História Viados Do Futuro - Capítulo 54


Visualizações 13
Palavras 1.236
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Vez do Léo/Macumbeiro :V Esse é o Cap 54 (ou 56 se fosse tudo baseado na matemática do Matheuzin). Eu tive umas ideias mt brisadas, e agr eu vou compartilhar aq com vcs.

Só leiam essa porra e flw :V

Capítulo 54 - Treta exótica no boteco e zoeira de feiticeiro


Um dia depois...

Os viados tinham ido pra um botequinho no céu à noite porque eles não tinham porra nenhuma pra fazer. Aí eu auxiliei a galera pro "boteco" lá. É um boteco do céu numa ruazinha à noite que fica tudo flutuando nas nuvens e no ar mesmo.

No boteco do céu...

Estávamos lá fazendo qualquer coisinha no boteco. Gustavo e Burn estavam jogando sinuca com alienígenas voadores marinhos do Acre (isso mesmo, alienígenas voadores marinhos do Acre). Pablo tava sentado nas cadeiras bebendo uma Cerveja de Edição Especial da Pabllo Vittar. Fernando, Tio Luci, Matheuzin e Urtengo estavam no fundo do boteco dando o cu pra pinguins marinhos do Saara (isso mesmo) e pra variar estavam amarrados na parede com o cu deles girando com uma mira desenhada neles, e os pinguins ficavam tentando acertar flechinhas no centro da mira que no caso é o buraquinho do cu deles. E enquanto isso, eu, Leo, tava ali sentando numa cadeira bebendo a cerveja da melhor qualidade.

— Essa porra aí tá mó chatona... — falo terminando de beber o 37º copo da cerveja.

Aí eu vou lá no balcão do garçom do boteco pra ir tomar mais cerveja, acontece que no exato momento o balcão tá cheio com os machos dali que metem porrada em geral. Aí quando eu chego no balcão, chega junto o maior fortão do boteco, no caso o que mete porrada em geral, e todo mundo tem medo dele porque ele é fortão mesmo.

Aí o fortão simplesmente me vê e fica me olhando nos olhos, aí eu fico encarando ele também, porque eu sou um macumbeiro fodão e não tenho medo nenhum nem mesmo dos Deuses mais fodões (aliás, eu sou o filho de um desses).

— Quem é esse aí, porra? — o fortão fala dando soco na mão (porque já tá querendo bater).

— Eu te falaria se fosse da sua conta! — respondo na sacanagem.

— Eu vou te descer a porra, seu viadinho com cara de múmia do Estado Islâmico! — o fortão responde olhando pra minha aparência que é de macumbeiro árabe.

Aí o fortão vem pra cima me dar um porradão na cara, só que aí eu levanto minha mão que fica brilhando verde e o braço dele também fica brilhando verde e começa à flutuar com telescinese.

— CARALHO MERMÃO, QUE PORRA É ESSA!!?? — o fortão fica com medo.

— Tu mexeu com a pessoa errada, meu parceiro! — respondo e meus olhos ficam brilhando puro verde.

Então daí os dois braços do fortão explodem na hora e ele vira ali caído gritando de dor.

— Ninguém mandou você vir mexer com o macumbeiro fodão das Arábias! — fico flutuando de braços cruzados com olhar sério enquanto fico brilhando verde.

— PUTA QUE PARIU! É O CAPETA!!!!! — geral ali grita.

Então eu começo à fazer minhas macumbas mentalmente sem mover nenhum músculo do meu corpo (continuo flutuando como se não estivesse fazendo nada), então o cu do fortão simplesmente explode em miolos.

— AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAI MEU CUZÃO DE FORTÃO INÚTIL!!!! ESSE MACUMBEIRO FODÃO DAS ARÁBIAS FEZ MACUMBA MENTAL E EXPLODIU MEU CUZÃO DE FORTÃO INÚTIL!!!!! AAAAAAAAAAAAAAI MEU DEUS!!!!! — o fortão fica gritando de dor.

Daí o fortão não resiste e acaba morrendo ali mesmo. Aí então começa uma treta doidona de boteco, geral ali começa à dar porradda um no outro, aí Gustavo e Burn chegam confusos sem saberem de nada.

— CARALHO MEU, QUE PORRA TÁ ACONTECENDO? — Burn pergunta.

— Que treta é essa fi? — Gustavo pergunta em seguida.

— O fortão veio encher meu saco e agora deu nisso aí! — respondo olhando tudo.

Aí eu decido sair metendo porrada na galera toda, aí eu fico brilhando verde e saio na porrada com geral, a galera mete porrada em mim mas não acontece simplesmente nada. Então eu simplesmente invoco uma explosão de macumba ali e todos explodem em milhões de pedacinhos. Aí Urtengo, Matheuzin, Tio Luci e Fernando chegam com o cu todo cheio de flechinhas no cu (já que todo mundo viu o que eles estavam fazendo).

— AH NÃO, TRETA NÃO!!! — Fernando gritando.

— AI NÃO, TRETA NO BOTECO LOGO QUANDO EU TÔ COM AS FLECHINHAS NO CU LINDO!!!! — Urtengo grita.

— AI NÃO, VÃO ME ARROMBAR DE NOVO!!! — Matheuzin grita morrendo de medo.

Aí chegam os fortões alienígenas das zonas desérticas do Acre (é isso mesmo). Aí os fortões alienígenas pegam Fernando, Matheuzin, Tio Luci e Urtengo e então deixam eles ali no cantinho no boteco. Então dois dos fortões alienígenas tiram a calça do Urtengo (que já anda de roupas curtas porque é uma bicha) afundam a mão fechada lá no cu do Urtengo.

— AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAI MEU CU LINDO DE BICHA-RÉPTIL FODIDA!!!! ESSES FORTÕES ALIENÍGENAS DAS ZONAS DESÉRTICAS DO ACRE AFUNDARAM A MÃO FECHADA DANDO SOCO NO MEU CU LINDO DE BICHA-RÉPTIL FODIDA!!!! AAAAAAAAAAAAAAAAAI MEU DEUS!!!! — Urtengo geme de dor.

Aí os fortões do Acre ficam socando infinitas vezes o cu do Urtengo que fica gemendo que nem a bicha de cu lindo fodido que ele é.

— EEEEEEEEEEEEEI, MEU NAMORADINHO!!!! — Matheuzin grita.

Matheuzin tenta defender Urtengo, só que aí um dos fortões do Acre afunda seu braço inteirinho lá no cu do Matheuzin.

— AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAI MEU CU DE SUB-ZERO BOIOLA E INÚTIL!!!! ESSE FORTÃO ALIENÍGENA DAS ZONAS DESÉRTICAS DO ACRE AFUNDOU O BRAÇO NO MEU CU DE SUB-ZERO BOIOLA E INÚTIL!!!! AAAAAAAAAAAAAI MEU DEUS!!!! — Matheuzin grita igual ao Urtengo.

Aí eu resolvo ser amigo e mato os Fortões Alienígenas das zonas Desérticas do Acre de forma aleatória usando uma Macumba Aleatória. Aí eu arrombo a porta que tava trancada por algum motivo usando uma bola verde que no caso é só uma magiazinha aleatória que eu tenho mesmo, e então nós saímos do bar antes que a galera se foda sério com a treta de bar.

Na rua (fora do boteco)...

Aí tá todo mundo salvo da treta no boteco.

— Caralho, eu tava morrendo de medo! — fala Fernando.

— Eu tô com a marca da mão dos fortões alienígenas das zonas desérticas do Acre no meu cu lindo! — Urtengo fala.

— E no meu cu de boiola fraco e inútil! — Matheuzin fala em seguida.

— Só porque eu tava bebendo cervejinha de Vittar! — Pablo reclama.

Aí eu tô de despedida.

— Aí galera, a treta de boteco foi foda, mas agora eu tenho que ir nessa porra aí! — falo — falou! — vou flutuando brilhando verde e vou flutuando pro alto até sumir dali.

— Vou voltar pras Trevas! — Fernando fala, cria um Portal pras Trevas, entra nele e aí o portal se pecha.

— Eu tô indo dar o meu cu! — Urtengo fala andando pra uma direção qualquer só que engatinhando pra trás apontando o cu pra frente (como se sua cabeça ficasse no cu).

— E eu também, seus lindinhos! — Tio Luci fala e anda engatinhando com o cu pra frente junto de Urtengo e Matheuzin.

— Eu também, meus amores! — Matheuzin fala a anda que nem Urtengo na mesma direção dele.

Gustavo e Burn andam normalmente pra uma direção qualquer, e sim, Shaka não quis ir pro boteco com a galera por algum motivo.

No dia seguinte...

Aí eu fiquei no céu junto do meu Pai (que é o Deus da Macumba e da Feitiçaria divina) pra resolver algumas paradas com muita macumba. Fernando ficou lá no Mundo das Trevas fazendo alguma coisa lá. Urtengo, Matheuzin e Tio Luci foram dar o cu numa surubinha qualquer porque viado, bicha, baitola e boiola faz só isso direito mesmo. O resto dos Viados foram qualquer outra coisa aleatória por aí.

Continua...


Notas Finais


E esse aí foi o Cap 56 (considere isso baseando-se na matemática do Matheuzin). Aqui tivemos uma tretinha de boteco, e a minha zoeira de Feiticeiro Macumbeiro das Arábias (coisa lokona).

Foi isso, esperem o Cap 55 do Matheuzin (que na vdd vai ser o 57, seguindo matemática dele). Falou. :V


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...