1. Spirit Fanfics >
  2. Vai Vestir uma Roupa, Jaebum! - 2jae >
  3. A Primeira Peça de Im Jaebum

História Vai Vestir uma Roupa, Jaebum! - 2jae - Capítulo 1


Escrita por: e Proj_Babychonlo


Capítulo 1 - A Primeira Peça de Im Jaebum


Fanfic / Fanfiction Vai Vestir uma Roupa, Jaebum! - 2jae - Capítulo 1 - A Primeira Peça de Im Jaebum

Para Youngjae, mudar-se para um apartamento perto de sua faculdade era uma verdadeira vantagem, afinal, o Choi iria economizar tempo e dinheiro com a sua nova casa. Além do mais, teria companhia durante o seu tempo livre e isso era bom, pois ele queria mesmo conhecer novas pessoas. Mesmo que não estivesse tão longe de casa, era bom respirar novos ares e conhecer novos lugares.

Quando entrou em contato com o dono do prédio, o mesmo disse que havia apenas um apartamento cujo o dono estava disposto a dividir, porém algumas coisas o próprio Choi deveria negociar com o dono. Heechul parecia bem estranho no telefone ao citar o dono do apartamento, como se o outro homem fosse um assassino procurado pela polícia. A mente do Choi viajou longe com esse comportamento estranho e estava óbvio que tinha alguma coisa errada nisso.

O Choi não pôde negar que ficou com medo do que poderia acontecer consigo, mas no fim, Heechul riu e disse que não tinha nada para temer. Bom, era isso que Youngjae veria assim ao chegar em seu novo apartamento e caso Heechul estivesse errado, iria acertar isso com o Choi.

O percurso até o prédio foi em um táxi, onde o motorista pediu educadamente para ouvir música clássica e é óbvio que o Choi concordou com isso, afinal, não era nada ruim, pelo contrário, a música era suave e calma. Apesar de estar nervoso por saber que vai conhecer alguém novo, Youngjae sentiu seu interior completamente em paz, com isso, ele apenas olhou através da janela para admirar as ruas movimentadas de Seul.

Tinham pessoas andando por todos os lados, conversando e até comprando coisas. Seul era bem movimentado, porém tinha beleza e acima de tudo, era uma cidade grande. O Choi teria muito tempo para explorar cada parte futuramente, inclusive, estava ansioso por isso, pois sabia somente onde ficava sua faculdade, nada além disso.

Quando deixou a casa de seus pais, foi um verdadeiro “chororô”, principalmente por parte da irmã mais nova do Choi que era muito apegada ao mesmo e por pouco ela não fez o irmão mudar de ideia. Seus pais também não queriam ver seu filho partir. O casal temia que seu filho acabasse se machucando, afinal, Youngjae era gay e eles sabiam que o preconceito estava a solta pelo país e por isso não queriam que acontecesse com primogênito, felizmente, o Choi sabe defender-se e por isso não vai medir esforços para agir com qualquer idiota que pensasse em ofendê-lo. Algo que ele não admitia era ouvir piadas sem graça ou qualquer coisa ofensiva e talvez seja por isso o motivo das pessoas do seu antigo bairro nem ao menos tocar no assunto. Sabiam que o Choi não estava para brincadeira.

Quando o táxi parou em frente ao prédio do endereço fornecido por Heechul, Youngjae pagou pela corrida e saiu do veículo, pegando sua bagagem no porta-malas e acenando para o mais velho que em questão de segundos, já tinha se misturado aos outros carros que passavam pela rua. Agora não tinha mais volta, estava definitivamente longe de casa e por ora era responsável por sua própria vida, não que antes ele não fosse.

Youngjae suspirou ao encarar o prédio e logo puxou sua mala conforme entrava no local. Na recepção, um homem de cabelos até os ombros, com semblante entediado estava mexendo em algumas chaves, mas ao ouvir passos, levantou sua cabeça e sorriu largamente. Seu sorriso era caloroso e receptivo, por alguns minutos, o Choi se sentiu em casa, pois sua família carregava a mesma energia positiva e acolhedora.

— Choi Youngjae? — O homem saiu de trás do balcão em que estava e aproximou-se do mais novo, estendendo a sua mão. — Eu sou Kim Heechul. Nos falamos por telefone a alguns dias atrás, seja bem vindo.

Youngjae apertou a mão do mais velho e sorriu gentilmente. Heechul sorriu de volta e analisou brevemente o mais novo. Apesar de ser o dono do prédio, coisa que poucos sabiam, afinal, o Kim não queria passar uma imagem autoritária apenas por ser o dono. Ele gostava de conhecer os moradores do local e ser amigo deles. Então, por causa disso que o Choi nem sequer era capaz de imaginar que o Kim era o dono do lugar todo e era melhor assim, ao menos por enquanto.

— Eu creio ter chegado uns 30 minutos antes do previsto, espero que não seja um problema. — O Choi pronunciou e sorriu sem graça, até ver o mais velho negando com a cabeça.

— Não tem problema algum. — Heechul se afastou e esticou seu braço para pegar um chaveiro, entregando o mesmo para o Choi. — Essa é a chave do seu apartamento. Jaebum está à sua espera. — Heechul sorriu, mas não era o mesmo sorriso de antes. O mais velho parecia nervoso e isso não passou despercebido por Youngjae.

Porém Youngjae resolveu ignorar isso e andou em direção ao elevador. Assim que entrou, apertou o andar de seu apartamento e esperou pacientemente. Quando finalmente estava no andar desejado, Youngjae saiu do cubículo e caminhou pelo corredor, observando com atenção as outras portas. Algumas tinham tapetes de boas vindas ou enfeites nas portas, algo que fez com que o Choi percebesse que as pessoas que morava ao seu redor seriam bem gentis.

Ao deparar-se com o número "36", percebeu que estava diante de seu apartamento e com isso, apenas abriu a porta, pronto para cumprimentar seu colega, porém o que ele viu, fez com que desse um passo para trás.

Havia um homem de cabelos longos e completamente nu, deitado no sofá e assistindo algum programa de variedades, porém ao notar a presença de Youngjae na porta, o mesmo homem sorriu de canto. Youngjae não podia negar que o desconhecido era completamente lindo, mas nada mudava o fato de que ele estava nu as 10:34h de uma manhã de sábado e sem qualquer motivo aparente.

— Bem vindo, colega de quarto! — O desconhecido pronunciou, ameaçando levantar.

— Fique onde está! — Youngjae pediu, fazendo um gesto com a mão para que o outro não se mexesse. — Você só pode ser um pervertido ou eu errei de apartamento.

Youngjae piscou diversas vezes, mas antes que o outro pudesse dizer qualquer coisa, o recém chegado bateu a porta com força e desceu pela escada de incêndio até o térreo, onde Heechul estava comendo alguns salgadinhos.

— Eu acho que errei de apartamento. — O Choi colocou a chave sob o balcão em frente ao Kim que logo riu.

— Pelo visto você já conheceu o Jaebum. — Heechul riu mais uma vez ao ver a testa franzida do mais novo. — Esqueci de dizer que seu colega de quarto tem o hábito estranho de ficar completamente nu quando está em casa, mas creio que se você conversar com ele educadamente, ele vai se vestir.

— Você está brincando comigo certo?! — Youngjae arregalou os olhos. Jamais tinha escutado algo tão absurdo em toda a sua vida. — Como eu vou conviver com um homem pelado?!

— Por que todos sempre me perguntam isso? — Heechul murmurou e coçou o queixo. — Olha Youngjae, o Jaebum está aqui há muito tempo e infelizmente, eu não posso me intrometer nisso.

— Então me deixe trocar de apartamento, eu imploro!

— Não vai ser possível. Todos estão ocupados e o Jaebum é o único que aceita ter um colega de quarto.

Youngjae encarou as próprias mãos, questionando o que faria agora, afinal, não podia ficar com um homem nu em sua casa. O que diria para os seus amigos quando os mesmos aparecessem em sua casa? Que o seu colega não gosta de usar roupas? Isso era totalmente um absurdo e terrível aos olhos do Choi.

Depois de passar em torno de 20 minutos discutindo com Heechul, Youngjae se deu por vencido e subiu novamente, pensando em um meio de lidar com a situação, afinal, não era todo dia que um homem nu aparecia em sua vida.

Ele abriu a porta do apartamento e dessa vez, Jaebum estava vestindo uma cueca e assim que olhou para a porta, se levantou um tanto quanto sem graça.

— Me desculpe pela primeira impressão terrível. — Jaebum pronunciou e estendeu a mão. — Eu sou Im Jaebum e gosto de ficar nu em casa. Roupas são muito limitantes para mim e me incomodam.

Youngjae encarou o outro dos pés a cabeça, achando ainda mais absurdo toda aquela história. Como alguém poderia gostar de andar sem roupas? Youngjae sequer podia se imaginar da mesma forma e é claro que teriam problemas por causa disso futuramente.

— Essa mão está limpa? — Youngjae apontou receoso e Jaebum apenas riu antes de assentir. Youngjae apertou a mão do outro que sorriu novamente. — Sou Choi Youngjae, seu colega de quarto que prefere não ver nada disso.

— Bom, em relação a isso, eu não posso fazer nada. — Jaebum deu de ombros e sentou novamente no sofá. — E além do mais, eu sou lindo por completo.

— Eu discordo, você parece uma vareta ambulante. — Youngjae revirou os olhos. Ali, ele percebeu que não seria nada fácil conviver com Im Jaebum.

— Não é isso que as pessoas dizem. — Jaebum sorriu de canto. — Quer ajuda com a mala?

— Dispenso. — Youngjae novamente arrastou sua mala, mas parou ao se recordar de que não sabia qual era o seu quarto.

— A segunda porta à esquerda. — Jaebum pronunciou e pegou seu celular sobre uma pequena mesa em frente ao sofá.

Youngjae nem agradeceu, apenas seguiu no corredor não tão extenso e com alguns quadros até encontrar a tal porta. Assim que abriu, ele tratou de jogar sua mala sob a cama e deitar ao lado da mesma, sem acreditar no quanto seu colega de quarto era totalmente estranho e bizarro.

O Choi ficou em torno de 5 minutos observando o teto branco de seu quarto, tentando insistentemente não surtar e voltar para a sua casa.

A verdade é que o Choi queria ser independente, não queria mais incomodar seus pais com despesas que ele mesmo poderia arcar e por isso estava ali, mas ter um colega de quarto nu era algo quase que surreal e bizarro ao ponto do Choi nem ao menos conseguir processar. Voltar para casa era uma ideia tentadora, mas ele não podia se dar ao luxo de fazer isso, ainda mais depois de ter vindo de tão longe.

Logo Youngjae ouviu batidas em sua porta e com isso, a voz de Jaebum dizendo que estava o esperando na sala.

Ele suspirou antes de levantar da cama e ir diretamente para a sala, se sentando no outro sofá apenas para não ter que ficar perto do Im. Jaebum deu de ombros e deixou seu celular de lado antes de se pronunciar.

— Eu estou sem emprego, mas não se preocupe, eu ajudo com as minhas economias e farei todas as tarefas domésticas. — Jaebum disse e Youngjae sorriu discretamente. — Preciso de uma lista das comidas que causam alergia em você ou que não te agradam, para que não termos problemas.

— Meu único problema é saber se você usa roupas ou não em algum momento do dia. — Youngjae cruzou os braços e Jaebum deu de ombros.

— Só quando vou à universidade ou qualquer coisa que envolva sair de casa. — Jaebum deu de ombros novamente. O rapaz fazia isso constantemente.

— Francamente... Você pode ao menos usar uma cueca? — Youngjae questionou e o outro fez um bico pensativo.

— Se você fosse um pouco mais educado, eu poderia sim pensar nisso e até usar. — Jaebum sorriu de canto mordeu seu lábio interior. Um gesto muito sexy e nada despercebido pela mente atenta do Choi. — Vou ver o que posso fazer em relação a isso, mas se não estiver satisfeito, pode ir embora como os outros.

Youngjae resmungou um "eu já paguei três meses de aluguel adiantado", arrancando uma risada do outro. O Choi jamais se arrependeu tanto de ter usado seu dinheiro como naquele momento. Ele não podia voltar atrás e nem pedir seu dinheiro de volta, pois isso iria gerar uma quebra de contrato com Heechul e o Choi não podia arranjar problemas tão cedo, pois não faziam nem 24h desde que chegou.

Jaebum por outro lado estava bem tranquilo, afinal, seus colegas não duravam sequer uma semana consigo. Não que o Im fosse problemático, mas ninguém era capaz de aguentar um homem pelado andando pela casa.

O Im era um rapaz calmo, gostava de assistir seus programas de variedades, cozinhar dos mais variados pratos e ouvir sua playlist que variava entre Rihanna e Bruno Mars, mas nada jamais iria superar as músicas de sua amada e venerada Rihanna, afinal, Jaebum sempre gostou e acompanhou a mulher, respeitando totalmente a imagem e o poder que ela carrega consigo.

Jaebum jamais foi uma pessoa desrespeitosa ou faltava com educação a qualquer pessoa, pois sabia bem como tinha sido criado e sua mãe jamais gostaria de ver seu filho passando por cima de tantos valores e ensinamentos. O fato de viver nu é algo que jamais foi capaz de explicar para qualquer pessoa, ele apenas de sentia mais confortável dessa forma, fora que seu corpo esquentava além do normal vestindo roupas quentes ou pesadas. O Im sempre foi dessa forma, mas com a chegada de Youngjae, Jaebum estranhamente descobriu que provocar ou estressar o rapaz seria divertido.

— Bom, já que estamos conversados, então eu posso preparar o almoço. — Jaebum levantou-se do sofá, pegando seu celular e indo para o quarto, logo voltando com seus fones de ouvido.

— Você não vai cozinhar pelado né? — Youngjae perguntou antes do outro colocar alguma música.

— Não, eu uso avental. — Ele riu, porém para Youngjae, isso não era nada. — Você não sabe fazer outra cara que não seja essa?

— Não! Não quando o meu colega de quarto é um completo esquisito e eu nem ao menos posso reclamar sobre isso! — Youngjae levantou seu som de voz, antes de levantar do sofá.

Jaebum respirou fundo antes de encarar o outro e negou com a cabeça. Youngjae tinha uma personalidade difícil, totalmente o oposto do Im que era alguém alegre e que estava sempre fazendo piadas.

— Eu moro nesse prédio há 3 anos e os meus colegas sempre foram embora, não eu. Então fique a vontade para ir, como eles. — Jaebum apontou para a porta antes de prosseguir. — A porta da rua é a serventia de casa, Youngjae.

O Im sorriu totalmente sínico antes de ir à cozinha e começar a preparar o almoço, enquanto Rihanna cantava a música favorita do jovem em seu fone. Para Jaebum, "Rude Boy" sempre seria um hino do qual ele iria ouvir com gosto.

Da sala, Youngjae ouviu o Im cantarolar o refrão e apenas revirou os olhos. O Choi foi para o seu quarto e bateu a porta, se jogando novamente na cama e procurando por seu celular na mala. Assim que ligou o aparelho, ele notou que tinha três chamadas perdidas de Mark e seis de Jinyoung, seus fiéis amigos desde sempre.

Logo ele tratou de ligar para o Tuan que atendeu no primeiro toque, completamente preocupado com o amigo.

Você está bem? Precisa de alguma coisa? Seu colega é idiota? Deixa que eu bato nele. — Mark disse tudo muito rápido e desesperado. Ele definitivamente estava preocupado.

— Eu estou bem e não preciso de nada. O meu colega é mais estranho do que idiota. — Youngjae pronunciou e mordeu o lábio inferior.

Logo ele ouviu uma melodia suave de um piano no fundo e já sabia perfeitamente de quem se tratava. Jinyoung era um pianista muito talentoso e era o único capaz de fazer o Choi chorar com uma melodia doce e bonita, mas nada que ele fosse capaz de admitir para o Park. Quanto menos deixasse o outro se gabar, melhor seria.

— Estranho como? — Mark questionou confuso e levantou uma sobrancelha, mesmo que o outro não pudesse ver tamanha confusão em sei semblante.

— Quem é estranho? — Youngjae ouviu Jinyoung pronunciando depois que a melodia parou. — É o Youngjae? Eu também quero falar com ele, coloque no viva voz, amor.

— Coloque no viva voz, amor. — Youngjae repetiu apenas para implicar com o casal e ouviu a risada de ambos.

Mark e Jinyoung eram namorados há bastante tempo, Youngjae não sabia ao certo a data em que eles resolveram namorar, mas amava muito o casal e estava sempre apoiando ambos e os ajudando em brigas bobas ou coisas do tipo.

Youngjae respirou fundo e contou mentalmente até três, tomando coragem para contar aos seus amigos tudo o que aconteceu desde que colocou os pés naquele prédio. A princípio, o casal achou que fosse uma brincadeira, mas logo perceberam que era algo sério.

— Ele tem problemas, melhor você sair daí. — Mark disse novamente preocupado. — Você pode ficar aqui por um tempo, não tem problema.

— Eu não posso. Paguei três meses de aluguel adiantado e além do mais, não posso me mudar dessa forma, seria quebra de contrato e eu teria problemas. — Youngjae suspirou frustrado.

— Então manda ele se vestir. Como alguém consegue ficar nu o dia todo? — Jinyoung questionou desacreditado. — Você quer ajuda para resolver isso? A gente pode aparecer aí.

— Sabemos bem que vocês dois são apenas bebês em corpos de adultos, inclusive, eu preciso resolver os meus problemas sozinho, mas agradeço pela preocupação. — Youngjae suspirou pouco antes de sentir um aroma diferente invadir o seu quarto. — De qualquer forma, eu vou ficar bem. Preciso desfazer as malas, então eu falo com vocês mais tarde ok?

— Ok, mas qualquer coisa, eu faço o Jinyoung quebrar o piano dele na cabeça desse cara. — Mark pronunciou arrancando uma risada do Choi.

— Hey! O meu piano não tem culpa disso, viu? — Jinyoung pronunciou antes de se despedir do Choi.

Assim que o casal desligou, Youngjae deixou seu celular de lado e saiu do quarto, seguindo o aroma até a copa, encontrando uma mesa mediana posta.

— Bom, pelo menos eu não preciso te chamar. — Jaebum pronunciou ao aparecer com dois pratos. — Pode comer o quanto quiser.

Youngjae nada disse, apenas pegou o prato que Jaebum entregou e começou a se servir. Mesmo que o Im tentasse puxar assunto, o Choi optou por comer em silêncio, pensando no que faria pelos próximos dias, afinal, não seria nada fácil lidar com um colega de quarto pelado e que claramente não tinha um pingo de vergonha na cara.

Enquanto Jaebum estava disposto e tirar o outro do sério o quanto pudesse e tudo apenas por ter achado sua reação diferente de todos os outros. Seria um longo mês para ambos os rapazes, mas eles sequer eram capazes de imaginar tudo o que iria acontecer com ambos futuramente.


Notas Finais


Olá, bem vindo! Essa é a minha primeira fanfic do GOT7 e eu espero que gostem de verdade, pois eu estou insegura.

Quem quiser conversar sobre a fanfic, o meu user no Twitter é @chonlogirl. Se sintam livres para me chamar ou me perturbar.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...