História V E G A S II: As You Like It - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Malhação: Viva a Diferença
Personagens Heloísa Gutierrez (Lica), Samantha Lambertini
Tags Aliperti, As You Like It, Continuação, Grigio, Griperti, Lesbicas, Limantha, Mvad, Parte Ii, Vegas
Visualizações 139
Palavras 2.832
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, LGBT, Literatura Feminina, Poesias, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


esse capítulo tá tão fofo que eu quero colocar num potinho

Capítulo 12 - Standing in a nice dress


Fanfic / Fanfiction V E G A S II: As You Like It - Capítulo 12 - Standing in a nice dress

- E você? Não vai querer fazer alguma coisa? - a tatuadora me perguntou assim que cobriu aquela palhaçada com plástico-filme.

- Eu ainda tenho um pingo de sanidade!!!!!

Eu não sabia se ainda tava surpresa ou se queria comer a Lica de porrada ali mesmo por ser tão maluca.

- Escreve meu nome no seu quadril, eu vou adorar. - a maldita já tava do meu lado beijando minha bochecha.

- Não encosta em mim porque eu ainda quero quebrar o pau! - empurrei ela. - Não tô boa com você!

- Você tá puta? - ela parecia confusa. - Eu achei que você ia gostar...

- Ih, melhor eu não participar da DR! - a outra albina começou a dar atenção pra uns malucos que faziam fila ali.

- Quanto eu te devo? - Lica perguntou antes que ela nos deixasse de vez.

- Não esquenta com isso agora. Depois que a sua ferinha se acalmar a gente acerta. - apontou pra mim.

Pronto, eu ia ser presa por crime de homofobia por espancar duas lésbicas doidas na mesma noite!

 

-

Eu precisei de uns bons minutos pra conseguir pelo menos olhar pra cara da Lica. Como que pode uma pessoa fazer tanta coisa por impulso, meu pai???? Será que essa menina nunca ouviu falar que aquilo era uma das coisas mais definitivas do mundo? 

- Sammy, não fica com essa carinha, vai...

- Lica, pelo amor de Deus! Olha o que você acabou de fazer, sua maluca! Eu te falei um número completamente aleatório e você já foi metendo na pele, como que eu não vou ficar pistola?

- É o nosso número.

- Se eu não te matar aqui mesmo, né? Porque aí eu vou ter que passar todo dia primeiro levando flor pra sua desgraça de túmulo! Isso se eu não for parar na cadeia antes por ter te trucidado!

- Eu deixo o dinheiro pros seus advogados como herança.

Lá ia me abraçar e passar aquele narigão no meu pescoço. Eu queria matá-la, mas não resistia àquele cheirinho bom tão próximo. As mãozinhas safadas me apertando devagar pela cintura. Que inferno que o meu corpo simplesmente não me obedecia e já ficava todo arrepiado com qualquer toque daquele espantalho!

- Vai ficar com raiva de mim pra sempre? - perguntou dengosa.

Neguei com a cabeça. Eu já tava mais mansa que a minha gatinha quando ganha patê.

- Mas eu vou continuar de greve. - a abracei pelo pescoço. - Você vai passar um bom tempo na seca pra aprender!

- Não faz assim...

- Eu faço o que eu quiser. Você não acabou de cagar pra uma ordem minha? Agora aguenta!

Eu ainda tinha uma porção de desaforos pra falar, mas ouvi um barulho do palco que até calou minha boca. A banda já tinha subido e eu nem tinha me dado conta. O bizarro é que aparentemente eram um grupo de rock, mas a primeira música eu conhecia bem até demais.

- Que foi? - Lica me olhou confusa.

- ELES TÃO CANTANDO UMA MÚSICA DA SANDY!!!!!!!!!!! 

Óbvio que já fui arrastando ela pro meio da galera. 

COMO ASSIM ALGUÉM CANTA SANDY E JUNIOR NUM SHOW DE ROCK???????????? Eu definitivamente ia me mudar pra essa cidade!

Eu amava tanto aquela música! Amava e ficava na merda porque pensa numa letra que era quase um tapa na cara! Eu tinha me cansado de ouvir aquilo pensando na Lica, especialmente quando brigávamos feio.

Fiquei praticamente em cima do palco de tão próxima, tava achando tudo aquilo muito louco. A moça que cantava era fofa, a voz realmente parecia a da Sandy. Eu nem sei o que tava esperando, mas definitivamente nada da minha dupla favorita da vida. Eu nunca fui num show deles :(

Meu ursinho polar me abraçou pela cintura e ficou atrás de mim. Deixei que ela encostasse aquele bico de tucano em meu cabelo, eu tava tão feliz! Nem me lembrava que há pouquíssimo tempo atrás teria dado uma facada nela sem um pingo de piedade.

- Tem certeza que essa música é da Sandy? - sussurrou em meu ouvido. - Eu nunca ouvi antes.

Claro que eu me virei pra olhá-la com toda a indignação que conseguia.

- VOCÊ TÁ DIZENDO QUE EU NÃO CONHEÇO TODAS AS MÚSICAS DELES, HELOÍSA?

- Shhhhhhh!!! - praticamente cobriu minha boca com a mão. - Amor, pelo amor de Deus, não faz esse barulho que vai atrapalhar a banda!

- Essa merda é deles sim! - dei um empurrão de leve nela. - É do álbum de 2006 e foi escrita pra você, desgraça!

Ela começou a rir.

Me virei pro palco novamente.

- Será que você não consegue prestar em uma única letra na sua vida? - resmunguei e belisquei a mão dela.

Já estava no refrão. 

Ah é, até esqueci de falar que a música era Estranho Jeito de Amar

Eu queria era me debulhar em lágrimas. Era provavelmente uma das minhas favoritas da vida inteira.

 

-

Durante o solo de guitarra puxei a Lica pra mais perto de mim.

- Eu não quero brigar com você de novo, Lica. - falei baixinho enquanto ela me abraçava. - Nunca mais.

- A gente não tava brigando, Sammy.

- Tô falando no geral. - me virei de frente pra ela e a abracei pelo pescoço. - Eu tenho muito medo, amor. Poxa, menos de um mês e tanta coisa!

Ela me olhava como se quisesse me colocar no colo e me servir Mucilon. 

- Me desculpa...

- Não, amor. Não pede desculpa. - passei a ponta dos dedos pela gola da jaqueta dela. - Tem horas que você merece uns tapas mesmo, mas não é sempre. Eu também já fiz muita merda, não é como se eu fosse uma santinha.

Eu nem ligava mais pra minha música, só queria ficar agarradinha no meu neném. 

- Me leva pra outro lugar? - perguntei fazendo carinho no ombro dela.

- Não quer esperar as outras músicas? Se na primeira já vieram com Sandy e Junior, aposto que você vai amar as próximas...

- Não, Lica. - segurei a mão dela. - Vamos embora? Pra qualquer outro lugar... Eu não quero que a nossa noite seja só aqui dentro.

Ela concordou. Entrelaçou os dedos nos meus e já foi me apertando no meio daquelas pessoas. Olhou pro bar e perguntou:

- Quer mais alguma coisa? 

- Não. Eu já tô meio leve, não sou cachaceira como você. 

Ela riu.

- Espera só eu pagar pela tatuagem então? 

Ah é, eu já tava me esquecendo de xingar aquilo.

- Não vou deixar você sozinha no meio daquele monte de malucas! Vamos lá logo porque eu não quero ter uma namorada com fama de caloteira!

-

A tatuagem, como prometido, tinha até recebido um desconto. Eu tinha ficado brava, mas comecei a refletir. Ela tinha feito aquilo no próprio corpo e até combinava com a aesthetic daquela pele branquela cheia de rabiscos bobos, mas era pra mim. Era pensando em mim, em nós!

Era a coisa mais linda que alguém já tinha feito pra mim nessa vida.

Como que eu pude ter sido tão mal-agradecida? 


-

Enquanto ela pagava a comanda na saída fiquei abraçando meu próprio corpo. Estava frio, eu devia ter trazido um casaco. Isso que dá não acreditar que a Lica é realmente maluca e que me arrastaria pra qualquer lugar do mundo!

Novamente (pela quadragésima nona vez), minha princesa veio me salvar. Tirou a jaqueta e já foi colocando sobre os meus ombros.

- Veste isso, gatinha. - beijou minha testa. - Eu sei que você tá com frio, me desculpa por não ter te entregado antes.

- Se eu vestir vou ficar a maior gostosa da América Latina e você só um cãozinho sem graça. - provoquei.

Eu tava com frio mesmo, ventava muito. Não pude recusar, já fui me enfiando dentro daquela camada exterior de gostosura da Heloísa Gutierrez. Tinha tanto o cheiro dela que eu queria morar ali dentro.

- Podemos ir agora. - me segurou pela cintura e foi me conduzindo pro lado de fora. Já estávamos na rua.

- Lica, eu queria te pedir desculpa.

- Pelo quê? 

- Por ter sido tão grossa com você. Sobre isso. - apontei pro braço dela. Ainda tava meio vermelhinho.

- Tudo bem, Sammy. Eu sei que foi impulsivo e que pra você é difere...

- Não é! - não esperei que ela completasse. - Não é diferente, Lica. Eu não tenho essa força que você tem, mas eu enfrento o medo. Me desculpa se eu não tive coragem de fazer uma igual ou algo do tipo, mas eu quero muito que você entenda que eu me sinto do mesmo jeito que você.

- Eu te amo tanto que às vezes eu acho que vou explodir! - ela segurou meu rosto e me deu um selinho.

- Como que você consegue falar isso com tanta naturalidade? - passei os dedos nas mãos dela em minha bochecha. - Eu juro que queria ser assim, mas eu me tremo inteira só de ouvir isso...

- Você é o meu primeiro amor. 

Eu até ia contestar, mas ela me olhava de um jeito que demonstrava tanta sinceridade que assustava. 

- Eu nunca senti isso que eu sinto por você. Por nada, por ninguém. - continuou falando.

Óbvio que eu já tava mais derretida que um chocolate antes de virar ovo de páscoa.

- Sério mesmo? - perguntei quase sem voz. Eu só queria chorar. De alegria, claro.

- Sim. Você ficou brava por não ter sido a primeira em algumas coisas...

Eu já ia ficar puta lembrando daquilo, mas ela me desarmou em menos de um segundo:

- Mas você foi a primeira que eu amei assim. É amor mesmo, não é paixão ou só loucura...

- Eu tenho que te dar um tiro ou você vai parar com essa merda de passado?

Ela parecia gostar de moer meu coração. Aquilo era o meu maior medo, era só falar daquele jeito que eu já queria morrer.

- Desculpa, gatinha. Eu só queria que você soubesse que é o primeiro amor da minha vida.

- O primeiro e o último, né?! Porque eu vou te matar se você sair por aí amando mais alguém!

Eu tava brincando pra não cair no choro. Ela sabia disso, eu acho.

- Vem comigo. - me segurou pela mão e me levou até o carro. - Eu quero te mostrar uma coisa.

Assim que entramos, a burrinha pediu minha ajuda pra ligar o som e conectar ao celular. 

- Você também tem uma playlist nossa? - brinquei.

- Ainda não. Mas é uma ótima ideia.

- Eu posso colocar a minha...

- Não. Eu quero que você escute essa aqui. Espera.

Eu tinha uma certa impaciência com a lentidão daquela velhinha pra digitar, já aproveitei pra me escorar inteira naquele banco confortável. Estiquei as pernas, aquelas horas de pé tinham me deixado cansada. Não acredito que eu tava virando outra idosa!

- Posso? 

Ela tinha um jeito tão fofo de sempre esperar pela minha permissão. Se fosse o contrário, era óbvio que eu já ia meter o play naquilo e obrigá-la a ouvir. A Lica era tão linda comigo que parecia até reparação histórica por  c e r t a s personagens aí. 

- Claro que pode.

Tá bom, foi preciso só o primeiro acorde e eu já tava com os olhos cheios de lágrimas. Eu não acredito que ela tinha mesmo feito aquilo comigo!

Era a garota que eu amava me fazendo ouvir Love of my life. Na merda da versão do Rock in Rio que era me foder psicologicamente inteira.

 

-

- Eu era apaixonadinha pelo Brian May, sabia? - falei apontando pro celular dela.

- Mas o Freddie é mais bonito...

- Com esses dentões iguais aos seus????

Ela riu. Era brincadeira, pra variar.

- Canta logo isso pra mim, Lica! 

- Eu não tenho a voz dele...

- VAI MESMO DESPERDIÇAR A PARTE MAIS BONITA OU VAI CANTAR DE UMA VEZ?

Recebi aquele sorriso lindo. 

Ela se virou em minha direção e já foi cantando baixinho:


You will remember
When this is blown over
Everything's all by the way
When I grow older
I will be there at your side to remind you
How I still love you 

 

-

- Você não vai me beijar não, inferno? - falei secando minhas lágrimas quando a música acabou. - Será que eu tenho que te ensinar tudo?

- Beijar no carro é ruim, amor.

- Eu nunca fiz isso antes.

- Quer ver? - ela riu e se aproximou. - É sério, é superestimad...

- Enfia logo essa língua na minha boca, anda!

Recebi uma gargalhada com um beijo meio torto. O pior é que ela tinha razão. Era gostoso por ser o beijo da Lica, mas era meio estranho, parecia não querer encaixar. Beijar sentada é sempre uma tragédia, mas aquilo tava de parabéns no desconforto.

- Tá bom, eu me rendo. - me afastei. - Eu vou ficar com torcicolo e isso aqui tá me deixando com zero tesão.

- Assim você tá me ofendendo.

Dei um beijinho na bochecha dela. Olhei pra frente e logo fui obrigada a sorrir. Aquilo tava tão perfeito que parecia até fanfic! 

- LICA, OLHA ISSO! - apontei pro vidro.

Eram várias gotinhas de chuva, não eram fortes, na verdade parecia uma garoa besta.

- O quê? 

A sonsa não tinha acompanhado meu raciocínio.

- EU VOU REALIZAR MEU SONHO!

- Que sonho, Sammy?

- A gente tá vivendo a letra inteira de Fearless!!!!! - já fui abrindo minha porta. - Desce logo daí, anda!

Já tava me jogando na calçada, ela me olhava como se eu fosse completamente doida. Claro que obedeceu porque fazia tudo que eu mandava e sem reclamar.

-

Eu queria explodir de felicidade, nunca na minha vida pensei que podia mesmo tornar aquele sonho real. Eu ouvia tanto a Tay Tay quando era mais nova, ficava toda desiludida ao pensar que aquelas coisas só existiam num álbum ou na realidade de uma cantora bilionária e lindíssima. Não sabia que eu, uma simples garota dona de gatos obesos e secretamente romântica, ia ter mesmo um parzinho lindo pra me dar uma noite tão maravilhosa. Não dava pra colocar um único defeito desde que ela tinha me chamado pra essa loucura. Era perfeito!

- O que a gente tá fazendo aqui na chuva, Sammy?

Tirei o casaco dela. Eu ia morrer de frio sim, mas valia à pena pra criar meu cenário dos sonhos.

- Veste de novo. E não faz pergunta difícil!

Ela parecia confusa ainda, mas me obedeceu.

- Agora dança comigo bem aqui.

Ela olhou ao redor, nem sei se procurando ajuda ou procurando melhores explicações. Felizmente estávamos sozinhas.

Me segurou pela cintura e eu já fui me pendurando em seu pescoço. Encostou a testa na minha e começou a me balançar daquele jeito fofo que tínhamos feito mais cedo.

- Vamos dançar sem música mesmo?

- A gente tá ouvindo uma música, Lica. Você que é burra e não percebeu!

- Quê?

- Eu cantei essa merda pra você antes. Depois se fizerem um filme nosso eu peço pra colocarem ela como trilha sonora dessa cena, tá bom?

- Quem ia ver um filme nosso, amor?

- Lica, fizeram até spin-off só pra nos ver anos depois. 

- Hã?

- Me conduz direito, sua sonsa!

A chuva era fraquinha, mas molhava meus ombros. Ok, na vida real eu não sabia que ia ficar com os cachos ridículos depois, mas e daí? Tava tão bom ali, tão mágico, tão lindo!

- Agora passa a mão no cabelo e faz uma carinha irresistível. - ordenei.

O pior é que ela realmente fazia tudo que eu mandava. Parecia se divertir só ao me ver tão feliz.

- Como é uma carinha irresistível pra você?

- A sua o tempo todo, Lica. Eu não dou conta.

Era verdade, eu era maluca por ela.

- E agora? - perguntou fazendo carinho dessa vez no meu cabelo.

- Ok, a gente já dançou na chuva, já dirigimos no meio do nada, você já foi irresistível... - fiz a listinha contando nos dedos. - Eu acho que falta o auge.

- Qual é o auge?

- Me puxa e me dá o melhor beijo das nossas vidas. Bem destemido. É sua chance de corrigir aquela merda que foi o nosso primeiro!

Eu ainda não aceitava o desastre nuclear que tinha sido aquilo, mas vieram outros beijos tão gostosos depois que já tava começando a perdoá-la. 

- Sério?

- Anda, palhaça! Se parar de chover e você não me arrebatar com o beijo mais perfeito desse mundo eu nunca mais dou pra você! Tô falando sério!

Eu conhecia bem demais aquela sonsa safada. Ela nunca ia correr aquele risco.

No fundo, nem eu ia ter coragem.

Só não contem pra ela, por favor.

 

 

 


Notas Finais


Até que a Sammy pegou leve hoje:

1. Estranho Jeito de Amar - Sandy e Junior: https://www.youtube.com/watch?v=08r3xOERUCw
2. Mucilon é o cereal pra bebês
3. Brian May é o guitarrista do Queen, Freddie eu acho que nem preciso falar quem era
4. Love of my life na versão do RiR: https://www.youtube.com/watch?v=pGankmig5yM
5. Fearless provavelmente é a música favorita da Sammy e ela tá empenhada em realmente fazer tudo. A letra tá aqui: https://www.letras.mus.br/taylor-swift/1265408/traducao.html
6. O spin-off é "As Five". Apesar de querer matar a Lica, eu to torcendo muito pra volta de Limantha

-
eu tenho ódio do tanto que eu shippo as duas

mas me digam uma coisa: cês preferem lica ou sammy narrando? quero saber


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...