História Versos e temperos - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kris Wu
Tags Baekhyun, Baekyeol, Chanbaek, Chanyeol, Jongdae, Kris Wu, Romance, Suchen, Suho
Visualizações 108
Palavras 2.271
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha quem apareceu !!

Essa semana tem atualizaçoes de outras histórias e novo capítulo, sigam aqui meu perfil pra receber notificações.




POR FAVOR LEIAM AS NOTAS FINAIS

Capítulo 6 - Passado e presente


⚠️ AVISO DE GATILHO⚠️

Relacionamento abusivo e violência doméstica.






— Eu matei uma pessoa Baekhyun! - Chanyeol gritou. A informação foi despejada junto de um olhar duro de auto reprovação. Ele estava buscando forças para continuar a conversa.

– Matei um bebê... que estava na barriga do meu noivo...era minha filha... - Todas as palavras saíram embargadas por causa do choro. Baekhyun fez menção de se aproximar, mas ele se afastou. Se fosse consolado tão cedo desmoronaria, havia passado anos tentando com todas as suas forças não pensar naquela noite e tendo a bebida como sua aliada. Agora ele queria se abrir, não para ouvir que não foi o culpado, só gostaria de dizer em voz alta tudo que passou para alguém que realmente estivesse disposto a ouvir.


Ironicamente quem notou os olhos grandes vidrados em Chanyeol durante a aula inteira foi sua paixão platônica de infância. Foi doloroso o modo como Jongdae o incentivou a oferecer ajuda ao garoto da classe que menos possuía afinidade com utensílios de cozinha.

Chanyeol ainda não se sentia confiante o suficiente e estranhou o fato de alguém tão bonito, com traços marcantes e um ar sério estar interessado em si. Mesmo assim não iria negar ajuda a ele.

"Me chamo Kyungsoo" O rapaz disse, logo em seguida xingou uma das frigideiras. Conseguiu arrancar um riso de Chanyeol.

— Você não parece estar muito a vontade com isso.

— Na verdade, eu odeio cozinhar.

Essa conversa foi o início de tudo. Chanyeol vivia em seu mundinho fechado, cego por um amor platônico. Já Kyungsoo, sabia bem o que queria e ele queria Chanyeol.

Na mesma semana que se conheceram, Kyungsoo pediu sua ajuda para aprender uma receita para a próxima aula. Chanyeol era gentil demais para recusar um pedido de ajuda que não lhe custaria nada e um pouco inocente também. Só percebeu que não estava ali para cozinhar coisa nenhuma quando os dois estavam sem roupa atracados no sofá.

Não demorou muito até que os dois começassem um namoro. Os primeiros meses foram os mais felizes da vida dele, acima de tudo por experimentar a tão falada reciprocidade. Se sentia o homem mais sortudo do mundo quando via os olhos redondos de Kyungsoo o admirando de forma apaixonada. E quando Kyungsoo abria o sorriso mais lindo do mundo só para ele, jurava para si mesmo que nunca deixaria que nada de mal lhe acontecesse.

Milhares de vezes Chanyeol tentou descobrir onde tudo começou a dar errado e seu namoro se tornou um pesadelo. Poderia ser em algo na cara como as mudanças bruscas de humor de Kyungsoo, as quais eles se martirizava achando que eram sua culpa. Ou uma coisa mais sutil, como os olhares estranhos de seu namorado com outros homens.

Se esforçava ao máximo para agradar Kyungsoo e tentar resgatar o início bom de seu relacionamento, porém era tudo em vão.

— Por favor me diz o que eu fiz de errado, Soo...

— Você é inteiro errado Park Chanyeol. É patético, ridículo. - Kyungsoo despejava com um sorriso maldoso. — Sua sorte que você tem a mim, porque só eu nesse mundo consigo amar você.

Em vez de se afastar, Chanyeol agarrou-se ainda mais naquela relação fadada ao fracasso. Seus amigos e familiares tentaram alertar-lhe porém, brigou com todos. Os julgou estar torcendo contra a sua felicidade, pois queriam que ele terminasse com Kyungsoo, e em sua cabeça, esta era uma hipótese que jamais poderia existir.

Quando as brigas ficaram piores, já não havia mais ninguém por perto para apartar. Os dois desenvolveram o hábito de beber compulsivamente para suportar a presença um do outro. As discussões foram ficando ainda mais acaloradas até que ficaram agressivas. No começo eles apenas gritavam um com o outro enquanto Kyungsoo atirava nele qualquer objeto que estivesse em sua frente. A essa altura os dois já estavam morando juntos. Assim como o pedido de namoro, essa também foi uma decisão precipitada e sem a opção de recusar. Tudo era de acordo com as vontades de Kyungsoo.

Chanyeol não era burro, ele sabia que estava sendo traído. Seu namorado fazia questão de deixar isso implícito em cada interação dos dois. Parecia fazer parte de um jogo para torturá-lo. Mesmo assim, ele ainda tentava mudar e ser a melhor versão de si mesmo para que Kyungsoo voltasse a ser apaixonado por ele como era quando se conheceram.

— Se você tem tanto ódio de mim, tanto nojo, porque não me deixa? Termina comigo! Por favor, estou te pedindo! Termina comigo Kyungsoo! - Chanyeol gritou. Sabia que sozinho não ia conseguir ir embora. Seria mais fácil se o namorado fizesse. E as vezes era tudo o que queria. Mas doía demais a hipótese de ficar sozinho e ele desabava em um choro compulsivo toda vez que despejava essas palavras. Então Kyungsoo corria e o abraçava.

— Eu não consigo viver sem você seu idiota, eu amo você. Ei... olha pra mim...

Aquele jeito doce... sim... era esse o Kyungsoo que ele amava e queria sempre.

Tudo ficava bem por um tempo e aí acontecia outra vez. Depois disso os dois tiveram uma briga tão feia que os vizinhos chamaram a polícia. Foi na delegacia com os dois fedendo a álcool que ele descobriu que seu namorado estava esperando um bebê. Ele se sentiu o homem mais feliz da face da terra por uns segundos até que esse sentimento foi substituído pela revolta.

— Você estava se deitando com outros e enchendo a porra da cara com meu filho dentro de você!

Toda a delegacia parou para ouvi-los. Chanyeol estava com tanta raiva que terminaria tudo ele mesmo. Mas então, algo acabou com sua coragem. Estava esperando que o outro gritasse com ele de volta, que o batesse e jogasse em sua cara que tudo o que fez foi culpa dele como sempre. No entanto, em sua frente estava apenas um Kyungsoo encolhido chorando baixinho com as mãos cobrindo o rosto. Ficou assustado porque nunca em todo esse tempo o tinha visto chorar. Chanyeol que agora era um homem de expressão séria o tempo inteiro, se aproximou sem demonstrar qualquer remorso e o puxou para um abraço.

— Eu tive medo de te contar, me desculpa amor.

Aquela frase acabou com ele. Abraçou Kyungsoo com mais força e beijou seus cabelos. Os dois combinaram naquela noite esquecer tudo o que aconteceu de ruim. Houve um pedido de casamento. As coisas pareciam que iriam fluir de uma maneira boa, mas depois disso que para eles foi o estopim de tudo.

Na noite em que tudo aconteceu os dois já saíram brigando de dentro de casa. Era ano novo e Kyungsoo não quis passar com a família e amigos de Chanyeol, afinal a antipatia entre eles era mútua. A barriga de Soo já estava mais que evidente, afinal estava com oito meses. Esperava uma menina a qual deram o nome de Mika. Chanyeol nunca desejou e amou algo em sua vida quanto aquela criança. O que sentia por ela ultrapassava tudo e todos. Até o que sentia pelo noivo ficou em segundo plano. Estava puto porque havia descoberto que Kyungsoo bebeu escondido durante toda a gestação esse era o motivo da briga.

Depois de chegarem no bar onde assistiriam a contagem da virada por uma TV, tudo o que aconteceu após isso era um borrão de gritos, traição, muito álcool, uma luz muito forte na direção de seu carro e sangue.

O momento em que recobrou minimamente a consciência naquela noite foi quando viu Kyungsoo ensanguentado ao seu lado.

Não queria se lembrar. Não dessa parte.

Desejou ter morrido naquele segundo. Seu grito de dor e desespero preencheu a noite fria, alguém pedia para que ele ficasse calmo, mas ele estava tremendo. Nenhuma dor física iria se igualar ao que estava sentindo naquele momento.

Ao contrário de sua filha, Kyungsoo sobreviveu, porém desapareceu sem dar notícias.



Chanyeol voltou a realidade quando sentiu as mãos de Baekhyun enxugando as lágrimas quentes que escorriam por seu rosto, ele estava soluçando.

Baekhyun também chorava, podia ver o quanto aquilo era doloroso para o outro. Queria poder tirar dele todos aqueles sentimentos ruins, como poderia se sentir culpado por um acidente tão cruel?

—Eu nunca vou deixar você. - Ouviu Baekhyun sussurrar.

Alguém uma vez lhe disse que tudo na vida acontecia por um motivo.

É claro que achou uma grande bobagem do tipo que dizem apenas para te confortar. “Algumas pessoas estão destinadas a algo tão grandioso que passam por uma grande provação para saber se são merecedoras. ” Ou talvez só tivesse lido em alguma propaganda de alto ajuda.

Com a sensação de tirar um peso dos seus ombros e sabendo que Baekhyun não iria deixá-lo, ele suspirou.

Um suspiro de alivio depois de anos carregando tudo aquilo sem nunca ter contado para alguém em voz alta.

Como um trailer dos últimos meses reviu tudo o que aconteceu até ali, toda sua vida parecia estar resumida ao momento em que entrou naquela livraria.

Percebeu que poderia traduzir a alma de Baekhyun na mais bela melodia, ou em um milhão de sorrisos. Gostava da forma que se sentia infinitamente vivo perto dele e de como cada parte de seu corpo parecia pulsar quando estavam juntos.

Baekhyun agora era um dos motivos de seu sorriso e o melhor de tudo era que isso não havia se tornado uma dependência e sim uma possibilidade a qual ele apenas se permitiu experimentar e viver.

E Baekhyun queria ouvir Chanyeol, mais que isso, queria que fosse ouvido por ele também. Não só as bobagens que dizia, mas também as entrelinhas que sua boca não possuía coragem para dizer.

Queria ser compreendido através da cumplicidade de um olhar. Queria que sua alma fosse decifrada.

Queria que seu corpo fosse descoberto e redescoberto e que a cada dia fosse encontrado algo novo ou apenas algum detalhe que tivesse deixado escapar e que por causa disso fosse feito uma grande festa.

Chanyeol vivia como se a vida tivesse terminado e não houvesse mais beleza no mundo.

Baekhyun chegou para mostrar que ainda tinha muito para viver e ele podia fazer isso por conta própria ao mesmo tempo em que amava e era amado de volta.

***


O dia começou com uma longa discussão saudável e um cheiro de café delicioso na cozinha que era iluminada pelo sol quentinho da manhã.  Chanyeol descobriu que Baekhyun era o cliente metido do restaurante que sempre vivia mudando seus pratos.

– Então quer dizer que além de ficar escrevendo bilhetinhos no tempo vago, o senhor também quer desconstruir pratos de restaurantes alheios? -Ele estava sentado à mesa com os braços cruzados e ar desaprovador.

– Claro que mudei! Eu sou vegetariano sabia? Seu restaurante é praticamente um açougue.

– Que absurdo, Byun Baekhyun. - fingiu-se de ofendido.

– Absurdo?- riu em escárnio. – Te desafio a fazer qualquer coisa sem carne.

– Não devia ter feito isso. Eu sou muito competitivo sabia?

– Sim eu sei. Já percebi.

– Então me aguarde, vou fazer o melhor cardápio vegetariano de toda sua vida. - Falou decidido.

Chanyeol levava a sério toda e qualquer tipo de aposta. Não que aquilo fosse necessariamente uma aposta, mas quando duvidavam dele, ele era infantil o suficiente para cair na pilha.




Nos meses seguintes dedicou-se inteiramente a estudar alimentações alternativas a carne e descobrir novas formas de preparar pratos.

Já era o início de outra estação, passear pela cidade e dar novos significados a lugares que antes lhe remetiam a coisas tristes era uma das coisas que mais gostava de fazer.

Amava observar Baekhyun fazer anotações em seu caderninho, os versos que ele escrevia sobre os dias que tiveram juntos eram sempre divertidos.

O tempo que passavam separados aos poucos foi diminuindo, os dois arrumavam qualquer desculpa para estarem perto um do outro.

Um dia Baekhyun até o chamou para ajuda-lo a dar banho em seu gato e mesmo sabendo que era uma péssima ideia porque provavelmente iria sair de lá fatiado, ele foi. Apenas quando já estava lá com brinquedinhos novos, que comprou para tentar melhorar o humor daquele gato que aparentemente o odiava, que percebeu que era só uma desculpa do mais novo para ele ir até lá. É claro que ficou de cara feia. No entanto estava aliviado por não precisar passar por aquela experiência traumática.

Os finais de semana eram sempre alternados entre a casa dos dois na hora de dormir. Ele já estava arrumando a cama do quarto de hóspedes de sua casa quando Baekhyun lhe disse que não precisaria.

– Por que não? Você vai embora? - Ele já parecia desapontado.

– Não seu bobo, vou dormir com você. No seu quarto.

Aquelas palavras ficaram ecoando na sua cabeça.

– Baek, não é uma boa ideia...

– Yeol, eu andei pensando... e eu quero desistir do meu voto.- Baekhyun falou de uma vez.

A cara do mais velho foi de espanto, esperava por tudo menos isso.

– Como assim... Me explica isso... - Era difícil de acreditar, afinal já tinha se conformado com a ideia.

– Eu amo você. Tenho certeza disso e também tenho certeza que você me ama. Não tem mais motivo.

– Baek, meu amor, você não precisa fazer isso por mim. Eu respeito seu tempo e sua vontade.

– Não é só por sua causa, é por mim mesmo. Eu te amo tanto... é difícil olhar para você toda vez porquê já começo a sentir tantas coisas... eu quero você.

Chanyeol sentiu sua boca ficar seca ao fim da frase de Baekhyun. Ele se aproximou do menor, segurou sua cintura com firmeza e encostou a testa na do outro.

– Você tem certeza? - Perguntou baixinho.

– Toda do mundo. - Baekhyun respondeu


Notas Finais


O que acharam? desculpem os erros, estou escrevendo pelo celular 😟

se quiserem trocar uma ideia no twitter vai ser legal ♡ @tagnyeo


Gente eu vou atualizar amanhã minha outra história em andamento e eu ficaria imensamente feliz se vocês dessem uma chance pra ela porque ela é a minha favorita de todas e é importante pra caralho pra mim

 https://www.spiritfanfiction.com/historia/frenezo-10704757


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...