a deixaria com o meu suéter e o DVD dos Aristogatas, para suavizá-la.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...