História VII - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Fio, Vermelho, Vii
Visualizações 15
Palavras 2.804
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Festa, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Orange, Romance e Novela, Seinen, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Suspense, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Eu na verdade iria postar esse capítulo em um especial de três capítulos juntos mas....... mudei de ideia e vou postar solo enquanto escrevo outros capítulos pra adiantar a história.

Capítulo 14 - Fúria


 Mais um dia, mais uma chance. Quinta-feira, rotina. Outra vez, tudo de novo. Até meus movimentos se repetem, dia após dia: abrir os olhos, bocejar, me levantar. Caminho até o banheiro e me olho no espelho; mesmo semblante sem vida de sempre. Lavo meu rosto e faço xixi. Volto ao meu quarto para me arrumar. Meu quarto parece ser simples: não tenho fotos, sem muitos enfeites e sem bagunça, os móveis brancos combinam com as cortinas rosa e a única parede pink. Meu quarto reflete cores vivas e cheias de esperanças porém, só foram escolhas da minha mãe em tentar criar um clima melhor desde aquilo aconteceu.

Coloco minha saia rodada cinza, a camisa branca, a gravata borboleta azul com dourado, minhas meias brancas ¾ e meus sapatos. O clima está ficando cada vez mais frio então pego o casaco azul marinho com detalhes dourados do uniforme e o visto. Apanho minha maleta e vou para a cozinha. Minha mãe fez o café com pressa e já deve ter ido pegar carona com meu pai para irem ao trabalho. Como meu omelete com bacon e escovo meus dentes até que me olho de novo no espelho novamente e noto que minhas californianas cor-de-rosa precisam ser retocadas. Talvez eu as retoque depois da aula.

Vai chover? Nevar? Não tenho um clima preferido mas posso arriscar a dizer que essa atmosfera solitária com céu nublado seria um dos que se encaixam melhor comigo. Minha casa é um pouco longe da escola então coloco meus fones e minha trilha sonora começa a tocar; não importa quantas vezes eu ouça essa música, ela sempre transmite o que estou sentindo.

Hoje é o dia de apresentar o trabalho de ciências; sento em minha carteira atrás da Vick que vira para trás e sorri. Seus cabelos curtos, lisos e dourados balançam demonstrando sua maciez.

- Oi, Emma. Esperamos não ter causado problemas para você essa semana por conta do trabalho. – ela me encara com esses olhos azuis cintilantes esperando algo positivo.

- Não teve problema algum. – geralmente sou quieta entre as meninas e a Vick é a que eu me dou melhor das três.

- Esse problema em organizar a festa de aniversário da Amanda complicou nossas vidas essa semana. Haha! – reclama com algumas risadas. Pode até ser chato por um lado, mas não acho que foi tão complicado assim com todas juntas.

- Oi, meninas. – Amanda e Loren chamam nossas atenções. As duas loiras se sentam nas carteiras aos nossos lados; Amanda com um cabelo liso e longo com uma franja reta quase cobrindo seus olhos verdes enquanto Loren prende seu loiro escuro em um rabo de cavalo, exibindo seus olhos azuis.

- Obrigado pelo seu esforço, Emma. – Loren me agradece sentada ao meu lado. Ela é quieta como eu mas, parece se dar bem com o grupo. Dou um sorriso dizendo “que não foi nada.”

- Ótimo, minha festa está se aproximando. São só duas semanas e eu finalmente vou ser 17. – fala Amanda em um tom alto e animada – Vai ser a festa do ano.

- É óbvio, amiga. – concorda Vick.

- E você vai ter uma chance de ficar com ele. – sussura Loren apontando para um menino com os olhos. Ele não podia ser ninguém mais, ninguém menos que Alex, o gatinho da sala que todas meninas querem.

- Finalmente, já é hora da gente se pegar de jeito. – ela torce seu pescoço para trás, na direção da lousa e dá uma encarada em Alex, que a nota e retribui com um sorriso – E vocês vão poder pegar os boys de vocês!

- Não sou tão desesperada assim não. – constata Vick relaxando em sua cadeira.

- Tá me chamando de desesperada sua vadia!? – ri Amanda dando um tapa de leve na mão de Vick.

- Não quis dizer isso mas já que falou... – ela faz uma feição de “tá falado” para Amanda e as duas riem.

- Está tudo bem, o Alex vai ser meu e então conseguirei o Daniel para você Vick e o Austin para a Loren. – só ouço nomes dos meninos populares do primeiro ano, provavelmente Amanda está falando do mesmo Daniel de ontem.

- Emma ainda não tem nenhum crush? – pergunta Vick.

- Não, não! Estou de boa. – rio tentando acabar com essa conversa desconfortável.

- Não ainda né? – o professor entra na classe, interrompendo Amanda, para minha sorte.

As primeiras aulas são como as de todo dia, as meninas não prestam atenção e começam a falar sobre maquiagem, meninos, festas e fofocas até virem pedir para mim o resumo do que o professor nos deu de material. Durante o intervalo, as meninas me pedem para eu ir comprar lanches na cafeteria enquanto elas aguardam no pátio, onde elas podem ficar flertando com os meninos do colégio. Sigo em um passo apertado pelos corredores lotados do colégio até trombar em um cara alto, de cabelo castanho e longo até os ombros, sua cara de maconheiro também é evidente.

- E aí gatinha! Tu é uma das meninas do 1-A né não?

- Sou, meu nome é Emma. – tento responder e cair fora, mas ele bloqueia meu caminho com sua perna larga.

- Prazer, eu sou o Mikael do terceiro ano. – já sabia que era do terceiro ano, líder do grupo dos rockeirinhos do colégio – Hoje tem uma festa lá na zona norte, não quer ir com a gente não?

- Festa em uma quinta? – estranho muito isso – E “a gente” quem?

- Pois é, é pra comemorar o aniversário de um camarada e quando digo “a gente”, tô falando do pessoal do terceirão e de mim. Não somos muito de convidar os pirralhos do primeiro ano para nossos rolês mas, você é minha convidada especial.

- É... não, obrigada. Tenho que estudar hoje a noite, foi mal. – tento mais uma vez seguir meu caminho e ele deixa, só que entrega um papel na minha mão.

- Me liga se mudar de ideia! – ele sorri e vai embora. Analizo o papel e vejo que é seu número escrito nele. Já estava pronto! Ele deixa pronto para esse tipo de oportunidades? Que menino estranho. O guardo no bolso e vou até a cafeteria fazer o que já deveria ter feito.

Já no pátio, como meu salgado enquanto ouço as meninas falarem da festa de Amanda. Me distraio pensando no que aconteceu ontem e olho para o bolso da minha saia, imaginando a carta que eu guardava ali.

- Então tchau! – Stavo correu até a porta e parou quando Daniel o chamou segundo uma carta em mãos.

- Stavo! Sua carta! O que foi – olhei para a carta e ela era idêntica à minha, porém, seu número sete era vermelho e brilhava. Me assustei por um instante e resolvi me levantar e pegar a minha carta para compará-las. O número brilhou em negro quando mostro para os meninos e nos olhamos por alguns segundos até o mais baixo quebrar o silêncio.

- Você... também é uma de nós? – ele perguntou sobre meus poderes? É isso mesmo? Eu sabia que havia alguma conexão.

- Vocês também!? – minha voz quase não saiu devido à surpresa. Daniel mostrou seu sete amarelo brilhante e fiquei ainda mais chocada.

- Sim – falou Stavo.

- Somos seis agora... – falou o loiro.

- Seis. – me assustei com o número.

- Sim, você é a sexta dessa escola que tem poderes. Ou não tem?

- T-tenho. – gaguejei.

- Isso quer dizer que o que eu pensei estava certo também: somos sete no total. – disse Stavo.

- Qual seria o seu poder?

- E-eu...

- O meu poder é que posso me conectar à pessoas, compartilhar suas sensações e condições físicas e até emocionais. – disse Stavo revelando um fio vermelho que conectava seu mindinho ao de Daniel.

- Eu tenho furtividade e posso ficar invisível. – disse ao deixar seus braços invisíveis. Aquilo tudo era muito chocante para mim e levei alguns segundos para processar tudo aquilo.

- Eu tenho um poder meio complexo, eu acho. Não aprendi totalmente sobre ele mas, acho que manipulo um pouco da luz ou a ausência dela. – ao guardar minha carta, estendi minha mão me preparando para mostrar o que posso criar. Com um pouco de nervosismo, criei uma orbe pequena de luz flutuando acima da minha mão. Ao olhar para eles, vi que estavam maravilhados com aquilo e fiquei um pouco feliz, a ponto de soltar um riso.

- Precisamos contar aos outros! – sussurou Stavo para si mesmo. Desfiz minha esfera luminoza e olhei nos olhos do garoto.

- Espera.

- Esperar?

- Sim, tenho que processar tudo isso. Pensei que estava solitária com esse poder.

- Não está. – interrompeu Daniel – Estamos juntos buscando por respostas.

Saio de meus devaneios quando Vick me sacode levemente para voltarmos para a classe. Sorrio e me levanto, indo em direção à classe.

Pensando sobre ontem, fiquei contente em saber que não estou sozinha na jornada de descoberta de poderes. Daniel e Stavo me falaram para encontrar com eles após o colégio no pátio que ele me apresentaria os outros. Que tipo de poderes eles tem? Será que isso vai mesmo me ajudar em algo? Não quero problemas desnecessários.

Ao chegar na sala, Amanda vai para o fundo pegar o cartaz e as meninas lêem seus papéis se preparando para a apresentação. Eu vou ser a que menos vou falar por ter feito o pôster e a pesquisa sozinha. Estou relaxa sobre isso pois sei do que vou falar e não preciso decorar minha parte, aliás, posso até ajudar as outras meninas. A professora escreve algumas informações na lousa e bate palma, chamando a atenção dos alunos.

- Certo pessoal! Iremos começar as apresentações imediatamente e o primeiro grupo é o da Amanda. – diz apontando para nós – Eita, esqueci o caderno de notas, esperem um segundo. Ah! Emma, depois quero muito conversar com você e saber o motivo de não ter ajudado as meninas no trabalho! – ela sai correndo da sala para pegar o que precisava e eu me levanto sem acreditar no que ela falou.

- O que foi isso? Ela tá louca!? – ao olhar para o cartaz, não acredito no que vejo, meu nome está totalmente riscado e no papel de pesquisa também – O que é isso meninas?

- Então, Emma. Resolvemos te tirar do trabalho por algo não muito legal que você fez ontem. – diz Amanda.

- Algo que eu fiz? O quê?

- Ficamos sabendo que você estava dando em cima do boy da Vick ontem depois da aula.

- O quê? – olho para Vick e ela me olha desapontada – O Daniel? Ele estava na detenção justamente na mesma classe que eu estava fazendo o trabalho, isso é tudo!

- E por que não nos contou? – Vick finalmente fala algo com um tom meio rancoroso.

- Não achei que fosse nada importante e eu...

- Pois bem, aceita querida. Você tá fora do trabalho. Ah! Do nosso grupo também tá? Não acho muito legal uma menina tão sem sal como você andar com a gente. Tá arruinando a reputação das meninas mais lindas do primeiro ano e da classe mais atraente da escola também. – debocha Amanda.

- Hã? – as meninas riem entre si e se viram, me ignorando. Dou um suspiro tentando me acalmar e dialogar, entretanto, o efeito é contrário: a raiva e a decepção tomam conta do meu corpo. Sinto tudo ficar mais tenso e mais quente enquanto fecho meus punhos. Acho que posso socar qualquer carteira aqui até ela partir ao meio mas, não me controlo. Levanto meu punho e a única direção que ele vai é na cara de Amanda. A loira recebe um soco bem na cara enquanto lia seu trabalho e cai com toda a força no chão, levando a cadeira e a mesa consigo na tentativa de se equilibrar.

Todos me olham enquanto bufo de raiva e a menina no chão olha para mim com sede nos olhos. Ela se levanta pronta para a briga e eu reajo, dou outro soco nela só que dessa vez na barriga, ela cospe na mesa e cai no chão. Vick parte para cima e puxa meus cabelos tentando me dominar. Tento me livrar daquilo enquanto ela me machuca e Loren também se levanta dando um chute na minha barriga. Aquilo era pra doer mas o ódio parece ter falado mais alto; empurro Loren para cima da mesa dela enquanto puxo meu cabelo para me livrar das mãos de Vick e pulo em cima dela, arranhando sua cara e caindo em cima dela em cima da mesa. Sinto Loren vindo por trás e saio de cima de Vick, dando um chute na cara dela no meio do ar, que desaba nas carteiras ao lado. Ao pousar, chuto Vick de cima da mesa para o chão e ela cai que nem bosta; rapidamente vou até ela e a pego pelos seus cabelos e a ergo o mais alto que posso para finalizar batendo o rosto da menina contra a lousa com toda a força contida em mim.

Ao soltar a loira no chão, ela cai aparentemente inconsciente e noto o arranhão que fiz no seu rosto com o sangue do choque dela contra a lousa. Noto também Loren desmaiada enquanto outros alunos tentam acordá-la e Amanda se recontorcendo de dor no chão. Dou um suspiro aliviada por ter terminado e olho para minhas mãos; é aí que me surpreendo, no lugar as pontas dos meus dedos se encontram garras feitas de pura escuridão. Foi assim que eu fiz esse arranhão tão profundo no rosto de Vick. Me espanto com aquelas garras e com os outros alunos pasmos me encarando e decido correr para o banheiro mas, ao me virar a professora olha pasma para a cena que tinha acabado de acontecer.

- Você sozinha bateu naquelas três meninas? Ninguém mais te ajudou? – pergunta o coordenador do outro lado de sua mesa em sua sala.

- Não. – resolvo responder o mínimo possível. Me descontrolei muito momentos atrás e as garras ainda não sumiram da minha mão, por isso escondo-as no bolso do casaco.

- Você me disse que você fez o trabalho sozinha e elas debocharam de você e te tiraram do grupo. Correto?

- Sim. – fico de cabeça abaixada, sem muita coragem de encarar ninguém ali na sala da coordenação após o ocorrido.

- Era um trabalho muito importante para a minha classe, iria definir a nota do bimestre. – diz nossa professora que se encontra atrás de mim, onde não posso ver seu rosto.

- Podemos investigar o caso.

- Perguntei aos alunos e alguns deles confirmaram que viram Emma ficando após as aulas sozinha para terminar o trabalho. Porém, também confirmaram que foi ela que começou a briga. – constata a professora. Me alivio um pouco ao saber que ao menos a verdade está esclarecida. Eu fiz sim todo o trabalho sozinha e fui eu sim que comecei a pancadaria.

- Quanto ao trabalho e como irá tratar isso, irei deixar contigo professora. Já sobre a briga, Emma está punida com uma semana de suspensão.

- Mas... – tento dialogar sobre isso – Uma semana é muita coisa. Vou perder muito conteúdo! Talvez nem me recupere! E eu tenho prova amanhã! – eles me ouvem e o coordenador careca suspira pensativo.

- Tudo bem, amanhã pode vir à aula mas, próxima semana inteira você estará suspensa. – ainda não é a melhor das punições mas pelo menos não perco a prova.

- Tudo bem. – suspiro ainda triste.

- Está dispensada. – ele faz um movimento com a mão para eu ir embora. Depois de tanto tempo acho que já deve ter chego a hora do sinal final tocar, nos liberando dos deveres escolares. Tiro a mão do casaco e agradeço pelas garras terem desaparecido, sorrio de leve e pego minha mochila, saindo da sala – E as meninas como estão? – ouço o coordenador perguntar assim que eu saio pela porta

- As três estão na enfermaria e creio que Vick precisará ir para o hospital, ela foi a mais prejudicada de todas. – resolvo para de escutar e ir para o banheiro me arrumar e parecer um pouco mais apresentável.

Ao me recompor, penso sobre encontrar os outros e acho que hoje não é o dia. Vou direto para casa antes do sinal bater. Amanhã me desculpo com eles.

Quando chego em casa, começo a tirar minha roupa, primeiro tiro meu casaco, o celular e a carta de um bolso e do outro tiro um papel dobrado. É o número daquele garoto de antes. Minha mãe vai chegar em casa em uma ou duas horas preocupada comigo, já a conheço. Não quero encará-la agora. Pego meu celular e digito o número escrito nele.

- Alô? Ah, oi Mikael, é a Emma, a menina de antes. Acho que mudei de ideia sobre hoje.

 

Continua...


Notas Finais


Me digam suas primeiras impressões sobre Emma e me falem como esperam o desenvolvimento dela na história :v


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...