História Ventos daquela Primavera - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Ventos daquela Primavera - Capítulo 1 - Capítulo Único

Hermione sentiu na pele o gélido vento daquele dia. Era começo de primavera, e estava frio. Sair do seu dormitório quentinho para ir ao salão da Grifinória estudar era, sem duvídas, um desafio. Apesar de ter o corpo coberto por grossas mudas de roupas,estava frio, e Hermione queria apenas um chocolate quente, um livro bom e uma coberta acolhedora. Embora ela mesma soubesse que não precisava ficar ali estudando, o fez. Sentou-se na poltrona perto da lareira e puxou um livro de Runas Antigas, preparando-se para as próximas provas que estavam para acontecer.

O salão estava --perfeitamente-- vazio, quieto e acolhedor, ninguém teve a miníma coragem --ironico, se notar que estamos falando sobre grifinórios-- de sair da suas camas e vir para o salão gelado.

--Devia ter ficado estudando no meu quarto, quieta, com meus livros e cobertores--Resmungou alto, sem se preocupar. Afinal não tinha ninguém ali que a escutasse, e se escutasse, bom, fique calado.

--Eu concordo completamente, tirando a parte dos livros--Fred Weasley dissera, sorrindo gelado enquanto caminhava na direção da garota.

--O que etá fazendo aqui, essa hora, e sem seu gêmeo, Fred ?--Duvidosa, Hermione perguntou, encarando o garoto se sentar perto de si e a observar.

Fred sorriu quando ela o identificou. Que ele soubesse, Hermione era a única capaz de fazer isso.

--Obrigada por me identificar, querida Granger, e, respondendo sua pergunta, vim caminhar um pouco. Gosto do frio da primavera, ainda mais quando aqui em Hogwarts.--Deu de ombros, respondendo a pergunta da menina, que concordou.

--E por que necessáriamente Hogwarts ?--Perguntou confusa, juntando as sobrancelhas.

--Em casa tem muita gente, e apesar de George preferir o calor, quando saio em casa ele sempre me faz companhia--Fred respondeu, pela segunda vez ao dia, a pergunta da curiosa Hermione.

--Oh, certo--Concordando mais uma vez, ela abaixou sua cabeça, voltando a atenção ao seu livro.

Passaram-se --longos e torturosos-- sete minutos, esses que Fred podia jurar que eram horas, e Hermione continuava lendo aquele livro gigante de Runas, com o olhar do Weasley sobre si. Apesar de gostar --muito-- de Fred, Hermione se sentia desajeitada com o olhar dele sobre si. Não era a primeira vez, mas ela se sentia envergonhada.

--O que tanto olha em mim? Tem algo de errado com meus rostou, ou só notou meu cabelo de monstro agora?--Perguntou irritada, claramente na defensiva.

Fred arregalou os lindos olhos azuis, assustado com as afirmações da garota.

--Não, oras! Só estava vendo o grampo do seu cabelo, foi o presente que George e eu lhe entregamos no natal, não?--Ele perguntou, apontando com o queixo em direção ao cabelo dela, onde um lindo grampo brilhante estava.

Hermione sentiu o rosto corar de vergonha, fora tão mal educada e ele só estava vendo o grampo, e, em partes, apreciando-a.

--Desculpe, Fred, e, sim, é o grampo que me deram no natal, amo usa-lo--Hermione sorriu envergonhada, ajeitando-se ma poltrona.

--Tudo bem, Hermione. Você fica bonita com ele, gostaria de te ver usando-o mais.--Sorrindo, ele levantou e foi embora, deixando Hermione corada e envergonhada para trás.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Esse era um outro dia em que Hermione Granger se arrependera de ter nascido. O frio da primavera ainda não tinha ido embora, e cada dia que acordava, sentia seus pés quentinhos se chocar com o chão gelado do dormitório. Ela cansou de ser sempre a primeira a acordar, mas não dava muita importância, pois poderia usar o banheiro sem ouvir Lavender esmurrando ou gritando do lado de fora. A água quente de todas as manhãs faziam seus musculos relaxarem, Hermione se deliciava apenas com um ótimo --e quente-- banho.

Nunca ligou para aparência, e isso era visível, mas desde que Fred dissera que ela ficava linda com o grampo que ele lhe dera --junto com George-- de natal, usava-o quase todos os dias.

Depois de vestir todas as malhas quentes, terminou com um sueter feito por Molly, com o H de Hermione no meio, saiu para o salão da grifinória quentinha, com um livro por baixo do braço e com uma grande vontade de beber algo quente.

--Hermione!--Virou-se para trás, encarando quem a chamava.

--Fred, sim?

--Bom dia, Granger, por que não me surpreendo em te ver acordada agora, com um livro em mãos e nesse frio ?--Fred a perguntou, sorrindo maroto, como sempre fazia.

--Acho que ninguém se surpreende quando me vê com livros em mãos, Fred--Hermione sorriu, balançando a cabeça.

--Bom, isso não importa agora, sabe porque? --Ela negou com a cabeça--Por que nós vamos sair, Mione!--Fred sorriu mais ainda --se possível--, encarando Hermione com os olhos azuis brilhando em empolgação.

--Eu? Sair do castelo? Pff, sabe com quem está falando, ó rei das travessuras? Eu, meu querido Fred, sou Hermione, aquela que senta e lê o dia todo--Riu debochado do que o garoto lhe oferecera. Era óbvio que ela não iria, quem em sã razão iria oferecer isso a ela?

--Oh, Granger! Temos papeis autorizando nossa ida para fora do castelo--Fred sorriu, puxando dois papeis de autorização --assinados por Mcgonagall-- do seu bolso.

--Isso é falso, não?--Puxou os papeis da mão de Fred, analisando a letra da professora com surpresa e confusão.

--Não, nem uma palavrinha, sabe? Convenci ela, e pronto! Agora, vamos, sim?--Fred entregará o braço em sua direção, olhando-a sugestivo.

--Se eu for expulsa, Fred Weasley, você vai se considerar morto!--Rosnou, acetando seu braço e caminhando lento ao lado de Fred até a saída do castelo.

--Isso não vai acontecer, minha querida Granger, não vai--Fred riu, entregando as autorizações para Flich, que autorizou e os dois passaram.

--E pra onde estamos indo, Fred?--Hermione perguntou, curiosa.

--Você é curioisa demais, Hermione--Ele sorriu, vendo a cara de tacho que ela fazia.

--O que você faria se estivesse no meu lugar, Fred? Um cara que pode muito bem ser um assassino me mostra autorizações --essas que eu não sei se são verdadeiras-- e partimos para um lugar misterioso? Isso me parece como filmes trouxas onde seu próximo passo é me matar pelas costas

--Tudo bem, tudo bem, mas achei que você fosse mais corajosa--Fred andava na frente, sorrindo bobo enquanto deixava Hermione de boca aberta para trás.

--Te garanto que sou muito mais corajosa do que você pensa--Resmungou baixo, referia-se á todas as enrrascadas que já tinha se metido junto aos melhores amigos, Harry e Ron.

--Conte-me uma aventura de coragem, então. Duvído muito que tenha alguma, você é Hermione! Aquela que senta e lê o dia todo.

Enquanto o vento frio passava por seus cabelos extremamente cacheados, Hermione teve vontade de lançar alguma maldição em Fred. A verdade é que ela se metia sim, em várias confusões com os amigos, e estava farta de tantas pessoas duvidando da sua presença nessas aventuras. Ela mais do que ninguém sabia que Harry e Ron não passariam do primeiro ano se não fosse por ela, e mesmo assim, todos acham que Hermione é só uma pilha grande de cabelo estranho e livros.

--Todas as aventuras do seu irmão mais novo e Harry. Todas, sem exeções, eu estava--Dissera resmungando.

Fred a encarou de sobrancelha arqueada. Sabia disso, sabia de tudo que ela passou ao lado do irmão e do amigo míope dele, tornava perguntar sobre o dia de Ron diariamente apenas para saber sobre ela. era possível que soubesse mais aventuras que ela se meteu do que ela mesma saberia. Fazia aquele papel todo só para ouvi-lá falar, movendo os lábios carnudos e as vezes soltando um riso fraco ao se recordar.

--E a poção polissuco aquela vez? Que Ron e Harry viraram sonserinos, onde você estava ?

Hermione riu, ele queria também, afinal sabia onde ela estava e achava muito engraçado.

--No banheiro. Fui eu quem fizera a poção, mas me enganei com um fiapo de cabelo, que eu achava que era de uma Sonserina, na verdade era de um gato, fui tranformada em um, assim não consegui ir com os dois, mas eu participei--Deu de ombros. Hermione sorria, amava lembrar dos momentos que tinha ao lado dos garotos quando era mais nova.

--Você se arrepende ?--Fred perguntou quase sussurando, uma rajada de vento atravessou seu rosto sardento.

--De ter feito a poção?

--Não, de ter conhecido os garotos.

--Eles me metem em muitos problemas, e apesar de odiar quando eu tenho que arriscar meu lugar na escola, ou até minha vida, eu estou sempre com eles. Não me arrependo de ter conhecido nenhum deles, nem de ter conhecido Neville, ou você e George, seus pais, seus irmãos. Não me arrependo de nenhum momento, nadinha. Nem se eles me fizessem ser expulsa de Hogwarts, eu não me arrependeria.

--É uma grande aventura, isso tudo.--Fred ponderou, pensativo.

--Sim, é tudo uma grande aventura--Repetiu ela, concordando.

--Vamos ao três vassouras, Hermione "Super Aventureira" Granger ?--Fred a encarou sorrindo, oferecendo sua mão para ela segurar.

--Vamos lá, Frederick "Super Maroto" Weasley--Ela riu, o imitando, segurava sua mão e partiam em direção há Hogsmead.

Foram trocando de assunto, sentindo o vento gelado daquela primavera, rindo das trapalhadas de Fred ou ficando indignados com a falta de shampoo no cabelo de Snape. 

Passear em Hogsmead com Fred era incrível, ambos se conheceram tanto naquele dia, trocaram tantas conversas e segredos, parecia inesplicável, mas confiavam um no outro quase como se fossem melhores amigos. Eles passaram para comprar doces, viram livros novos que Hermione queria, ele comprou e deu de presente para ela uma pena nova, bellisíma, enquanto ela deu a ele um produto novo de uma loja de logros, algo parecido com um pequeno pacote de sapos de chocolate, mas com uma mini bomba de bosta dentro, Fred ameaçou jogar uma dentro do dormitório dela, e Hermione quase o estuporou. Decididos que estavam com fome, foram ao Três Vassouras, onde ouviram Madame Rosmerta reclamar sobre algo como "AQUELE BRUXO MALDITO! DEVERIA OLHAR MAIS POR ONDE ANDA, TRASGO MALDITO!" E riram da mulher, com Fred fazendo piadas e teorias sobre o que tinha acontecido ali antes. Beberam algumas cervejas amanteigadas, e partiram depois.

Saíram do Três vassouras perto do meio-dia, tendo um novo rumo, Fred teve a brilhante ideia de levar Hermione ao Lago Negro.

Estava frio demais para nadar, mas ninguém em sã razão gostaria de nadar ali, então ele fez ela aceitar ir ao Lago Negro para beber um chocolate quente, em um lugar calmo e perto da escola. Para sua felicidade, Hermione aceitou, e apesar de sentir todo aquele frio no rosto e corpo--fazendo parecer que seu casaco feito por Molly não era tão quente assim--eles caminharam de volta, traçando o mesmo caminho, sentindo o mesmo vento, parecia que tinha voltado no tempo, mas diferente de quando estavam indo a Hogsmead, Hermione agora se sentia um pouco mais deprimida, rindo de cada piada de Fred, para não deixar ele perceber. A questão era que, apesar do enorme frio que fazia, ela queria continuar ali com ele, nem que tivesse de dormir na enfermaria por pegar um resfriado, só queria continuar ali, vendo os cabelos ruivos voarem cada vez que o vento batia em seu rosto, queria continuar escutando o som da gargalhada que ele dava quando ela tropeçava em algo, queria sentir a mão dele segurando a sua, mesmo que de luva, sentindo o gélido da sua mão.

--Então?--Fred perguntara, encarando-a sorrindo.

--Desculpe ?

--Certo, eu perguntei se quer que eu coloque meu casaco para você se sentar--Ele explicou rindo do rosto contorcido de confusão dela.

Não tinha notado quando, mas tinham chegado ao Lago Negro, e Fred apontava para o deck de madeira, onde iriam sentar.

--Gentileza sua, mas não, obrigado--Ela sorriu, e ele sentiu todo seu corpo queimar em chamas.

--É bom, não ?

--O que, exatamente ?

--Não ficar perto dos livros o tempo todo, você lê tanto nos livros sobre algo assim, paisagem bonita, como um clichê trouxa, mas se esquece que pode viver isso na alma! Olhe ao seu redor, você lê tanto sobre tantas coisas, sejam mais aventuras ou romances estranhos, que se esquece que pode vivê-los--Sentado no chão do deck, apontando para toda a paisagem que estava ao seu redor, encantado com tamanha beleza.

--Fred...Caramba, andou lendo o dicionário para descobrir tantas palavras bonitas assim?--Perguntou risonha, porém abismada com tamanha beleza nas palavras.

--O que é um dicionário ?--Encarando-a confuso, ele perguntou.

--Nada, Fred, nada--Balançou a cabeça rindo baixinho.

--Tem que concordar que eu estou certo--Ele dissera, tocando de leve seu ombro.

Estavam sentados lado a lado, obervando a frente deles, onde o grande lago Negro, pairava em seu campo de visão, completamente escuro, misterioso e assustador.

--Sim, Fred, você está certo. Mas apenas em relação ás paisagens.

--Mas e o romance estranho ?

--E com quem eu teria um romance estranho ?--Ela riu sarcástica.

Pudera notar o quanto aquilo soou clichê até para ela.

--Seria um romance estranho se você se relacionasse comigo--Fred respondeu, sentindo o olhar surpreso dela em si.

--O que ?

--Digo, eu sou o irmão mais velho do seu melhor amigo, esse tal que você já foi apaixonada, além do que somos completos opostos, entende o que eu digo? Seria um romance estranho.

--Os trouxas tem um velho ditado, "os opostos se atraem".

--Sim, sim, mas tem de concordar que seria um romance estranho--Ponderou, olhando no fundo dos seus olhos.

--Eu nego. Acho que, hipótéticamente, faríamos um ótimo casal, é como um completando o outro.

--Hipotéticamente, eu acho que daríamos errados por causa do meu irmão.

--O que George tem com isso?--Perguntou curiosa.

--Não George, Ronald--Explicou calmo.

--Bom, ele faria um escândalo, depois tentaria te bater, e por último, depois de uns meses ele pediria perdão.

--Gina e George iriam adorar, sem duvídas--Riu

--Oh, sim! Bill, Charles e Harry iriam apoiar, mas não como George e Gina--Gargalhou ao imaginar a amiga e o irmão gêmeo de Fred soltando fogos pela Toca e depois gritarem feito animais.

--Percy nem estaria em casa. Mamãe iria dizer algo como "Oh querida, sempre soube que você estava destinada a ser uma Weasley, filhos eu tenho de sobra pra lhe apresentar mesmo"--Imitou a mãe com uma voz fina, e ambos ririam, se encarando.

--Seu pai me usaria para furtar objetos trouxas.

--Oh! Sem duvídas! Imagino ele lhe puxando para um canto antes do almoço e pedindo para você passar com muita calma tal objeto que você trouxe do mundo trouxa--Sorriu divertido.

O silêncio pairou no Lago Negro, apesar de estarem falando hipotéticamente, ambos gostariam que isso acontecesse, Hermione tinha súplica nos olhos, queria estar com Fred e passar por todas essas situações que ambos falaram, queria ouvir Molly dizer que ela estava destinada a ser uma Weasley, por que ela estava!

--E se isso não acontecesse hipotéticamente?--Seu fiapo de voz ecoou no silêncio gelado.

Era isso, gelado. Na primavera tinha muitas ocasiões onde tinham raios de sol, seguidos de uma chuva leve, nesse caso, a manhã foi ventosa e o começo da chave parecia ameaçar chuva. Pequenas gároas começavam a descer, fazendo a pele dos dois ficarem molhadas, não o bastante para pegarem um resfriado, apenas...gotinhas.

--Como ?

--E se isso tudo acontecer de verdade? Ainda acha que daria certo ?--Hermione perguntou, cautelosa.

--Eu não sei, pode ser que sim, ou pode ser que não. Temos muito em comum, mas algumas coisas gritamos em contra--Ele se levantou, estendendo a mão para ajuda-la a levantar.

--Somos completamente diferentes, mas cada átomo meu grita por você--sussurou, encarando-o confusa.

--É esquisito mas eu concordo. É estranho pois eu não sei quando tudo isso aconteceu, sabe? Nos conhecemos a anos, mas parece que nunca nos conhecemos de verdade, entende? Posso declarar que estou sim apaixonado por você, e não é de hoje. Parece fazer tanto tempo, mas nem algumas horas--Sussurou perto dela.

--Você me deixa confusa, Frederick.

--Você também, Hermione, me deixa muito confuso.

--Foi por isso que me convidou hoje? Queria entender o que estava sentindo?

-Eu não sei, faz alguns dias que eu venho necessitando de você, e te convidar pra sair foi algo que me pareceu bom. Ficar perto de você me faz bem.

--Mesmo eu implicando com você?

--Oh querida, sim--Ele riu suave, passando os dedos no rosto fino e macio dela.

Encaravam-se, frente a frente, azul no castanho, era apenas ele e ela.

O frio atingia seus rostos, fazendo os cabelos dela balançarem como uma dança muito bonita, sacudindo-se no ritmo dos ventos, da vida.

--Nem os livros, nem os terapeutas, nem os discos, nada explica o que move aqui dentro--apontou para o peito--quando você me olha.

--Isso pode dar muito errado, Hermione, sabe disso, não ?

--Eu sei, mas e se der muito certo, Fred ?

--Você quer descobrir?

--Embarcar nessa aventura com você ?

--Embarcar nessa aventura comigo.

--Eu quero, e muito, Fred--Sussurou, ao sentir seus lábios quase grudados ao dele.

--Mesmo se eu atirar uma bomba de bosta no seu dormitório ?--Perguntara, rindo.

--Oh garoto, calado ! Beije-me logo, depois discutimos isso--E ela riu.

Fred segurou na cintura dela forte, aproximando cada vez mais do seu rosto. Hermione passava as mãos no pescoço sardento dele, encarando os lábios avermelhados, tentadores. Então, ele a beijou, como um romance estranho, clichê trouxa, na chuva de uma primavera, nos ventos de uma primavera. Fred Weasley estava beijando Hermione Granger. E nenhum dos dois se imporou com o frio que os cercava, pois o calor por entre eles crescia e ardia de forma calorosa. Ignoravam tudo, apenas focando naquele beijo. hermione era a garota mais corajosa que ele conhecia, e Fred o mais engraçado, apesar disso, eles eram como bombas relógio, poderiam se explodir em qualquer segundo, pela falta de paciência dela, ou pela infantilidade dele.

Aquela manhã gélida se tornou o melhor dia da vida dos dois, foi algo inesperado, que os pegou desprevinidos. Tampouco nenhum dos dois sabia, que a paixão que os consumia era mais antiga que seus próprios átomos, era inevitável. Se amavam antes mesmo de se conhecerem, era o destino gritando mais alto, o amor gritando mais alto que a razão. Meio que confuso, em apenas um encontro, expressaram o amor que nem sabiam ao certo que existira. 

Mas todos devem concordar, Molly estava certa ao dizer que Hermione estava destinada a ser uma Weasley.


Notas Finais


Hey, eu tenho uma fanfic de Fremione também, vai lá dar uma olhada!
Deixem suas opniões.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...