1. Spirit Fanfics >
  2. Venus as a Girl - Itasaku >
  3. Colina dos Amantes...

História Venus as a Girl - Itasaku - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Serão três capítulos.

boa leitura <3

Capítulo 2 - Colina dos Amantes...


 

Itachi acordou com cada parte do corpo reclamando de dor, talvez não tenha sido uma boa ideia dormir no sofá pequeno e desconfortável de Sakura. Na verdade, sequer tinha planos de dormir no apartamento dela, mas aconteceu.

Após o beijo que trocaram na loja, não pararam por ali. Se beijaram também no corredor, nas escadas e quando entraram novamente dentro do apartamento, beijaram-se ainda mais. Não queriam parar, Itachi não queria e tinha a certeza de que Sakura também não, já que atacava seus lábios com tamanha vontade.

Quando pararam no sofá, ela sentou em seu colo e se beijaram ainda mais, até os lábios incharem e ficarem vermelhos pela intensa troca de saliva, ainda os sentia bem sensíveis.

Levantou apenas a cabeça, procurando a garota pelo apartamento e encontrando-a deitada na cama. Voltou a deitar a cabeça na almofada, suspirando pesado e pensando em tudo o que aconteceu. Olhando pelo vidro da janela, a chuva já não caía mais e o dia já tinha dado as caras a algum tempo, era sua deixa.

Sentou no sofá, estalando as costas e observando-a ainda no mundo dos sonhos. Quando aceitou dormir ali, não hesitou em dizer que se ajeitaria no sofá, não queria invadir o espaço dela e mesmo que tivessem se beijado aos montes, ainda seria cedo para tentar qualquer outra aproximação.

Deu poucos passos até a cama onde Sakura dormia, respiração compassada e um bico bonito demais em seus lábios avermelhados. Sentiu vontade de beijá-la outra vez. Inferno, além do seu vício em cigarros, também acabou viciado nos beijos dela.

Ficou apenas observando, até finalmente a garota dar sinais de que despertaria e abrindo os olhos lentamente, focando-os no vocalista. Ainda um pouco sonolenta, ela sorriu minimamente e se espreguiçou entre os lençóis branco como uma gata, arrancando de Itachi um riso que mais pareceu um sopro no ar.

— Bom dia. — Sakura foi a primeira a quebrar o silencio, molhando os lábios secos e se sentando na cama. O cabelo estava todo bagunçado, a franjinha que outrora cobria a testa dela, agora estava tão arrepiada quanto o restante dos fios.

— Bom dia. — Ele a respondeu, bobo demais por estar achando ela o monumento mais perfeito de todos enquanto acordava. Era um idiota, estava ficando cada vez mais louco naquela garota. — Eu estou indo. — Avisou, tinha ensaio naquela tarde e mesmo que todo seu corpo falasse para deitar ali com ela, não era a hora.

— Tudo bem, te levo até a porta. — Saiu do caminho para que ela pudesse levantar, não se beijaram novamente e quando Sakura sumiu para dentro do banheiro, procurou suas roupas pelo apartamento.

Ela voltou pouco tempo depois, o cabelo não estava mais bagunçado e seu rosto menos inchado que antes. Trazia consigo suas roupas, agora secas e entrou no banheiro também para que pudesse se trocar para ir embora.

Arrumado, acompanhou a garota para fora do apartamento e era estranho já sentir falta daquele lugar que passou poucas horas, mas que já estava tão gravado em sua memória quanto sua música favorita.

Não saíram por trás da loja, mas voltou a segui-la pelo corredor estreito e enquanto ia em direção a porta de vidro da Moon Records, recordava dos beijos que trocaram ali entre os vários discos. Um dia, quem sabe, Itachi faria uma música sobre a garota e como foi beijá-la no local onde ela guardava as mais lindas histórias de amor em forma de canção.

Sakura destrancou a porta, abrindo-a.

— Então... — Ela iniciou, um pouco incerta no que dizer, pela primeira vez desde que estiveram juntos. Ela não hesitava, não tinha medo de dizer o que queria e desde o primeiro momento foi muito direta com ele. Todavia, naquele momento, ela realmente não sabia o que dizer.

O vocalista se preparou para falar alguma coisa, mas foi interrompido por um cara que parou em frente aos dois, esticando um folheto na direção de ambos. Ao pegá-lo, leu sobre a noite dos clássicos que aconteceria no final de semana seguinte, passaria Psicose no drive-in.

Como se aquilo tivesse sido um sinal divino, quis levantar as mãos para o alto e agradecer, pois não fazia ideia de como faria para encontrar com ela novamente.

— Gosta de filme preto e branco? — Perguntou Itachi, sorrindo em seguida e sendo acompanhado por ela.

— Com toda a certeza, bonitão.

(...)

Contou para os amigos sobre Sakura, e tudo o que aconteceu. E depois de receber vários comentários desnecessários sobre estar completamente apaixonadinho pela garota, falou sobre o encontro dos dois. A verdade é que, não era bem um encontro, só tinha perguntado se ela curtia filme preto e branco e ela disse que sim. Ela tinha entendido que era um convite para assistirem o filme juntos, não tinha?

Droga, deveria ter sido mais especifico.

Passou a semana inteirinha pensando naquilo, trabalhava com ela na cabeça e os beijos ainda estavam frescos demais em sua memória. A mente uma completa bagunça e nela só tinha espaço para Sakura. Sakura. Sakura.

Sakura.

Por isso, quando o final de semana chegou foi até a loja de discos no sábado à tarde. Ao estacionar próximo ao estabelecimento, conseguia ver Sakura andando de um lado para outro e ao que parece, organizando alguns vinis em seus devidos lugares.

Checou a própria aparência no retrovisor antes de sair do carro, ajeitando a jaqueta em seu corpo e colocando uma bala refrescante em sua boca. Passara o dia inteiro ansioso, refletindo no maço de cigarro que fumou inteiro em poucas horas.

Quando empurrou a porta para poder entrar, reconheceu que a música que tocava no fundo era Africa, Toto. Deixando o nervosismo de lado, assumiu uma postura confiante e um pouco egocêntrica também. Mas aquilo era uma fachada, uma máscara que usou para não parecer tão balado só por estar no mesmo ambiente que ela.

Sakura o notou assim que entrou, um sorriso sapeca nascendo nos lábios pintados de vermelho. Ela usava um macacão todo largo, com cores vivas e por baixo dele uma camiseta branca escrita Siouxsie And The Banshees.

— Oi bonitão, o que o traz aqui? — Ela perguntou divertida, mantendo o sorriso arteiro e indo para de trás do balcão e apoiando com ambos os cotovelos nele.

— Você. — Respondeu direto, sem fazer cerimônia para tentar fazer um mistério. Estava ali por ela e ponto.

— E o que posso te oferecer? — Tantas coisas, Itachi pensou. A primeira delas foi um beijo, longo e bem molhado. Sakura voltou a posição inicial, ficando ereta e encarando-o até mesmo ansiosa.

— Eu realmente gos... — Sua fala cortou no mesmo instante quando desviou os olhos para o corredor onde levava para as escadas do apartamento. Saindo de lá, Itachi viu o mesmo cara que estava com ela na primeira vez que a viu.

Alguma coisa dentro dele incomodou muito, não soube exatamente dizer o que, mas se sentiu tão, tão abalado por aquele cara estar ali e ainda mais saindo daquele corredor... dava a entender de que ele estava no apartamento dela. Porra. O que era aquilo, ciúmes?

Sakura não demorou para olhar na mesma direção.

— Eu peguei todas as coisas que eram minhas. — O cara falou, olhando de Sakura para Itachi, esse último que tinha fechado a cara totalmente para o desconhecido. — Não vai me apresentar seu amigo?

— Itachi, esse é o Kakashi, meu amigo. — Ela fez o que foi pedido, sua voz estava normal e não parecia nenhum pouco nervosa, não tinha motivo para isso. O vocalista se contentou em acenar para o outro, recebendo um sorriso presunçoso em troca.

— Ex-namorado. — Corrigiu o de cabelos descoloridos, sorrindo convencido e deixando Itachi ainda mais enciumado por aquela constatação.

— Nós nunca namoramos, Kakashi. — Sakura retrucou, revirando os olhos de forma entediada e encerrando de vez o assunto. De alguma forma, o vocalista acabou ficando bem feliz com o que a garota disse e isso o tranquilizou quase que imediatamente.

— Claro, tinha me esquecido que você tem horror a relacionamentos. — Foi como uma alfinetada para Itachi, mas o de madeixas escuras não deixou transpassar que realmente se sentiu afetado pelas palavras do prateado.

— Dá o fora, Hatake. — Mandou a garota, ela não parecia irritada, apenas de saco cheio com aquela pequena discussão que não tinha para onde ir.

Poucos segundos depois, o tal Kakashi realmente foi embora deixando-os a sós na loja. O que Itachi iria pedir, o beijo e perguntar sobre irem assistir ao filme no drive-in, pareceu não fazer mais nenhum sentido naquele momento.

— Então, hoje à noite... está de pé? — Ela parecia bem ansiosa, tinha os olhos mirando os seus e tão cheios de esperança, e foi exatamente por isso que Itachi se esqueceu completamente do porquê estava chateado.

— Vim perguntar exatamente isso. — A boca do estômago queimava de ansiedade, caramba.

— Estarei te esperando.

(...)

Tinha retirado a capota do Chevelle, também tinha olhado cada canto do carro para ter a certeza de que estava perfeito para aquela noite, nada podia dar errado.

Depois de visitar Sakura e ter a confirmação de que iriam mesmo sair à noite, foi diretamente para casa. Nunca realmente, teve de se preocupado com o que vestir e só pegava a primeira roupa que encontrava dentro do armário, contudo, demorou muito mais tempo para se arrumar do que o aceitável.

Enquanto esperava estacionado em frente à loja, ajeitava a jaqueta jeans surrada que escolheu usar, nervoso demais para até mesmo, escolher uma música para tocar no rádio do Chevelle. Levantou o rosto tentando espantar o nervosismo, sorrindo com o clima agradável, o céu estava limpo e tinha tantas estrelas e a lua estava tão cheia e bonita, parecia saber que Itachi queria que tudo fosse perfeito.

Como um aviso, uma estrela cadente passou rápido no céu o fazendo seguir com os olhos e encontrar Sakura caminhando em direção ao carro. Itachi acabou se esquecendo de respirar, caramba. Caramba. Se aquela garota não fosse a própria encarnação da deusa do amor e da beleza, não tinha outra explicação para a existência de Sakura.

O ar foi voltando para os pulmões aos poucos, mas a cara que fazia, aquela que dizia que estava completamente extasiado com ela não tinha passado nenhum pouco. Acompanhou Sakura entrar no carro com seu vestido rodado com estampa cheia de girassóis e All Star, os tão conhecidos por Itachi.

Ela sorriu para si, antes de beijar sua bochecha e manchá-la de batom.

— Estou bonita? — Perguntou já ciente da resposta, era muito boa em analisar feições e as de Itachi nunca a enganavam, conseguia ler o vocalista muito facilmente e se aproveitava disso. A verdade, era que a garota amava ser admirada e Itachi fazia tão bem, mas diferente de qualquer outros com quem já tinha saído, o moreno de olhos profundos e negros a deixava realmente vibrante. 

— Eu preciso mesmo responder? — Piscou algumas vezes após falar, estava tão mexido com ela que não fazia questão de esconder e que se dane, estava se apaixonando.

 Ela negou com a cabeça como resposta, prendendo o inferior com os dentes contendo a sombra de um sorriso querendo muito nascer nos lábios bonitos. Ela estava tão beijável, sempre estava na verdade, mas àquela noite em especial... o vocalista ficava sem ar a todo momento, desejando imensamente que os lábios dela fossem seu sopro de ar. 

— Acho melhor dirigir, bonitão ou não iremos sair daqui e perderemos o filme. — Sakura disse, claramente se divertindo da situação toda. 

Deu partida no Chevelle, saindo dali sem pressa alguma e dirigindo em direção a saída da cidade, onde ficava o drive-in. O silêncio era cômodo, volte e meia, Itachi se pegava admirando Sakura de canto, ela parecia amar a brisa fresca que batia nos fios cor-de-rosa e os bagunçava um pouco. O vocalista até mesmo chegou a pensar, que talvez, ter tirado a capota tenha sido uma ideia ruim, mas vê-la tão à vontade com o vento em seus cabelos o deixava feliz por ter pensado naquilo. 

A placa de neon do drive-in brilhava intensamente que podia ser vista a quilômetros de distância, assim que chegaram, passaram pelo guichê para comprar os ingressos e Itachi procurou um bom lugar para estacionar, um lugar que não ficasse muito em frente ao telão e nem muito longe. Não tinha muitos carros ainda, por isso pode estacionar em um dos melhores lugares que conseguiu encontrar, abaixo de uma árvore de bordo de folhas amareladas e laranjas. 

O lugar perfeito. 

Conversaram um pouco sobre o filme, ambos já tinham assistido e conheciam a história de Norman Bates. Sakura contou que gostava de filmes do gênero, Itachi também, Sakura tinha Kubrick como seu diretor preferido e Itachi também. Sakura confidenciou que nunca havia ido em um drive-in, Itachi ficou mais do que feliz por estar com ela ali em sua pela primeira vez. 

O filme começou pouco tempo depois, ambos estavam cada um respeitando seu próprio espaço dentro do carro. Foi na cena onde, Norman diz que Marion comia como um passarinho, que Sakura sussurrou que sentia um pouco de fome. Itachi saiu lentamente para comprar algo para comerem e beberem, voltando minutos depois com um balde enorme de pipoca, dois refis de refrigerante grandes e chocolate. 

Demorou certa de 10 minutos para que algo acontecesse, ela se aproximou lenta e furtivamente, tirando o balde de pipoca do meio dos dois e colocando no próprio colo.  A garota pousou uma das mãos na coxa do vocalista, enquanto a outra ainda a mantinha abastecida levando pipocas para a boca. Itachi tentou não se sobressaltar com a aproximação, mas sentiu a pele queimar onde a palma estava, caramba, estava pegando fogo com um mero toque na coxa. 

Sakura começou um carinho quase imperceptível, quase. Os dedos longos e bonitos brincando por cima do jeans o fez soltar o ar pesado que nem ao menos percebia que estava prendendo, ato o qual chamou a atenção dela que virou a cabeça e subiu o olhar em sua direção. Recebeu um sorriso tranquilizador e o carinho parou apenas para que Sakura segurasse seu braço direito e o colocasse em volta dos próprios ombros. 

Agora estavam tão colados um no outro, a cabeça dela pousada em seu ombro e deixando o local tão quente quanto a coxa que voltou a ser acariciada por ela. O coração do vocalista batia tão forte no peito, se perguntava a todo momento se Sakura conseguia ouvir e todas as respostas diziam que sim, ela provavelmente estava ouvindo o quanto o coração parecia querer explodir. O quanto não conseguia esconder seu nervosismo por estar com ela.

Foi na cena onde Norman Bates aparecia vestido com as roupas da própria mãe e segurando uma faca, correndo atrás da irmã de Marion que Itachi recebeu a primeira pipoca na boca e junto dela um beijo acompanhando no canto de sua boca, algo tão natural, algo que gritava casal e encontro na mente do vocalista. Era um encontro, claro que era, não tinha outra explicação para estarem tão grudados daquele jeito e com ela lhe dando comida na boca. 

Desejava que o filme tivesse mais algumas horas para poder aproveitar cada momento a mais com ela, estavam tão próximos e cada vez que seus dedos resvalavam na pele desnuda do braço dela, sentia-os arrepiando e caramba, isso fazia seu estômago arder por pensar que era ele quem estava causando a reação nela. 

— Você... está com frio? — Sussurrou rente a orelha da garota, deixando que os lábios encostassem de propósito na cartilagem macia e imediatamente sentiu o cheiro gostoso do cabelo de Sakura.

— Estou bem. — Ela sussurrou de volta, tinha levantado a cabeça e ao falar, seu hálito quente bateu contra a bochecha de Itachi. — Você tá quentinho, pode me aquecer. — Sorriu em seguida, picando olhos lentamente. O vocalista assentiu, apertando-a ainda mais contra seu corpo e consequentemente fazendo Sakura chegar ainda mais perto e foi por iniciativa dela que os lábios se encontraram. 

Iniciou como um selar simples, aos poucos as bocas foram se moldando uma na outra até as línguas se tocarem. Itachi deixou que a mão antes desocupada, perdurasse no rosto de Sakura e a fizesse beijá-lo com mais vontade e assim ela o fez, aprofundando mais o beijo que até então estava calmo. A pipoca e os refrigerantes foram esquecidos em algum canto do Chevelle, assim como o filme que ainda rolava e todo o resto a volta dos dois. 

Naquele momento, Itachi soube que beijar Sakura no escuro e de baixo da árvore de bordo era uma das melhores coisas do mundo. 

(...)

Esperaram até que quase todos os carros estivessem fora do estacionamento do drive-in para saírem também, apesar de terem perdido o final do filme por causa dos vários beijos que trocaram, não deram muita importância para isso. 

— Onde vamos agora? — Foi Sakura quem perguntou, claramente interessada em não encerrar a noite ainda. Itachi não tinha ideia de outro lugar que poderia levá-la, acabou julgando-se idiota por não ter no mínimo, pensado na possibilidade de saírem para algum outro canto. 

Droga.

Mil vezes, droga. 

Se tivesse sido mais esperto, teria a resposta na hora e Sakura não estaria esperando por uma, enquanto o vocalista forçava a mente para qualquer lugar que fosse consideravelmente bom para que pudessem ir. Tinha de pensar rápido. 

— Podemos... só rodar e conversar. — Sugeriu Itachi, ansioso o bastante para que ela concordasse com aquilo e não o achasse um cara totalmente sem criatividade, o que ele mesmo já se achava. 

— Ótimo, mas para isso nós precisamos de uma boa trilha sonora. — Puxando uma bolsinha pequena, Sakura procurou alguma coisa lá dentro e poucos segundos depois tirou uma fita cassete. — Eu posso? — Perguntou, estava se referindo sobre colocar a fita no rádio e quando Itachi assentiu dando a permissão, Sakura a colocou para tocar.

Era a voz de uma mulher, crua, rouca e muito selvagem, o que não surpreendia nenhum pouco Itachi entender o porquê Sakura gostar do que tocava no rádio do Chevelle. Tinha que admitir, curtiu e muito o som da banda e a cada novo refrão tinha vontade de cantar alto e deixar que todos ouvissem.

Oh your city lies in dust, my friend... — Ao finalizar a música, Sakura cantou acompanhando a vocalista e deixando Itachi impressionando pela voz bonita que a garota tinha.

— Você canta. — Apontou, surpreso e ainda mais louco por ela. Olhou para Sakura de soslaio, ela tinha uma expressão arteira em seu rosto e ria com tanta vontade daquela constatação.

— É impossível não cantar junto com a Siouxsie. — Respondeu. — Mas sim, canto um pouco. – Afirmou, rindo novamente logo em seguida.

— Isso pareceu bem mais que um pouco pra mim. — Estava fascinado e completamente louco para ouvir mais a voz bonita de Sakura. Lembrando de um lugar que sempre ouvia Hidan se gabar por levar várias garotas até lá, mas que ele mesmo nunca teve a oportunidade de ir com nenhuma. Ciente de que seria uma boa oportunidade para conhecer, trocou de marcha e virou à esquerda entrando em uma estrada de terra. — Siouxsie. — Repetiu o nome, outra música já havia iniciado e era voz era a mesma vocalista. — É uma banda? — Perguntou curioso, a música que tocava tinha uma batida muito boa e o vocalista se sentiu na obrigação de saber mais sobre.

— Siouxsie And The Banshees é a banda mais perfeita do mundo. — Falou, com uma confiança sem igual. — Essa se chama The Passenger. — Assim que a cidade começou a ser deixada para trás, a garota mudou totalmente a forma quieta que estava sentada no carro e usou as mãos para poder se levantar e apoiar no para-brisa, ficando de pé dentro do carro em movimento.

O vocalista não se importou, deixou que ela fizesse o que queria e ainda sorriu com aquilo. O vento fresco sequer parecia incomoda-la, cabelos bagunçavam ainda mais e Sakura somente ria e cantava partes da música já conhecida por ela.

 All of it was made for you and me
'Cause it just belongs to you and me
So let's take a ride and see what's mine

Singing la la la la la la la la

Uma placa não muito grande e bem escondida foi iluminada pelos faróis do Chevelle, Colina dos Amantes era o que ela dizia. Itachi quis morrer, não fazia ideia de que encontraria aquilo ali e Hidan não tinha falado nada sobre a tal colina e sua finalidade. Certo que, não era ingênuo e sabia exatamente o que o amigo fazia com suas amiguinhas, mas caralho, se soubesse que haveria um letreiro tão insinuativo como aquilo, teria pensado em ir para outro lugar.

— Eu quero muito conhecer. — Como se ela soubesse o que se passava em sua mente perturbada e aparentemente muito culpada, Sakura falou sem nenhum rasto de irritabilidade ou qualquer coisa do tipo. Ela tinha voltado a se sentar no banco e olhava para ele sorrindo, como sempre.

—Tem certeza? — Perguntou só para garantir, talvez tivesse ouvido errado.

— Sim. Eu quero conhecer cada canto dessa cidade com você. — Precisou prender a própria respiração para evitar suspirar feito um idiota, a cada minuto que passava ao lado dela estava mais e mais envolvido e deixando que a garota entrasse em seu coração.

— Posso estar te levando para qualquer lugar, não está com medo?

— Eu tenho anos de aulas de autodefesa e também, spray de pimenta na minha bolsa. — Estava brincando, Itachi viu isso pela forma que ela começou a rir da cara de espanto que não conseguiu esconder e puxa... estava ficando cada vez mais louco.

Sakura não deveria sequer ter ideia do estrago que estava fazendo dentro do peito e da mente de Itachi, só por ser... ela.

Mesmo que os faróis Chevelle auxiliasse a não encararem um total breu, a lua também colaborava iluminando o céu e deixando a noite ainda mais bonita vista pelos dois. Após rodarem por alguns minutos em total silêncio, avistaram Colina dos Amantes.

Era diferente do que imaginou, não tão alta e não via a cidade de onde estavam. Itachi até mesmo pensou que estivessem no lugar errado, mas ao estacionar o carro e manter os faróis acessos, iluminou a única árvore que ali estava, pode ver vários entalhos em seu tronco feitos a mão. Nela estavam iniciais, combinações de muitos e muitos primeiros nomes como forma de declaração de amor, definitivamente estavam no lugar certo.

— Bem, é...

— Diferente. – Itachi completou, permaneciam dentro do carro e ela riu com sua resposta, concordando com a cabeça.

— Muito romântico pra você? — Sakura ajeitou o corpo, tinha virado na direção do vocalista e a perna esquerda agora estava apoiada em cima do banco. Itachi a imitou, limitando-se apenas a direcionar sua atenção total a ela, apoiando o cotovelo no encosto.

— Eu não sei... — Deu de ombros, nunca estivera numa posição como aquela e tudo o que estava sentindo desde que a conheceu também era muito novo.

— Já trouxe alguém aqui antes? — Perguntou de forma direta, estava bem interessada em saber um pouco mais sobre ele.

—Não. Não conhecia esse lugar, também é novidade pra mim. — Responde com sinceridade, observando ela deitar a cabeça no encosto do banco e olhando para si com aqueles olhos bonitos e brilhantes. Os faróis e a lua encarregados de iluminar ambos, deixando o clima ainda mais propositalmente romântico.

— Gostei de saber disso. Eu quero ser dona das suas primeiras vezes. — A sombra de um sorriso travesso apareceu nos lábios dela, Itachi contentou-se em rir.

— Acho que você chegou um pouco tarde para algumas. — Ironizou o vocalista, provocando a garota como nunca tinha feito antes.

— Não importa. — Ela se remexeu no banco, se aproximou de Itachi e inclinou o corpo, ficando perto o suficiente para deixar a respiração do vocalista acelerada. — Eu vou toma-las de você. — Afirmou, sequer importando-se em parecer egoísta. Itachi nunca, em toda a sua vida, pensou que tais palavras o fariam ficar tão excitado.

Ela quem o beijou novamente, igualzinho como havia feito no drive-in. Haviam trocados alguns beijos e todos eles eram completamente viciantes, a cada beijo novo Itachi queria mais. Ela tinha um beijo gostoso, a maneira como movia os lábios contra os seus e o mordia antes de fazer uma pausa era torturante.

Aos se separarem, abriu os olhos encontrando-a o encarando de um jeito tão penetrante e sentia que Sakura poderia até mesmo ouvir cada pensamento seu. Por isso pensou o quanto gostava dos lábios cheinhos e macios, dos olhos pequenos e puxadinhos e com a maquiagem daquela noite os deixavam mais selvagens ainda. E as sardas, caramba, como gostava das sardas que enfeitavam todo o rosto dela, eram perfeitas.

— Não tem ideia do quanto é bonita. — Do quanto consegue o que quiser de mim, completou em pensamento. Sakura sorriu, espremendo levemente os olhos deixando-os em formado de meia lua.

No time perfeito, Every Breath You Take começou a tocar, o que fez Itachi crer que ela tinha feito a mixtape. A mente o levou para o dia do show, enquanto cantava a mesma música do The Police para ela e a forma como a garota curtia aquele momento. Sakura mirou os olhos culpados em si e num movimento muito bem calculado e certeiro, ajeitou-se no colo do vocalista.

 

Sakura cumpriu o que prometeu e roubou naquela madrugada, todas as primeiras vezes de Itachi. 

 


Notas Finais


Lembrando que a fanfic tem uma playlist
https://open.spotify.com/playlist/4LqZ5KnoffYTlRTMGPg8X9?si=PC2v-2JTRgKyZA-vdH0M6A
Resolvi dividir os capítulos em três, primeiro pra não ficar cansativo e também três é um bom número.
até o próximo e último, beijão!

<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...