História Vida de Agente (Romanogers) - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Os Vingadores (The Avengers)
Personagens Anthony "Tony" Stark, Clint Barton (Gavião Arqueiro), Laura Barton, Natasha Romanoff, Nick Fury, Pepper Potts, Steve Rogers
Tags Captasha, Osvingadores, Romanogers
Visualizações 96
Palavras 2.487
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Literatura Feminina, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 18 - Capítulo 18


Fanfic / Fanfiction Vida de Agente (Romanogers) - Capítulo 18 - Capítulo 18

Narrador Pov

Em uma cidade ao sul da Espanha, a neve castigava uma pequena cidade. Poucos eram os habitantes que se atreviam a andar pelas ruas à noite, num frio abaixo de zero.

Uma mulher coberta dos pés a cabeça andava pelas ruas, tentando ao máximo passar por despercebida entre os habitantes.

- Juro que eu vou congelar nesse frio - reclamava Natasha na comunicação presa ao seu casaco - Que frio!

- Não reclame Natasha - respondia Hill - Você que teve a brilhante idéia de averiguar a cidade, ninguém aqui sabe se misturar tão bem no meio da multidão quanto você.

- Se eu soubesse que iria congelar meus cabelos teria ficado de boca calada - resmungava Natasha.

Fazia bem uns 5 dias que tinham chegado a cidade atrás de derrubar o quartel da Hydra, mas, nada parecia tão fácil. O lugar era praticamente uma fortaleza, guardado por tudo e por todos. Depois de muitas discussões entre eles, surgiu a idéia de tentar ir à cidade atrás de informações ou de alguém de dentro do quartel, para tentar burlar a segurança.

Claro que a pessoa perfeita para isso seria Natasha, quem melhor para se misturar no meio do povo que a Viúva Negra em pessoa. Mas, não foi nada fácil convencer Steve da idéia. Ele estava relutante em deixá-la sair no meio da neve a uma cidade desconhecida por eles, correndo perigo de ser pega em seu disfarce.

Depois de muito bate boca, ele aceitou, contrariado, mas, aceitou. Ele não poderia fazer nada, ele era fácil de ser reconhecido, não poderia ir à cidade, além do que não sabia falar espanhol muito bem, seria arriscado demais, então era apenas Natasha com Hill como sua ajudante.

- Vamos Natasha - dizia Hill - Se você não fizer nada, vamos agüentar uma hora de sermão do Capitão, e eu não estou a fim de matar o nosso líder.

- Sim, pequena pupila - brincava Natasha - Vou entrar num bar bastante movimentado a meu ver aqui. Qualquer coisa eu digo a vocês.

Natasha entrou no bar como quem não quer nada, sentou-se no banco perto do bar, enquanto pedia uma vodca analisava as pessoas ao redor, grande parte eram homens, mulheres havia bem poucas, a maioria a fim de ganhar um trocado a noite dormindo com alguém. Era um bar precário, tipo aqueles de fim de rua, que só dava gente bêbada e valentões.

Olhou entre muitos procurando algum alvo provável para um agente da Hydra, quando viu um homem encostado no fim do bar, parecia bem frio pelo modo que sentava e encarava as pessoas, tinha um grupo ao redor dele, mas, que logo dissipou com um aceno que ele deu. Algumas mulheres tentaram a sorte, mas, ele negou todas, e pelo visto foi nada agradável. 

Então seus olhos se encontraram e Natasha engoliu seco, tudo que viu naquele olhar era puro gelo, mais gelado que qualquer iceberg no mundo, parecia que nada o abalava nesse mundo, mas, algum interesse surgiu em seu olhar ao encontrar o dela, e ele até lhe deu um sorriso torto e levantou o copo como brinde.

Antes que ela antecipasse seus movimentos, o homem levantou-se da cadeira e veio em direção a ela.

- Olá, Belissima - disse num gracejo - O que uma bela dama faz aqui sozinha nesse fim de mundo?

- Apenas passeando - disse Natasha se recuperando do susto - Estou na casa de parentes. Só que você sabe, são todos chatos, dormem cedo. Resolvi dá uma volta para ver se conheço alguém mais interessante nessa cidade - disse piscando.

- Acho que você encontrou a salvação, princesa - respondeu o estranho.

- Como você tem tanta certeza? - perguntou Natasha bebendo a vodca do copo.

- Por que posso levar você a lugares que você nem imagina - disse analisando-a - Aliás, meu nome é Alexei. E o seu?- disse estendendo a mão direita.

- Natalie - respondeu Natasha estendendo a dela, que ele pegou num aperto e beijou.

- Um lindo nome para uma bella dama - disse Alexei.

Dentro do esconderijo.

Steve não estava gostando disso, absolutamente nada disso. Ele estava uma mistura de raiva e ciúme ao mesmo tempo. Sabia que teriam que conhecer alguém para entrar na base, mas, isso não significava que sua esposa teria que dar em cima de um desconhecido. Isso fazia seu sangue ferver.

Ele estava a todo custo tentando esconder seu desconforto, porém, a cada palavra trocada por Alexei e Natasha, a vontade de socar a cara do outro era grande. Maldita hora que concordou nessa história de manter o relacionamento longe da missão, e deixar Natasha sair sozinha na cidade.

Os agentes ao redor dele, não falavam nada. Na realidade, não teriam nada para falar para um alguém que estivesse vendo sua esposa flertar com um estranho, mesmo que seja apenas um disfarce. E ninguém queria contrariar o Capitão América e sair machucado.

Depois de um longo tempo Natasha terminou a conversa e despediu-se de Alexei prometendo encontrá-lo por aí, dando uma desculpa que seus parentes poderiam estar preocupados com ela na rua sozinha, altas horas da noite. Depois de mais ou menos meia hora ela voltou para o esconderijo.

- Nossa essa cidade está um verdadeiro picolé - disse Natasha entrando na sala de comando - Você iria dá muito certo lá fora - disse brincando, ignorando o olhar frio que Steve lhe lançava.

Steve não falou nada e nem deu sinal de ter percebido sua presença, o que Natasha achou bem estranho, tinha idéia, não era burra, que ele não iria gostar de vê-la flertar com outros homens, mas, às vezes isso era preciso para conseguir êxito na missão.

Ela também não está feliz de como procedeu dentro do bar, afinal era uma mulher casada e muito bem casada, não iria trocar o casamento por uma aventura qualquer. Era apenas por conta da missão, se teria que flertar com um homem estranho para obter informação, ela iria fazer apenas isso. Ela tinha seus limites quanto ao contato físico com possíveis alvos, e Alexei era um alvo muito bom para deixar de lado.

Ela resolveu ignorar, por hora, a atitude de Steve e foi relatar aos outros seu ponto de vista com relação a Alexei e sobre quase ter certeza que ele era da Hydra. Enquanto discursava Steve saiu da sala sem dar uma palavra.

O clima ficou tenso e todos olharam para Natasha que estava num dilema, se ia até o marido para conversar ou lhe dar um pé na bunda. Afinal, eles combinaram que iria deixar o seu relacionamento em Nova York, fora da missão, para não ocorrer cenas como essa. Não era como se Natasha fosse dormir com o primeiro homem que se mostrasse ser um alvo, longe disso, só que momentos drásticos pedem medidas drásticas, ela não deixaria de conversar com um homem só por que Steve teria um ataque de ciúme e estragaria a missão.

Vendo que não teria outro caminho a não ser ir falar com Steve, Natasha suspirou e foi atrás do seu marido teimoso.

Procurou por vários cantos do lugar, até encontrá-lo na parte externa, numa espécie de terraço que dava vista para a floresta, onde possivelmente abrigava o quartel da Hydra. Acalmou seus nervos e seus pensamentos, e foi até Steve, ficando ao lado dele.

De início ele ignorou sua presença, fingindo admirar a paisagem, mas, Natasha bem o conhecia e sabia que era apenas um jogo para ele reunir seus pensamentos antes que dissesse alguma coisa que iria machucar a ambos.

- Eu sei que é apenas uma missão, e que temos que fazer o possível para dar certo - começou Steve - Mas, não me peça para ficar sentado e quieto vendo você dar em cima de qualquer homem, isso eu não consigo - desabafou.    

- Não estou pedindo e nem mandando que você faça nada, Steve - disse Natasha - Acho que estaria na mesma situação que você, caso precisasse flertar com outra mulher. Não é uma situação agradável, mas, às vezes temos que tomar decisões drásticas.

- Natasha, pedimos que você fosse a cidade atrás de informações e não flertar abertamente com um estranho - disse Steve - Há uma diferença muito significante nisso.

- Eu sei, Steve! - disse Natasha suspirando - Acredite não fiz isso de propósito.

- Pois para mim, pareceu bem natural - rebateu Steve - Diga-me você sempre faz isso em suas missões?

- Bem, eu...

- Alguma vez você me traiu para salvar uma missão? - perguntou Steve.

- Você acha o que? - perguntou Natasha contrariada - Que sou uma qualquer que faria tudo por uma informação ou missão?

- Bem, se a carapuça serviu - rebateu Steve.

Natasha respirou bem fundo, bem umas 100 vezes antes que desse uma bela bofetada na cara do marido, pois ele merecia, porém, não iria adiantar de nada, só iria agravar mais a situação e eles não poderiam trabalhar com essa tensão entre eles.

- Quando você parar de ser tão idiota, poderemos discutir - disse Natasha virando-se e saindo dali.

Steve viu a hora de levar uma bela de uma bofetada, mas, não veio, sabia no fundo que merecia uma pelo modo que falou com sua esposa. Ela mais do que ninguém tinha mostrado que seus votos de casamento eram sagrados, e que não era uma mulher que se levaria pela emoção, só faz apenas seu trabalho, e se era preciso flertar com alguém, era para obter alguma informação e não por que gostava daquilo. A realidade caiu como peso na sua consciência e ele teve vontade de chutar sua própria bunda.

- Ela nunca traiu você, Rogers - dizia Hill entrando no lugar.

- Agente Hill - começou Steve.

- Cale-se e deixe-me falar - disse Hill de modo grosseiro - Natasha pode ser tudo no mundo, mas, ela nunca iria trair sua confiança e nem seus votos de casamento por conta de uma missão. Já a vi em algumas enrascadas por dar razão aos votos e não a missão, e ela saiu com maestria. Fury está esperando um relatório do que estamos falando, e se eu contar o que está acontecendo aqui, com certeza iria mandar um dos dois de volta para a Shield e acredite que você não irá gostar de falar com Fury sobre suas razões de desviar da missão - disse séria.

- Não mesmo - disse Steve num suspiro - Vou tentar arrumar essa bagunça. Peço desculpas pela minha atitude.

- Acredite, Capitão, não é a mim que você que tem que pedir desculpas - disse Hill antes de sair, deixando Steve sozinho.

Steve pensou alguns minutos e foi atrás de Natasha. Demorou algum tempo para encontrá-la, pois quando ela queria se esconder era quase impossível achá-la, mas, ela estava no dormitório feminino. Ele quase desistiu de entrar, por que ia contra os seus princípios, mas, sua esposa vinha antes de tudo, então sem cerimônia entrou no quarto. Para sua sorte, apenas Natasha estava no recinto, deitada na cama, com o rosto virado para parede. Steve foi até lá, e sentou-se ao seu lado.

- Já é a segunda vez que brigamos por causa dessa missão - confessou Natasha antes que ele falasse alguma coisa - Isso não é saudável para nós e nem para o nosso relacionamento.

- Agora entendo porque você pediu tanto que deixássemos nosso relacionamento em Nova York - confessou Steve - Sei que não é desculpa para o modo como agir alguns minutos atrás, mas, eu estava apenas sendo idiota, e isso não é algo que me orgulhe.

- Acho que Fury nos mandou aqui para nos testar, além da missão ser difícil - disse Natasha ficando sentada - Steve estou cansada de girar e brigar no mesmo assunto, isso não só arrisca a missão, como nosso casamento. Irei falar com Fury e eu vou pedir pra voltar pra casa - disse fazendo menção de levantar-se.

- Não - diz Steve impedindo-a de sair dali - Fury me mataria antes que eu chegasse à Shield se souber disso.

- Então o que faremos? - perguntou Natasha frustrada - Sei que você não gosta, mas, Alexei é o sujeito mais próximo que eu achei possível ser agente da Shield ou algo a mais. Não sei por que, mas, ele transmite um ódio sobre humano, como se nada o atingisse. Eu tenho que entrar em contato ainda com ele pra podermos entrar naquela fortaleza.

-Fazemos o seguinte - disse Steve suspirando - Quando você estiver... flertando com ele eu sairei da sala.

- Steve...

- Não Natasha! Por mais que eu lute, não consigo ver minha esposa dar em cima de alguém, nem que seja apenas um disfarce, sério - diz Steve sincero -Será melhor eu não escutar, de qualquer jeito Agente Hill estará na escuta e passará os dados logo depois. Faça o que tem que fazer, mas, volte pra mim, por favor - diz num suplicio.

- Sempre - diz Natasha sorrindo para ele e beijando-o na bochecha.

Na sala de comando...

- Não sei como ele agüenta - dizia um agente - Tipo se fosse eu já tinha dado um belo chute na bunda. Mulher minha nenhuma daria em cima de outro homem, nem que seja por disfarce.

- Kevin, cala-te - dizia outro agente - Se o capitão escutar você falar assim você ganhará uma passagem de volta pra Shield, direto pras mãos do Fury.

- Ah que se dane - dizia o tal Kevin - Estou pouco me lixando para isso. Tenho medo dos Rogers não. Na verdade tenho uma coisa a dizer sobre aquela mulherzinha dele que é...

Antes que ele terminasse a fala, foi arrancado da cadeira por um Steve muito furioso, que o prendeu na parede próxima, segurando sua garganta.

- O que você queria falar, agente? - gritava enquanto outros agentes ficavam entre apartar a briga ou ficarem quietos.

- Nada capitão, eu só - tentava dizer Kevin tentando se libertar.

- Escute aqui - dizia Steve - Você pode dizer o que quiser sobre minha pessoa, eu não dou à mínima, mas, se atingir a minha esposa, teremos sérios problemas. Estamos entendidos? - disse ameaçador.

- Sim, Capitão - dizia Kevin.

- Perfeito - disse Steve soltando-o - Agora quero respeito com a sua superior no comando, e mais alguma gracinha dessa, vou ter uma conversinha pessoalmente com Fury, e acredite ele não irá gostar nada de saber os seus comentários quanto a Viúva Negra.

Kevin se recompôs e levantou-se, fugindo o mais longe do Capitão que o olhava ainda desconfiado e com muita raiva. Foi quando sentiu alguém tocar-lhe no braço.

Ele virou e Natasha estava ao seu lado sorrindo.

- Algum problema, ou eu vou ter que intervir nessa briga de homens - disse brincando.

- Tudo sobre controle - disse Steve retribuindo o sorriso.


Notas Finais


Um pouquinho de tensão que essa missão promete!

Acreditem esse Alexei vai dar trabalho!!

Espero que tenham gostado!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...