História Vidas Passadas - Long - fic - Jackson Wang - Capítulo 11


Escrita por: e anny_toddyn

Postado
Categorias Got7
Personagens Jackson
Tags Got7, Jackson Wang, Kpop
Visualizações 60
Palavras 1.053
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura 💞

Capítulo 11 - Confuso


Fanfic / Fanfiction Vidas Passadas - Long - fic - Jackson Wang - Capítulo 11 - Confuso

No capítulo anterior

Jackson acariciava minhas mãos com seus polegares, o mesmo me olhava umedecendo seus lábios.

- Fala alguma coisa S/n, pelo menos me diz se você me perdoa ou não. - Chegou mais perto.

Algo me dizia para que o beijasse, então, assim fiz, beijei seus lábios macios, Jackson pareceu surpreso com a minha atitude, mas logo senti suas mãos abraçando minha cintura.

Para nós o tempo parou totalmente, parecia que só existia nós dois naquele lugar, já senti esse beijo, o toque também, a sensação de que já vivemos juntos é incrível.

Continuando

A falta de ar desfez o beijo, nos olhamos com intensidade.

- Essa será a última vez que nos vemos, preciso voltar para a Tailândia. - Falei me distanciando.

- Como assim voltar pra Tailândia?

- Meus pais precisam de mim, tenho que cuidar da minha mãe.

- E nunca mais vai voltar?

- Não sei, não posso prometer nada.

- Então, esse é o nosso primeiro e último beijo?

- Sime não, talvez seja o primeiro de muitos.

Essa foi a última coisa que falei para ele antes de sumir de sua vista.

S/n Of

Jackson On

Acordei no dia seguinte com uma baita dor de cabeça, meu primeiro pensamento do dia foi a S/n, e o nosso beijo.

E que beijo, foi o melhor beijo da minha vida, ainda sinto o gosto de seus lábios macios.

(...)

Minha mãe disse que durante esse tempo todo ela que ajudou a S/n, também me falou que deixou a mesma no aeroporto, e que S/n já deve está na Tailândia.

- Ela é a mulher da minha vida, tenho certeza disso.

- Também acho que ela é a mulher da sua vida, você merece alguém que te ame de verdade.

- Me ame? A S/n nem sequer me disse eu te amo, apenas nos beijamos, e nada mais, isso para mim é difícil de entender.

- Apenas dê tempo ao tempo, quem sabe ela não volta, ou você poderia ir até ela.

- Isso é um conselho dona Sophia? Quer mesmo que seu precioso filho vá para a Tailândia, e corra o risco de nunca mais voltar? - Sorri.

- Nunca mais voltar? Que história é essa Jackson? Não diga mais isso.

- Desculpa mãe, mas faço o que for preciso para ficar do lado dela, mesmo correndo o risco de escutar um " Não amo você ", estou muito confuso, e isso foi ideia sua, então daqui a alguns meses irei para a Tailândia. - Sorri.

- Eu e minha boca grande, tudo bem, você já é maior de idade, e estou torcendo por vocês dois. - Me abraçou.

Jackson Of

S/n On

Me sinto vazia, como se algo estivesse faltando em mim, mas não sei o quê, estou assim desde que peguei o vôo, penso no Jackson a todo instante, meus olhos se enchem de lágrimas ao lembrar do beijo que tivemos, acho que vou sentir falta do senhor Wang, e será bastante.

Já estou em casa com meus pais, minha mãe ainda se recupera da cirurgia, meu pai conseguiu um emprego, e isso é ótimo, também vou procurar algo para mim, e será hoje! Não posso perder tempo.

(...)

Estou na casa de um amigo, Bambam é seu nome, o mesmo me ajuda bastante, e as vezes é um pouco inconveniente, Bambam me arruma encontros a cegas, e posso dizer que eles não são ótimos.

- Como foi na China? - Perguntou o mesmo sentando ao meu lado.

- Bom e ruim, você acredita que fui presa injustamente?

- Sério? Que absurdo! E como você saiu?

- Bom... Digamos que eu tinha um anjo da guarda, ela se chama Sophia, me ajudou bastante.

- Nossa, conheceu alguém? - Sorriu malicioso.

- Sim, conheci um homem incrível, encantador, bonito, e que possivelmente me ama. - Sorri fraco.

- E você também o ama? Nem precisa falar, seus olhos já dizem tudo.

- Não sei se o que sinto é amor, me senti magoada por ele ter achado que eu o tentei roubar, ele não acreditou em mim, a namorada dele que agora é ex, provocou tudo, eu a odeio.

- Imagino como você deve ter ficado arrasada, bom... Você já encontrou um emprego?

- Não, ainda estou procurando.

- Não procure mais, meu tio está precisando de uma garçonete na lanchonete dele, e pensei em você.

- Bambam, como posso te agradecer? Você é um máximo. - Abraçei o mesmo.

(...)

Com esse emprego tudo fica mais fácil, ele surgiu em uma ótima hora. Começo a trabalhar amanhã.

- Essa notícia é ótima S/n. - Disse minha mãe sorrindo.

- E muito, vou poder ajudar vocês agora. - Sorri.

- Seu pai vai ficar muito feliz em saber disso.

- Sim, até por que ele não vai precisar ficar trabalhando sozinho.

Conversamos muito, contei para ela sobre o Jackson, a mesma me aconselhou a ligar para ele, mas não dei ouvidos para o que ela disse.

De repente escutamos um barulho de porta sendo fechada com muita força, logo depois ouvimos a voz do meu pai, o mesmo falava coisa com coisa, aparentemente ele estava bêbado.

- Pai? Você bebeu? - Me aproximei do mesmo.

- Não preciso de ajuda, sei o que estou fazendo, saía do meu caminho. - Me empurrou.

- Pai, o que está fazendo? Você nunca bebeu antes, onde está o dinheiro do seu trabalho?

- O dinheiro? Gastei, não posso?

- Você gastou? Estamos cheios de contas para pagar, e você gastou tudo?

- Fica quieta, você por acaso está ajudando em algo? Por acaso está trabalhando? Não! Você não faz nada nessa casa, Então S/n, você não pode opinar nos assuntos financeiros dessa casa, sua v.....

- Não ouse terminar a sua frase, ninguém me chama de vagabunda, você pode ser meu pai, mas não permito que me trate assim, minha mãe não merece ser casada com um homem que nem você, arroganteverbalme! E se continuar desse jeito, vou embora, e ainda levo minha mãe comigo. - Encarei o mesmo que apenas olhava para o chão.

Vou para o meu quarto, e penso na atitude do meu pai, a bebida o deixou fora de sí, mas mesmo assim me sinto mau, ele nunca agiu dessa forma, ele iria me chamar de vagabunda, isso está doendo tanto.



Notas Finais


Espero que tenham gostado 💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...