História Vencendo Preconceitos - Capítulo 27


Escrita por:

Postado
Categorias As Provações de Apolo (The Trials of Apollo), Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Annabeth Chase, Apollo, Ares, Artemis, Atena, Austin Lake, Calipso, Caronte, Charles "Charlie" Beckendorf, Chris Rodriguez, Clarisse La Rue, Connor Stoll, Dakota, Damien White, Dionísio, Eros (Cupid), Frank Zhang, Gleeson Hedge, Grover Underwood, Hades, Hazel Levesque, Hefesto, Hera (Juno), Hermes, Hylla Ramírez-Arellano, Íris, Jason Grace, Júniper, Katie Gardner, Kayla Knowles, Leo Valdez, Luke Castellan, Malcolm Pace, Meg McCaffrey, Miranda Gardiner, Mitchell, Nero, Nico di Angelo, Octavian, Paolo Montes, Percy Jackson, Perséfone, Personagens Originais, Piper Mclean, Pollux, Poseidon, Quíron, Rachel Elizabeth Dare, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Sherman Yang, Thalia Grace, Travis Stoll, Treinador Gleeson Hedge, Tyson, Will Solace, Zeus
Tags Nico Di Angelo, Romance, Solangelo, Vencendo Preconceito, Will Solace
Visualizações 197
Palavras 3.085
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, LGBT, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Policial, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Slash, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá gente.
Desculpa pela demora. Era semana de prova e tudo mais, sem contar que eu fiquei meio desanimada pra escrever por um tempo. Mas eu tinha que cumprir com minha responsabilidade e aqui está, capítulo novo. 💙

Boa leitura

Capítulo 27 - Julgamento


Pov. Will

Deveria ser umas duas ou três da manhã quando eu acordei. Não estava no meu quarto e eu não estava sozinho na cama. O cômodo sendo iluminado pelos poucos resquícios de luz proveniente da rua.

Olhei para o lado e encontrei um Nico dormindo de forma fofa, com os lábios entre abertos e os cabelos compridos caindo sobre seu rosto. Ele parecia um anjo dormindo. Suspirei e me levantei devagar para não acorda-lo.

Abri a porta do quarto e caminhei pelo corredor escuro até onde eu achava que era a cozinha. Quando cheguei lá, liguei a luz e fui até o armário e peguei um copo para beber água.

- Hum... você ainda está aqui?- me assutei ao ouvir a voz rouca. Me virei rapidamente, encontrando Hades escorado no batente da posta. Ele me encarava com os olhos negros opacos e inexpressivos.

- Eu... hum... olá.- Falei sem saber exatamente o que fazer. Hades me deixava nervoso, e não era só porque ele é o pai do meu namorado. Hades di Ângelo parecia tão sombrio quanto o deus o qual seu nome faz homenagem. O que chega a ser incomum, mas até o meu pai tem o nome de um deus grego, então quem sou eu para falar do nome do meu sogro.

- Você não deveria ir pra casa, garoto?- Ele perguntou e entrou na cozinha, indo até o armário pegando um bule e enchendo de água e depois colocando sobre a chama da boca do fogão.

- Eu... vou, daqui a pouco.- falei meio nervoso. Hades me encarou por um momento e deu de ombros.

- Tanto faz.- Ele murmurou.- Gosta de chá?

- O que?- Perguntei surpreso. Hades me olhou como se eu fosse um E.T.- ah, sim, aceito.

- Senta ai então.- Ele apontou para a mesa com quatro cadeiras e virou de costas pra mim, indo mecher no armário.- Como você conheceu o Nico?- Perguntou após um longo silêncio de nossa parte.

- Na escola.- falei. Eu esperava que ele não se aprofundasse do assunto.- Estudamos juntos.

- Entendo.- Ele voltou para a mesa com duas xícaras, sachês de chá e o bule com água quente. Ele nos serviu e se sentou na cadeira à minha frente.- Tânatos me disse que você era um dos idiotas que faziam bullying com ele.

Senti meu rosto corar com tal revelação. Talvez seja isso que Hades queira, jogar na minha cara o quão idiota eu fui com Nico e que não merecia ele. Talvez, Hades apenas não achasse que eu era digno de ter Nico ao meu lado.

- Eu... eu andava com algumas pessoas que faziam isso com ele.- Murmurei, segurando a xícara entre meus dedos.- Nunca fiz nada contra ele, juro.

- Eu sei.- Hades falou, encarando sua xícara.- Me falaram isso. O fato é que, não fico menos preocupado.- Ele falou e levantou o olhar. Seus olhos negros como os de Nico, me avaliando, quase podendo ver minha alma.- Acredite, me preocupo com meus filhos. Hazel é forte, seus sentimentos são fáceis dela controlar. Mas Nico... ele tem o emocional fragilizado. Você não deve saber ou até mesmo perceber, mas Nico evita tanto tentar demonstrar suas emoções, porque, para ele, tudo é mais intenso. Suas dores, seus amores, suas perdas, tudo. Eu me preocupo com ele, muito.  Mesmo que não demonstre as vezes.

- Eu... eu não tinha ideia.- Claro que não tinha, Nico sempre pareceu tão controlado e antes, eu quase pensava que se fosse possível, ele seria um robô. Nico tenta de todas as formas evitar demonstrações grandes dos seus sentimentos, porque ele sabe que isso pode ser ruim.

- Claro que não tinha, ninguém nunca tem até conhecê-lo de verdade.- Hades falou.- Acho que nem mesmo você sabe a intensidade disso. Talvez, ele não tenha deixado você ver porquê ele sabia que você iria se preocupar e Nico não gosta de preocupar as pessoas. 

- Você já viu?- Perguntei.- Já viu o Nico  desse jeito?

- Apenas uma vez.- Hades suspirou. - Quando a irmã e a mãe dele morreram. Nunca tinha visto o Nico tão transtornado. Naquela época, ele era apenas uma criança e eu tive medo de que ele acabasse fazendo algo ruim.

- Ele tentou...- Minha fala morreu no meio. Senti minha garganta trancar e meu estômago revirar com possibilidade de Nico ter tentando tirar a própria vida.

- Não!- Hades falou serio.- Mas era... angustiante ver meu filho daquela forma. - ele levou a xícara aos lábios finos e deu um grande gole do líquido que já deveria estar morno.- Por isso, Will, eu espero que você não machuque o Nico.

- Eu nunca faria nada para machuca-lo.- falei convicto.- Nico é muito importante pra mim, então por isso, eu nunca irei fazer nada para machucar o Nico.

- Ótimo.- Hades deu um sorriu de lado. Não pude deixar de ficar espantando.- Agora, vá dormir, vou ligar pro seu pai e falar que você está aqui?

Apenas assenti e voltei para o quarto. Caminhei até a cama e me deitei calmamente para não acordar o Nico. Deitei de lado e fiquei olhando o rosto sereno do garoto ao meu lado. Minha mão foi até seu rosto e começei a acariciar de leve seu rosto coberto pelos cavelos negros.

- Eu amo você, Nico.- Murmurei e puxei-o para perto de mim.- Nunca viu machuca-lo ou deixar alguém fazer algo com você, não mais.

[...]

- Will!- Acordei assustado com o grito no meu ouvido. Nico estava do meu lado me olhando seriamente.- Acorda, temos que ir pra aula.

- Meu Deus, que horas são?- Perguntei me levantando rapidamente.

- Quase sete.- Nico falou. Ele estava usando uma camiseta preta comprida, calça preta com rasgo nos joelhos e All Star preto. Seus cabelos estavam apenas com duas mechas presas, deixando o resto solto. Dava pra notar seus brincos.- Vamos logo, você ainda tem que ir pra casa.

- Ok!- Falei pondo minha camisa.- Te vejo na escola.- puxei Nico pela cintuta e lhe beijei. Suas mãos foram até meu pescoço, forçando mais ainda nossas bocas nervosas.

- Até a escola.- Ele sorriu. Seus lábios estavam vermelhos assim como suas bochechas, deixando-o fofo.

Acenei pra ele e corri pra fora do apartamento e fui até o meu carro. Eu estava atrasado, tinha que passar em casa pra tomar banho e me trocar e ainda ir pra casa.

[...]

- Então você ficou o dia todo fora com o Nico?- Tomás perguntou. Estavamos  na nossa aula de artes, esperando a professora chegar.

- Sim.- respondi.

- Nossa!- Ele falou, com um sorriso malicioso no rosto.- O que vocês foram fazer?

- Ahh! Não foi nada disso seu maluco.- Falei. Ele acabou gargalhando, recebendo atenção dos alunos na nossa direção.- Não aconteceu nada.

- Humm.- Ele sorriu e acentiu.

- E você e Hank?- Perguntei.

- Estamos bem.- ele sorriu.- Acho que vamos para a mesma faculdade.

- Isso é ótimo.- Falei. Eu estava feliz pelos dois, mas desde a minha discussão com Nico, eu ando meio paranóico com esse negócio de faculdade. Ainda não tinha conversado direito com Nico sobre esse assunto.

Iamos continuar conversando se a professora não tivesse entrado na sala soltando fogo pela boca. Ela não deveria estar em um bom momento.

No intervalo, não vi Nico, tive que ir resolver assuntos com o time. Parece que grandes universidades estavam de olho em alguns jogadores. E isso era ótimo.

No fim da aula eu me encontrei com Nico. Ele estava conversando com Reyna e Jason, o assunto poderia ser sério se levar em conta suas expressões. Eles estavam bem sérios para o que parecia uma simples conversa de adolescente.

- Olá.- Disse assim que cheguei perto deles. Reyna apenas deu um aceno pra mim. Jason me olhou serio por alguns segundos antes de me cumprimentar. Já Nico, abriu um pequeno sorriso de canto ao me ver. Fiquei do lado dele e passei meus braços pelos seus ombros e dei um selinho na sua testa.

- Ah que fofos!- Reyna falou. Ela estava com o celular nas mãos. Com toda certeza tinha tirado foto.

- Você quase pareceu a Lou Ellen agora.- Nico falou. Apenas sorri com o comentário.

- Bom, eu estou sobrando aqui.- Jason comentou.- Eu tenho que ir agora, até depois.

- Eu também tenho que ir.- Reyna falou.

Nos despedimos deles ficando apenas eu e Nico, ali no estacionamento da escola. Olhei para o garoto ao meu lado que mexia de forma nersova o cordão em seu pescoço.

- Aconteceu alguma coisa?- perguntei baixinho. Seus olhos negros foram em direção aos meus e por um instante eu me perdi na galáxia que eram seus globos oculares.

- Hoje vai ser o julgamento de Minos.- ele falou baixo e abraçou o próprio corpo.- As cinco da tarde. Eu não queria ir, mas vou ser uma testemunha, e por mais que eu odeie admitir, eu estou nervoso e com medo.

- Não fiquei assim. Vai dar tudo certo.- puxei Nico para um abraço apertado. Senti seus braços finos ao redor da minha cintura e seus dedos apertando com força a minha camisa.- Além do mas, eu posso ir com você.

- Não, Will.- ele suspirou.- Você deve estar ocupado e eu não...

- Shh...- dei um beijo suave em seus lábios.- Não é um incômodo pra mim, e além do mas,  meu namorado precisa de mim.

- Obrigada.- Ele sussurou. Sua voz saiu abafada por sua cabeça estar apoiado no meu peito.

[...]

Assim que cheguei em casa, fui recebido por inúmeros xingamentos e  sermões. Minha mãe quase me bateu com uma frigideira e meus irmão ficaram me enchendo de perguntas para saber onde eu estava. Então, eu falei a verdade. Minha mãe me olhou de forma reprovadora, mas garanti a ela que não fizemos nada e da forma mais constrangedora do mundo, ela lembrou sobre o importante uso da camisinha.

- Vou ter que sair.- Disse assim que terminei de almoçar. Minha mãe me encarou por um momento e depois deu de ombros.

- Que horasm?- Ela perguntou.

- Acho que as quatro.- Falei. Minha mãe apenas deu de ombros novamente e murmurou um "tudo bem". Acho que ela não tá mais nem aí.

- O que vai fazer?- Austin perguntou. Ele estava ajudando minha mãe a lavar a louça.

- Resolver um assunto.- Falei enquanto guardava os restos do almoço na geladeira.

- Que assunto?- Foi a vez de Kaila perguntar.

- Um assunto pessoal.- respondi.- Coisas que eu não deveria ficar falando porquê não é só meu.

- Tem haver com o seu namorado?- Agora foi a vez de Lee perguntar. Sério que meus irmãos estavam fazendo um interrogatório?

- São coisas que eu não deveria falar, ok?- Olhei pra eles, esperando que entendessem.

- Vocês vão ter a primeira vez?- Kaila perguntou. Com esse comentário, meus irmãos e até mesmo minha mãe cairam na gargalhada, e eu nem via motivo pra isso.- Usem camisinha.- Senti meu rosto pegar fogo. Eu estava muito envergonhado.

- Meu Deus, você está muito vermelho.- Michael falou, um sorriso brincava em seu rosto.

- Um conselho, tome cuidado.- Lee falou sério.- Na promeira vez sempre é mais tenso.

- Ah! Parem com isso!- falei constrangido e irritado. Não é nada disso que vai acontecer. Nico tera que ir a um julgamento onde ele será uma testemunha e ele está nervoso, vou só ficar ao lado dele e dar o máximo de apoio que ele precisar. É só isso!

- Seu pai falou sobre ele pra mim, mas não achei que Nico fosse...- Ela parou.- Oh meu Deus, ele deve estar assustado e nervoso. Desculpe por isso, Will.

- É, desculpa.- Austin falou e os outros assentiram.

- Não sabíamos que era algo tão grave.- Lee falou. Ele estava tão constrangido, que seu rosto estava vermelho.

- Tudo bem, eu vou pro meu quarto.- me despedi deles e subi para o meu quarto.

[...]

Quando sai de casa, apenas Kaila e Michael estavam em casa. Austin tinha saído para encontrar os amigos, Lee iria resolver assuntos para voltar para a faculdade e minha mãe tinha ido resolver algo. Estava no trânsito à caminho do prédio onde Nico estava.

Devo admitir que estou nervoso o suficiente para ficar suando como um porco. Eu iria a um julgamento e meu namorado precisava de mim, então resolvi manter a calma e relaxar o suficiente para passar o apoio que Nico tanto previsaria.

Subir cada degrau da escada daquele prédio parecia demorar um eternidade. Suspirei assim que vi a porta do apartamento e bati. Esperei um pouco até ela ser aberta por ninguém menos que meu querido sogro. Hades me olhou de cima a baixo, revirou os olhos e cruzou os braços.

- O que veio fazer aqui?- Ele perguntou. Com toda a certeza ele também iria ao julgamento. Estava usando uma calça e blusa social, ambas pretas e sapato social da mesma cor. Deus, ele realmente adora preto.

Pai e filho, idênticos.- pensei.

- Olá.- Falei meio constrangido. Seus olhos negros me encaravam de forma tão profunda que fiquei com medo dele por presas pra fora e pular no meu pescoço, sugando todo o meu sangue. Por um breve momento me perguntei se isso realmente acontecesse, o que ele diria ao Nico?- Ah... Nico está?

- Entra logo garoto.- ele deu passagem e entrei. Na sala Hazel estava em um dos sofás com Frank ao seu lado e no outro uma mulher muito bonita.

- Will? O que faz aqui?- Hazel se levantou e veio até mim, me dando um abraço. Ela usava uma calça jeans escura, blusa de manga longa azul claro, sandálias pretas e uma jaqueta jeans.

- Nico... bom, ele me pediu pra ir com ele ao julgamento.- falei.

- Ah!- ela deu um sorriso meio triste e assentiu.- Ele está se arrumando. Já deve estar terminando, acho.

- Então esse é o namorado do seu irmão?- A mulher que estava no outro sofá se pronunciou. Ela era alta, tinha cabelos dourados e olhos azuis. Ela usava uma saia longa estampada e uma blusa de manga preta. Ela era tão bonita que parecia uma modelo.- Você tem um genro bem bonito, Hades.

Meu sogro apenas murmurou algo que não entendi e foi para a cozinha.

- Não se preocupa, ele é assim com o namorado da Hazel também.- Disse a mulher loira.- A propósito, sou Perséfone.

- Will Solace.- falei. Perséfone abriu um largo sorriso.

- Filho de Apolo e Naomi Solace, certo?- assenti. Ela sorriu ainda mais.- Bem que achei você familiar. A genética da sua família é muito boa.

Sorriu um pouco envergonhado, mas ta tudo bem.

- Acho que ele já está envergonhado de mais.- Ouvi a voz de Nico e meus olhos foram em sua direção. Ele estava perto do sofá onde Perséfone estava sentada, um leve e pequeno sorriso brincava em seus lábios. Nico estava o menos formal de todos, uma calça rasgada nos joelhos, blusa preta de manga longa e coturnos militares. Ele estava tão bonito que me deixava desnorteado. - Acho que todos estamos prontos, podemos ir.

- Ok,  vou chamar seu pai.- Perséfone falou.

- Eu vou junto com o Will.- Nico falou e Hazel e Perséfone assentiram indo até a cozinha chamando Hades.- Obrigada por ter vindo.- ele sussurou quando já estava próximo de mim.

- Não iria abandonar você nesse momento.- Respondi e selei nossos lábios em um beijo calmo.

- Vamos logo.- Hazel falou. Percebi que ela olhava furiosamente para o pai.- Até o tribunal.

- Vamos. Acho que meu pai estava quase tendo um ataque.- Nico falou enquanto saiamos do apartamento e ele fechava a porta.

- Ele não... aceita que você seja... gay?- Perguntei um pouco nervoso. Nico apenas deu de ombros.

- Nunca tocamos no assunto.- Nico respondeu após um tempo.- Mas acho que ele não se importa muito. Acho que ele só esta tentando dar uma de pai cuidadoso. Além do mais, ele nunca demosntrou ter algo, e do jeito que conheço Hades, acho que ele teria um treco assim que descobriu que você e eu namoramos. Então, acho que você não tem com o que se preocupar.

- Isso é bom.- Falei. Nico deu um sorriso mínimo. Já estavamos no carro indo em direção ao tribunal.- E se ele fosse desse jeito, eu lutaria por você.

Pude perceber Nico ficar corado e me permiti dar um sorriso.

[...]

O tribunal era um prédio no estilo clássico, com uma grande escadaria e algumas columas no estilo grego. Assim que se entra,  na enorme recepção você pode ver uma estátua enorme de uma mulher com olhos vendados e segurando uma espada e uma balança, a representação da deusa grega da justiça, Têmis.

Hades estava conversando com Tânatos, Perséfone e o advogado. Eu, Nico e Hazel ficamos mais afastados.

- Vocês conhecem o advogado?- perguntei.

- Sim, ele é amigo de Tânatos.- Hazel falou. - Tânatos disse que Éaco é um ótimo advogado e que Minos não teria chaces já que ele tem muita merda escondida.

- Temos que ir.- Perséfone chamou e formos até a sala. Cadeiras de ambos os lados, a mesa do juiz mais ao fundo e vários polícias e pessoas desconhecidas.

- Quem são?- perguntei baixinho me sentando entre Nico e Hazel.

- Alunos de direito ou jornalistas.- Nico murmurou.

E então começou. O juiz chegou junto de seus auxiliares. Minos passou pela porta junto do seu advogado e seu olhar parou em Hades. O réu parecia tão assustado ao ver Hades ali.  Depois seu olhar parou em Nico, que se o encarava com tanto ódio que chegava a assustar.

E estão o julgamentos seguiu. Nico, Hazel, Hades, Perséfone, Tânatos e algumas outras pessoas tiveram que depor. Percebia o quão nervoso Nico estava quando foi a vez de Minos falar.

- Senhor Minos, sabe que está aqui por causa dos inúmeros depoimentos contra o senhor e...- O promotor foi interrompido por Minos.

- Sei das acusações.- ele falou. As pessoas começaram a falar entre si.- Mas sabe, se querem a verdade, então eu falo a verdade.

Os murmúrios ficaram mais altos levando o juiz a bater o martelo e pedir silêncio.

- Vocês não estão curiosos para saber a verdade?- Minos falou debochado.- Pois então escutem. Eu fui o responsável pelo sequestro de Hades di Ângelo. Eu tentei sim, matar e estuprar o filho dele, Nico di Ângelo. Eu fui o responsável pelo acidente de carro que matou Maria e Bianca di Ângelo a alguns anos atrás, na verdade era pra ter matado todos, porém infelizmente isso não aconteceu. Então, eu tentei seguir com o meu plano. Eu iria tentar matar Nico e Hazel de novo também. Eu iria destruir toda essa maldita família e ficar com toda a herança, por quê é só isso que me importa. Então sim, queridos presentes, eu sou o culpado de todas essas acusações.


Notas Finais


E então?

Minos é um monstro mesmo. Vai apodrecer atrás das grades.


Sobre o assunto abordado nas notas finais do cap anterior, vocês gostariam de um Will amorzinho ou um Will idiota e depois amorzinho. Tipo, que ele tivesse uma evolução na personalidade dele no decorrer da história?


🛇 Capítulo não revisado🛇

Até o próximo
Bjs de Nutella


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...