1. Spirit Fanfics >
  2. Veloz e Furioso >
  3. "Irmãos mais velhos"

História Veloz e Furioso - Capítulo 5


Escrita por:


Capítulo 5 - "Irmãos mais velhos"


Fanfic / Fanfiction Veloz e Furioso - Capítulo 5 - "Irmãos mais velhos"

3 de abril de 2020 – Cidade de Hanói, capital do Vietnã – 10h00min

 

Novos ares pra Formula 1. A maior categoria do automobilismo nunca esteve no Vietnã antes. Hanói estava colorida pro primeiro final de semana de corridas nas ruas da capital do país. Iriamos correr num circuito novo a mais de 300km/h por 3 dias. Nada fora do normal pros carros mais rápidos do mundo!

 

Sábado - Coletiva de imprensa para o GP do Vietnã

 

Eu: Ontem foi um dia bem produtivo. Conseguimos colher alguns dados importantes que vão nos ajudar à apressar o desenvolvimento do carro com mais exatidão.

Tom Clarkson: Mais alguma pergunta? (Silêncio) Obrigado à todos. O Circo continua amanhã!

 

Quando saí da sala de imprensa, eu disse pro Lando:

 

Eu: Circo?

Lando: O “Circo da Formula 1”. É chamado assim, por que as equipes montam tudo, dão o espetáculo, e quando tudo acaba, voltam pra estrada de novo.

Eu: Ah, agora eu entendi.

Lando: Vem cá, você nunca falou da sua família. Qual o nome da sua mãe?

Eu: Bianca.

Lando: E o seu pai?

Eu: Bernardo.

Lando: E, irmão? Você tem?

Eu: Sim. Se chama Alexander Albon.

 

Ele riu e disse:

 

Lando: Não, sério. Você tem um irmão?

Eu: Tenho. Mas eu não gosto de comentar sobre esse assunto.

Lando: Ok, então.

 

Então caminhamos por todo o Paddock até chegar no nosso Motor Home. À medida que, andamos o Lando dá alguns autógrafos. Foi engraçado, porque, o Lando tirou foto com um cara que tinha umas batatinhas e ele pegou uma. Quando chegamos no motor home, o Lando disse pra mim:

 

Lando: Tudo bem?

Eu: Sim.

Lando: Parece... Preocupado.

Eu: Eu tô supimpa! Pode ficar tranquilo.

Lando: Só saiba que quando quiser falar sobre alguma coisa, pode, enfim... Falar, tá?

Eu: Tá. Valeu Lando.

Lando: Beleza.

 

Quando entrei no motor home, encontrei com o Jeff. Ele dividia o lugar comigo, e ainda me mostrava as telemetrias dos treinos.

 

Eu: Jeffrey! Conseguiu a telemetria que te pedi?

Jeff: Consegui.

 

Ele tirou o papel da minha mão quando eu ia pegar e disse:

 

Jeff: Sabe que eu odeio quando me chama de Jeffrey, né?

Eu: Quê que eu posso fazer? Na escola e entre os amigos, sempre há uma lei: “Nunca fique bravo com um apelido ou nome, porquê ai sim ele vai pegar.”

Jeff: Tanto faz. Quer um resumo da telemetria?

Eu: Pode ser. Mas você sabe que eu estudo ela de qualquer forma, né?

Jeff: Sim eu sei. Mas o meu trabalho é te poupar trabalho.

 

Ele sabe que eu odeio quando ele fala isso. Ele sabe que por mais que essa seja parte da função do engenheiro, eu gosto de me esforçar pra conseguir algo. As conquistas no automobilismo não vem por acaso. Elas são fruto de muito trabalho duro, como diria o ex-técnico da seleção brasileira, Carlos Alberto Parreira. Sempre apliquei essa frase na minha carreira.

 

Eu: Para! Já te falei da frase do Parreira: “As conquistas na vida não vem por acaso...

 

Então ele continuou a frase:

 

Jeff: ...elas são fruto de muito trabalho duro.” – Ele disse com um deboche. - Eu já sei disso.

Eu: Tanto faz.

 

Ficamos uns 40 minutos analisando tudo e de repente, alguém entra no Motor Home. É o Alex.

 

Alex: Falaí, Gabi e Jeff! Opa! Eu tô atrapalhando vocês? Eu posso voltar daqui a pouco.

 

Levantei do sofá e disse:

 

Eu: Não! Só estávamos analisando a minha telemetria do FP2. Acho que acabamos perdendo a noção do tempo.

Alex: Eu só passei aqui, porque, você disse que queria almoçar comigo, então...

Eu: Sim, eu vou lá! Só deixa eu pegar meu boné.

 

Enquanto tento achar meu boné, Jeff e o Alex ficam conversando.

 

Alex: Como vai, Jeff?

Jeff: Bem, na medida do possível. E você? Como foram seus Treinos Livres?

Alex: Foram legais, eu consegui um 5º e um 3º.

Jeff: Bom resultado. Parabéns!

Alex: Obrigado. O nosso carro tá rendendo bem aqui.

 

Então grito do quarto:

 

Eu: É por isso que choveu ontem no fim do dia!

 

Eles riram e eu chego na sala dizendo ao Alex:

 

Eu: Vamos?

Alex: Sim. Tchau, Jeff!

Jeff: Tchau, meninos! Tentem não comer muito!

Eu: Você não vem?

Jeff: Já almocei.

Eu: Beleza. Tenta não trabalhar muito, tá?!

Jeff: Sabe que falar isso não adianta muito, né?

 

Eu ri e disse:

 

Eu: Bom trabalho, Jeff.

Jeff: Bom almoço pra vocês também.

 

Enquanto caminhávamos o Alex disse:

 

Alex: Então, maninho, que clima é esse com a Chloe, hein?

Eu: O Lando te contou, né?

Alex: Sim.

Eu: Muito boca aberta mesmo. Daqui a pouco, o ele conta pra alguém que conta pra George que nos beijamos no Barein.

Alex: WOW! Mas já?! Só estamos na terceira corrida, parceiro!

Eu: Eu sei, mas entre a pré-temporada e a etapa da Austrália, ficamos conversando muito por mensagens.

 

De repente, escuto uma voz atrás de mim, muito familiar, que diz:

 

Voz: Sempre com tempo pros amigos, mas pra uma pessoa muito importante nunca tem tempo, né, Senhor Castro?

 

Eu parei, respirei fundo e disse em voz baixa:

 

Eu: Alex, me diz que eu não ouvi quem eu acabei de ouvir.

Alex: Eu te peço isso também. Mas, sim, nós ouvimos ele.

 

Então, me virei, cruzei os braços, e num tom sarcástico, eu disse:

 

Eu: Lorenzo. Você por aqui?

Alex: É. Você por aqui?

Lorenzo: Exato meninos!

Eu: Como veio parar aqui?

Lorenzo: Bem... Não é muito difícil, né? Você fez muito sucesso no Brasil depois do que aconteceu no Barein. Acompanhei pela televisão. Vi também o calendário. E nele dizia que o meu irmãozinho mais novo da McLaren iria correr no Vietnã. Comprei uma passagem, um ingresso VIP, e aqui estou.

Eu: Quê que cê quer, Lorenzo?

Alex: Voltou pra sacanear mais alguém?

Lorenzo: Ah, não, não, não, não, não. Eu só vim aqui pra acompanhar uma boa ação nas pistas.

 

Nisso chegou também o Max Verstappen, o companheiro de equipe do Alex. Cara que, sinceramente, eu pensei que fosse muito marrento, mas ele mostrou ser um cara bem legal quando o encontrei na Itália, e inacreditavelmente, tímido (Acredite se quiser).

 

Max: Meninos! Quem é o novo amigo de vocês?

Eu: Max, conheça Lorenzo Castro. Meu irmão mais velho.

Max: Prazer em conhecê-lo, Lorenzo!

Lorenzo: Prazer, também. Quem diria, meu irmãozinho andando junto com um dos caras mais cotados pra ser o futuro da Formula 1. Até que você mandou bem, maninho.

 

Então o Alex que estava encarando o Lorenzo abriu o bico:

 

Alex: Cuidado com as palavras, Lorenzo! Só eu tenho intimidade com o Gabriel pra chamá-lo de “maninho”.

 

Então, o Lorenzo riu e disse:

 

Lorenzo: Senhores, se não se importam, eu tenho que voltar pro hotel! Quero assistir a Formula 2 hoje.

 

Quando ele saiu, o holandês disse:

 

Max: Por que eu tenho a impressão que vocês dois tem uma história não tão legal com ele?

 

Então, o tailandês disse:

 

Alex: Detesto ele!

Eu: Também.

Max: Por que?

Alex: Porque ele é uma víbora!

Eu: Pra responder melhor, Max...

 

Virei minhas costas e continuei andando, dizendo:

 

Eu: ...longa história.

 

No dia seguinte, algumas horas depois da corrida...

 

A corrida tinha terminado e eu consegui um bom resultado apesar de todos os problemas que tive na corrida. Quando fui ultrapassar Mick Schumacher, o alemão perdeu o freio e passou reto numa curva quebrando minha asa dianteira. Quando voltei dos boxes, estava em 8º, mas acabei terminando a corrida em 4º lugar, atrás do Russell (que ganhou), Carlos Sainz (2º lugar) e o Lando (3º lugar).

Quando voltei pro paddock, vi o Schumacher e ele disse:

 

Mick Schumacher: Aí, mano desculpa por hoje tá? Eu perdi os freios.

Eu: Sem problemas, mano. Sinto muito pelo problema no seu carro. É horrível ficar sem freios.

Mick Schumacher: Me desculpa mesmo?

Eu: Claro!

Mick Schumacher: Beleza. Obrigado.

 

Encontrei com o Alex e no momento que cheguei perto dele, do Lando e do Max, tinha chegado o Pierre Gasly.

 

Pierre: Oi gente! Ah, e oi... Max.

Max: Oi!

 

E o francês saiu andando.

 

Eu: Foi só eu que achei isso muito estranho?

Alex, Lando e Max: Não.

 

Então, aparece ele de novo:

 

Lorenzo: Oi, maninho!

Eu: O que foi, Lorenzo?

Lorenzo: Eu quero conversar, maninho.

 

O Alex é uma pessoa que gosta muito de mim, e ele se identifica como meu irmão. Ele leva ao pé da letra a parte do “maninho”. Então ele virou e encarou o Lorenzo cara-a-cara (literalmente). E percebi que ele já estava nervoso.

 

Alex: Já falei pra você não chamar ele de “maninho”! Você não é MAIS O IRMÃO DELE!

Lorenzo: Qual foi, asiático? Só porquê é o mais alto aqui, cê acha que pode vir pra cima de mim?

 

Aquilo que o Alex fez, foi loucura. Primeiro, porque ele é muito mais fraco que o Lorenzo. Segundo, o Lorenzo tinha razão. O Alex era o maior piloto do grid em altura. Mas não era do tipo de colocar medo nos outros. E, terceiro, estava chovendo em Hanói. Talvez você não entenda isso agora, mas vai entender daqui a pouco.

 

Eu: Alex, fica calmo!

Alex: Para de incomodar ele, Lorenzo!

Lorenzo: Você é engraçado, né? Pra falar a verdade, de onde você veio mesmo?

Alex: Eu vim de um lugar muito melhor do que o que você veio.

Lorenzo: Acho que não. Até por que eu acho que muita gente conheceria você. Ah, lembrei! Eu acho que a Tailândia nunca teve um piloto antes e ainda vai passar um bom tempo sem, porque você não é nada!

 

Estava trovejando, e o Alex tentou empurrar o Lorenzo, mas não conseguiu. Tinha um canteiro de grama ao nosso lado, que tinha uma poça de lama. O Lorenzo sendo Lorenzo, nem pensou duas vezes, e jogou o Alex naquela poça, e saiu andando. Quando o Max e eu ajudamos o Alex a levantar, ele começou a gritar pro Lorenzo:

 

Alex: LORENZO, SEU DESGRAÇADO! VOLTA AQUI!

 

Muito pouca gente sabe que o paddock da Formula 1, é diferente do vestiário de um jogo de futebol. Tem muita gente passando por todo lugar no paddock. E em qualquer confusão ou briga (o que é bem raro), todo mundo olha. Então o Lando disse pra todo mundo:

 

Lando: Desculpa pela confusão pessoal!

 

Levei o Alex pro meu motor home e o Jeff e a Chloe (não faço ideia do porquê) estavam lá dentro.

 

Chloe: Oi... MEU DEUS! O que aconteceu com você, Alexy?

 

O Alex chorando de raiva disse:

 

Alex: Aquele DESGRAÇADO do Lorenzo me jogou na lama! Desculpa, Gabi.

Eu: Liga pra isso não, ele é um idiota mesmo!

Alex: Eu posso usar o banheiro pra tomar um banho?

Jeff: Lógico! É a última porta à direita do corredor.

Alex: Obrigado, Jeff.

Max: Alex, eu vou passar no motor home rapidinho pra pegar suas roupas, ok?!

Alex: Beleza!

 

Então ele entrou no banheiro e sentamos no sofá esperando ele sair do banho.

 

Alguns minutos depois...

 

Eu: Porque que ele voltou?

Alex: Coisa boa não é.

Chloe: Olha só, até a parte que ele é o irmão do Gabi, eu entendi. Mas eu não entendo porque vocês odeiam tanto ele.

Eu: Meu irmão é cinco anos mais velho que eu...

 

Flashback On:

 

Eu (narrando): ... e quando ele fez 18 eu tinha 13 e tava começando a correr de kart. Meus pais sempre deram tudo do bom e do melhor pra mim e pro Lorenzo. E pra eles somos as pessoas mais importantes do mundo. Mas quando eu comecei a correr na Europa e nós nos mudamos pra cá, o Lorenzo começou a se envolver com um pessoal estranho. Eles também gostavam de corrida, mas corrida de rua. Meu irmão acabou se envolvendo nisso. Mas o ápice foi quando...

 

2017 – Casa dos Castro na Europa – Cidade de Gelsenkirchen, Noroeste da Alemanha – 23h25min

 

Eu (narrando): Naquele dia, o Lorenzo chegou tarde, e o pai tava esperando por ele na sala de estar. Como estava tudo escuro, ele tomou um susto.

 

Bernardo: Meio tarde, não Lorenzo?

Lorenzo: PAI! Me deu um baita susto.

Bernardo: Filho, não quero causar confusões, mas... O que fez você chegar tão tarde em casa?

Lorenzo: O... Trânsito, pai! A cidade tava lotada. Sexta-feira, né?

Bernardo: Filho, hoje é quinta. E ninguém anda na rua as 23:00 na Alemanha.

 

Ele coçou a cabeça e disse:

 

Lorenzo: Pois é, né?

 

Nisso a mãe chegou:

 

Bianca: Meninos, o que fazem acordados essa hora? Lorenzo? Você chegou agora?

Bernardo: Filho, não queremos brigar com você. Só queremos saber porque você tem chegado tão tarde em casa. Seja franco conosco.

Lorenzo: Ok. Vocês querem a verdade né?!

Bernardo: Lógico!

Lorenzo: Eu quero me mudar.

Bernardo: O QUÊ?!

Bianca: Como assim?!

Lorenzo: Eu já tô de saco cheio de dividir o quarto com o Gabriel, de toda vez que eu chego em casa meio tarde é um discurso, e etc.!

Bianca: “Meio tarde” ?! Filho, já são quase meia-noite!

Bernardo: Onde pretende morar?

Lorenzo: Numa casa dum amigo meu. O Adam.

Bernardo: O Adam?

 

Então, eu que estava observando tudo pela escada (e sabia de mais podres do Lorenzo), cheguei na cozinha, onde eles estavam discutindo e disse:

 

Eu: Eu acho que tem muita coisa do Adam que vocês não sabem!

Lorenzo: Cala a sua boca, Gabriel!

Bernardo: Olha como você fala com o seu irmão!

Eu: Pelo o que eu sei, queridos pai e mãe, o tal do Adam, é do tipo bebedeiro, usa drogas... E faz uma coisa que o Lorenzo também adora fazer: Corridas de rua ilegais!

Bernardo e Bianca: O QUÊ?!

Lorenzo: Gente eu posso explicar!

Eu: Então comece porque eu tô curioso pra ver a desculpa dessa vez!

Lorenzo: Não testa a minha paciência, Gabriel!

Eu: Eu não tenho medo de você!

 

Então ele me jogou pro outro lado da sala e saiu de casa gritando:

 

Lorenzo: JÁ VAI TARDE! EU NÃO TÔ NEM AÍ PRA VOCÊS! EU QUERO TOMAR AS MINHAS DECISÕES E COMETER OS MEUS PRÓPRIOS ERROS!

 

Eu gritei:

 

Eu: ENTÃO SEJA IDIOTA EM OUTRO LUGAR! E NUNCA MAIS VOLTE AQUI!

 

E bati a porta.

 

2020:

 

Chloe: Que ódio!

Eu: Pois é! Irmãos mais velhos, as vezes são os melhores...

Max: Mas podem ser os piores...

 

O holandês suspirou e disse:

 

Max: E o quê você vai fazer agora que ele voltou?

Eu: Eu sinceramente não sei, Max. Mas o que eu sei, é que vai ser um longo 2020.

 

Continua............................



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...