História Visão Holística - NaruSaku - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Naruto Uzumaki, Sakura Haruno
Tags Amor, Narusaku, Naruto, Romance, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Superação
Visualizações 119
Palavras 2.174
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olha quem resolveu aparecer mais cedo.... 🙃....
Disse que iria demorar a aparecer mais milagres acontecem 🙄 Agradeço as pessoas que deixaram seus comentários pra mim. Beijão é enorme pra vcs!!!!

Capítulo 5 - Parte 5


Fanfic / Fanfiction Visão Holística - NaruSaku - Capítulo 5 - Parte 5

Acordei na manhã seguinte me sentindo melhor, ainda que tenha prometido a mim mesma que a partir daquele momento cuidaria da minha saúde.

Eu não podia mais negligenciar minha saúde e bem-estar. Já tinha decidido que seguiria uma alimentação regularizada e saudável, sem alimentos instantâneos/semiprontos.

Pelo menos evitaria sempre que possível.

Desta vez, levantei com mais calma, sabendo que precisava de um momento para meu corpo se acostumar com o fato de estar acordado. Não seria tola novamente e terminar com dor de cabeça, queda de pressão ou até quem sabe, desmaio.

Passados dois minutos, sentei e joguei as cobertas para o lado e botei os pés no chão me espreguiçando no processo.

Fitei o relógio ao lado da cama pra me certificar que ainda faltava uma hora para esta no trabalho e com isso, me levantei calçando minhas pantufas de pelúcia e seguir para o banheiro. Logo após ter feito minha higiene pessoal, sequei os cabelos que já precisavam ser aparados e coloquei minha roupa rotineira e caminhei até a cozinha para preparar meu desjejum. Fiz meu café preto e forte como gostava e separei algumas torradas e coloquei em cada uma delas geleia de goiaba, comi rapidamente vendo que tinha apenas quinze minutos pra chegar ao trabalho.

Quando cheguei no hospital bem encima da hora devo dizer, bati o ponto e fui dando bom dia pra todo mundo. No fim do corredor, Shizune, me encarava com um ar suspeito e analítico.

Tombei a cabeça para o lado e a encarei de volta, porém com dúvida.

- Não que isso seja ruim, mas você me parece feliz hoje, algo de bom aconteceu? – Observou cheia de curiosidade.

Estava surpresa de vê-la tão curiosa, Shizune não é do tipo que saía perguntando sobre a vida dos outros. Ela sempre foi na dela e super profissional quanto a isso. Embora nos conhecêssemos a anos para tal, Shizune, nunca chegou a se intrometer na minha vida e muito menos na dos outros.

- Estou como todos os dias. – Digo, sabendo que era impossível evitá-la quando o meu consultório ficava de frente pro dela.

Ela espreme os olhos desconfiada e parece querer dizer algo, entretanto, sua personalidade a impedia. 

Ficamos nos encarando por um momento sem nenhuma dizer nada, mas os olhos da morena me questionavam silenciosamente. Sem motivos para temer, respiro fundo e digo:

- Desenbucha de uma vez, eu sei que você quer perguntar alguma coisa.

Ela desfaz toda aquela cara de quem estava louca pra me interrogar e sorri sem graça.

- Não queria dá uma de intrometida, mas já sendo. – Se aproximou mais de mim, como se fosse um segredo de estado. – O que o Naruto fazia na sua casa até aquele horário?

Abri os olhos surpresa e de certa forma curiosa por saber que a mesma tinha conhecimento da visita do loiro a minha casa.

Depois de toda aquela agarração eu e Naruto decidimos que estava na hora dele partir, pois se o mesmo ficasse por mais tempo, aquilo acabaria virando algo que ainda estava cedo demais pra acontecer. Então, na calada da madrugada o mesmo saía da minha casa.

Agora como Shizune soube disso, que é o problema. Não que eu tivesse vergonha ou coisa do tipo, mas um homem que no pior dos casos e famoso por ter salvado milhares de vezes Konoha, sair da casa de uma mulher que infelizmente é tão “famosa" quanto o mesmo (além de solteira, fato que deve ser bastante frisado) em plena madrugada, apenas gerariam motivos pra julgamentos precipitados e não precisávamos disso quando nossa relação era tão frágil.

Além de está preocupada da novidade chegar aos ouvidos da Hyuga ou da minha família. 

 Todos sabemos que quando a fofoca envolve algo sério e que pode desgraçar a vida de alguém, as pessoas tendem a incrementar coisas que não existiam deixando a coisa bem maior do que ela é. Pra falar a verdade, eu ainda não tinha parado pra pensar nisso tudo. 

As consequências eram adversas ainda mais quando soube que Naruto e Hinata estavam juntos. O que nossos amigos diriam? O que as pessoas diriam? O que a própria Hinata pensaria? O que minha família pensaria? Eles aprovariam ou iriam me julgar? Eles me veriam como vilã? Alguém que roubou o namorado de outra e que feriu os sentimentos da fofa e querida Hinata?

Como um balde de água fria, tudo desmorona. Tudo aquilo que eu evitava pensar recaiu sobre meus ombros e me fez perceber que de fato eu estava alegre naquela manhã, mas agora, resumia-me em culpa e ressentimento.

Shizune pareceu perceber minha mudança de humor, pois suspirou encarando seu relógio de pulso.

- Se você quiser conversar sobre isso mais tarde, estou aqui. – Completou com a mão no meu ombro e virou para sua sala sem mais perguntas.

Isso que eu gostava nela, a mesma sabia quando eu precisava de espaço, não forçava ou exigia, todavia estava ali caso eu precisasse.

Sem ter mais tempo pra ficar deprimida no corredor, me dirijo a minha sala. Ligo tudo que precisa ser ligado e começo o meu dia analisando o que preciso focar naquele dia.

O dia passa sem eu ter tempo pra pensar nas coisas que me incomodavam o que até agradeço. Embora, eu esteja certa que quando eu chegasse no meu cafofo meus problemas viriam com força total e seria um inferno na terra.

Esfrego as mãos no rosto angustiada e exausta. Preferia não ter pensado nas consequências, eu realmente queria não me importar tanto com a opinião alheia, mas infelizmente me importava.

Resmungo alguns palavrões e prefiro encerrar meu dia um pouco mais cedo, deixando alguns documentos pendentes referentes ao projeto da nova ala infantil do hospital para o dia seguinte.

Preciso conversar com alguém, infelizmente minha terapia seria na quarta-feira e hoje ainda era segunda, não acho que eu possa adiantar minha consulta, Mariah, é muito boa no que faz e é requisitada demais para ter espaço em sua agenda para me encaixar.

Desligo o monitor e arrumo minha mesa pegando meus pertences pessoais, os colocando na gaveta e fechando com chave. Sem demora resolvo ligar para Ino, mesmo que não seja muito adequa a essa nova tecnologia mobile.

No segundo toque a mesma atende.

- Olha quem resolveu ligar. – Ironiza, cheia de graça.

- Menos porca, menos.

Ela riu e pareceu tampar o fone e com uma voz abafada respondeu alguém.

- Não, é a Sakura, querido... Vou querer o meu sem molho branco. Não esqueça de mexer bastante pra não embolar!... - Ela da uma pausa e rir de algo que o namorado diz. - Voltando ao que a gente falava, testa. 

Ino começou a namorar Sai a pouco tempo. Há uns dias atrás, nos encontramos em um dos restaurantes da vila e conversamos sobre o suposto pedido de namoro.

Sai, é um caso perdido em relação a sentimentos e ponto. Eles estavam nesse chove não molha a algum tempo, Ino é do tipo que não dá o braço a torcer e prefere que o homem dê o primeiro passo em tudo, tanto no que se refere aquém vai expressar o que sente, quanto quem dará o passo importante na relação: o pedido de namoro, primeiro beijo, no quem vai ter atitude na hora do “vamos ver" e etc.

Sai, não tem nenhuma dessas atitudes que ela almeja, bom, ter ele têm como a própria mesmo me disse. Ela observou que Sai é muito impulsivo quanto ao que ele sente/deseja em intensidade, se o branquelo quer a beijar, ele beija, se ele quer simplesmente passar o dia contemplando a mesma ele o faz, sem constrangimentos. No entanto, quando o rumo é dizer o que sente, o mesmo se perde e fica um bom tempo querendo desvendar e descrever o que cada uma das sensações significa e só Buda sabe o quanto isso aborrece Ino, logo ela que é o ser mais impaciente que conheço.

Rir muito enquanto ouvia sua narrativa exasperada e mal humorada, mas tive uma certa peninha, nem tanta, porque gosto de vê a loira se descabelar de vez em quando.

- Acho que liguei num mau momento...

Sem deixar eu terminar ela diz:

- Deixa disso amiga, Sai ainda tá terminando de fazer o jantar e acredito que ele ainda vá demorar. Temos todo o tempo do mundo. Desenbucha, criatura.

Mordi o dedão sem saber o que fazer. Não queria ter que conversar com ela assim, embora também não queira ter que chamar a mesma pra uma conversa e atrapalhar a noite dela com Sai.

- Não é nada demais porquinha, podemos conversar sobre os babados na próxima vez. – Parando pra pensar, isso não vai ser suficiente pra a loira deixar esse assunto de lado, continuo. - Que tal marcarmos algo? A Tema vai vim visitar o Shikamaru...

- É mesmo! – Deu um gritinho animado e bem feminino. – Vai ser do babado! Seria a noite das garotas, Ten tá doida pra conversar com a gente sobre um assunto delicado, palavras dela né e eu confesso que estou doente de curiosidade pra saber da fofoca, então vamos acertar com a Temari e a TenTen.

Quase suspiro agradecida por ter dado certo.

- Tá certo porquinha, vamos acertar tudo pelo grupo então.

- Sim, podemos até chamar a Hinata... – Prendo a respiração e meus os olhos arregalam. – Eu vi ela um dia desses, eu sei que a gente não é tão próxima dela quanto os meninos, mas até eu pude perceber que ela não tá bem. Será que o rolo dela com o idiota do Naruto não tá indo bem?

Volto a respirar e mordo a unha novamente. Tão nervosa, que nem ouso responder.

Jesus, como eu posso me sair dessa sem parecer que esse assunto me incomoda ou que desgosto da Hinata?

Limpo a garganta antes de dizer.

- Eu não tenho visto ela, logo não sei. – Passo a andar de um lado para o outro, nervosa e sem uma desculpa plausível. – Naruto, também não me falou nada, mas prefiro perguntar dele. Sei lá né, ele é meu amigo e acho que ele não tem alguém aquém pode conversar sobre isso, tipo, sentimentos e tals.

Santa Maria, mãe de Jesus e esposa de José, eu nem sabia o que estava dizendo! Queria bater minha cabeça na parede e gritar.

- Hum... – Fez um som pensativo. - Confesso que senti peninha dela. Você sabe que ela gosta bastante dele e sempre foi bobinha quanto a tudo relacionado ao Naruto. Até hoje é difícil de acreditar que eles estão juntos, na verdade, nem sei como eles acabaram assim. A Hyuga fugia do Naruto como o diabo foge da cruz, mas de repente aparecem de mãos dadas...

E ela continua a tagarelar, mas eu sequer ouço.

Que São Judas Tadeu me ajude!

Eu nem conseguia focar no que Ino dizia, tentando encontrar uma desculpa para fazê-la esquecer essa ideia.

Não que eu não goste da Hinata, longe disso! O problema é que eu ainda não estava preparada pra encará-la, eu mal tinha me acertado com Naruto e ainda me sentia um lixo por destruir o relacionamento deles. Mesmo que não soubesse que ambos estavam juntos, eu sentia profundamente que tinha acabado com os sonhos da Hinata.

Quase choro de desespero.

Pior momento pra isso, preciso me safar disso sem levantar suspeita. Eu pretendia contar a Ino sobre tudo, mas não tinha como isso acontecer com Hinata lá!

- Testa? – Ino me chamou de volta pra realidade. – Alô, Sakura?

- Oi, tô aqui. – Digo. – Desculpa, é que eu ainda tô no trabalho. Liguei, mas pensei que a conversa seria breve. – Rir nervosa e continuo. – Veja bem, precisamos por o papo em dia e têm algumas coisas que TenTen quer dizer e tem coisas que... Tenho que conversar com vocês também, não posso dizer muito sobre isso por aqui, entretanto, conto tudo no dia... Portanto, deixemos o encontro com Hinata pra outro dia. Pode ser?

O silêncio dominou e pelo amor, Ino não é de ficar calada! Assustada, volto a roer a maldita unha que já está na carne.

- Então foi esse o motivo da ligação, não é? – Abri a boca pra retrucar, mas resolvi ficar calada.

Ino é tão perspicaz quando quer.

- Eu sabia que tinha caroço nesse angu, Rá! Ino Yamanaka acerta mais uma vez, chupa!

Rolo os olhos com sua prepotência.

- Olha, você vai ter que me contar tudo! – Exige. - Puta merda, agora eu tenho dois motivos pra passar os dias na curiosidade. Pior sensação, ainda mais pra mim!

- Certo, agora vai lá com teu namorado. – Digo, ao ouvir Sai a chamando de algum lugar ao fundo da ligação. – Preciso desligar, boa noite porquinha.

- Se livrou, testa-de-marquise, mas não por muito tempo. – Riu meio diabólica? – Boa noite, durma pensando no que vai me dizer.

Sem esperar eu responder, desliga. Nem um pouco surpresa com a atitude da loira, guardo o aparelho e fecho a sala. 

- É bom saber que ainda te encontrei por aqui, Sakura. – Ouço uma voz conhecida atrás de mim.


Notas Finais


Sem NaruSaku ainda minha gente... Aguenta o coração, pois a Sakura precisa de um momento pra assimilar as coisas né chuchus... Mas me deixem saber o que vcs acharam do capítulo, tá bom?
O que vcs acham q vai acontecer?🤔🙄


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...