1. Spirit Fanfics >
  2. Verão Ardente >
  3. Prólogo

História Verão Ardente - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Prólogo


Fanfic / Fanfiction Verão Ardente - Capítulo 1 - Prólogo

 

- Vocês são muito fofos juntos – o namorado de David disse para Emanuel e Gabriela que se abraçavam, os dois olharam entre si e bufaram em um riso, mais uma vez aquilo tinha acontecido, sempre que alguém novo entrava para a sua roda de amigos aquilo acontecia.

- Não – Emanuel disse

- Nós não somos namorados – Grabriela terminou

- Ela queria, mas não – Emanuel brincou, Grabiela olho descontente para ele e deu um soco em seu ombro direito com sua mão livre e toda a mesa onde estavam riu.

- Nós meio que namoramos quando ainda éramos adolescentes, mas não deu certo.

- Por quê? – o mesmo perguntou, e a mesa riu novamente.

- Bem, como eu posso dizer – Emanuel começou.

- Ele corta para o outro time – Gabriela terminou o interrompendo, e todos riram.

- É normal depois que você passa pela Gabriela, de tanto desgosto – Emanuel disse, e Gabriela deu outro soco nele.

- Ninguém que comeu reclamou – ela disse – nem você mês passado – ela disse mais baixo olhando para ele, Emanuel revirou os olhos.

- Se acalma, não é como se aquilo vai acontecer novamente, foi apenas um deslize – ele disse.

- Sim, deus me livre.

- Mano! – Gabriela gritou em reprovação quando o sentiu bater suas costas abruptamente na parede, ela estava abraçada e em cima de Emanuel que a segurava pelas suas costas enquanto tentava achar o caminho de seu quarto no escuro, se atracando com sua amiga e com cada um tentando arrancar a roupa do outro.

Emanuel não podia acreditar que estava ali mais uma vez, depois dele ter jurado de pé junto que não iria cair na tentação de ir para cama de Gabriela mais uma vez, mesmo com tantos anos de amizade depois de um pseudo namoro dos dois na época da escola, foi com Gabriela que Emanuel havia perdido a sua virgindade, ela foi seu primeiro amor, ele a amava tanto que não podia não contar dos pensamentos que rondavam pela sua mente naquela época e que definiria o relacionamento entre os dois completamente.

- Isso não vai acontecer de novo, foi um erro – Emanuel disse.

 

 

- Manu – Gabriela disse chamando pelo seu apelido carinhoso que só ela o chamava – já faz quase oito meses que nós voltamos a transar, e não é como se nunca tivéssemos parado depois que terminamos – Emanuel não gostou de ouvir aquilo, mas ela tinha razão, a relação dos dois era completamente errada, mesmo terminado o seu namoro os dois continuavam se pegando, no começo era apenas por diversão, mas nenhum dos dois podia negar em como gostavam do tempo que passavam juntos.

- Gabi – ele disse levantando seu torso da cama e se apoiando pelos seus cotovelos – não vamos discutir isso okay, não sabendo que daqui a algumas horas não vamos estar nem no mesmo estado.

Ele estava certo, Emanuel e o restando de seus amigos estavam comemorando o estágio que ele tinha conseguido na capital, por intermédio de Gabriela, seu pai era um dos donos de uma empresa de arquitetura, curso que Emanuel tinha acabado de se graduar, mesmo morando longo Gabi era completamente mimada por seu pai, que faria qualquer coisa por ela, até contratar um estagiário sem nem ao menos conhece-lo.

- Sim, eu acho que perdemos nossa oportunidade.

- Sim.

- Bem, então isso foi uma foda de adeus – ela disse – e nada mais – Gabi podia negar o quanto quisesse em voz alta, mas ela não podia negar para si mesma que não queria que Emanuel fosse embora, ela o queria apenas paras ela, de todas as maneiras, mas sabia que aquilo nunca aconteceria, tudo que ela podia aproveitar eram aquelas noite que passavam juntos que não deveriam ter nenhum sentimento mais profundo anexados.

- Eu vou sentir sua falta – Emanuel disse.

- Eu sei eu também – ele pulou em cima dela e os dois se abraçaram, por mais tempo que deveriam.

- Eu também vou sentir falta deles – Emanuel disse apalpando os seios de Gabriela, que riu e deu um tapa em sua bunda em troco.

- E eu dela – ela apalpou a bunda dele e deixou suas mãos lá, ela sentiu o membro de Emanuel se enrijecer no meio de suas pernas – já acordou?

- Sim – ele riu, os dois se olharam mais uma vez.

- Nós já estamos aqui, não é mesmo?

- Sim, mais uma vez não vai matar ninguém.

 

 

- Boa sorte meu amor – Gabriela disse para Emanuel o segurando por uma última vez na plataforma do trem – eu vou sentir tanta a sua falta – seus olhos já lacrimejavam e sua voz começava a falhar, depois de meses planejando a sua viajem ela finalmente tinha chegado, e nenhum dos dois queria se despedir.

- Por que é que você não vem junto comigo, o que te prende a essa cidade?

- Você sabe muito bem – Gabriela disse se referindo a sua família.

- Eu te amo – ele disse.

- Eu te amo mais – ela respondeu, os dois se abraçaram e ficaram daquele jeito, um colado no outro até não poderem mais.

- Quem diria que só nos separaríamos hoje depois de mais uma década.

- Você lembra quando nos conhecemos?

- Sim, como eu ia esquecer, nós... – Gabriela disse, mas foi interrompida quando foi anunciado que o trem de Emanuel partiria em cinco minutos.

- Eu preciso ir – ele disse.

- Sim, você me liga quando chegar?

- Claro – Emanuel disse correndo para tentar entrar a tempo.

Quando ele se sentou em sua poltrona ele deu um grande suspiro, ele olhou para a janela e Gabriela estava lá esperando ele ir embora, eles olharam um para o outro, nenhum dos dois aguentou e começaram a chorar, não de tristeza, mas de felicidade, eles sabiam que mesmo longe um do outro eles nunca iriam se abandonar, quando o trem começou a andar e Gabriela começou a ficar cada vez mais e mais pequena, um sentimento de arrependimento bateu em Emanuel, mas aquilo era normal, ele iria para uma cidade nova, um mundo completamente diferente do que ele estava acostumado, e agora ele não teria o ombro de sua melhor amiga para chorar se algo desse errado.

O celular de Emanuel recebeu uma notificação, era uma mensagem de Gabriela.

"Já estou com saudades"

"Eu também" 

 

 

 

 

- Vocês são muito fofos juntos – o namorado de David disse para Emanuel e Gabriela que se abraçavam, os dois olharam entre si e bufaram em um riso, mais uma vez aquilo tinha acontecido, sempre que alguém novo entrava para a sua roda de amigos aquilo acontecia.

- Não – Emanuel disse

- Nós não somos namorados – Grabriela terminou

- Ela queria, mas não – Emanuel brincou, Grabiela olho descontente para ele e deu um soco em seu ombro direito com sua mão livre e toda a mesa onde estavam riu.

- Nós meio que namoramos quando ainda éramos adolescentes, mas não deu certo.

- Por quê? – o mesmo perguntou, e a mesa riu novamente.

- Bem, como eu posso dizer – Emanuel começou.

- Ele corta para o outro time – Gabriela terminou o interrompendo, e todos riram.

- É normal depois que você passa pela Gabriela, de tanto desgosto – Emanuel disse, e Gabriela deu outro soco nele.

- Ninguém que comeu reclamou – ela disse – nem você mês passado – ela disse mais baixo olhando para ele, Emanuel revirou os olhos.

- Se acalma, não é como se aquilo vai acontecer novamente, foi apenas um deslize – ele disse.

- Sim, deus me livre.

- Mano! – Gabriela gritou em reprovação quando o sentiu bater suas costas abruptamente na parede, ela estava abraçada e em cima de Emanuel que a segurava pelas suas costas enquanto tentava achar o caminho de seu quarto no escuro, se atracando com sua amiga e com cada um tentando arrancar a roupa do outro.

Emanuel não podia acreditar que estava ali mais uma vez, depois dele ter jurado de pé junto que não iria cair na tentação de ir para cama de Gabriela mais uma vez, mesmo com tantos anos de amizade depois de um pseudo namoro dos dois na época da escola, foi com Gabriela que Emanuel havia perdido a sua virgindade, ela foi seu primeiro amor, ele a amava tanto que não podia não contar dos pensamentos que rondavam pela sua mente naquela época e que definiria o relacionamento entre os dois completamente.

- Isso não vai acontecer de novo, foi um erro – Emanuel disse.

 

 

- Manu – Gabriela disse chamando pelo seu apelido carinhoso que só ela o chamava – já faz quase oito meses que nós voltamos a transar, e não é como se nunca tivéssemos parado depois que terminamos – Emanuel não gostou de ouvir aquilo, mas ela tinha razão, a relação dos dois era completamente errada, mesmo terminado o seu namoro os dois continuavam se pegando, no começo era apenas por diversão, mas nenhum dos dois podia negar em como gostavam do tempo que passavam juntos.

- Gabi – ele disse levantando seu torso da cama e se apoiando pelos seus cotovelos – não vamos discutir isso okay, não sabendo que daqui a algumas horas não vamos estar nem no mesmo estado.

Ele estava certo, Emanuel e o restando de seus amigos estavam comemorando o estágio que ele tinha conseguido na capital, por intermédio de Gabriela, seu pai era um dos donos de uma empresa de arquitetura, curso que Emanuel tinha acabado de se graduar, mesmo morando longo Gabi era completamente mimada por seu pai, que faria qualquer coisa por ela, até contratar um estagiário sem nem ao menos conhece-lo.

- Sim, eu acho que perdemos nossa oportunidade.

- Sim.

- Bem, então isso foi uma foda de adeus – ela disse – e nada mais – Gabi podia negar o quanto quisesse em voz alta, mas ela não podia negar para si mesma que não queria que Emanuel fosse embora, ela o queria apenas paras ela, de todas as maneiras, mas sabia que aquilo nunca aconteceria, tudo que ela podia aproveitar eram aquelas noite que passavam juntos que não deveriam ter nenhum sentimento mais profundo anexados.

- Eu vou sentir sua falta – Emanuel disse.

- Eu sei eu também – ele pulou em cima dela e os dois se abraçaram, por mais tempo que deveriam.

- Eu também vou sentir falta deles – Emanuel disse apalpando os seios de Gabriela, que riu e deu um tapa em sua bunda em troco.

- E eu dela – ela apalpou a bunda dele e deixou suas mãos lá, ela sentiu o membro de Emanuel se enrijecer no meio de suas pernas – já acordou?

- Sim – ele riu, os dois se olharam mais uma vez.

- Nós já estamos aqui, não é mesmo?

- Sim, mais uma vez não vai matar ninguém.

 

 

- Boa sorte meu amor – Gabriela disse para Emanuel o segurando por uma última vez na plataforma do trem – eu vou sentir tanta a sua falta – seus olhos já lacrimejavam e sua voz começava a falhar, depois de meses planejando a sua viajem ela finalmente tinha chegado, e nenhum dos dois queria se despedir.

- Por que é que você não vem junto comigo, o que te prende a essa cidade?

- Você sabe muito bem – Gabriela disse se referindo a sua família.

- Eu te amo – ele disse.

- Eu te amo mais – ela respondeu, os dois se abraçaram e ficaram daquele jeito, um colado no outro até não poderem mais.

- Quem diria que só nos separaríamos hoje depois de mais uma década.

- Você lembra quando nos conhecemos?

- Sim, como eu ia esquecer, nós... – Gabriela disse, mas foi interrompida quando foi anunciado que o trem de Emanuel partiria em cinco minutos.

- Eu preciso ir – ele disse.

- Sim, você me liga quando chegar?

- Claro – Emanuel disse correndo para tentar entrar a tempo.

Quando ele se sentou em sua poltrona ele deu um grande suspiro, ele olhou para a janela e Gabriela estava lá esperando ele ir embora, eles olharam um para o outro, nenhum dos dois aguentou e começaram a chorar, não de tristeza, mas de felicidade, eles sabiam que mesmo longe um do outro eles nunca iriam se abandonar, quando o trem começou a andar e Gabriela começou a ficar cada vez mais e mais pequena, um sentimento de arrependimento bateu em Emanuel, mas aquilo era normal, ele iria para uma cidade nova, um mundo completamente diferente do que ele estava acostumado, e agora ele não teria o ombro de sua melhor amiga para chorar se algo desse errado.

O celular de Emanuel recebeu uma notificação, era uma mensagem de Gabriela.

"Já estou com saudades"

"Eu também" 

 

- Vocês são muito fofos juntos – o namorado de David disse para Emanuel e Gabriela que se abraçavam, os dois olharam entre si e bufaram em um riso, mais uma vez aquilo tinha acontecido, sempre que alguém novo entrava para a sua roda de amigos aquilo acontecia.

- Não – Emanuel disse

- Nós não somos namorados – Grabriela terminou

- Ela queria, mas não – Emanuel brincou, Grabiela olho descontente para ele e deu um soco em seu ombro direito com sua mão livre e toda a mesa onde estavam riu.

- Nós meio que namoramos quando ainda éramos adolescentes, mas não deu certo.

- Por quê? – o mesmo perguntou, e a mesa riu novamente.

- Bem, como eu posso dizer – Emanuel começou.

- Ele corta para o outro time – Gabriela terminou o interrompendo, e todos riram.

- É normal depois que você passa pela Gabriela, de tanto desgosto – Emanuel disse, e Gabriela deu outro soco nele.

- Ninguém que comeu reclamou – ela disse – nem você mês passado – ela disse mais baixo olhando para ele, Emanuel revirou os olhos.

- Se acalma, não é como se aquilo vai acontecer novamente, foi apenas um deslize – ele disse.

- Sim, deus me livre.

- Mano! – Gabriela gritou em reprovação quando o sentiu bater suas costas abruptamente na parede, ela estava abraçada e em cima de Emanuel que a segurava pelas suas costas enquanto tentava achar o caminho de seu quarto no escuro, se atracando com sua amiga e com cada um tentando arrancar a roupa do outro.

Emanuel não podia acreditar que estava ali mais uma vez, depois dele ter jurado de pé junto que não iria cair na tentação de ir para cama de Gabriela mais uma vez, mesmo com tantos anos de amizade depois de um pseudo namoro dos dois na época da escola, foi com Gabriela que Emanuel havia perdido a sua virgindade, ela foi seu primeiro amor, ele a amava tanto que não podia não contar dos pensamentos que rondavam pela sua mente naquela época e que definiria o relacionamento entre os dois completamente.

- Isso não vai acontecer de novo, foi um erro – Emanuel disse.

 

 

- Manu – Gabriela disse chamando pelo seu apelido carinhoso que só ela o chamava – já faz quase oito meses que nós voltamos a transar, e não é como se nunca tivéssemos parado depois que terminamos – Emanuel não gostou de ouvir aquilo, mas ela tinha razão, a relação dos dois era completamente errada, mesmo terminado o seu namoro os dois continuavam se pegando, no começo era apenas por diversão, mas nenhum dos dois podia negar em como gostavam do tempo que passavam juntos.

- Gabi – ele disse levantando seu torso da cama e se apoiando pelos seus cotovelos – não vamos discutir isso okay, não sabendo que daqui a algumas horas não vamos estar nem no mesmo estado.

Ele estava certo, Emanuel e o restando de seus amigos estavam comemorando o estágio que ele tinha conseguido na capital, por intermédio de Gabriela, seu pai era um dos donos de uma empresa de arquitetura, curso que Emanuel tinha acabado de se graduar, mesmo morando longo Gabi era completamente mimada por seu pai, que faria qualquer coisa por ela, até contratar um estagiário sem nem ao menos conhece-lo.

- Sim, eu acho que perdemos nossa oportunidade.

- Sim.

- Bem, então isso foi uma foda de adeus – ela disse – e nada mais – Gabi podia negar o quanto quisesse em voz alta, mas ela não podia negar para si mesma que não queria que Emanuel fosse embora, ela o queria apenas paras ela, de todas as maneiras, mas sabia que aquilo nunca aconteceria, tudo que ela podia aproveitar eram aquelas noite que passavam juntos que não deveriam ter nenhum sentimento mais profundo anexados.

- Eu vou sentir sua falta – Emanuel disse.

- Eu sei eu também – ele pulou em cima dela e os dois se abraçaram, por mais tempo que deveriam.

- Eu também vou sentir falta deles – Emanuel disse apalpando os seios de Gabriela, que riu e deu um tapa em sua bunda em troco.

- E eu dela – ela apalpou a bunda dele e deixou suas mãos lá, ela sentiu o membro de Emanuel se enrijecer no meio de suas pernas – já acordou?

- Sim – ele riu, os dois se olharam mais uma vez.

- Nós já estamos aqui, não é mesmo?

- Sim, mais uma vez não vai matar ninguém.

 

 

- Boa sorte meu amor – Gabriela disse para Emanuel o segurando por uma última vez na plataforma do trem – eu vou sentir tanta a sua falta – seus olhos já lacrimejavam e sua voz começava a falhar, depois de meses planejando a sua viajem ela finalmente tinha chegado, e nenhum dos dois queria se despedir.

- Por que é que você não vem junto comigo, o que te prende a essa cidade?

- Você sabe muito bem – Gabriela disse se referindo a sua família.

- Eu te amo – ele disse.

- Eu te amo mais – ela respondeu, os dois se abraçaram e ficaram daquele jeito, um colado no outro até não poderem mais.

- Quem diria que só nos separaríamos hoje depois de mais uma década.

- Você lembra quando nos conhecemos?

- Sim, como eu ia esquecer, nós... – Gabriela disse, mas foi interrompida quando foi anunciado que o trem de Emanuel partiria em cinco minutos.

- Eu preciso ir – ele disse.

- Sim, você me liga quando chegar?

- Claro – Emanuel disse correndo para tentar entrar a tempo.

Quando ele se sentou em sua poltrona ele deu um grande suspiro, ele olhou para a janela e Gabriela estava lá esperando ele ir embora, eles olharam um para o outro, nenhum dos dois aguentou e começaram a chorar, não de tristeza, mas de felicidade, eles sabiam que mesmo longe um do outro eles nunca iriam se abandonar, quando o trem começou a andar e Gabriela começou a ficar cada vez mais e mais pequena, um sentimento de arrependimento bateu em Emanuel, mas aquilo era normal, ele iria para uma cidade nova, um mundo completamente diferente do que ele estava acostumado, e agora ele não teria o ombro de sua melhor amiga para chorar se algo desse errado.

O celular de Emanuel recebeu uma notificação, era uma mensagem de Gabriela.

"Já estou com saudades"

"Eu também" 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...