1. Spirit Fanfics >
  2. Victim of Love >
  3. A Hóspede

História Victim of Love - Capítulo 23


Escrita por: e xNessan


Notas do Autor


Oi gente, quero começar pedindo desculpas pela demora novamente. Nessa não tava em um momento muito bom e eu ando ocupada com o trabalho (e pra piorar, sem internet).

Assim que tudo melhorar a gente volta a postar com mais frequência.

~Gio

Capítulo 23 - A Hóspede


Youngjae nunca dormiu tão bem nesses últimos seis meses. Ele despertou como se ainda estivesse nas nuvens, sentindo-se como um verdadeiro recém nascido. Sentiu o peito quente de Jaebeom contra si e apertou, satisfeito, pois sempre acordava depois do moreno e era mimado como um príncipe herdeiro – que de certa forma era – com café da manhã na cama e diversos beijinhos. Raramente tinha essa visão.

 

Se pôs a admirá-lo. Jaebeom era tão bonito que nem parecia real. Ele tinha os traços finos e elegantes, porém super masculinos, poderia ter sido um modelo ou idol em outra vida. Agora entendia porque as mulheres ficavam enlouquecidas por ele. Custava acreditar que aquele homem era, de fato, um assassino. Falava do mesmo homem que tinha lhe protegido, que arriscou a sua própria vida, e que dizia palavras tão bonitas para si. Jaebeom fora a única pessoa no mundo que o fizera se sentir desse jeito, verdadeiramente amado. Ele podia ser o que fosse, esse feito seria exclusivo dele.

 

— Te amo demais, hyung. – sussurrou, lhe dando um beijinho de esquimó.

 

Acariciou o seu rosto, ficando com preguiça de se levantar, não queria sair dali nunca. Mas queria mimá-lo também, pois Jaebeom sempre lhe fazia o café da manhã para agradá-lo, Youngjae também queria agradar. Sabia que o moreno gostava de kimchi frito com arroz e presunto, bem ao estilo coreano. Será que no Canadá ele tinha comidinhas caseiras coreanas? Será que sentia falta? Youngjae gostava de cozinhar e queria fazer essa surpresinha pra ele...

 

Estava jogando a preguiça fora e saindo debaixo do cobertor, apesar de estar gostoso ali com Jaebeom e o ar condicionado ligado, quando suas coxas esbarraram na virilha dele e reparou a dureza entre as suas pernas.

 

Um sorrisinho diabólico surgiu em seu rosto. Por que não começar a manhã com um presentinho especial?

 

Voltou para debaixo do cobertor, passando as mãos pelo seu abdômen magro e descendo até onde estava a semi ereção. Começou a tocá-lo com movimentos para cima e para baixo, porém cuidadosos, sentindo-o ficar cada vez mais duro. Ouviu um gemido profundo sair da garganta desacordada de Jaebeom.

 

Sorriu novamente, amando aquele som.

 

Se meteu debaixo do edredom, não querendo ficar somente com as suas mãos. Lambeu os lábios e começou umedecendo a glande, descendo até a base. Chupou um pouco as bolas e subiu novamente, começando a chupar a glande, iniciando de forma fraca e então ficando mais forte e rápido, agora no intuito de despertá-lo de vez. Numa ousadia maior, ele engoliu o membro dentro de sua garganta, quase engasgando, mas aguentando o quanto podia antes de tirar e voltar a fazer movimentos mais suaves. Dessa vez ouviu outro gemido de Jaebeom, que tirou o cobertor de sua cabeça, olhando para si com a cara sua cara de sono que para Youngjae era muito sexy.

 

— Bom dia, hyung. – disse antes de dar uma lambida em seu membro.


[⚔️]

 

Foi uma noite tranquila e bem dormida. O calor do corpo de Youngjae o aqueceu por debaixo do cobertor, com um calor que nada tinha a ver com a temperatura ambiente.

 

Havia acordado de madrugada, mas não quis se levantar, voltando a dormir em seguida se aninhando ainda mais ao corpo do menor.

 

Voltou a sentir calor. Não sabia o que era, só se sentia estranho, porém de uma forma boa. O coração batia acelerado e sentiu uma gota de suor escorrer por sua testa. Se mexe preguiçosamente na cama, acordando aos poucos e sentindo alguém mexendo em seu membro. Não sabia se era sonho ou realidade, mas estava gostando e se entregando, gemendo sem o menor pudor. Algo mudou. Algo quente e molhado descia sobre seu membro e se apertou em volta dele, fazendo Jaebeom abrir a boca e soltar um gemido maior ainda, seu membro ficando cada vez mais duro e pulsando cada vez mais forte.

 

Abre o olho devagar e vê o volume debaixo do cobertor. O puxa lentamente, revelando um Youngjae com um sorriso safado no rosto o dando bom dia.

 

ㅡ Bom dia amor. ㅡ Sorri de volta enquanto acaricia a bochecha de Youngjae.

 

Puxa o menor pelo braço e o faz se sentar sobre seu membro duro. O beija de forma lenta, apertando sua cintura. Desce os beijos pelo maxilar até chegar ao seu pescoço, se ocupando da pele branquinha do local.

 

ㅡ Você é um demônio. ㅡ Sussurra em seu ouvido. ㅡ E eu amo isso. ㅡ Solta um sorriso rouco.

 

Joga o rapaz na cama, pairando por cima dele e o beijando intensamente. Suas mãos descem por todo seu corpo, alisando, apertando, batendo. Desce diversos beijos por seu abdômen, até chegar ao seu membro, o chupando vagarosamente desde a base até a glande, se demorando com a língua nessa região, a mais sensível. Suga com cuidado, observando que agora a glande estava ficando cada vez mais vermelha e, juntamente com os gemidos de Youngjae, levavam Jaebeom à loucura.

 

Queria levar isso adiante, mas não podia ceder ao costume. Quem estava mandando dessa vez era Youngjae, então deveria deixar que o mesmo conduzisse segundo sua própria vontade. Se senta no colchão, apoiando as costas na cabeceira da cama e chamando Youngjae com o dedo.

 

ㅡ Hoje é você quem comanda, baby. ㅡ Solta um sorriso malicioso enquanto Youngjae engatinha em sua direção. ㅡ Eu sou todo seu.


[🌹]

 

O corpo de Youngjae, que estava ainda dormente, agora estava definitivamente desperto com as carícias de Jaebeom. Ele não conseguiu gemer baixo quando o moreno passou a chupá-lo assim como ele fez com o mais velho, e assim o seu plano de sedução foi por água abaixo pois estava se sentindo totalmente à mercê do maior. Era tão facilmente dominado por ele, chegava a ser ridículo.

 

Mas Jaebeom parou de fazê-lo, o deixando frustrado, e voltando a se deitar na cama, os braços flexionados atrás da cabeça, ressaltando os seus músculos. Aquilo só o deixava mais excitado.

 

Youngjae engatinhou novamente em sua direção, os olhos fixos no seu olhar felino enquanto ele o chamava com os dedos. Ele parou quando já estava em cima dele, chupando os seus dedos para provocá-lo de novo e sentando-se bem em cima de sua virilha.

 

— Agora que você acabou com meus planos de fazer um agradinho só pra você? – ele fez um bico falso.

 

Rebolou bem em cima de seu colo, arrancando um gemido em conjunto de ambas as partes. Ele fechou os olhos e jogou o pescoço para trás, já desejando tê-lo dentro de si novamente em um maravilhoso sexo matinal, mas iria dar ao seu agradado o benefício da escolha.

 

— Me diga, Jaebomie, o que prefere...? Que eu continue o que eu estava fazendo ou...? – ele pegou uma das mãos do mais velho e trouxe à sua cintura, rebolando em cima de seu pau mais uma vez logo em seguida – Será que eu poderia participar também? Você que escolhe, quero te mimar hoje. – e dizendo isso, ele se inclinou para depositar um beijo leve em seus lábios e novamente se afastou, para lhe sorrir com falsa inocência.


[⚔️]

 

Sorri. Youngjae não parava de surpreendê-lo e isso fazia com que Jaebeom o amasse mais e mais. Segura a cintura do menor com força e esfrega seu membro contra sua entrada, movimentando o quadril lentamente, rebolando. Ver Youngjae jogar a cabeça para trás e gemendo de tesão fez o pau de Jaebeom pulsar e ele quase perdeu a linha ali mesmo. Puxa Youngjae para um beijo lento, para acalmá-lo novamente.

 

ㅡ Eu pretendia fazer com você mais tarde, mas parece que não conseguiremos nos segurar. ㅡ O dedo indicador agora passeava pelo abdômen de Youngjae com leveza, arrancando alguns arfares do rapaz. ㅡ Queria lhe dar alguns presentinhos. ㅡ Vê o menor arregalar os olhos. ㅡ Mas agora você vai ficar na curiosidade.

 

Abre um sorriso malicioso, jogando Youngjae de costas para o colchão e rapidamente subindo, beijando seu pescoço, mordendo, lambendo enquanto suas mãos apertavam a cintura de Youngjae e subiam para o seu mamilo.

 

ㅡ Agora você me diz. Você quer agora sem presentinho ou outro dia com os presentinhos?

 

Vê o menor ofegar abaixo de si, o olhando confuso. Esfrega seu membro contra a entrada do mesmo, arrancando um gemido de sua boca e Youngjae aparenta estar mais confuso. Sorri maliciosamente e continua esfregando o membro lentamente.

 

 ㅡ Não consegue responder, amor? ㅡ Gargalha da tentativa do menor de responder algo. Deixa um chupão do outro lado de seu pescoço, para combinar com o que estava arroxeando. ㅡ Você quer que eu te foda, amor? ㅡ Dá algumas mordidinhas no lóbulo da orelha, recebendo um leve aceno de cabeça confirmando. ㅡ Então a foda com os presentinhos fica pra outro dia. ㅡ Sussurra em seu ouvido.

 

Leva dois de seus dedos a sua própria boca e os chupa, encarando Youngjae e tateia ao redor de sua entrada, massageando. Ao sentir a entrada relaxar mais um pouco, Jaebeom enfia os dois dedos e começa a movimentá-los, alternando entre movimentos lentos e movimentos rápidos. Observa que o membro do menor pulsava e Jaebeom coloca todo o membro em sua boca, chupando desde a base até a glande de forma bem lenta, o provocando. Se mantém no mesmo ritmo, brincando com a língua e seus dedos até que ele sente o corpo do outro estremecer e seus olhos virarem, denunciando que o mesmo estava perto de um orgasmo. Para aos poucos o que estava fazendo, deixando que ele relaxasse e se controlasse.

 

Enquanto o menor estava recuperando o fôlego na cama, Jaebeom passeia pelo quarto, procurando pelo cinto. Não é porque eles não tinham os brinquedos que ele não poderia improvisar. Pega o que precisava e retorna para perto de Youngjae, que agora o olhava com curiosidade.

 

ㅡ Confia em mim? ㅡ Recebe uma resposta positiva. ㅡ Então fecha os olhos.

 

Youngjae faz o que lhe é pedido e Jaebeom dobra o cinto, o acertando com força na perna, recebendo um gemido alto como resposta. Bate na outra coxa e enquanto Youngjae gemia e se remexia na cama, Jaebeom passeava com a mão em seu abdômen. O vira de costas e passa levemente o cinto pela linha da coluna até chegar a nuca, retornando até chegar nas nádegas, onde Jaebeom desfere mais um golpe com o cinto. Se inclina por sobre o corpo do menor e começa a deixar leves chupões em seus ombros, descendo aos poucos e alternando os lados, até chegar bem na base da coluna. Desce mais um pouco a língua, passando na parte interna de sua nádega, mas sem chegar a encostar em sua entrada. Se levanta e aperta sua bunda com força, batendo com o cinto mais umas duas vezes depois. Youngjae permanecia de olhos fechados, apesar de Jaebeom não o ter ordenado isso. O vira de barriga para cima novamente e passa o cinto pelo pescoço de Youngjae, se certificando de que não o machucaria ou o enforcaria. Deposita alguns beijos por todo seu corpo até chegar a sua entrada novamente, onde faz diversos movimentos circulares, a umedecendo.

 

Sem mais demoras, Jaebeom se enfia em Youngjae, movimentando seu quadril de forma lenta, tirando todo o membro e o colocando inteiro diversas vezes, parando com o membro em seu interior, sentindo-o pulsar contra o ponto sensível de Youngjae, que agora gemia roucamente. Com uma mão, segurava em uma de suas coxas, as apertando e com a outra, o puxa pelo cinto, apertando um pouco o pescoço com força o suficiente para dar prazer e não para machucá-lo. Aumenta a velocidade e a força das estocadas, fechando os olhos para sentir melhor o interior de Youngjae. Se inclina novamente sobre o corpo do menor, agora diminuindo as estocadas, rebolando enquanto beija sua boca.

 

ㅡ Geme pra mim, gatinho. ㅡ Sussurra em seu ouvido.

[🌹]

Youngjae vibra com os golpes de cinto. Havia sentido falta disso, apesar do sexo suave de ontem ter lhe agradado tanto quanto não podia negar que sentia muita falta desse lado de Jaebeom. Ele sempre sabia como surpreendê-lo e Youngjae gostava. Ninguém que olhasse para a sua carinha de rapaz certinho acreditaria que ele curtia esse tipo de coisa, mas ali estava ele, gemendo alto com cada golpe de cinto que Jaebeom lhe dava em suas coxas, esperando mesmo que ficasse marcas do que o seu amante fizera consigo nesse dia.

 

Ele passou o cinto pelo seu pescoço, que foi uma novidade, ele gemeu baixinho, ansioso, enquanto Jaebeom o penetra nessa sensação inédita de ter o pescoço imobilizado e controlado por Jaebeom enquanto ele o fodia. Não era ruim, muito pelo contrário, sentia que iria gozar muito rápido dessa forma. Era excitante demais para ele aguentar.

 

— Jaebeomie, você é tão gostoso... – ele gemeu, buscando os seus ombros para arranhar. O membro do mais velho escorregava dentro de si, alcançando às vezes a sua próstata, o deixando todo se tremendo e ansioso.

 

Jaebeom puxa o cinto e para a sua respiração por um momento. É rápido e logo ele volta a respirar, lhe dando um sorriso malicioso e arranhando com ainda mais vigor as suas costas. Eles se beijam de forma bagunçada, sem parar o ritmo em momento algum, totalmente extasiados, embora Jaebeom quebre o beijo para segurar com força em sua cintura e começar a meter com mais força.

 

Ele ouve um telefone começar a tocar. Era o de Jaebeom. A atenção do moreno é rapidamente desviada para o aparelho no móvel de cabeceira, parecendo incomodado com o contato da ligação, e Youngjae fica injuriado que ele tenha desviado a atenção de si um segundo sequer. Agarra os cabelos longos de sua nuca, forçando-o a olhar novamente para ele.

 

— Foque em mim. – disse olhando no fundo de seus olhos, antes de morder o seu lábio inferior – Esqueça tudo.

 

Empurrou o seu peito para que Jaebeom pudesse se afastar. Não tirou o cinto do pescoço, gostou do acessório, mas queria ficar por cima como uma punição pela distração de Jaebeom. Trocou de posição com o maior e voltou a sentar, recebendo-o dentro dele. Se ajeitou um pouco antes, dando o cinto novamente na mão de Jaebeom, como se dissesse que ele ainda podia controlá-lo, mas passou a movimentar os seus quadris, sentando em seu membro e gemendo enquanto o fazia.

 

— Não se distraia. – disse enquanto via o telefone tocar de novo.


[⚔️]

 

Estava se deleitando das expressões impuras de Youngjae quando seu telefone toca. Olha rapidamente para a tela para ver se era Mark, pois caso fosse ele, precisaria atender. Era Abbie, mas não devia ser nada tão importante. Volta sua atenção para Youngjae, porém o telefone toca novamente. Fica incomodado por medo de ter acontecido algo, mas antes que pudesse pensar, sente seus cabelos serem puxados e uma ordem vinda de Youngjae, o que o tira completamente do sério. Se sente ser empurrado pelos ombros para se deitar e Youngjae se sentando em seu membro, lhe dando mais uma ordem. O telefone toca mais uma vez, porém Jaebeom não estava mais prestando atenção por conta da irritação que o gesto de Youngjae lhe causara. Agarrou a sua cintura e o jogou de costas no colchão novamente, se retirando dentro dele em seguida. Seu semblante havia mudado, estava bem mais sério do que antes. Apertou um pouco mais o cinto no pescoço de Youngjae, imobilizando completamente o mesmo. Segue até o closet de Youngjae e pega algumas blusas e gravatas, voltando com as mesmas nas mãos.

 

Observa o olhar arregalado de Youngjae em seu rosto, sem saber o que aconteceria a seguir e Jaebeom simplesmente o vira de costas e amarra suas mãos atrás do próprio com toda a força que possuía. O vira de frente e o puxa pelo cinto, o fazendo se levantar apenas com a força de seu braço e o encostando na parede.

 

ㅡ Quem você acha que é pra mandar em mim quando isso não lhe foi permitido? ㅡ A voz de Jaebeom saiu grave, quase num rosnado, mas ainda sim com um leve traço de sorriso. Começa a pressionar Youngjae na parede com o próprio corpo, em seguida levando a mão até o pescoço do mesmo e pressionando levemente. ㅡ Você só vai tomar a rédea de algo quando eu permitir, estamos entendidos? ㅡ O menor apenas confirma com a cabeça. ㅡ Que bom que estamos entendidos.

 

Dito isso, Jaebeom larga Youngjae em cima da cama e amarra seus pés da mesma forma que os pulsos, com as blusas. Passa a gravata pela boca de Youngjae, limitando sua capacidade de emitir sons. Ouve o telefone tocar novamente e se levanta, deixando o rapaz imobilizado na cama. Caminha até o telefone e olha novamente o visor. Era Abbie.

 

ㅡ Agora você vai esperar eu atender a ligação. ㅡ Se dirige a cozinha e atende a ligação. ㅡ Alô, Abbie?

 

ㅡ Oi amor, como você está? Acabei de chegar na Coréia, está ocupado? Pode me buscar? ㅡ Ela responde com a mesma voz alegre de sempre.

 

ㅡ Estou ocupado agora sim, mas me passa o endereço de seu hotel, pra eu poder te buscar mais tarde. ㅡ Esfrega as têmporas.

 

ㅡ É que eu não reservei nenhum hotel... ㅡ Ela fala sem graça, com uma voz manhosa. ㅡ Porque eu esperava que ficássemos juntos na sua casa.

 

ㅡ Abbie, eu não posso te buscar agora e nós precisamos conversar sobre algo que não conseguimos conversar antes de eu sair do Canadá. ㅡ Olha no relógio. ㅡ Daqui a mais ou menos uma hora e meia eu devo chegar por aí.

 

ㅡ Eu... Te irritei? ㅡ Sua voz soava receosa e Jaebeom percebe que ela não era o alvo de sua irritação. ㅡ Desculpa, eu não quis...

 

ㅡ Não é isso, não foi você, desculpa. ㅡ Respira fundo. ㅡ Você não tem culpa de nada. Eu vou te buscar, só não vai ser agora, porque eu moro longe do aeroporto também.

 

ㅡ Okay, vou inventar algo para fazer por aqui e você me avisa, tá bom? ㅡ Ela torna a sorrir e Jaebeom respira. ㅡ Até mais tarde, beijo.

 

ㅡ Beijos.

 

Desliga o telefone e retorna até onde Youngjae estava deitado e amarrado. Começa a desamarrar ele devagar, o vendo abrir e fechar os pulsos e mexer os pés para a circulação voltar. Ele inicia alguma frase e Jaebeom o corta.

 

ㅡ Se arruma, tenho que buscar a Abbie no aeroporto e eu não posso te deixar sozinho. ㅡ Diz pura e simplesmente. Ouve uma objeção de Youngjae e Jaebeom o cortando mais uma vez. ㅡ Essa é a sua primeira parte da punição, não vamos terminar o que começamos. ㅡ Segue para o banheiro social e se tranca no mesmo.

 

Toma um banho quente, para aliviar a tensão muscular. Os arranhões de Youngjae ardiam em seus ombros, mas ignorou por enquanto a dor. Após o banho, se dirige até o quarto e veste sua roupa de trabalho novamente, se mantendo impecável, não aparentando que havia transado na noite anterior e que estava transando há pouco. Volta a sala e não vê mais Youngjae lá. Sobe até o seu quarto e o ouve tomar banho. Bate a porta algumas vezes até que ele responde para entrar. Jaebeom abre um pouco a porta, o suficiente para sua voz ser ouvida claramente. Se vira de costas, pois não queria ver Youngjae pelado novamente, senão ele não seria capaz de cumprir o que acabou de dizer.

 

ㅡ Eu vou te esperar na sala, por favor não demore. ㅡ Bate a porta e se dirige ao cômodo citado.

 

[⚔]

 

Youngjae não demorou muito a aparecer, obviamente de mau humor pelo o que aconteceu. Jaebeom nada diz e os dois seguem para o carro. Antes de entrar, confere se as armas estavam com ele e senta no banco do carona, dando partida no carro.

 

Não estava mais com raiva de Youngjae, pelo contrário. Estava se divertindo com a irritação do menor, porém não podia sair da sua posição de dom. Se mantinha com a expressão carrancuda que sempre fazia quando estava com raiva, trincando o maxilar quase sempre, as mãos no volante se apertando, evidenciando mais ainda as veias saltadas que possuía, que de alguma forma combinavam com o seu Rolex prata no pulso (palavras do próprio Youngjae).

 

Chegaram no aeroporto cerca de uma hora depois e ao longe Jaebeom avista uma figura ruiva se aproximando do carro. Sai, dando a volta e pegando sua mala, enquanto ela o abraçava pelo pescoço.

 

ㅡ Que saudades eu senti de você, seu cabelo está ótimo. ㅡ Ela passa a mão cuidadosamente no coque de Jaebeom e estala um beijo em seu pescoço. É quando vê o chupão. ㅡ O que é isso, Min Ho? ㅡ Arqueia a sobrancelha.

 

ㅡ Então, antes de mais nada, eu queria te dizer que namorar com você foi ótimo. Você é uma ótima pessoa, de verdade, merece alguém melhor do que eu. ㅡ Beija sua bochecha. ㅡ Desculpa não ter conseguido fazer isso antes de sair do Canadá e eu reconheço que eu fui um canalha por ter feito isso. ㅡ Aponta para o chupão. ㅡ Eu devia ter aberto o jogo com você há mais tempo.

 

Abbie segue um tempo encarando Jaebeom, pensando sobre tudo o que ele dissera. Seu semblante era sério, Jaebeom poderia até dizer que ela estava planejando bater nele ali mesmo, até que Youngjae sai do carro, impondo sua presença e Abbie vê as marcas no pescoço dele, a compreensão passando em seu rosto no mesmo instante.

 

ㅡ Aaaah, então você é gay? ㅡ Um sorriso novamente se abre em seu rosto. ㅡ Por quê não me contou isso antes? Estou chateada por não ter me contado antes. ㅡ Se vira para Youngjae. ㅡ Prazer, meu nome é Abbie, namorad-, não, agora ex-namorada do Min Ho. ㅡ Ela estende a mão para Youngjae apertar, que a ignora completamente.

 


[🌹]

 

Podia dizer que Youngjae ficou bem irritado por Jaebeom prendê-lo com as gravatas de seda e deixá-lo imóvel na cama para atender o telefone justamente quando ele pediu para não fazê-lo, ficando ainda mais indignado quando o ouviu falando com a tal da Abbie. Quis socá-lo, se não estivesse sem se mexer, é claro.

 

Passou o caminho inteiro com os braços cruzados no banco do carona e uma careta nos lábios. Estava bravo com Jaebeom sim. Não queria esse tipo de punição! Poxa, acordou só querendo agradar o seu amorzinho e foi tratado assim, nem tinha conseguido gozar. Talvez parte de sua frustração venha disso, principalmente vendo as veias saltadas das mãos de Jaebeom no volante e seu maxilar travado, lembrando o quanto o moreno era sexy e quanto ele estava sexualmente frustrado. Que saco! Queria estapeá-lo e depois sentar nele, quem sabe.

 

Chegaram no aeroporto e seu rosto se contorceu quando viu a tal da Abbie surgir, acenando para eles. Ela era bonita, e ruiva, tinha que ser. Youngjae quase explodiu de raiva, pensar que Jaebeom ficou mais tempo com aquela mulher do que consigo.

 

Ela falou algo sobre Jaebeom ser gay, Youngjae sabia que Jaebeom era panssexual mas na sua cabeça queria ter coragem de agir como aquelas pessoas más e dizer "sim, ele é gay! Ele me fodeu das formas mais absurdas que você nem imagina, sua vadia puta! E ele é meu!" Mas não tinha coragem e nem iria agir dessa forma infantil.

 

Ou quase, pois se fez de desentendido.

 

— Sorry. I not engrish. – ele disse com um sorriso falsamente inocente e Jaebeom lhe lançou um olhar irritado. Ele sabia muito bem que Youngjae entendia inglês, teve uma infância com educação rígida e não teria conseguido entrar em uma das melhores faculdades de direito do país se não soubesse inglês.

 

Ele sai andando para comprar um café no Starbucks, já que não conseguiu comer antes de sair. Não se importou em comprar para Jaebeom, já que ainda estava chateado, porém quando voltou se deparou com Jaebeom cheio de conversinha demais com Abbie, o que não contribuiu em nada para o seu mau humor.

 

— Vamos? – perguntou em coreano, com um bico nos lábios.

 

Reparou que o telefone de Jaebeom começou a tocar e tentou espichar os olhos para ver quem ligava, mas Jaebeom era sempre rápido e discreto, e não conseguiu ver o contato. Bufou, mordendo o seu canudo.


[⚔️]

 

Sabia que Youngjae se faria de difícil, porém não imaginava que seria tanto. Respirou fundo algumas vezes quando ele se fez de desentendido, fingindo que não sabia inglês. Porém uma ideia passou como um borrão em sua mente. Seria diabólica? Seria. Porém já que Youngjae estava afim de irritar ele, Jaebeom também o irritaria (mais).

 

O telefone toca. É Mark. Obviamente ele tinha visto no GPS que estavam no aeroporto. Atende o telefone.

 

ㅡ Por quê o GPS está me dizendo que o celular do Youngjae está no aeroporto? ㅡ A voz soava irritada e podia-se ouvir o barulho de roupas sendo vestidas e logo depois chaves balançando.

 

ㅡ Viemos buscar uma amiga minha e já voltaremos, não foi nada demais. ㅡ Jaebeom diz ríspido até demais. ㅡ Ele estará em casa em duas horas mais ou menos.

 

ㅡ Você deveria ter me avisado com antecedência, para mandar mais seguranças, você sabe como está a situação! ㅡ O tom de voz aumentou mais e ouve um barulho de porta se fechando. ㅡ Vou buscá-lo agora!

 

ㅡ Não precisa. Como eu disse, ele estará são e salvo em casa em duas horas. ㅡ Desliga a ligação e se vira para Youngjae. ㅡ Me empresta o seu celular por alguns instantes? ㅡ Pede com um sorriso no rosto.

 

Youngjae entrega, um tanto receoso e Jaebeom pega o celular, desligando-o em seguida.

 

ㅡ Ele vai ter que aprender a confiar em mim de uma forma ou de outra. ㅡ Entrega o celular na mão de Youngjae. ㅡ Não o ligue.

 

Abbie observava tudo e Jaebeom sabia que ela teria milhões de perguntas mais tarde. Como Jaebeom explicaria que estava trabalhando de guarda costas de um cara que não era o seu irmão, como tinha dito antes de sair do país? Devia ter pensado em uma desculpa melhor.

 

Youngjae entra no carro e Jaebeom ajuda Abbie com a mala. Ela se senta no banco da frente com Jaebeom e os dois vão o caminho todo conversando e sorrindo, contando as novidades sobre esses dias que estiveram separados. Ela confessa que acabou o traindo e ele simplesmente sorri, pois basicamente ele fez a mesma coisa com ela, gerando inúmeras piadas com chifres que obviamente Youngjae não achou graça alguma. Pelo menos Jaebeom achava que não, já que a risada do rapaz era escandalosa e ele não havia ouvido nada até então.

 

Não se demoram para chegar a casa de Jaebeom, que acomoda Abbie em seu apartamento, apresentando todos os cômodos, falando sobre a gata e explicando que vez ou outra Bambam e Yugyeom entravam em seu apartamento, mas que os avisaria que tinha visita, para que ela tivesse privacidade. Conversam mais um pouco enquanto Jaebeom a ajuda com as malas, as levando para o quarto de visitas.

 

Quando olha o celular, vê inúmeras ligações de Mark, mas se limita a mandar uma mensagem dizendo que estavam na casa dele agora e que já iriam para a de Youngjae.

 

O rapaz os esperava na sala e Jaebeom não se demora muito para voltar. Youngjae rapidamente se levanta quando vê Jaebeom pegando as chaves, porém Abbie aparece correndo e abraça Jaebeom por trás.

 

ㅡ Obrigada por tudo. ㅡ Ela diz com um sorriso.

 

Jaebeom então sente a mão da garota deslizar por seu abdômen até seu peitoral, onde ela trilha um caminho com dois de seus dedos.

 

ㅡ Vai voltar mais tarde? Quero sair e não conheço ninguém. ㅡ Agora suas mãos estavam nos ombros de Jaebeom.

 

Ela então o empurra contra a parede, aninhando seu corpo ao dele e beijando seu pescoço.

 

ㅡ Talvez você tenha dado uma punição muito leve a Youngjae por ter tentado te dominar mais cedo, não é? ㅡ Sua língua passa vagarosamente pelo pescoço e Jaebeom e ele solta um gemido fingido.


[🌹] 

 

Youngjae olhou a cena com um aperto em seu coração. Ainda estava se sentindo extremamente inseguro com relação à Jaebeom e essa namorada que ele teve no Canadá, principalmente com ela na Coreia agora. Por mais que Abbie tenha dito que também o traiu era impossível de ignorar um relacionamento de seis meses, ainda mais com eles estando próximos. E eles tinham química, Youngjae podia ver. Mais uma vez lhe abateu aquela culpa, de saber que Jaebeom estaria muito melhor em outro país, que poderia até ter tido a oportunidade de ter uma família lá. Burro, por que voltou por mim então?

 

Aquela típica sensação de pânico lhe acometeu a garganta. Não queria parecer o bebê chorão que foi acusado por Yugyeom, por isso deu as costas para Jaebeom, ignorando a cena, precisava respirar e se acalmar, tentar pôr na cabeça que estava tudo bem. Saiu pela porta da sala e bateu, talvez fosse um pouco de pirraça, mas não conseguiu controlar no momento.

 

Decidiu que esperaria por Jaebeom do lado de fora, próximo ao carro, saiu do portão da casa e esperou na rua, onde tentava controlar a  tremedeira das mãos e limpou uma breve lágrima dos olhos. Estava medicado, não iria entrar em pânico. Ele estava bem, tudo estava bem...

 

Um carro preto parou ao seu lado. Franziu o cenho, achando suspeito, mas antes que pudesse se afastar a porta se abriu e um homem mascarado o agarrou, o puxando para dentro do carro.

 

— ME SOLT‐ – só conseguiu gritar isso antes de ter a sua boca coberta por um pano e ser impedido de gritar.

 

Merda, merda, merda. Havia sido apanhado! Tentou lutar contra o homem com o mínimo de defesa pessoal que aprendeu com Mark, conseguindo atingir o queixo dele, que urrou de antes dele conseguir imobilizá-lo completamente. O motorista gritou algo em chinês e enquanto o outro estava distraído, Youngjae apanhou seu celular e ligou, iria tentar ligar ou mandar uma mensagem para Jaebeom ou Mark.

 

O outro homem voltou a atacá-lo, dessa vez conseguindo levar o pano com cheiro forte ao rosto de Youngjae. Mesmo lutando dessa vez, o garoto não resistiu.

 

Ele cai, desacordado.


Notas Finais


Já tô me preparando pra sessão de xingamentos ao Jaebeom. Hahaha


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...