História Verdadeiro ou Falso? - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 46
Palavras 1.242
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Ficção, Ficção Adolescente, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa Leitura e Boa Sorte :)

Capítulo 1 - Começo e Fim


1 de outubro de 2017

Batem na porta, a diretora abre devagar para não atrapalhar a aula do professor. 

C: Bom dia professor, eu passei para chamar Lua e Serpente á minha sala.
Olho para ele de relance e volto a olhar para coordenadora de forma confusa.

C: Mais tarde Alexandre passa aqui e chama vocês. Obrigado professor.
Depois de um tempo, durante a troca de professores o inspetor chega na sala, que está uma bagunça, e nos chama. Como a sala da coordenadora é perto nós fomos sozinhos. Chegando lá, bati na porta e pedi licença, a coordenadora deixa-nos entrar e nós sentamos cada um num lado extremo do sofá.

C:  Eu chamei vocês dois para fazer um acordo. O governo percebeu que a quantidade adolescentes e jovens está diminuindo e querem mostrar que o amor jovem romântico ainda existe, mesmo entre pessoas que não são muito amigas (que não se gostam).

S:  O que nós temos haver com isso?

C:  Cada colégio do país escolheu um casal entre o oitavo ao terceiro ano médio (científico) para experimentar esse novo contexto de sociedade. Escolheram as pessoas com mais tempo na escola e com algum tipo de relacionamento.
Eu fiquei incomodada, porque eu? Não poderia ser outra pessoa? Serpente tudo bem, ele criou raízes nesta escol, mas por quê eu? Tanta menina por aí. 

L: E por que nós dois?

C: Vocês dois tem um longo tempo na escola e são um bom exemplo de amor e ódio.
Ela apontou para mim e para ele respectivamente, o mesmo revirou os olhos.

S:  É obrigatório fazermos isso? O que ganhamos em troca?

C: Vocês podem se despreocupar com as notas até o final do ano letivo.
Nós já estávamos na reta final, os dois de recuperação e se não passássemos ficaríamos na última prova (final), era uma chance única.

C:  Vocês não precisam realmente namorar, só finjam para que seus colegas e alunos saibam que existe amor "verdadeiro".

S: Como uma coisa é verdadeira se estamos fingindo? 

C: Não conteste a ordem do governo.

S: Esse país só cai mesmo.
Ele coloca as mãos por baixo do óculos esfregando os olhos. Eu não sei porquê, mas me deu uma súbita vontade de rir naquele momento, eu não sei o que era mais engraçado, se era o governo está em decadência e  a boboca aqui "pagar o pato" sendo a rata de laboratório ou tentar por muito tempo me afastar desse infeliz e agora nós termos que namorar para uma futura sociedade feliz.

C: Então vocês topam? -Pergunta a mulher com um sorriso dócil demais.

S: Teríamos que fazer de um jeito ou de outro. 

L: Pensa que é para nota, assim fica menos chato de aceitar.

S: Só pela nota. -Fala suspirando.

L: Mas... Eu quero algo em troca. -Falo mordendo meus lábios rapidamente.

C: Te passar de ano não é o suficiente? -Fala a loira em tom de sarcasmo ajeitando seus óculos e levantando uma de suas sobrancelhas perfeitamente feitas.

L: Não é nada grande.

C: Diga-me, se estiver em meu alcance.

L: Eu quero passe livre para a salinha que fica antes da sala de informática. - Serpente permanecia em silêncio, esperando a resposta da loira oxigenada.  

C: A sala de estudo? Para quê vocês querem-a? - Ele olha para mim entendendo o que eu estava fazendo.

S: Não importa! -Fala num tom meio alto viro-me rapidamente para o mesmo repreendendo-o com o olhar. - Nós vamos estudar, conversar.

L: Tentar se entender. - Completei voltando a olha-lo com mais calma, o mesmo afirma com a cabeça. A coordenadora parece satisfeita com os motivos e também não se importou com a pequena mudança de comportamento do meu querido amigo. 

C: Bom, se ambos estão a favor eu libero.
Sorrio, temos a salinha só para nós. Ela não quer uma coisa convincente? Então faremos o melhor possível, acho que eu comecei a gostar da ideia desse namoro falso, mas ainda continua sendo estranho e problemático. Ela olha para nós, estamos relaxados, ele ajeitou-se confortavelmente no sofá, parecia mais tranquilo. 

C: Ótimo. - Percebo-a um pouco animada, ela pensa que nós seguiremos em frente com esse "projeto", coitada.

L: Agora nós agiremos como namorados né bolinho?
Me aproximo dele e puxo sua bochecha.

S: Cala boca.

L: Meu Bolinho tá bravinho? 
Ele segurou meu braço e tirou de perto dele bruscamente.

L: Aish.

S: Posso ir agora?

C: Subam antes que a professora chegue.

L: Até mais coordenadora, tenha um bom dia.
A coordenadora dá um sorriso e acena como despedida. Saímos, lado a lado, coloco minhas mãos nos bolsos da calça e olho para cima tentando não rir da minha situação.

S: Conseguiu ser inteligente uma vez uma vez na vida.

L: Ooi? -Olho para ele sem acreditar no que estava ouvindo, ele acabou de me elogiar? Isso só pode ser brincadeira. Ele desvia o olhar, parece um pouco envergonhado ou é impressão minha? Deve ser impressão com certeza.

S: Sobre a salinha, boa jogada.
Sorrio olhando para baixo, deixando meu cabelo cacheado (vulgo juba de leão) cair sobre meu rosto para ele não perceber o quanto eu estou feliz por receber um simples elogio, -que nem isso foi - respiro tentando acalmar meus ânimos. Nos aproximamos das escadas e subimos num silêncio profundo, já incomodada decido quebrar o gelo.

L: Como vai ser agora?

S: Hum?

L: Como a gente fica?
Ele fica em silêncio, essa frieza dele me irrita, custa responder? Chego primeiro na sala, ele olha a janela e a professora ainda não tinha chegado, eu entro e ele logo em seguida, Vênus olha para mim curiosa, vejo-o passar direto, ele foi sentar atrás de Suflê de Chuchu perto de Pirulito e Capivara (Capis). 

V: E ai? O que era?

L: Nota.

V: Ué, como é sobre a nota?  Se fosse assim era pra ter me chamado.

L: Ela disse que eu e ele tiramos notas boas o ano todo e caímos agora, queria saber o porquê.

V: Ata, se fodeu.

L: (*Risada*) Retardada.
  A professora entra e todo mundo fica quieto. Depois de um bom tempo de X+Y * 53x+74z o sinal do intervalo toca. O grupo todo vai para "nossa" mesa; Me sento debaixo dela, ele de um lado e Vênus do outro, não deixei Capis sentar junto comigo, eles ficaram um tempo em pé e logo Pirulito chama-a, Rolezeiro também foi conversar com eles. Faço carinho na perna do meu futuro namorado de mentira, vou devagar no inicio e começo  aumentando a força usando a minha unha até a área pélvica vendo um pequeno volume se formar entre suas pernas, ele se se ajeita ficando num lado favorável para que possa tocá-lo sem que ninguém veja, vou aproximando minha mão de sua área sensível, ele abaixa sua mão e puxa a minha para perto do seu membro, antes que eu pudesse começar chamaram-o, tiro minha mão rapidamente e ele teve que sair. Meu coração fica descontrolado, tento comer algo, Vênus não quer dividir a comida dela comigo então acabo comendo apenas uma mão de Doritos, antes que toque vou lavar as mãos.  Chego no banheiro e vejo Capis saindo de umas dos sanitários.

L: Tu não tava com Rolezeiro e Pirulito?

Ca: É, vim mijar, vem beber água comigo.

L: Tu não acabasse de mijar mulher?

Ca: Quando subi Pirulito tava na fila da cantina.

L: Ata.
Lavamos as mãos e descemos na mesa da lanchonete.


Notas Finais


Gente, depois que fiz o capítulo eu percebi que as falas estão com parágrafo e o texto sem o mesmo, quero que me desculpem, mas eu não irei ajeitar kkkkkkkk (preguiça), então os senhores corretores que me desculpem. Minha pequena fic será diferentona. Ah, ainda terá muitas explicações, eles realmente se detestam, isso é só o começo, esperem e verão.
2BJ de purpurina azul com cheirinho de morango. Bons pesadelos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...