História Up to sky (vkook) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Alien, Gay, Jeon Jungkook, Jungguk, Jungkook, Junkook Alien, Kim Taehyung, Lésbica, Namjin, Naves Boladas Q, Taehyung, Taehyung Human, Taekook, Vkook, Yoonmin, Yoonseok
Visualizações 12
Palavras 3.190
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Fluffy, Lemon, LGBT, Magia, Misticismo, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oioi, saturn babys
Hoje eu estou aqui com uma nova fanfic para vocês.
Voltei a postar porque sim :')
Eu consegui fazer uma nota com uma boa parte da história e planejei ela direitinho, e posso garantir que tem muita coisa para acontecer que vocês irão gostar.
Eu volto nas notas finais para conversar mais um pouquinho com vocês.
Boa leitura 💫

[Este capítulo não foi betado]

Capítulo 1 - Naves e rodas gigantes


Capítulo 1,,🎡 

                                Jeon JungGuk

Dentro de sua nave, sendo acompanhado por dois brutamontes, o garoto insistia que não precisaria de guarda costas, poia sabia se cuidar e claro, também mencionava que ele nem conseguia respirar com dois caras de quase 2,5 de altura, fora que, além de tudo isso, eles iriam chamar muita atenção na Terra e seriam descobertos em dois tempos, já que alguém de 2 metros era considerado um gigante nesse planeta - altura essa, que era a média dos homens do planeta do Jeon -.

O Jeon mais velho se recusava a deixar que seu filho ficasse sem proteção nesse planeta novo para si, onde os habitantes usavam roupas estranhas e batiam uns nos outros quando iam para as ruas depois de beber um líquido estranho. Ele achava que seria perigoso deixar seu único herdeiro à mercê de um planeta que ele nem sequer conhecia, e por isso queria que seus guarda costas de confiança ficassem tomando conta da segurança do seu filho, mesmo que os argumentos do mesmo fossem deveras convincentes.

Eles estavam parados perto de onde a pequena nave, parecida com uma cápsula redonda, ficava estacionada pronta para seguir seu caminho rumo ao planeta em que Jeon JungGuk ficaria hospedado. Jeon JiHyun tentava a todo custo convencer seu filho de que ir com os guarda costas seria o melhor para si, este outro, que tinha a opinião contrária a do pai, continuava argumentando para que ele desistisse da ideia.

Jungguk estava sentando no meio da pequena nave, com os dois brutamontes ao seu lado, o apertando no meio da cápsula. E não, não era drama quando ele dizia que mal conseguia respirar, já que o garoto se sentia demasiadamente apertado e sufocado, fora que ele sabia do calor que fazia na Terra, e não queria esses dois grudados em si todo o tempo.

O Jeon mais novo já estava cansado de argumentar, tentaria mais uma vez apenas, e desistiria caso seu pai não cedesse.

— Me deixe ir sozinho appa!

O garoto gritou em plenos pulmões, desejando que seu pai o deixasse viajar sozinho em sua nave, ele simplesmente amava aventuras, mas com o que estava acontecendo em seu planeta não tinha muito a se fazer. Mas parece que não seria necessário fazer mais nada, pois com esse último grito seu pai cedeu.

— 'Ta bom garoto! Só não me mande nenhum pedido de socorro, você irá se virar sozinho!

E com isso Jeon sorriu, deixando seus dentinhos salientes aparecerem junto com mais uma fileira de dentes brancos e bem cuidados - o sorriso que, segundo seu melhor amigo, lembrava um animal terrestre que comia cenouras -. Ele não se importava muito com a pequena ameaça que recebeu no final, apenas porque sabia que, caso algo lhe acontecesse, ele poderia com toda certeza contar com os socorros de seu progenitor.

Sem muita demora, o moreno expulsou os dois ogros - palavra que aprendera enquanto estudava um pouco sobre a Terra - de sua pequena nave, se sentindo mais livre e podendo respirar sem sentir o odor que emanava dos dois, que segundo ele, era simplesmente horrível e o real motivo de não se aproximarem dele quando estava acompanhado dos seus guarda costas.

JiHyun, que sabia o quanto seu filho ficaria feliz com isso, avisou ao garoto que tinha as tais roupas humanas na nave, estas que, segundo o homem, era de um tecido estranho e muito leve para serem roupas, pois nunca iriam proteger alguém de golpes em seu planeta, e podiam até mesmo atrapalhar em uma batalha de espadas ou corpo a corpo. Porém, o seu filho amava-as e sempre as achou lindas e "super estilosas" - ou algo do tipo - e ficou muito feliz ao receber tal notícia, tanto que saiu de sua pequena cápsula para dar um abraço no mais velho dos Jeon, este que também sorriu ao ver a animação de seu pequeno.

Aproveitaram que o garoto já havia saído da nave para se despedirem, prometendo um ao outro que independente do que acontecer eles sempre estarão alí, um para o outro. O garoto também despediu-se de seu amigo, que estava a todo esse tempo alí, porém não pronunciava um única palavra, para não atrapalhar o momento dos dois.

— Me traga uma daquelas coisas coloridas que os humanos dão para seus filhos ficarem calados

O Loiro pronunciou, deixando uma pequena risada escapar de seus lábios gordinhos, e o Jeon assentiu, rindo junto ao amigo.

— JiMin-ssi, são algodões-doce, e eu prometo que trarei para ti

— Não ligo para o nome, aquilo parece ser muito bom e ponto, eu quero.

E novamente o Jeon riu, achando fofo e, como o próprio Park dizia, "nada másculo" o biquinho feito pelo mais velho, que acompanhado pelo braços cruzados e nariz em pé, apenas lhe dava um ar de criança birrenta. Ele aproveitou desse momento do amigo para lhe dar um abraço apertado, que logo o outro retribuiu, apertando seu "little bunny" em seus braços como se nunca mais fosse vê-lo, o que talvez acontecesse.

Depois das despedidas, Jungguk entrou novamente em sua nave e acenou para as duas pessoas mais importantes da sua vida, logo depois fechando a cápsula redonda e ligando-a.

— Vou sentir saudades, se cuidem!

Ele disse alto, mesmo sabendo que eles não iriam ouvir mais, porém esperando que eles soubessem de seus sentimentos e fizessem de seu mísero pedido uma ordem, e que a seguisse sem nenhum erro. Deu partida e teve sua nave lançada para o espaço em uma velocidade alta, sem que desse tempo de se arrepender e voltar.

Depois de sair de seu planeta, Jeon diminuiu a velocidade da nave, para que pudesse aproveitar um pouco da vista do espaço e também para conseguir se decidir onde queria pousar aquele objeto voador. Além de que ele precisava se lembrar de como pousava aquela coisa, pois fazia um tempo que ele não lidava com naves tão desatualizadas e havia se desacostumado com o painel de controle delas.

Depois de se lembrar como se controlava a pequena cápsula e ligar o piloto automático, Jungguk resolveu que a deixaria com as coordenadas para o continente asiático enquanto se decidia para onde iria, coisa que ele sabia que não iria demorar muito, pois tinha um pedaço de terra arenoso e úmido que ele sempre quis conhecer, a tal "praia" que os humanos pareciam gostar tanto. Então detalhou um pouco mais as coordenadas anteriores e as colocou para uma vila - país - chamada Coréia, que ficava nesse continente, ou micro-reino, segundo os blupeckianos.

O moreno aproveitou de bela vista que tinha do espaço para tirar algumas fotografias em um aparelho semelhante aos celulares da Terra, porém muito mais avançado. Tirou fotos principalmente de Saturno, o planeta que para si era o mais bonito, principalmente por ser tão diferente graças aos seus anéis únicos. Além de Saturno, o sol e a lua - satélite natural da Terra - também foram fotografados, assim como a própria Terra, já que era também muito bonita graças às suas diversas cores que podiam ser vistas de longe.

Depois de muitas fotos tiradas, Jeon resolveu que era o momento de finalmente entrar na órbita terrestre, para finalmente conhecer o planeta sobre o qual havia estudado e pesquisado tanto, o bastante para conseguir invadir os computadores da própria NASA sem ser descoberto com facilidade. Para ele, todos os códigos que tornavam os computadores dessa corporação alguns dos mais difíceis de serem invadidos não passavam de simples números usados para uma criança aprender a programar o básico em seu planeta. Mas claro, Jeon era um gênio e conseguia invadir até mesmo os sistemas mais protegidos de Blupeck, então era óbvio que nada na Terra relacionado a tecnologia, armas, matemática e lógica seria impossível para si.

Depois de já estar na nós céus da Terra, JungGuk deixou sua nave sobrevoar a Coréia por alguns minutos, passando finalmente "perto" de um parque de diversões, coisa que Jeon havia visto em uma de suas pesquisar e achado incrível, tendo a vontade de conhecer aquele espaço destinado à diversão dos habitantes daquele planeta.

Enfim, depois de achar exatamente o local onde pousaria, JungGuk tirou a nave do piloto automático, pilotando-a por si só até uma pequena floresta que ficava na beira mar e pousando entre pedras e palmeirais - que, vale ressaltar, foi por puro descuido seu e quase bateu aquela cápsula em uma pedra por não saber pilotar -. Assim que pousou, abriu a cápsula e saiu, pisando na areia com aqueles "sapatos" - que mais pareciam meias de um material mais resistente que ferro, porém elástico -, sentindo seus pés afundarem e lhe causando uma sensação gostosa de leveza. Tratou imediatamente de apertar os botões de sua roupa, para que ficasse sem a cobertura do peitoral, braços e pés, apenas com a parte de baixo da roupa - que se assemelhava a uma calça de balé masculino na cor azul escuro e, novamente, um material muito mais resistente -, isso tudo para que pudesse finalmente entrar no mar e nadar. E lá foi Jeon JungGuk, parcialmente despido, para a água, mergulhando fundo e nadando para o que seria considerado muito longe para mero humanos.

                → |🔭| ←

                               Kim TaeHyung

TaeHyung se deixava ser arrastado pelo irmão por todo o parque, indo em diversos brinquedos diferentes, mas não tão incríveis assim, pois o menor se recusava a ir com SeokJin na roda gigante, este outro que insistia a cada segundo para que ele o acompanhasse. O parque era enorme, tinha diversos brinquedos e outras formas de diversão, como jogos, um pequeno parque aquático e barraquinhas com comida, desde espetinhos até maçãs do amor, e também lojas de lembranças, com acessórios engraçados, ursinhos ou até chaveiros personalizados, tinha de tudo. O que o Kim mais novo não entendia era a fixação de todos pela roda gigante, sendo que tinha tanta coisa, ao seu ver, muito mais interessante para se fazer alí.

SeokJin por outro lado, não entendia o porquê do medo de altura do garoto, que aceitou ir na maior montanha russa do parque mas não queria ir na roda gigante.

— Jin-Hyung, na montanha russa a gente nem tem tempo de ficar com medo, é muito rápido.

— Mas TaeTae, lá é mais perigoso que a roda gigante, e você foi!

E com essa frase o garoto revirou os olhos e bufou, se dando por vencido nessa discussão, mas, ainda assim, não queria ir no brinquedo. O que lhe surpreendeu foi quando o seu irmão puxou seu braços e entrou na fila consigo, entregando os bilhetes para o senhor de idade que estava monitorando a entrada.

— Eu não quero ir agora Hyung!

O menor se desesperou, precisava de alguma desculpa para não ir com seu irmão àquele brinquedo, ele não queria ir, de forma alguma. Seu medo de altura não era apenas frescura, ele tinha um motivo plausível para tê-lo e não queria tentar vencer esse medo, não em um brinquedo do parque de diversões com seu irmão.

— Tarde demais, maninho. Não podemos mais voltar

O Kim mais velho sorriu largamente, mostrando sua satisfação em vencer o garoto, esse que apenas suspirou, se preparando para o pior e com certeza xingando mentalmente seu irmão de todos os nomes possíveis na sua língua e alguns murmurados em em inglês para somente o maior escutar.

— Você vai ver, Jin

Disse, claramente querendo agredir seu irmão alí mesmo, mas se controlando para não fazer isso e também ocupado demais pensando em tudo que poderia lhe ocorrer quando estivesse na parte mais alta do brinquedo. Não adiantou a ameaça, Jin empurrou-o para dentro da cabine e entrou em seguida, deixando que o senhor fechasse a porta e desse as instruções para que ambos não se machucarem ou ocorresse algum acidente.

Assim que foram mencionados os riscos do pequeno "passeio" caso não tomassem cuidado, TaeHyung tremeu em seu lugar, começando uma série de orações das quais ele não fazia ideia do significado ou se funcionariam no momento, seu ceticismo fora ignorado por causa dessa situação e ao SeokJin ouvir um 'Oxalá baixo ao seu lado, ele teve certeza de que ele estava ferrado quando chegasse em casa.

Por sorte - ou não -, eles foram os últimos a entrar no brinquedo, então a cabine não precisou subir para outras pessoas entrarem, então o brinquedo simplesmente começou a girar em seu próprio eixo. "Simplesmente", obviamente, para quem estava acostumado, pois para o Kim mais novo, isso significava algo horrível: Enfrentar seu medo.

A cabine dos dois rapazes estava apenas na metade da altura e Tae já sentia suas mãos suarem e suas pernas bambearem, o que era, com toda certeza, um péssimo sinal. Um ataque de pânico? Talvez.

Jin segurou a mão de seu irmão, dizendo palavras reconfortantes para o mais novo e começando a se arrepender de tê-lo arrastado até a roda gigante. Mas logo viu que o garoto estava melhorando e ficou um pouco desconfiado do mesmo, o olhando com uma sombrancelha arqueada.

— TaeTae?

Nenhuma resposta.

— TaeHyung?

Silêncio novamente.

— Kim TaeHyung!

Sacudiu os ombros de seu irmão, este que o olhou com uma interrogação na testa - confuso - e perguntou com o olhar o porquê de ter sido chamado

— Você começou a viajar! Estava tendo um ataque e do nada entra em transe. Eu não te entendo, garoto.

— Me... Desculpe? Eu acho que vi algo, Hyung.

— Deixa de ser esquisito, pirralho.

— É sério! Parecia uma bola, mas tinha vidro e algo dentro se mexendo...

Ficou fazendo sinais e expressões estranhas com o corpo e rosto, tentando explicar ao seu irmão o que vira, este outro que apenas encarava boquiaberto a situação: Seu irmão achou ter visto algo e simplesmente se distraiu? Ele esqueceu que estava em um lugar alto e seu nervosismo passou? Ok, isso era deveras curioso e um pouco estranho.

— Hyung, eu quero descer.

E como tudo que é bom dura pouco, o garoto estava novamente olhando para baixo, com um expressão não só assustada, mas também impaciente.

— TaeTae, a gente precisa esperar o brinquedo parar.

— Eu vi aquela coisa indo para a praia, quero ver o que é. Não tem como pedir pro cara parar esse negócio?

— Primeiro: O "negócio" se chama roda gigante, e segundo: Não, não tem como.

— Que saco, isso demora muito

Dito isso, o menor cruzou os braços, fazendo um bico irritado - que era extremamente fofo na visão de todos que o viam - e bufando, o que não durou muito, pois logo sua carinha contrariada foi substituída por uma pensativa e ficou assim o restante do tempo que passou dentro daquela cabine.

Assim que desceu, simplesmente esqueceu de seu irmão, começando a correr na direção da entrada - e saída - do parque, a qual atravessou rapidamente, indo para onde havia visto o tal objeto voador.

SeokJin, que bem conhecia o irmão, simplesmente resolveu que deixaria, ligando para NamJoon e chamando-o para fazer companhia para si, já que não queria desperdiçar os ingressos que comprara.

                 → |🔭| ←

O loiro andava a passos rápidos, quase correndo, e em alguns minutos chegou na praia perto de sua casa - tal fato que ele não havia percebido antes -, logo começando a procurar por algo anormal, nem que fosse uma pedra diferente ou uma pegada desconhecida para si.

Caminhou um pouco pela beira mar, percebendo um pequeno brilho em meio a pequena mata ciliar que se situava perto de algumas pedras - que ao seu ver, era a parte mais bonita da praia -. Hesitou um pouco antes de ir, observando se tinha algo em volta, porém não achou nada e acabou seguindo o brilho, se assustando com o que viu assim que passou por entre as pedras.

— Uma nave! Será que tem um alienígena alí?

Pensou alto, começando a criar suas, tão constantes, paranóias sobre o objeto que vira. Ele analisou a nave com olhos curiosos, reparando em cada detalhe que havia alí, desde o formato oval até o tamanho, que caberia quatro pessoas facilmente, além de ir se aproximando cada vez mais, chegando a toca-la.

A nave era grande, do tamanho de um carro, mas olhando mais de perto era fácil perceber que ela não era espaçosa por dentro, e se tivessem mais de duas pessoas alí elas ficariam desconfortáveis. A cor era um azul marinho opaco com detalhes em cinza e branco, com um vidro aparentemente muito resistente em uma parte da frente do objeto. Por dentro se parecia com uma pequena cápsula, uma portinha que deveria ser para guardar o que quer que seja que a pessoa - ou ET - quisesse, um pequeno sofá que provavelmente era fixo na frente de um grande painel de controle, cheio de botões e teclado que pareciam ter códigos ao invés de letras - que na verdade, eram letras do skyblu, alfabeto usado no planeta de Jeon - e também um aparelho do tamanho de um celular, também parecido com um, em cima do sofá.

Por dentro parecia ser confortável, o sofá era cinza e o painel de controle também continha tons de azul e branco, assim como quase toda a nave por fora e por dentro. Era, com certeza, muito bonita e tecnológica.

O Kim poderia ficar horas apenas admirando a nave e tentando adivinhar o que cada coisa fazia. Isso, claro, se não tivesse sido interrompido por uma voz calma e grave atrás de si.

— Ah... Hello?

TaeHyung se virou em um movimento rápido, arregalando os olhos para o que via em sua frente; Um garoto extremamente bonito, com um rosto jovem, cabelos negros e o corpo definido, com os músculos dos braços e gominhos do peitoral visíveis, além de estar usando uma calça um pouco estranha, mas que mostrava o quanto suas coxas eram definidas tal como todo o restante do corpo. Ele deveria ser cerca de 10 centímetros mais altos que o loiro, este que tinha 1,73 de altura, ou seja, o garoto também era alto.

O Kim encarou as orbes negras do garoto por alguns segundos, mergulhando no mar de mistérios e segredos que eles eram. Desceu com seu olhar para o peitoral do rapaz, ganhando como resultado de sua curiosidade um rosto corado até as orelhas.

Abaixou a cabeça, mirando o chão, assim que se tocou de que ficou muito tempo admirando a beleza alheia e viajando em cada detalhe do rapaz a sua frente. Ignorou a vergonha por um momento e perguntou se o rapaz era estrangeiro, pois era o que aparentava.

— Ah, me desculpe. Eu sou daqui mesmo

O garoto disse isso depois de um momento de confusão, sorrindo para TaeHyung logo depois. E que sorriso. OKim sentiu as pernas bambearem e corou novamente, por ter ficado algum tempo encarando o rosto alheio.

— 'Ta tudo bem, qual seu nome?

— Jeon JungGuk, e o seu?

— Kim TaeHyung, prazer

— O prazer é todo meu

E novamente um sorriso lindo, com dentes salientes a mostra, o que lhe deixava com um aspecto mais jovem e fofo.

— Jeon, aquela coisa é sua?

O menor entre os dois apontou para a nave assim que despertou novamente de seu transe, mas se arrependeu assim que viu a expressão do outro mudar de um sorriso para um rosto sério e... Irritado?

             → Continua...

                        🏢


Notas Finais


Voltei K
Gostaram? Me contem por favor
Eu espero que sim, de verdade.
Comentem o que acharam, se tiver algum erro que vocês perceberam podem falar também.
Essa é minha primeira fic Vkook e eu espero que fique boa :')
Até o próximo capítulo bbs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...