1. Spirit Fanfics >
  2. Videogames e Morenas Baixinhas. >
  3. 7 Minutos no Paraíso.

História Videogames e Morenas Baixinhas. - Capítulo 9


Escrita por: kjnfeels

Notas do Autor


Quem é vivo sempre aparece. Perdão pela demora para atualizar. Agora, finalmente aqui está um capítulo novo.

Capítulo 9 - 7 Minutos no Paraíso.


Uma semana e meia depois do "relacionamento" de Jisoo e Jungkook ter desandado, Chaeyoung se sentia pisando em ovos.

Quando finalmente conseguiu falar com Jisoo, se surpreendeu com a garota a abraçando chorando copiosamente enquanto desabafava. Após uma longa conversa onde a morena explicou seus motivos, e pela primeira vez expôs seu medo a respeito de um relacionamento alegando que não queria acabar igual o casamento de seus pais, a Park compreendeu seu lado, embora ainda não achasse tão justa a escolha que a mais velha fez.

Já Jungkook parecia ter superado, no entanto, ele era seu melhor amigo e ela o conhecia bem suficiente para saber que aquela fachada de durão era só por fora. E como previsto, os três não se sentavam mais juntos no intervalo como antigamente ou se encontravam, o que estava dando uma dor de cabeça tamanha para Chaeyoung. Jennie tentava lhe acalmar, e na maioria das vezes tinha sucesso, mas em outras só conseguia uma loira frustada com os amigos revezando o dia e horário de ir em sua casa para não darem de cara um com o outro. 

Esse último acontecimento também acabava frustando a Kim, já que depois que as aulas acabavam, ela esperava ficar a sós com a namorada, só que era quase impossível fazer mais do que trocar uns beijos, pois, Jisoo ou Jungkook iam até a residência dos Park's.

— Espero que com essa festa eu possa aproveitar com você um pouco – disse Jennie, enquanto servia um prato de Kimbimbap para Chaeyoung.

— Sinto muito que não tenhamos conseguido ficar a sós por muito tempo depois da escola essa semana. Toda essa situação me deixa sem saber o que fazer – a mais alta se desculpou, tirando os óculos do rosto.

— Não precisa se desculpar, amor. Eles são seus melhores amigos, e embora a situação seja uma merda, eu admiro muito você, porque você não escolheu um lado para ficar e tenta ajudar os dois da melhor maneira que pode. – Chaeyoung sorriu quando Jennie beijou sua bochecha.

— Já te disse que você é a menina mais incrível desse mundo?

— Acho que sim, mas não me lembro. Talvez você precise refrescar a minha memória. – Cautelosamente, a morena se sentou em seu colo.

— Pois é, você é a menina mais incrível, linda, perfeita e maravilhosa desse mundo.

— Estamos em um impasse aqui, porque você também é tudo isso – proferiu, sorrindo grandemente. Chaeyoung suspirou com o sorriso diante de si e não resistiu em morder a bochecha protuberante da Kim. — Ai! Rosie! – Jennie choramingou.

A Park riu e beijou o local que mordeu. Seus olhos analisaram as bebidas no balcão da cozinha, e um suspiro tenso fora emitido de seu corpo. Jennie notou sua expressão receosa.

— Espero que Jisoo e Jungkook não se matem hoje a noite – acenou na direção das garrafas.

— Não se preocupa com isso. Haverá mais gente aqui, inclusive meu irmão que está louco para te conhecer. Vamos apenas aproveitar, ok? – A loira acenou. — Agora coma o almoço que te fiz antes que esfrie.

Ela levou em consideração as palavras de Jennie, afinal de contas, a situação entre seus melhores amigos iria se estabilizar razoavelmente mais cedo ou tarde. Era apenas uma "festa" íntima, talvez não precisasse se preocupar, até porque ela tinha suas próprias preocupações e objetivos. 

Pedir Jennie em namoro não tinha sido esquecido por si mesma. 

                                      ***

Chaeyoung se amaldiçoou por ter confiado em sua intuição de que tudo correria bem. Naquela noite quando voltou para a casa de Jennie acompanhada de Jungkook, quem os recebeu foi um homem alto de cabelos cinzas e físico forte. Enquanto Jungkook o analisava curiosamente e com uma expressão interrogativa, Chaeyoung engoliu em seco, o reconhecendo como o irmão de Jennie. Ele era muito alto e bastante intimidador. 

— É... Hmm... Oi – ela se surpreendeu quando conseguiu falar alguma coisa. — Jennie está?

— Sim. O que vocês são dela? – inquiriu ele, cruzando os braços e estufando o peito. 

— Amigo e namorada – Jungkook respondeu, quase causando um desmaio em si. 

— Namorada da minha irmã, é? – o rapaz alisou o queixo. — Suponho que você seja a loira alta, tímida e adorável que Jennie vive falando enquanto suspira de amores. – Chaeyoung corou ao ouvir aquilo e Jungkook prendeu o riso. — Quais são suas intenções com minha irmã? Se você estiver brincando com ela, eu vou-

— Namjoon! Pare de assustá-la – para seu alívio, Jennie surgiu por trás do rapaz, o empurrando da entrada. — Rosie! Olá, Jungkook – ela acenou para ele. — Acho que você já conheceu meu irmão. Namjoon, essa é Park Chaeyoung, minha namorada. Rosie, esse é meu irmão, Kim Namjoon.

— É um prazer conhecer você, Sr. Kim. 

Namjoon riu alto e Jennie mordeu o lábio para prender o riso.

— Sem formalidades, por favor. Eu não sou tão velho assim. Me chame apenas de Namjoon. – Ele estendeu a mão, a qual ela apertou meio relutante. — Você parece inofensiva e é mesmo adorável, gostei de você.

— E esse é Jungkook, nosso amigo – Jennie puxou o rapaz pelo braço.

Namjoon e ele deram um toque de mão como forma de cumprimento. Chaeyoung sentiu uma onda de calor passar por seu corpo quando analisou Jennie melhor. Ela usava um vestido que ia até o meio de suas coxas estampado por minúsculas margaridas. Seu cabelo estava preso em um coque e o resto dos fios caía por seus ombros, assim como sua franja quase tampando os olhos. Ela se lembrou da morena comentando que provavelmente a tiraria na semana seguinte. 

Chaeyoung notou que provavelmente a menina já havia bebido, pois seus lábios tinham um leve gosto de coquetel depois de lhe dar um selinho. Ao adentrarem, elas pôde ouvir melhor a música que tocava ao fundo. Na sala, Sehun estava sentado no sofá com um copo vermelho em mãos, ele acenou para Chaeyoung que o cumprimentou de volta. 

— Vamos pegar algo para vocês beberem. 

Jennie os levou até a ampla cozinha. Chaeyoung ficou tensa ao notar Jisoo conversando animadamente com Lisa e Joohyun ao mesmo tempo que segurava um copo em mãos. Ela estava visivelmente alterada enquanto parecia totalmente agraciada com o braço de Manoban em volta de seus ombros. Ela olhou de esguelha para Jungkook, e ficou aliviada quando ele não segurou por muito tempo seu olhar nas garotas.

— Vou lá pra sala, conversar com Sehun e Namjoon.

— Certo. Qualquer coisa, estarei aqui. 

Seus olhos o seguiram até ele sumir no corredor. Chaeyoung voltou sua atenção para Jennie, que preparava uma bebida num copo. Ela se aproximou da morena, a abraçando por trás. 

— Oi, linda. Tá fazendo o quê?

Jennie deu uma risadinha.

— Preparando um coquetel pra você.

— Nunca bebi. 

— Sério?

— É sério.

— Fico feliz que todas as suas 'primeira vez' estejam sendo comigo – Jennie sussurrou maliciosamente, empurrando seu quadril contra a frente de Chaeyoung.

— Jennie...

— Por favor, vocês duas, sem demonstração de afeto. Me sinto carente por estar solteira – a voz de Lisa fez Chaeyoung se afastar assustada. 

Jisoo a notou também e correu para si, pegando-a de surpresa ao abraçá-la com força. Parecia fazer anos que não se viam, mesmo a Kim tendo ido na sua casa quinta-feira. 

— Chaeyougie – Jisoo fez uma voz fina, o que só comprovou seu estado de embriaguez.

— Olá, Jisoo.

— Tudo bem, Kim, preciso da minha namorada de volta, não aproveitei com ela o suficiente – Jennie a puxou em sua direção.

Chaeyoung sentiu suas orelhas esquentarem de vergonha. Jisoo só emitiu um som de zombaria, Lisa e Joohyun riram. Ela pegou o copo que a namorada entregou a si e tomou um grande gole, sentindo o álcool queimar sua garganta mesmo com o sabor doce do coquetel.

— Tá na hora de animar isso aqui. Vamos jogar algo familiar e divertido – Joohyun piscou para Jennie, e pegando uma garrafa vazia, seguiu para a sala.

Jennie deu de ombros e a puxou na direção do cômodo. Jungkook, Sehun e Namjoon pararam de conversar para ouvirem o que Irene tinha a dizer. Era uma cena engraçada de assistir: os três ouvindo atentamente, quase encantados com a elegância da Bae. 

— O que estamos jogando? 

— Verdade ou Desafio.

Chaeyoung não teve um bom pressentimento a respeito daquela escolha. Tomando mais um grande gole da bebida, ela sentiu sua cabeça pesar um pouco, o álcool já começando a fazer efeito. Se amaldiçoou por ser fraca para bebidas. Todos se sentaram no chão da sala. Jennie sentou do outro lado na sua frente, deduzindo que gostaria de ter a oportunidade da garrafa cair entre elas.

Joohyun começou girando. O objeto esverdeado girou até parar entre Sehun e Lisa. 

— Verdade ou desafio? – o rapaz inquiriu, sorrindo maliciosamente.

— Verdade.

— Você e Jackson deram um tempo porque ele não era bom de cama? 

Os demais presentes vaiaram enquanto a tailandesa corou furiosamente. Ela revirou os olhos, soltando uma risada sem graça.

— Não. Não foi por esse motivo.

Sem dar tempo de Sehun contestar, ela girou o objeto de vidro que dessa vez apontou para Namjoon e Joohyun. Seus lábios se curvaram em um sorriso diabólico enquanto encarava a menina mais velha.

— Minha cara amiga, Bae, verdade ou desafio? – perguntou ele, com humor.

Joohyun riu.

— Desafio, verdade é para os fracos.

— Corajosa você. Bem, vejamos... Te desafio a dar um beijo no Jungkook.

Chaeyoung agradeceu por não estar bebendo, pois com toda certeza teria cuspido sua bebida no meio da roda. Ela olhou para Jennie, que tinha os olhos arregalados. Por um segundo, ela pensou que Irene recusaria, mas a pegando se surpresa, a garota engatinhou até seu melhor amigo, sentado ao lado de Namjoon.

— Eu posso, gatinho?

Pela primeira vez em muito tempo, Jungkook parecia um garotinho tímido que não conseguia ficar longe da mãe. Lentamente, ele assentiu com a cabeça. Joohyun envolveu os braços ao redor de seu pescoço e selou seus lábios. Jeon parecia ter recuperado sua autoconfiança, já que segurou a cintura da garota com as mãos, a puxando mais contra si. 

Chaeyoung arriscou dar uma olhada em Jisoo, e se surpreendeu ao ver a amiga tomar um grande gole da bebida em seu copo. Uma de suas mãos estavam cerrada em punho, e sua expressão era totalmente desgostosa. Ela disfarçava terrivelmente seu... ciúmes? 

— Uau, que beijo – Lisa proferiu, quando os dois se afastaram. 

Irene voltou para seu lugar, lambendo o lábio inferior, e Jungkook tinha a boca vermelha. Os dois se olharam, antes de ficarem corados, o que surpreendeu Chaeyoung, já que pelo que Jennie contou a respeito da Bae, ela não se abalava com muita coisa. Jungkook girou a garrafa, e dessa vez caiu para Namjoon perguntar a Chaeyoung. 

— Nós dois agora, loirinha. Verdade ou desafio?

— Verdade.

— Você já transou com minha irmã?

A menina quase desmaiou de vergonha com a pergunta. Jungkook e Jisoo engasgaram com a cerveja que bebiam.

— Namjoon! Pare com isso – Jennie ralhou, irritada. 

— É uma pergunta. Só quero saber a verdade.

— Ainda não. – Chaeyoung respondeu acanhada.

Namjoon suspirou decepcionado.

— E eu pensando que você era rápida no gatilho.

Ela ficou corada, e logo girou a garrafa. Coincidentemente, o objeto parou entre Jennie e Jisoo. A Kim mais velha sorriu grandemente, como se tivesse prestes a revelar algo bombástico. Tomando mais um gole de sua bebida, ela encarou Jennie.

— Verdade ou desafio?

— Desafio.

O sorriso de Jisoo aumentou.

— Eu te desafio a ir sete minutos no paraíso com Chaeyoung.

— Ótimo. – Foi tudo o que Jennie disse, sorrindo grande.

Surpreendendo a loira, ela levantou e rumou até onde Chaeyoung se encontrava sentada. A puxando pela mão, as duas subiram as escadas deixando para trás o resto do grupo com suas provocações. Jennie abriu a primeira porta, que pertencia a seu quarto. Assim que adentrou o cômodo e fechou o trinco, ela atacou Chaeyoung, a beijando com pressa e volúpia.

A Park agarrou sua cintura, puxando o corpo esbelto contra si. Parecia que ter ficado aquela semana sem muito contato físico e a quantidade de álcool que tinha ingerido, mesmo sendo mínima, foi a combinação perfeita para que despertasse seus hormônios. Jennie a puxou pela gola da blusa caminhando para trás com ela sem desgrudar as bocas. Não notaram que haviam chegado na cama, até a Kim cair para trás, com o corpo da mais alta por cima do seu. A morena dobrou os joelhos, abrindo as pernas para que Chaeyoung se acomodasse melhor.

A posição favoreceu Chaeyoung e Jennie ao mesmo tempo, já que pelo fato da mais velha estar usando um vestido, a Park com facilidade conseguia esfregar sua ereção no centro vestido de Jennie.

— Rosie – Jennie ofegou. Suas mãos tatearam as costas largas da garota, agarrando a barra de sua camiseta rosa e a puxou para cima. Chaeyoung ergueu os braços para a roupa sair com facilidade. Jennie parecia encantada ao notar aquela parte do corpo da mais nova exposto pela primeira vez. O sutiã preto rendado tinha o contraste perfeito com sua pele pálida e as clavículas bem desenhadas que ela teve vontade de morder. — Você é linda, Rosie.

— Não mais do que você, é claro – brincou ela. — Eu posso, Jen? – seus dedos brincavam com o tecido de seu vestido. 

— Sim, por favor.

Chaeyoung não sabia se era o efeito do álcool ou só a atração e adoração que sentia pela outra, mas ela ficou maravilhada quando retirou aquela peça do corpo da namorada e ficou diante uma deusa usando apenas uma calcinha de renda branca.

— Jennie... – sussurrou encantada.

— Tira – a Kim apontou para sua calça. 

— Ok.

Com as mãos trêmulas, ela desabotou o próprio jeans. Da maneira que pôde, tirou seus tênis e passou a calça pelas pernas. Jennie mordeu o lábio para segurar um sorriso ao visualizar a cueca box cinza, com estampas do Monkey D. Luffy do One Piece, marcada pelo contorno espesso e a pequena mancha úmida no tecido. 

— Gostei da cueca.

— Em minha defesa, eu não sabia que teríamos algo hoje. – Justificou a mais alta, sentindo as orelhas ficarem quentes.

A morena riu, e Chaeyoung deitou sobre ela novamente, salpicando seu pescoço de beijos e descendo até o vale entre seus seios.

— Chaeyoung-ah! – Jennie gemeu quando sentiu a boca da loira envolver seu seio direito e os dentes beslicarem seu mamilo. Ela também começou a movimentar sua pélvis contra o membro da namorada em busca de algum contato, aumentando o estímulo. – Rosie, por favor, por favor.

Desesperada e excitada, Jennie empurrou a cabeça de fios loiros para baixo. Uma onda de expectativa dominou seu corpo quando sentiu a mais nova descer os beijos por seu estômago e parar na costura de sua calcinha. Chaeyoung ergueu a cabeça ao mesmo tempo que enganchou os polegares na barra da roupa íntima.

— Posso tirar?

— Deve – suplicou.

Ouvindo seus próprios batimentos cardíacos, a loira passou a peça minúscula pelas pernas de Jennie, descartando-a em algum lugar do quarto. Ela quase desmaiou ao ser contemplada com um par de dobras rosadas e brilhando de excitação pela luz do quarto. Seu eixo se contraiu dentro da cueca, e por um breve momento ela achou que teria uma ejaculação precoce. Era a primeira vez que a Park tinha uma experiência como aquela, e constatando que Jennie a desejava tornava tudo melhor. Ela está excitada por mim. De repente, Chaeyoung se sentiu insegura de não ser capaz de agradar a outra, aliás, ela nunca havia feito aquilo. Ela ainda era virgem.

— Nini, eu nunca fiz isso. E se você não gostar?

— Rosie, olha pra mim. Eu nunca ficaria chateada com você por conta disso, ok? Eu vou guiar você, mas não precisamos fazer algo que você não queira. Quero te ensinar como me agradar da mesma forma que quero aprender a agradar você. 

— Eu quero, quero muito. Mas não quero decepcionar você.

— Você não vai, ok? Sou só eu.

Assentindo, ela se debruçou na cama, pousando o corpo entre as pernas da morena. Com os olhos de Jennie ansiosos e brilhando para si, ela usou seus dedos para separar os grandes lábios da intimidade da outra e passou sua língua de baixo a cima. Chaeyoung não sabia deduzir o que era melhor: o gosto que Jennie possuía, o gemido altamente manhoso ou a maneira que ela levantou os quadris em sua boca. 

— Bom?

— Sim, sim, não para!

Voltando ao seu trabalho, Chaeyoung explorou com calma e curiosidade de uma primeira experiência o sexo da outra. Ela ficou atenta a todas as reações de Jennie, desde a maneira que ela fechava os olhos e balançava os quadris em sua boca quando sua língua esbarrava em seu clitóris ou a forma que ela mordia o lábio inferior quando o músculo forçava sua entrada. Uma de suas mãos agarrava com força as madeixas loiras de Chaeyoung, como se a impedisse de afastar a cabeça dali. A Park percebeu que o que mais agradou Jennie foi quando ela chupou o nervo inchado entre os lábios e o achatou com a língua.

Ela repetiu a ação seguidamente, e a essa altura do campeonato, Jennie não se importava dos palavrões e gemidos que escapavam de sua boca. A valência era a música alta tocando lá em baixo. Chaeyoung segurou o quadril de Jennie contra a cama, quando seus movimentos ficaram frenéticos. As pernas de Jennie tensionaram, e quando ela deu uma leve mordiscada em seu nervo pulsante o chupando logo em seguida, a Kim emitiu um gemido mais alto do que os outros e suas pernas fecharam ao redor da cabeça da Park a medida que a pressão em seu ventre relaxava.

— Ai meu Deus! – Jennie murmurou, ofegante. Seu peito subia e descia, além de suas pernas tremelicando sem parar. Timidamente, Chaeyoung se colocou sobre seu corpo novamente. Os lábios e o queixo úmidos. — Tem certeza que essa foi a sua primeira vez fazendo isso? Meu Deus, Rosie, sua língua é divina.

Chaeyoung riu alto e Jennie se juntou a ela. A morena sentiu a dureza da outra em sua barriga e afastando-a um pouco pelos ombros, puxou o tecido cinza para baixo, revelando seu membro terrivelmente duro e adornado pelas veias salientes.

— Você realmente não precis... ah!

A loira franziu o cenho em êxtase quando Jennie a envolveu com a mão, acariciando com firmeza seu pênis, o polegar esbarrando em sua cabeça rosada. Ter proporcionado prazer a namorada, a deixou perto de sua própria liberação. Ela ficou surpresa por não ter acabado gozando sem ser tocada. Só foi preciso mais alguns golpes até que jatos brancos expelissem de seu comprimento e pousassem sobre o estômago e peito de Jennie.

— Eu quero muito fazer amor com você. – A morena proferiu, acariciando seu rosto após arrumar sua cueca.

— Eu também quero isso, Nini. E temos muito tempo ainda, mas não tenho nenhuma proteção aqui comigo.

— Tudo bem, eu posso esperar. Vem cá, me abraça. 

Chaeyoung se ajeitou na cama, trazendo Jennie para deitar em seu ombro. Ela puxou o lençol, cobrindo o corpo nu da namorada e o seu.

— Eu te amo.

— Eu também te amo, meu esquilinho.

Com as bochechas vermelhas, a loira deixou um beijo carinhoso na testa da outra antes de envolvê-la em um abraço.

***

No andar debaixo, os demais haviam parado de jogar quando depois de dez minutos, Chaeyoung e Jennie não desceram. Namjoon conversava com Sehun, Lisa e Joohyun. Já Jungkook havia ido buscar mais bebida.

Enquanto colocava whisky em seu copo, não notou a figura que apareceu por trás de si, até ela pegar um copo ao seu lado.

— Oi. – Jisoo o cumprimentou timidamente.

— Oi. – Um silêncio desconfortável recaiu sobre os dois. — Quer uma bebida?

— Por favor.

Ele preparou um drink semelhante ao seu em outro copo. Mesmo tentando ignorar, ele não era capaz de controlar seu coração batendo furiosamente no peito por estar tão próximo da garota depois de tanto tempo. 

— Joohyun beija bem?

Jungkook quase deixou a garrafa de whisky cair de sua mão com a pergunta repentina. Recuperando a postura, ele engoliu em seco.

— Sim. 

— Legal. 

Ele fechou a garrafa e a colocou no balcão novamente.

— Ela não é você.

Ambos ficaram em silêncio novamente após a fala do Jeon. Com habilidade, Jungkook misturou o líquido no copo o entregando a Jisoo em seguida. Antes que saísse do cômodo, a menina segurou seu braço.

— Me desculpa. – Ele a encarou intrigado. — Por ter machucado você, me desculpa, eu sou uma pessoa horrível, não deveria ter agido daquela maneira.

— Você não é uma pessoa horrível. Eu também pressionei você, então...

— Mas isso não justifica as coisas, muito menos eu ter me afastado e fugido do problema.

— Está tudo bem, Jisoo. Eu juro, não estou com raiva de você.

— Sério?

— Sério.

A garota parecia aliviada. Dando um passo na direção de Jeon, ela parou na frente dele encarando-o com cuidado. Pegando-o de surpresa, Jisoo o abraçou com força, escondendo o rosto em seu peito. Pela primeira vez naqueles últimos dias, Jungkook se sentiu feliz com um simples abraço. O que ele não imaginava era a confusão dentro da Kim ao notar que se sentiu segura envolvida em seus braços ou o quão reconfortante seu perfume era para ela. 

Naquela noite, Jisoo culpou o álcool por seus pensamentos erráticos.


Notas Finais


Não foi revisado, então perdão por qualquer erro.

Até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...