1. Spirit Fanfics >
  2. Unlikely - SaiDa >
  3. 04

História Unlikely - SaiDa - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Boa Leitura.

Capítulo 4 - 04


Dahyun's pov:

Eu realmente amo a faculdade.

Passei o último ano da escola irritada e rangendo os dentes porque Lip ia para a universidade antes de mim.

Esse tipo de inveja era novidade para mim. Minha irmã e eu somos seres tão diferentes que, mesmo com apenas um ano de diferença, nunca brigamos muito, porque, bom… pelo que brigaríamos?

Eu não queria o gloss dela emprestado. Ela não estava interessada em tomar o meu lugar no clube de fotografia.

Então a época na escola passou tranquila. Quer dizer, passou… sei lá.

Mas fiquei com inveja quando ela foi para a faculdade, porque sabia que aquilo era para mim.

Mesmo sabendo que provavelmente acabaríamos no mesmo lugar (sempre me interessei pela Seoul National University, e Lip também, assim como todos os Kim na história dos Kim) e eu teria que conviver com minha irmã mais velha, eu tinha toda a intenção de fazer aquilo acontecer.

No fim, consegui um grupo de amigos com quem posso contar. Amo o departamento de fotografia e todos os professores.

Até conheci duas garotas que pareciam se interessar por mim, saí com elas por um tempo, perdi a virgindade com uma e acabei terminando com a outra, porque, bom, as coisas não deram certo entre nós.

E é aqui que entramos no lado ruim da vida acadêmica: a fase agridoce conhecida como férias de verão.

Poucos jovens em Seul conseguem trabalhar no verão enquanto estão na faculdade, como costuma acontecer em outros lugares.

A maioria dos pais repete a máxima “vai ser bom para você ter um emprego de verdade”, e em resposta nos oferecemos para trabalhar em algumas empresas da cidade. Mas não há muito espaço para acomodar a força de trabalho de junho a setembro, já que a maior parte das vagas é ocupada por pessoas que de fato precisam de um salário.

Pessoas como Minatozaki Sana, que não são sustentadas pelos pais ricos.

O que me faz pensar que talvez eu devesse mesmo agradecê-la. Afinal, o estágio que ela me ofereceu vem me salvando de uma rotina que consistia em descobrir maneiras de evitar a insistência da minha mãe em comprar vestidos “só pela diversão”.

Infelizmente, o estágio não pode me livrar dos muitos jantares com Jeon Somi.

É como eu disse: Os verões são agridoces.

Agora, tenho que assistir à minha irmã e Somi se pegando para compensar o tempo que ficam afastadas por conta dos compromissos como cantora de Jeon.

Esta noite, no entanto, isso está insuportável. É a primeira noite desde que chegou que Somi teve tempo de aparecer, e Lip oscila entre fazer beicinho porque ela anda ocupada e subir a mão um pouco demais pela coxa dela, mesmo meus pais estando aqui.

Consigo fazer algumas perguntas entre as garfadas do frango enquanto minha irmã está cutucando a folhagem no prato, mas em geral meus pais dominam a conversa, querendo saber o que Somi vai fazer agora que está focando na carreira internacional e o como foi o ensaio de Lip para a próxima campanha de moda.

Eu sei que os pais sempre dizem que não têm preferência por um dos filhos, mas como podem não ter? Às vezes, eles têm um filho tão parecido com eles mesmos, que podem jurar que Deus lhes fizera à sua imagem e semelhança. Isso é o que Lip é para mamãe. Mas, às vezes, eles tem um filho que passa horas no jardim com uma câmera fotográfica, porque “fotos são legais”.

"Adivinha quem é essa?"

Ela me ama o suficiente, mas com certeza não gosta tanto assim de mim. Por mim, tudo bem, porque gosto dela o suficiente por nós duas.

Em geral, a conversa gira em torno de Somi quando meus pais passam um tempo sem vê-la, mas, esta noite, ela parece… diferente.

Ela tem sido quase parte da família desde que começou a sair com minha irmã, quando tinham vinte anos.

Somi sempre foi do tipo tranquila, com a vida resolvida, mas hoje está se comportando de modo estranho.

Olho para Lip para ver se notou, mas ela está ocupada demais tirando as calorias — e o sabor — do frango grelhado.

Depois do jantar, Somi insiste em ajudar quando Lip e eu vamos lavar a louça. Até poderia achar essa uma atitude legal, mas sei que não passa de uma desculpa para as duas ficarem se agarrando enquanto meus pais terminam o vinho na sala.

"Isso não me surpreende."

Mas, esta noite, não estou no clima. Minha cabeça está latejando, minhas pernas parecem quebradas depois de passar o dia correndo naquela agência auxiliando a fotógrafa metida.

Coloco os pratos e os talheres no lava-louças e então fujo, sem sentir culpa.

Vai ser uma tarefa divertida para Lip tentar descobrir como limpar a travessa de purê sem estragar a unha feita.

Saio de casa e vou para a piscina. Estou assistindo da espreguiçadeira aos últimos raios de sol desaparecerem quando alguém senta na espreguiçadeira ao meu lado.

– Oi, Dah. – Diz Chaeyoung. – Seus pais disseram que eu poderia te encontrar aqui.

Son Chaeyoung e eu nos conhecemos nas férias de verão anteriores ao nossos primeiros anos na Seoul National University, durante a recepção aos calouros. No final, acabou que iriamos ficar no mesmo departamento. E no terceiro ano, nós já éramos melhores amigas.

Ultimamente quase não temos nos visto. Mas de vez em quando Chaeng parece encontrar um tempo entre o seu estágio e os compromissos familiares, e sou recompensada com momentos como esse.

– Oi – digo, sorrindo.

– Cadê a Lip? – Ela pergunta, esticando as pernas.

– Lá dentro, com Somi – respondo, indicando a entrada da casa. – Parece que elas têm muitos "assuntos" para por em dia.

– Nossa, Dah – ela fala, contendo um sorriso. – Agora estou aqui me perguntando por que você não esta apreciando a companhia delas.

Estreito os olhos em sua direção.

– Até parece – digo, levando as pernas de encontro ao peito e enlaçando os joelhos. Chaeng sabe muito bem o quão "amável" é minha relação familiar.

Ficamos alguns instantes em silêncio, apenas apreciando o por do sol.

Sei que algumas pessoas acham que o cálice sagrado da amizade é duas amigas serem capazes de ficar num silêncio confortável juntas, e sou grata porque Chaeyoung e eu sempre tivemos isso. Mas eu a conheço e sei muito bem o objetivo subliminar dessa sua visita.

– Eu agradeço pela visita, Chaeng – digo, encarando-a. – Mas acho que você já pode me dizer o que está pensando.

– Você é boa – Uma expressão divertida toma conta do seu rosto. – Então, como foi seu estágio com a fotógrafa metida?

Nem preciso dizer que liguei para ela no dia que Sana me ofereceu a proposta de estágio. Depois de uma surpresa inicial, Chaeng disse que viria me ver assim que conseguisse um tempo em sua agenda.

"Vejo que ela não demorou em conseguir esse tempo."

– Foi um dia normal de trabalho. – Respondo, naturalmente. Acho melhor não mencionar minha adorável interação com Sana na sala dela no dia da entrevista. – Passei a maior parte do tempo auxiliando-a no estúdio. Mas sinto que essa experiência vai agregar algo ao meu currículo.

– Com uma supervisora gata, óbvio que vai agregar. – Ela deu uma piscadinha, mas então ficou séria. – Mas aposto que vai ser maçante quando sua irmã for para o próximo ensaio fotográfico dela.

Não sei se adoro o fato de Chaeng saber exatamente como me sinto. Quer dizer, por um lado acho que diz muito sobre ela o fato de me conhecer tão bem.

Por outro… não tem como esconder nada dessa garota. E é exatamente por isso que decido ser sincera com ela.

– Estou fazendo esse estágio justamente para tentar dar um rumo a minha vida – digo, com os olhos focados na água azul parada da piscina dos meus pais. – Estou cansada de viver a sombra de outra pessoa.

De canto de olho, noto que sua mão vacila no processo de levar os dedos aos cabelos. Seus olhos rapidamente procuram os meus.

– Dah… – A voz dela é uma mistura de surpresa e consolo.

– Não – murmuro.

– Não o quê?

Viro-me para encarar seus olhos castanhos.

– Não vem ser toda legal. Sei que está no seu DNA e em geral é encantador, mas sei como sou. Não sou motivo para orgulho da família como minha irmã.

Ela abre a boca e a fecha com a mesma rapidez. Porque a conheço — porque conheço Son Chaeyoung bem o suficiente —, sei o que vai dizer. Gosto de você assim.

– Eu sei que já te disse isso – ela diz baixinho, como se estivesse me contando um segredo –, sobre como você tenta se ver com clareza e sempre é muito precisa. Mas também acho que você se vê como uma personagem secundária, mesmo na história de sua vida.

Assim como fiquei perplexa quando ela me elogiou, fico igualmente perturbada com a sua crítica. Será que Chaeng escancarou a verdade por trás do meu grande dilema?

Meu rosto queima diante dessa possibilidade. Mais pelo sentimento de culpa do que de constrangimento.

"Foi isso que me tornei? Sério?"

Morro de medo de que seja verdade.

Na faculdade, posso me enganar pensando que estou no controle e que tenho as rédeas do meu futuro.

Mas aqui em casa, onde todo mundo ignora as imperfeições de Lip, onde minha mãe está sempre demonstrando seu "apoio" a minhas escolhas, estou mesmo no controle?

Ou sou apenas uma espectadora passiva da minha própria vida?

Ah, meu Deus.

É isso que eu sou.

Aquela metida da Minatozaki Sana estava certa com seu discurso pretensioso sobre eu não ter controle da minha vida.

Não sou uma dessas garotas idealistas que acredita que determinada atitude vai mudar minha vida magicamente. Minha irmã é o sinônimo da perfeição, mas quando acha que não tem ninguém olhando, parece a trinta segundos de um colapso nervoso.

Estou cansada da minha falta de motivação, do fato de que ninguém nunca se surpreende com minhas atitudes. Ou sequer parecem esperar que eu tenha capacidade de fazer algo útil.

E o pior de tudo: talvez eu esteja um pouco cansada de me importar com o que as pessoas pensam ao meu respeito e com o fato de não ser a filha modelo que segue o que os pais pré determinaram.

Talvez seja hora de Kim Dahyun sentar ao volante de sua própria vida, dando um pé na bunda da Dahyun conformada.

Chaeng me olha surpresa quando levanto de repente.

– Aonde você vai?

– Preciso ligar para a fotógrafa metida. Não comecei com o pé direito hoje, então quero ter certeza de que ela não vai me dispensar amanhã.


Notas Finais


Depois de séculos, voltei com mais um capítulo. A vida dessa fanfic não está fácil, mas vou tentar reverter isso.

Enfim, como vocês viram, fiz uma alteração quanto a irmã de Dahyun. Os capítulos anteriores tambem já estão corrigidos. Foi um pequeno detalhe que achei interessante modificar.

Até o próximo. :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...