História Our Lives - AD: University Life - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Castiel, Nathaniel
Tags Alexy, Ambre, Amor Doce, Armin, Castiel, Docete, Lysandre, Nathaniel, Priya, Rosalya, University Life
Visualizações 246
Palavras 2.357
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - De Volta a Cidade



Olhei novamente para a tela do meu celular. Nervosa, cliquei na mensagem e finalmente a li:
"Quer dizer então que a senhorita está de volta e eu tive que saber disso pela sua mãe? Pensei que éramos amigas! Me encontre amanhã em frente a Anteros, você não vai me escapar, mocinha!" 
Suspirei. Não estava surpresa por minha mãe informar a Rosa que eu estava de volta, no entanto, estava curiosa para saber como o contato entre elas fora feito. Bem, acho que eu ficaria sabendo amanhã. Com certeza eu ouviria umas poucas e boas da Rosa. E provavelmente de todos os outros que eu encontrasse. Estremeci. Bom, eu merecia, no fim das contas.
Não desci para jantar. Estava nervosa e ansiosa para o dia seguinte. Não só pela conversa que teria com a Rosa, mas para conhecer a Anteros. Li a mensagem da Rosa pela milésima vez. Em minha cabeça, podia visualizá-la brigando comigo, apontando seu dedo em meu rosto enquanto me acusava de abandoná-la. Eu sabia que ela estaria certa, mas... eu não havia sido a única a ignorar as mensagens. Haviam dias em que eu mandava alguma mensagem e não tinha resposta. Ligava e não havia retorno. Eu admitia meus erros, mas eles precisavam admitir os deles também. 
As horas demoraram a passar e o sono não vinha. Não importava quantas vezes eu me revirava na cama. Lembranças me atormentavam juntamente da culpa, da tristeza por ter ido embora. Eu nunca quis partir. Mas precisei. Papai havia arrumado um bom emprego em outro estado e, como eu era de menor e não era muito responsável, tive que segui-los. Foi tão difícil... os primeiros meses, as saudades vinham com força, as lágrimas rolavam pelo meu rosto todas as noites... Mas ainda mantínhamos contato, apesar de tudo. E claro, havia o Nath. Nós tentávamos lutar pelo nosso relacionamento, tentando manter o máximo de contato possível, mas aos poucos foi ficando complicado.  Então comecei os primeiros anos da minha faculdade de artes lá, o que acabou me tomando muito tempo. Foi nesse período que meu contato com o pessoal acabou. Um mês depois, Nathaniel e eu decidimos terminar o nosso relacionamento.
Devastador é pouco para definir a situação. A dor que eu senti após o término é algo que nunca esquecerei. Passei meses chorando, meses presa numa tristeza que parecia não ter fim. A única coisa a que me apeguei foram as aulas. Me prendi a elas com todas as minhas forças, tentando me manter focada e distrair a minha mente. Meus pais me ajudaram bastante nesse período. Aos poucos, retomei o controle da situação. Fiz novos amigos e até me envolvi com alguns garotos, nada muito sério. Não estava pronta. Ainda não estava e tinha a impressão que demoraria um tempo até estar 100% curada. Não é fácil reconstruir um coração partido.
O som do despertador acabou me despertando. Confusa, olhei ao meu redor, tentando lembrar aonde estava. Hotel. Certo. Com dificuldade, me sentei e passei as mãos em meus olhos, contendo um bocejo. Não lembro como acabei pegando no sono, mas pelo menos havia tido um pouco de descanso. Olhei para o relógio. Tinha um pouco mais de uma hora. Precisava me arrumar.
Trinta minutos depois, eu estava pronta. Olhando-me nos espelhos, percebi que havia algumas olheiras em meu rosto, mas não tinha como escondê-las agora. Suspirei. Que ótima forma de começar o ano! Rever os antigos amigos parecendo uma zumbi? Sensacional! Dei uma outra conferida para ter a certeza de que o resto estava tudo em ordem. Meus cabelos, que um dia foram longos e loiros, agoram estavam curtos e prateados. Havia uma leve sombra marrom na minha pálpebra, contrastando com meus olhos dourados. Em meus lábios, um pouco de gloss incolor. 
Não caprichei muito no resto do meu visual. Apenas um vestido preto sem estampas, coturno nos pés e nenhum acessório além de um chapéu e um par de brincos pequenos em formato de estrela. Peguei as minhas malas e a minha bolsa, e com certa dificuldade, sai. Resolvi minhas pendências do hotel e parti, indo na direção a entrada, procurando algum taxi disponível. Não foi difícil encontrar um.
Em poucos minutos, me encontrava em frente a Anteros Academy. Haviam vários alunos na entrada, todos com suas malas nas mãos, todos alegres enquanto conversavam com alguns amigos. Nada da Rosalya, por enquanto. O taxista me ajudou com minhas malas, paguei a corrida e o agradeci. Ele sorriu e partiu. Com minhas malas e a bolsa em mãos, caminhei com dificuldade entre os alunos, tentando reconhecer algum rosto amigo. Nada, por enquanto. Estava prestes a entrar para procurar o pessoal da direção, quando senti um forte aperto em meu ombro, me fazendo virar.
Minha boca se abriu, em surpresa. Lá estava ela, é claro. Rosalya. Ela estava completamente diferente da última vez em que a vi. Seus cabelos prateados que um dia foram enormes, agora estavam mais curtos do que os meus. Era um corte moderno, repicado. Suas roupas combinavam em tons de branco, cinza e preto. Ela estava radiante. Sempre foi, mas agora... ela estava maravilhosa.
- Rosa?! - Pronunciei, ainda em estado de choque.
Rosalya parecia estar me observando, também. Ela me olhou da cabeça dos pés, e parecia apreciar o que via. Por fim, me encarou. 
- Falei que você não ia escapar! 
Olhei pro chão, constrangida. 
- Eu não ia fugir, Rosa. - Suspirei, voltando meu olhar para o dela. - Realmente, não ia. 
- Nós temos muito o que conversar, mas não aqui. Você já confirmou sua inscrição?
- Não, eu estava indo procurar alguém para resolver isso.
- Vamos juntas, então? - Ela me lançou um sorriso. - Não demora muito. 
- Certo.
Nós entramos, passando no meio de uma multidão de alunos. Anteros era enorme tanto por dentro quanto por fora. A paleta de cores do lugar era incrível, discreto, porém marcante. Cores como branco, lilás, azul claro e cinza eram presentes. Havia uma quadra de esportes, uma academia e até mesmo uma piscina. No fim do corredor, havia um elevador que seguia para o dormitório dos garotos e o das garotas. O lugar era enorme, com certeza precisaria de um mapa ou acabaria me perdendo. Rosa me levou até a direção, onde falamos com uma moça bastante agradável. Ela me passou uma ficha para preencher e, curiosamente um mapa. Bem, eu sabia que no fim, iria precisar de um. Ri comigo mesma.
Após ter resolvido tudo, era hora de descobrir sobre o meu quarto. Tinha que falar com um professor, o qual estava distribuindo as chaves na biblioteca. Rezei com todas as minhas forças para conseguir um quarto sem colega de quarto. Rosa me acompanhou até lá, falando um pouco sobre o curso que estava fazendo. Ela se decidiu por moda, embora ela frequentasse um curso de psicologia nas horas vagas. Ela parecia bastante feliz. Fiquei feliz em saber que ela e Leigh continuavam seu relacionamento e agora moravam juntos. Isso pelo visto, era algo que jamais mudaria.
Nos aproximamos da biblioteca quando por fim, decidi perguntá-la:
- E o Nathaniel? Você tem alguma notícia?
Um longo silêncio surgiu. Rosa parecia bastante constrangida, como se esperasse que eu não fizesse essa pergunta. Com um suspiro, ela me respondeu, evitando me olhar.
- Bem, você irá encontrá-lo em algum momento. - Ela deu de ombros e desconversou. - Olha, chegamos.
Lancei um olhar inquisitivo em sua direção, o qual ela fingiu não perceber. Entramos na biblioteca. O lugar estava lotado. Uma enorme fila se estendia a minha frente, corri para pegar um lugar antes que a fila aumentasse. Um pouco mais a frente, vi a Melody conversando animada com um homem alto, moreno, de olhos num tom incrível de verde claro. Precisava admitir que ele era bem bonito.
- Quem é aquele? - Perguntei para a Rosa. Ela deu uma risadinha ao ver quem era.
- É o professor Rayan. Ele será o seu professor. - Rosa deu uma piscadinha na minha direção e eu revirei os olhos.
- Melody parece bem animada. - Comentei.
- Ora, e quem não fica animada com um cara como aquele? - Rosa suspirou.
Voltei a revirar os olhos e observei a Melody. Ela mudara um pouco, após esses anos. Seus cabelos castanhos estavam na altura dos ombros, repicado nas pontas. Suas roupas eram mais ousadas do que as que ela costumava usar na Sweet Amoris. Ela parecia mais jovem e ao mesmo tempo mais madura. Ela se virou na minha direção, de repente. Seus olhos encontraram os meus e sua boca abriu-se em surpresa. Ela falou algo para o professor Rayan e veio na nossa direção.
- Olá Rosa, olá Ashley. Não sabia que você estava de volta. - Melody sorriu, no entanto ela me lançava um olhar estranho. Ou talvez eu que estava imaginando coisas. 
- Oi, Melody. Voltei ontem, de manhã. Não tive muito tempo livre. - Dei de ombros.
- Ah, entendo. Bem vinda de volta. E bem vinda a Anteros. - Ela sorriu.
- Obrigada.
- Que matéria você escolheu?
- Artes, vim para concluir. E você?
- Parece que vamos ser colegas de classe novamente. - Melody deu uma risadinha. - No entanto, eu não frequento tanto as aulas, pois, sou a assistente do professor Zaidi. 
- Professor Zaidi?
Melody estava prestes a responder quando o professor Rayan se aproximou.
- Creio que seja eu, senhorita. - Ele me olhou, fixamente. Senti minhas bochechas corarem. - Me chamo Rayan Zaidi e pelo que ouvi, e me perdoem a minha indiscrição, você será minha aluna, certo?
- S... sim. 
- Seja bem vinda, então. Bom, Melody, podemos ir? Precisamos resolver algumas coisas. - Professor Rayan olhou na direção da Melody, que corou e assentiu, animadamente.
- Sim, vamos. Bem, nos vemos depois, garotas.
Ela acenou e se afastou. Sacudi a cabeça. Talvez fosse impressão minha, mas parecia que a Melody tinha... um certo interesse no professor Rayan. Bom, não era da minha conta. Alguns minutos depois, finalmente foi a minha vez de falar com o professor, um homem baixinho e loiro, de olhos azuis, aparentando estar entediado.
- Seu nome, por favor? - Ele falou, quando me aproximei. Sua voz era baixa, um tom monótono.
- Ashley Belikov. Professor... há algum quarto para apenas uma pessoa disponível?
Ele olhou para a lista que estava a sua frente e suspirou.
- Vocês, jovens, sempre tão exigentes. - Ele soltou outro suspiro. - Sim, sim. Há apenas dois quartos para apenas uma pessoa disponível. Quarto 404 e 101. - Ele ergueu os olhos na minha direção. - No entanto, o 404 é o único com banheiro. 
- Fico com este, por favor! - Falei, animada. 
- Tanto faz. Aqui está a sua chave.
Ele me passou a chave e chamou o próximo. Com um enorme sorriso nos lábios, segui na direção da Rosa, ainda carregando as minhas malas. 
- Tudo certo?
- Sim, consegui um quarto apenas para mim! - Sorri, feliz.
- Que bom. Qual é o número do seu quarto?
- 404.
- Vamos lá conhecer o nosso lugar para futuras festinhas! - Rosa bateu palmas, animada. - Coisa que temos que fazer em breve. Temos que comemorar a sua volta! 
Revirei os olhos. Seguimos em direção ao elevador e fomos ao dormitório feminino. Havia várias garotas ao redor, todas procurando seus quartos, outras conversando animadas com suas amigas. Não reconheci nenhuma delas enquanto me aproximava do meu quarto. Lá estava: quarto 404.
O quarto era claro, em tons pastéis: azul, amarelo e rosa. Havia uma cama de casal, um armário, dois criados-mudos ao lado da cama, uma mesa e uma cadeira próximos a janela e até mesmo um mini sofá em um canto. Não tinha muitos móveis e não era tão grande, porém era bem interessante. Mais interessante ainda era o fato de que era só meu. O banheiro era pequeno, em tons de azul e branco, com um pequeno espaço para o chuveiro, o vaso sanitário e a pia. Havia um espelho médio na parede e uma lixeira do lado da porta. Gostei.
Coloquei minhas malas em um canto, jogando minha bolsa na cama. Rosa se jogou na cama, observando o local com interesse.
- Gostei. - Ela comentou.
- Sim, é bem legal. - Respondi.
Um silêncio caiu entre nós.
- Bom... e enquanto aos outros? Eles estão por aqui também?
- Ah, bem... o Armin está estudando design de games, o Kentin tá no ramo de veterinário, o Lysandre e o Castiel... bem, eles meio que são famosos agora e tem uma banda chamada Crowstorm. É insano! O Alexy também cursa moda. A Iris infelizmente não está mais na cidade, ela teve que partir com seus pais para outro estado, assim como a Peggy, a Bia e a Violette. A Priya cursa direito e a Kim é gerente da Academia Beefit. A Nina agora estuda na Sweet Amoris. 
- Uau. - Exclamei, sentando-me ao lado da Rosa. Não pude deixar de notar que ela deixou o Nathaniel fora do assunto de propósito.  - Muita coisa aconteceu então...
- Sim. - Rosa suspirou. - Olha, nós não a culpamos, sabe? Por você ter ido embora. Mas a falta de mensagens... nós sentimos a sua falta, Ashley. De verdade. Você era a nossa amiga. Você ainda é. Nós nos importamos com você. Eu senti muito a sua falta, foi bem difícil ficar sem você... - Rosa parou, sua voz trêmula. - Você tem noção de que eu tive que entrar em contato com a sua mãe, esses anos todos só pra saber se você estava bem? Você sempre foi como uma irmã para mim...
E de repente, lá estávamos nós, abraçadas, em prantos. Duas melhores amigas que se reencontravam depois de um bom tempo sem contato. Passamos um bom par de horas conversando, falando sobre nossas vidas, sobre tudo o que aconteceu. Algumas horas depois, ela precisava ir pois tinha um compromisso com o Leigh. Nossas aulas começariam apenas na segunda e Rosa já estava planejando a nossa primeira festa. No meu quarto. Suspirei, com um sorriso bobo nos lábios. Era bom estar de volta.
 


Notas Finais


Ficou enorme, mas está aí ^^
Obrigada por ler <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...