História Unrivaled - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Capitão América, Os Vingadores (The Avengers), Pantera Negra
Personagens Anthony "Tony" Stark, Bucky, Clint Barton (Gavião Arqueiro), Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), James Rupert "Rhodey" Rhodes, Natasha Romanoff, Personagens Originais, Pietro Maximoff (Mercúrio), Sam Wilson (Falcão), Shuri, Steve Rogers, T'Challa (Pantera Negra), Visão
Tags Fanfic, Romanogers, Vingadores, Winterwitch
Visualizações 52
Palavras 1.014
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Fantasia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Não deu pra segurar a vontade de começar a postar logo essa fic, a capa está uma bosta e a sinopse também, fiz tudo de última hora mas depois a gente arruma, então vamos lá.

Capítulo 1 - Gahiji


Fanfic / Fanfiction Unrivaled - Capítulo 1 - Gahiji


Wakanda, 1992.


O som de passos apressados quebrando galhos e folhas secas no chão do lado de fora arrancou o homem de seus desvaneios, seus pensamentos que antes vagavam pelo possível paradeiro de sua amada Eshe foram atraídos para o motivo de tanta movimentação já tarde da noite. 
Ele se levantou e fez menção de checar rapidamente se sua veste estava devidamente ajustada ao corpo. 
 Ao abrir a porta resolveu seguir um grupo de mulheres apressadas, uma delas carregava uma cesta, a outra uma pilha de panos dobrados, contudo a distância entre o homem e o grupo não permitia que ouvisse exatamente do que falavam. 
Elas terminaram à beira do rio, onde a luz da lua cheia refletia na água cristalina. Ele permaneceu de longe, observou que mais mulheres estavam amontoadas ao redor de algo que ele não conseguia ver, mas podia ouvir. 


Um choro. 


Um choro de um bebê. Ele apoiou as mãos no tronco espesso da árvore na qual se escondia e tentou apurar a audição, o choro era forte e nítido, e o atingiu como uma lança. 


" Se alguma coisa acontecer a mim quero que cuide dele."  


A voz doce de Eshe de repente encheu seus ouvidos e a imagem dela tocando a barriga ainda imperceptível preencheu sua mente, minutos antes daquele pedido ela o contara sobre a sua gravidez com preocupação. Ele assentiu, mesmo sabendo que seria incapaz de cuidar apenas de um pedaço de Eshe se perdesse todo o resto. 
 Menos de 3 meses se passaram até surgir um boato de que uma comitiva misteriosa havia tentado invadir Wakanda, o comentário nas ruas era de que o grupo procurava pessoas com dons... especiais. Ninguém sabia ao certo, mas Eshe sabia perfeitamente o que eram, e quem eram, o pesadelo que sempre os perseguiria havia enfim chegado em Wakanda. 
 
O choro daquele bebê o avisara que o pesadelo havia chegado até Eshe mesmo que ela tivesse tentado escapar na madrugada seguinte da qual ela soube sobre a tal comitiva, sua amada acreditou que seria melhor assim e o deixou enquanto ele dormia, ele suspirou pesadamente, a culpa por não ter acordado enquanto ela arrumava suas coisas para partir o consumiu de novo. 
 Mas Eshe era extraordináriamente teimosa, nada a faria mudar de idéia. Ela também carregava um trauma que a fazia enxergar aquele que a perseguia como um ser invencível. 
Os anos que passara fugindo com sua mãe desde seus 11 anos de idade por vários lugares do mundo reforçava a idéia de que não importava onde, quando ou como, ele, seu pai, as encontraria.  Durante esses anos a mãe de Eshe usava suas habilidades especiais para ajudá-las a fugir, mas ela nem sequer entendia a magia que corria em suas veias, passara os anos em que esteve casada escondendo seus poderes do marido, temendo sua reação. 


E ela tinha razão.


No dia em que chegou em casa mais cedo e a encontrou testando seus poderes a mandou embora de casa, afirmou não querer viver com um demônio. Ela juntou suas coisas e carregou Eshe para longe, não muito tempo depois ele as encontrou, se desculpou e a pediu para que voltasse, mas ela desconfiou, e Eshe, mesmo sendo apenas uma criança desconfiou também, a imagem do pai as enxotando de casa era difícil demais de se esquecer. 
As duas seguiram fugindo, e com o passar dos meses souberam que ele havia feito um acordo com um cientista,  por dinheiro, é claro. Muito dinheiro. Ele deveria entregá-las, mas as duas se tornaram boas demais em fugir, anos depois quando a mãe de Eshe se foi ela se viu perdida.
O homem escondido atrás da árvore sorriu por um breve segundo ao lembrar do dia que se encontraram pela primeira vez, Eshe estava perdida e ele a encontrou e se encontrou nela também. Quando ela lhe contou sua história ele soube que Wakanda, sua terra, seria um bom esconderijo.  
Ao menos ele achou que seria, eles viveram durante alguns anos em segurança, até a maldita comitiva chegar e aterrorizar sua Eshe a ponto de fazê-la decidir fugir sozinha, carregando um filho no ventre. Ele passou meses tentando encontrá-la, mas sabia que estava derrotado, ela passara anos fugindo e sabia muito bem como fazê-lo sem deixar rastros. Na tarde anterior a fuga  tiveram o diálogo que mais pareceu uma despedida. 
Eshe estava morta, ele sentia, um arrepio lhe percorreu o corpo enquanto ele se deu conta de que ela pareceu ter uma premonição do que iria acontecer quando pediu para que cuidasse do bebê. Ele sacudiu a cabeça, tentando não ceder ao caos dentro de si, Eshe estava morta. Seus pés deram dois passos atrás tão instintivamente que ele mal notou, um galho se partiu ao meio com o movimento e ele simplesmente se afastou temendo atrair a atenção das mulheres. 
 Ele foi para casa com lágrimas nos olhos e um ódio mortal em seu peito, ódio do monstro que a matou e do infeliz do pai dela, ele não queria cuidar de ninguém, não poderia. Como seria capaz de olhar nos olhos daquela criança se eles fossem iguais aos olhos dela? 
No dia seguinte observou a movimentação em toda a tribo, todos comentavam sobre o bebê que havia sido encontrado a margem do rio, Wakanda já tinha visto algo semelhante uma vez, quando o bebê, agora um pouco mais crescido e chamado Hunter apareceu no país. As mulheres decidiram pedir o conselho do rei, pois o bebê supostamente era estrangeiro, mas ele sabia que não era, o sangue Wakandano corria nas veias do menino, e ele decidiu se revelar sendo pai, não que se sentisse capaz de criá-lo, mas saber que o destino dele poderia ser incerto lhe pareceu assustador demais, sua Eshe jamais deixaria nada acontecer, e ele decidiu que cumpriria seu último pedido. 
O bebê foi acolhido pelo casal representante da tribo da fronteira, por escolha deles se chamaria Gahiji, um lindo menino de pele negra, apenas um pouco mais clara que a dele como a pele de Eshe, os lábios eram dela e os olhos dele. 
 


Notas Finais


Para quem não sabe ou não leu os quadrinhos Hunter é irmão adotivo de T'Challa, ele foi líder dos cães de guerra e vestiu o manto do lobo branco.
Gahiji, nosso bebêzinho do capítulo é um personagem original, eu vou fazer uma mistureba na fic porque eu quis assim u_u kkk só queria dizer mais duas coisas:

1 - Romanogers
2 - Winterwitch

Meu coração não aguenta ❤
Ignorem erros ortográficos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...