História Vênus - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Aberforth Dumbledore, Alastor Moody, Alvo Dumbledore, Andromeda Tonks, Argo Filch, Arthur Weasley, Astoria Greengrass, Bellatrix Lestrange, Blásio Zabini, Cedrico Diggory, Cho Chang, Dino Thomas, Dolores Umbridge, Draco Malfoy, Fílio Flitwick, Fred Weasley, Gregory Goyle, Harry Potter, Hermione Granger, Horácio Slughorn, Jorge Weasley, Lílian L. Potter, Lino Jordan, Lord Voldemort, Lucius Malfoy, Luna Lovegood, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley, Narcissa Black Malfoy, Neville Longbottom, Pansy Parkinson, Pedro Pettigrew, Pomona Sprout, Remo Lupin, Ronald Weasley, Severo Snape, Simas Finnigan, Theodore Nott, Tiago Potter, Tom Riddle Jr., Vincent Crabbe, Wilhelmina Grubbly-Plank
Tags Draco Malfoy, Dramione, Drarry, Harry Potter
Visualizações 95
Palavras 2.688
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Era para postar ontem, mas não deu aushaus
Espero que gostem do capítulo, eu revisei umas três vezes, mas muito provável que terá erros
Boa leitura <3

Capítulo 2 - The Astronomy Tower.


Bocejou enquanto andava pelo corredor vazio, estava com muito sono, mas não tinha muito o que fazer com isso, naquele dia foi notificado que não teria a primeira aula e então decidiu ir ao salão comunal de sua casa, era sua primeira vez pisando ali e de primeira achou uma sala legal, era grande, tinha cortinas em cores vermelho e dourado assim como os moveis, tinha uma escada em espiral no canto provavelmente levando aos dormitórios onde os alunos que moravam longe ficavam, os sofás e poltronas eram vermelhos e dourados, não se via outra cor sem ser essas duas. Se sentou numa poltrona perto da janela que dava para ver o jardim interno e logo depois do jardim, a torre de astronomia.

– Olha o que achamos, Fred. – Virou a cabeça bruscamente ao ouvir a voz desconhecida que o assustou levemente.

– Estou vendo, Jorge. – Eram gêmeos altos, magros e ruivos, eles eram completamente idênticos e o lembravam o Rony, ostentavam um sorriso divertido no rosto. – Deixe nos apresentar, eu sou o Fred.

– E eu Jorge. – Era engraçado como eles completavam a frase um do outro.

– E você? – Perguntaram ao mesmo tempo e Harry sorriu de lado.

– Harry Potter. – Respondeu se levantando ficando de frente para eles.

– Ouvimos muito de você. – Falaram novamente ao mesmo tempo e parecia ser normal aquilo para eles.

– Ouviram? – Harry juntou as sobrancelhas em clara confusão enquanto os gêmeos se entreolhavam.

– Deixe nos ajudar, Harry. – Dessa vez quem falou foi Fred enquanto o Jorge o empurrava pelo ombro para fora da sala.

– Nós temos um trabalho muito importante para fazer nessa escola, mais precisamente.

– Naquela sala.

– Então, tome um ar.

– Se espreguice.

– Leia.

– Pegue algumas gatinhas.

– Mas não entre nessa sala. – Falaram dessa vez ao mesmo tempo enquanto terminavam de empurrar Harry para fora da sala.

Harry suspirou e decidiu andar pelo jardim como haviam dito, o jardim era bem extenso e tinha alguns alunos ali, alguns da Corvinal, outros da Sonserina, o que percebeu naqueles dias de aula foi que os alunos das quatro casas não se misturavam, como havia previsto.

Se escorou numa arvore e olhou ao redor já que foi expulso do próprio salão, olhou mais para frente e viu Malfoy sair do prédio e ir em direção a torre de astronomia completamente sozinho, até pensou em segui-lo, mas não ia fazer isso.

– Ei cara! – Olhou para o lado vendo Rony se aproximar. – Horário vago também?

– Sim... – Falou simplesmente voltando a olhar a torre de astronomia onde o loiro tinha entrado. – Eu fui expulso do salão comunal.

– Ah! Esse é o horário que Fred e Jorge usam a sala para bolar mais uma de suas pegadinhas pela escola, eles geralmente não se importam que os outros ouçam, mas você é novato. – Explicou dando de ombros.

– Eles são parecidos com você. – Comentou lembrando da semelhança nas expressões e no cabelo.

– São meus irmãos. – Riu e Harry fez uma cara surpresa. – Hermione deve estar na biblioteca engolindo livros. – Revirou os olhos enquanto o moreno sorria.

– Você parece...

– Potter. – Ouviu alguém lhe chamar e se virou para o loiro que estava a poucos metros de distância.

– Malfoy. – Respondeu indiferente e o loiro balançou algo nas mãos logo jogando e Harry pegou no ar.

– Cuide melhor de suas coisas, da próxima jogarei na primeira lixeira que vier. – O loiro deu de costas sem esperar agradecimentos voltando para o prédio. Harry olhou para o pingente em sua mão, nem mesmo tinha reparado que havia caído.

– Bonito. – O ruivo elogiou observando o pingente em forma de cereja.

– Obrigado. – Agradeceu ainda observando o próprio pingente, em sua cabeça só passava em como Malfoy sabia que era seu, pois além de ser pequeno, o mesmo ficava sempre em seu pulso que era tampado pelas mangas do uniforme. Deixou isso de lado e olhou para a grama enquanto ouvia Rony falar, mas sentiu alguém lhe olhando e quando percebeu, devolveu o olhar.

– Harry?

– Hum? – Exclamou ainda olhando para a garota que desviou o olhar, era asiática e bem bonita na opinião do moreno.

– Ah, é a Cho Chang.

– Que?

– A garota que você está encarando que nem um idiota. – Falou rindo da expressão de espanto de Harry.

– Eu não estava encarando ela. – Falou um tanto indignado, mas Rony obviamente o viu encarando a asiática.

– Claro que não. – Ironizou e negou com a cabeça. – Ela é da Corvinal, nunca conversei com ela, mas Hermione já, se quiser...

– Não! Eu não quero nada. – Sua frase saiu quase desesperada, o ruivo olhou para si com a sobrancelha levantada e Harry não pode evitar de ficar envergonhado.

– Sei. Mas o que eu estava dizendo, é que Jorge e Fred vão acabar sendo expulso se fizerem pegadinhas com o professor Snape.

– Snape?

– É, ele ensina física, apesar de querer o posto de química. Ele é diretor da Sonserina. – Explica se sentando na grama e Harry faz a mesma ação. – Ele é bem sério e ninguém nunca o viu rir ou sequer sorrir.

– E o que Fred e Jorge querem fazer com ele? – Perguntou tentando imaginar um homem extremamente sério, o que o fez fazer uma careta.

– Eles ainda estão planejando, mas apostei com Simas que eles iam ser expulsos. – Se formou um sorriso convicto e seu rosto com a certeza que iria ganhar.

– Não vou perder isso por nada.

– O que não vai perder por nada? – Hermione se sentou ao seu lado com seu típico sorriso.

– Fred e Jorge vão pregar uma peça no Snape. – Rony respondeu igualmente animado e Hermione franziu a sobrancelha.

– Eles vão ser expulsos. – Rony prontamente concordou e Harry riu dos dois. – Mas então, eu estava na biblioteca lendo alguns livros e vi algo interessante sobre aguas vivas.

 

 

 

 

Sentia-se exausto, já estava quase na hora de ir embora felizmente, mas ainda tinha sua primeira aula de física e estava particularmente ansioso para isso já que ouviu muitas coisas sobre Severo Snape. Claro que como um bom aluno que era, tinha que estar atrasado, muito atrasado. Mas pelo menos sabia onde era a sala.

– Licença. – Abriu abruptamente a porta vendo que a sala inteira virou para si, um homem de vestes pretas e sociais, cabelos negros e caídos em seus ombros, sua expressão rígida e séria. Mas sua expressão se tornou levemente surpresa quando seus olhos encararam o jovem Potter, Harry percebeu que o lembrava alguém. – Desculpe, eu fiquei para ajudar a...

– Sente-se logo, já atrapalhou a aula tempo demais. – Sua voz era igualmente sem emoção, se virou para o quadro novamente e Harry se direcionou a cadeira livre no meio da sala ao lado de Rony, teve a atenção novamente quando quase caiu no chão devido ao pé de Malfoy que se encontrava na frente, o mesmo riu enquanto Snape se virava explicitamente irritado. – Ainda atrapalhando a aula, Potter?!

– Desculpe, senhor. – Pediu e lançou um olhar de puro ódio para Malfoy que apenas manteve seu sorriso brincalhão e provocativo.

Harry descobriu três coisas naquele dia. A primeira é que, a segunda lei de Kepler é o segmento que une o sol a um planeta, descreve áreas iguais em intervalos de tempo iguais. A segunda é que Severo Snape coloca medo em qualquer um. A terceira é que Draco Malfoy conseguia ser extremamente irritante e arrogante, na maioria das vezes, conseguia retrucar suas ofensas.

Quando todos os seus horários foram cumpridos, se permitiu respirar aliviado e então arrumou suas coisas calmamente, Snape colocava cada coisa em seu devido lugar naturalmente calmo, quando o mesmo saiu sem antes direcionar um olhar avaliativo para Harry, o jovem tinha terminado de organizar suas anotações, agora colocando-as na mochila.

– Potter, acho melhor colar um mapa nessa sua cara, não vai querer se perder de novo, não é? – Pode ouvir a voz de Malfoy no fundo da sala, não tinha percebido que o mesmo ainda estava lá, com sua pose superior e seu sorriso prepotente tão característico.

– Cala a boca, Malfoy. – Falou irritado se levantando e colocando a mochila em seus ombros.

– Uh, está irritado por que? – Perguntou de um jeito extremamente cínico, Harry bufou começando a se irritar.

– Uma hora essa sua arrogância irá se virar totalmente contra você. – Andou até a saída antes que perca a razão.

– Você tira conclusões precipitadas dos outros, Potter. – Falou se levantando pronto para sair, Harry parou no meio da porta e fuzilou o loiro. – Saia da frente!

– Desde que cheguei aqui você tem mostrando todos os defeitos possíveis em um ser humano só, acho que nem qualidade você é capaz de ter. – Malfoy fechou sua expressão chegando mais perto do moreno ficando a poucos milímetros de distância de seu rosto, para isso teve que abaixar sua cabeça visto que era visivelmente mais alto que o moreno, no momento Harry torcia para não apanhar.

– Não sabe com quem está se metendo, Potter. – Sussurrou com ódio em sua voz e manteve seus olhos presos nas írises esverdeadas.

– Acho que posso cuidar do meu próprio nariz.

– Draco, ainda está aí! – Harry piscou várias vezes saindo da passagem e vendo o loiro lhe lançar mais um olhar raivoso antes de se colocar ao lado do amigo moreno, Zabini.

– Vamos, Blásio. – Zabini arqueou a sobrancelha olhando para o jovem Potter e depois para o loiro logo seguindo o caminho.

Suspirou sozinho na sala e saiu da mesma se encaminhando para o jardim interno, sua mãe iria busca-lo novamente, mas queria dar uma olhada na torre de astronomia, desde que viu Malfoy entrando lá, ficou curioso. Subiu as escadas de ferro até chegar ao topo da torre, tinha uma visão aberta e tinha um globo enorme pendurado no teto igualmente um no chão de madeira, estava ventando frio o que claramente indicava que daqui a poucos dias iria esfriar. Harry gostou daquele lugar, se sentou no banco de madeira que tinha encostado na parede e olhou para o céu pela varanda mais a frente.

– O que está fazendo aqui?! – Virou o corpo em direção a escada que era da onde Malfoy tinha saído.

– Está me seguindo? – Devolveu a pergunta no mesmo tom ríspido e se pôs de pé.

– Você é a última pessoa na qual eu seguiria, Potter. – Falou secamente e Harry o fuzilou. – Esse é o meu espaço e você invadiu o meu espaço.

– Não está escrito seu nome aqui, Malfoy. – Rebateu voltando a se sentar para dar a entender que não ia sair dali.

– Acho que não prestou muita atenção, cicatriz, olhe para trás. – Fez o que foi lhe dito e viu o nome esculpido na parede de madeira atrás de si.

– Isso não significa nada. – Se contrapôs teimoso fazendo Malfoy gargalhar alto e sarcástico.

– Para de ser teimoso, saia logo daqui. – O garoto se dirigiu ao espaço aberto se escorando na grade de proteção ficando de costas para o moreno.

– Eu gostei daqui. – Respondeu após alguns segundos de silencio, mas Malfoy não disse nada, parecia extremamente concentrado em observar o céu e as pessoas que de pouco a pouco iam embora, aquele devia ser mesmo o canto de Malfoy, mas Harry queria continuar a observar as costas do esguio.

– Sabia que planetas, constelações e galáxias formam apenas 4% do universo. O resto é feito de matéria escura, um tipo estranho de matéria sobre a qual os cientistas não sabem nada. – Comentou dando um sorriso de lado na qual o moreno não pode ver, o loiro parecia extremamente fascinado e no momento parecia menos insuportável.

– Não, não sabia.

– Sua mãe chegou. – Avisou depois de terem um momento em silencio completamente agradável o que surpreendeu Harry. O mesmo se levantou arrumando sua mochila em suas costas e encarou Malfoy não sabendo como se despedir, ou se devia se despedir. Optou por apenas sair da sala deixando o loiro com sozinho com seus pensamentos.

 

 

 

 

– Eu estou falando, Harry, aquela garota é maluca! – Exclamou Rony enquanto escolhia seus livros na livraria, Harry riu do jeito exagerado do ruivo enquanto escolhia seus próprios livros. Ambos os garotos estavam numa biblioteca no centro da cidade com a família do ruivo.

– Ela deve estar apenas sobrecarregada, as provas estão chegando. – Tentou justificar uma Hermione brava enquanto Rony chamava ela insistentemente de maluca.

– Claro, agora ela passa três vezes mais tempo na biblioteca do que passava antes. – Terminou de escolher seus livros e foi para o caixa tendo o moreno atrás.

– Me admira que conseguiu calcular o tempo. – Brincou levando uma livrada do ruivo.

– Rony! Pare com isso.

– Sim, mamãe. – Respondeu fuzilando o jovem Potter que continuava com seu sorriso brincalhão.

– Harry, querido, não vai levar nenhum exemplar de Lolita? – Molly perguntou doce para o moreno, Molly era assim como os filhos, dona de madeixas ruivas e cortadas nos ombros, usava seu típico vestido florado.

– Mamãe ele não vai gostar da história. – Rony falou distraidamente enquanto passava seus livros logo sendo a vez de Harry.

– Muito obrigado, Sra. Weasley. – Agradeceu com um sorriso gentil, quando conheceu a mais velha, tinha adorado no mesmo instante.

– Ora, ora. – Antes de saírem da livraria, batem de cara com um homem, homem este que assustou Harry por causa da tamanha semelhança ao garoto ao seu lado, o homem tinha cabelos longos e caídos pelos ombros, loiros tão esbranquiçados quanto os do provável filho, expressões tão séria e fria que Harry entendia da onde o loiro mais novo tinha aprendido. Aquele era o famoso Lucio Malfoy. – É um prazer ver a família Weasley reunida. – Falou com certa ironia na voz, encarou Arthur, pai de Rony, dos gêmeos e de Gina, e para a surpresa de Harry, também era ruivo. – Trabalho demais no ministério? Deve estar sendo bem difícil nessa época.

- É, mas eu consigo lidar.

- Tomara que o ministro não esteja exigindo demais de você

– Posso dizer o mesmo. – Arthur sorri, mas Harry podia ver os olhares hostis dos dois, era bem obvio que havia rivalidade ali, mas logo os olhos cinzas do homem foi dirigido a si.

– Se não é Harry Potter. – Lucio puxou o pulso do moreno e com sua bengala preta com uma cabeça de cobra prateada na ponta levantou o cabelo do moreno afim de ver sua cicatriz. – É uma bela cicatriz. – Riu soltando Harry que tocou na cicatriz por baixo do cabelo, olhou para Draco que apenas observava quieto e sério.

– Temos que ir. – Arthur empurrou o ombro de seus filhos e logo fez o mesmo com Harry que encarou Draco antes de sair.

– Ele é um idiota. – Ouviu Rony exclamar irritado. – Eles dois são duas cobras venenosas.

– Cuidado com o que fala, maninho. – Um dos gêmeos falou enquanto se punham ao lado dos dois garotos.

– É, maninho, o que acha de fazer uma pequena vingança? Nada muito sério. – Disse o outro com um sorriso divertido.

– Mas que você vai adorar.

– Vou ser expulso? – Rony perguntou cogitando a tal vingança e Harry já sorria animado.

– Claro que não. Harry, quer participar? – O que estava ao seu lado perguntou e Harry olhou ansioso para Rony.

– Tudo bem. Mas o que vamos fazer com o Malfoy? – Rony perguntou agora compartilhando do sorriso de Harry.

– Segunda-feira.

– No primeiro horário.

– No salão comunal. – Os gêmeos falaram ao mesmo tempo e o jovem Potter franziu a testa pensando.

– Mas o primeiro horário de segunda é artes. – Comentou se lembrando que teria essa primeira aula com o loiro.

– E?

– E que não posso faltar. – Falou tentando parecer convincente, não queria dizer que não queria faltar só porque queria ver o loiro, nem o próprio Harry estava acreditando nisso. Ganhou um olhar estranho tanto dos gêmeos quanto de Rony.

– Está dizendo que não pode faltar uma aula de artes da maluca da Trelawney? – Rony arqueou a sobrancelha incrédulo.

– É, sabe como é. – Os gêmeos riram parecendo que tinham entendido algo enquanto Rony ainda tinha o rosto confuso.

– Então nos encontre na terça, segundo horário, no salão comunal. – Dessa vez apenas um falou tudo.

– Tá, Fred, já entendemos. – Harry se perguntava como o amigo conseguia diferenciar os dois já que até mesmo a roupa os gêmeos combinavam. Enquanto os dois idênticos tomavam a frente junto com o resto dos Weasley, Rony batia papo com Harry.

– Seria uma boa ideia fazer o cabelo do Malfoy ficar verde. – Sugeriu o moreno ouvindo as gargalhadas do ruivo.

– É verdade.


Notas Finais


Gente, eu amo Fred e Jorge KKKK
Huuum Cho Chang né rs
Comentem, me diz o que acharam!

Até próxima quinta <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...