História Vital - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sai, Sakura Haruno, Sasori, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Temari, TenTen Mitsashi
Tags Gaaino, Hinata, Ino, Jiratsu, Naruhina, Naruto, Nejiten, Saino, Sakura, Sasori, Sasosaku, Sasukarin, Sasuke, Sasusaku, Shikatema, Tonehina
Visualizações 185
Palavras 3.888
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Primeira fic no site, aproveitem e boa leitura! <3

Capítulo 1 - Indestinado


Fanfic / Fanfiction Vital - Capítulo 1 - Indestinado

 

Naruto, Ino e eu passamos pelos portões de nosso novo colégio de braços dados. Eu ia no meio e sentia o forte aperto de Naruto em meu braço, como se estivesse nervoso. O olhei irritada por um momento e depois para Ino. Ela observava tudo parecendo curiosa e um pouco deslumbrada.

Quando entramos em um corredor onde continha alguns alunos, foquei minha visão no chão, sentindo toda a atenção que estávamos atraindo. É óbvio, três novatos no meio do semestre, era curioso em qualquer escola.

Eu, que andava sem olhar, fui puxada para trás quando Naruto e Ino pararam de andar e eu continuei.

-  Digam seus nomes - uma voz praticamente exigiu eu subi meu olhar lentamente. Eram três, garotas. Estreitei os olhos. Na certa se achavam as donas do mundo.

A da esquerda tinha um olhar debochado e um pequeno sorriso no canto de seus lábios. Ela era um pouco maior que eu, tinha longos cabelos negros, assim como seus olhos.

A da direita tinha uma expressão serena, quase séria, e sua aparência era curiosa. Era bem pálida, cabelos loiros quase platinados e grandes olhos de cor lilás. Eu senti até um arrepio ao encará-la muito e a ver devolvendo meu olhar.

A do meio tinha uma cara nada boa, sobrancelhas franzidas. Seus olhos eram bem castanhos e seu cabelo era rosa, mas não estranho como o meu. Algo mais para o ruivo. Ela nos encarava com impaciência e eu tinha certeza que a pergunta - ordem - tinha vindo dela.

- Digam vocês primeiro. Deem uma boa recepção para seus novos colegas – Ino disse, encarando debochadamente a garota morena de cabelos tão grande quanto os dela e igualmente debochada. A garota do meio soltou uma risada mas assentiu.

- Eu sou Tayuya, essa são Kin e Shion – ela disse, apontando para a morena e depois para a loira, abrandando sua expressão fechada e depois encarou Ino.

- Eu sou Ino. Eles são Naruto e Sakura – ela disse de forma rápida.

- Naruto e Sakura... vocês namoram? – Tayuya perguntou e olhou de relance para nossos braços entrelaçados. Minha vontade foi responder que não era da conta dela mas eu tinha educação.

- Somos apenas amigos – eu respondi a encarando. Eu não tinha ido muito com sua cara e nem com a de sua amiga, Kin.

- Ótimo. De onde vocês são?

- Por que você não aquieta um pouco sua curiosidade? Temos que passar na diretoria agora. Não se preocupe, teremos várias oportunidades para conversarmos e nos conhecermos, dattebayo! – Naruto disse e então saiu nos puxando pelo corredor as pressas. – Por que garotas falam tanto? – ele se perguntou e eu olhei, me perguntando se ele falava sério.

- Você deve ser uma garota então - murmurei, fazendo Ino rir e ele fazer bico.

Depois de passar na diretoria pra pegar algumas informações e a chave do armário, nós seguimos para nossas salas. Infelizmente Ino e Naruto não eram da minha sala. Enquanto eu fiquei na turma A, ela ficou na B e ele na C. Eu nos senti separados por inteligência mas deixei pra lá, poderíamos nos ver nos intervalos e agora que não morava mais com meus pais, sei que teria mais liberdade para vê-los fora da escola.

Sim, eu não moro com meus pais. Eu me mudei para a casa da minha madrinha para estudar em uma escola melhor, mais renomada, e Naruto, que não vive sem mim, veio junto e foi bem fácil já que seu padrinho também mora em Tókio, e namora minha madrinha.

Pois é, nós iriamos morar juntos. Confesso que morar com Jiraya-san já seria difícil pois ele fica a todo tempo fazendo piadinhas irritantes. Agora com ele e Naruto eu senti que iria definhar até morrer. Por minha sorte, Tsunade-san era uma mulher de fibra, que botava ordem em qualquer coisa. Eu a admirava. Queria ser como ela. Ou superá-la. Era uma aclamada médica, rica, independente e tinha conseguido tudo apenas por seu próprio esforço, além de ser linda e ter uma personalidade forte e admirável. Seu único problema era a queda por apostas em jogos. É, ninguém é perfeito.

Já Ino não veio por motivos bons como querer estudar em uma boa escola. Seu pai tinha ganhado sua guarda após o divórcio e estava procurando um novo lugar pra morar. Quando ele recebeu uma boa proposta de emprego em Tókio, Ino implorou pra que ele aceitasse porque ela estava sofrendo muito com a separação deles - o que era pura mentira - e precisava do apoio de sua melhor amiga que se mudaria pra lá. Com essas palavras e algumas lágrimas de cobra, tio Inoich não conseguiu recusar o apelo de sua amada princesinha.

E aqui estamos nós.

- Hey, mocinha - o professor disse assim que eu pedi licença e andei pra procurar um lugar para me sentar. – Se apresente para a turma.

- Ah... ok. Bom, eu sou Haruno Sakura – disse simplesmente. Todos ficaram em silêncio me encarando. Eu olhei pro teto. Não era tímida, mas também não gostava de muita atenção.

- Do que você gosta, Haruno? Seus sonhos? – o professor perguntava.

- Bem, eu gosto de doces – ri de mim mesma. – Gosto de ler e jogar palavras cruzadas, é o que mais faço. Meu sonho... não é sonho, mas eu pretendo ser médica. Não me decidi ainda se psiquiatra ou pediatra – o professor pareceu sorrir. Eu não sabia dizer muito bem, pois ele usava uma máscara tampando uma parte do rosto.

- É uma bela profissão. Você pratica algum hobby?

- Se maratonar documentários contar, então sim – dei de ombros, fazendo algumas pessoas rirem.

- Claro que sim, que interessante. Alguém tem alguma pergunta? – algumas mãos se levantaram. O professor apontou para uma garota morena.

- Qual tinta você usa? Parece tão natural – como eu ia explicar pra ela que realmente era natural? Suspirei. Esse cabelo é uma maldição, eu vou pintar de castanho logo, logo.

- Bom, ele é natural, mesmo que não acredite – respondi, fazendo alguns cochicharem.

- Você tem uma mutação genética, cara, que demais! - um garoto disse e alguns riram. Logo o professor apontou para outro aluno. Era um garoto ruivo, bem bonito por sinal. Bonito demais, nossa senhora.

- Você disse que não tinha hobby... eu já te vi em uma revista – todos me olharam curiosos.

- Eu era modelo infantil – respondi um pouco receosa e com vergonha. Eu nunca tive vontade de ser modelo. Achava que tinha uma testa grande que ia ficar maior ainda nas fotos. Até chorei na agência, mas logo conheci Ino e ela me encorajou a ter mais confiança e fizemos até um comercial local de natal juntas.

- Por que não é mais? – uma garota perguntou.

- Tomava todo meu tempo livre – foi apenas o que respondi, mas as vezes pensava em ligar para James, meu antigo assessor, apenas por saudade das mídias.

- A sociedade tá ficando cada vez mais sem gosto, deixando qualquer uma ser modelo por aí – uma voz feminina disse e eu ouvi umas risadinhas. Olhei de relance e vi um grupinho de garotas a frente. Rolei os olhos sem me importar com comentários idiotas e me sentei junto de uma garota muito fofinha, que encarava o nada, parecendo pensar em algo. Logo que percebeu minha presença, sorriu. Ela era bem bonita. Cabelos pretos azulados, longos e olhos claros. Era diferente.

- Bom dia, eu sou a Hinata.

- Eu sou a Sakura – sorri de volta.

- Não ligue pra essas garotas. Elas implicam com todo mundo – eu assenti e olhei em volta. Todos os lugares estavam ocupados, apenas Hinata estava sentada sozinha antes de eu me sentar com ela.

- Elas implicam com você também? – ela pareceu pensar antes de responder. 

- Está achando isso porque eu era a única sozinha? – eu assenti. – Elas não implicam comigo. Têm medo.

- Medo de quê? – eu a olhei um pouco espantada. A garota parecia calma e era fofa, acho que não faria mal a uma mosca, ou talvez eu tenha julgado pela capa.

- Meu pai é o maior investidor do colégio – eu ergui as sobrancelhas. Eu estava conversando com a garota mais rica da escola? Que viagem.

- Você é a manda chuva aqui? – ela riu fraco antes de responder, um pouco vermelha me pareceu.

- Claro que não. Eu não gosto muito de chamar atenção. Mas elas me deixam em paz. E também – ela apontou e eu olhei pra frente na fileira ao lado, na primeira cadeira – aquele é o meu primo, Neji. Todo mundo respeita ele. E ele é bem protetor comigo.

- Nossa, mas você tá bem na fita então. É a realeza da escola. Tem até guarda-costas – nós duas rimos baixinho, chamando a atenção do primo dela, que nos olhou com reprovação e depois deu um leve sorriso para Hinata. Não entendi nada e fui pegar meu caderno. O professor disse seu nome e começou uma introdução a aula, que era literatura. Enquanto falava, pegou um livro, dizendo que seria o primeiro que estudaríamos e ia escolher um voluntário para ler um trecho. Alguns levantaram as mãos, enquanto ao meu lado, Hinata quase se afundou em baixo da mesa.

- Uchiha – o professor chamou e eu senti a mesa de trás bater levemente em minha cadeira. O tal Uchiha estava sentado atrás de mim, na última cadeira na fileira do meio da sala. Olhei para trás, vendo um garoto moreno de cabelo ruivo alaranjado, que sentava ao seu lado e depois para o meu lado, procurando o garoto que agora passava ao meu lado e então foi estranho.

Ele parecia passar majestosamente em câmera lenta. Meu Deus, olha a bunda dele, que isso.

Uchiha desfilava lentamente pelo corredor, ou talvez só estivesse lento em minha percepção e eu juro que podia ver alguns brilhos em volta dele. Que coisinha linda era esse garoto, Jesus Cristo tenha misericórdia.

Ele era branco, mais alto que os garotos da nossa idade normalmente são. Seus cabelos eram negros, espetados, meio rebeldes e de costas eu só conseguia me focar naquela bunda dele. Ele tinha mais bunda que eu! Ah não, tem uma almofada ali, palhaçada.

Mas pior mesmo foi quando ele chegou lentamente a frente da sala e se virou. Minha circulação sanguínea quase parou quando eu encarei seus olhos totalmente escuros, pura escuridão. Parecia nem ter íris de tão negros que seus olhos eram. Aqueles olhos ao olhar para alguém, parecia até um convite para mergulhar no desconhecido, pura perdição.

Que moleque desgramado do caralho. Não tinha um defeito. Tinha dois botões da blusa social branca abertos, mostrando parte de seu peitoral. Que filho da puta lindo e nossa, como ele era sério. Sem estar bravo, apenas sério. Meu Deus, perdi até o ar.

Que isso novinho.

Ele começou a ler mas eu nem consegui prestar atenção. Gente, do céu, que pitelzinho. Eu nem tinha mais o que pensar. Mas pensei que queria ouvir sua voz então voltei pra realidade para prestar atenção no que ele terminava de recitar.

- "...e nunca a sua ampla face jovial expressou mais prazer do que naquele momento; nunca seu sorriso foi tão forte e nem seus olhos estiveram mais exultantes do que quando olhou para ela em seguida."  – assim que terminou, ergueu seu olhar para turma e, para minha sorte, parou direto em mim. Eu pedi a todas as divindades superiores que acontecesse exatamente o que ele havia acabado de ler, estilo amor a primeira vista e nós viveríamos um lindo romance, casaríamos e teríamos filhos. Ele conseguia ficar ainda mais gato lendo romance com sua voz grossa e sem emoção, sério, misterioso mas no fundo o meu futuro marido amoroso.

Nossa que vontade de beijar até a boca cair que me deu.

Mas bem, a vida real não é um conto de fadas. Ele olhou de volta para o livro, o fechando e entregando para o professor Kakashi e depois se sentou depressa, totalmente indiferente a minha pessoa. Mesmo com a ignorada, eu continuei suspirando, sentindo o cheiro do perfume que exalou quando ele passou por mim.

Meu olhar bobo e vagante passou por toda a sala até dar de cara com olhos que me olhavam de volta. O garoto ruivo que tinha me visto na revista me encarava tranquilamente, parecendo sorrir mas eu nem reparei porque desviei os olhos para Hinata rapidamente, meio envergonhada. Ela também me encarava.

- Já sei que olhar era esse seu – ela disse com um leve sorriso. – Só faltou pular nele – ela disse rindo fraco eu abaixei a cabeça rapidamente, sentindo meu rosto quente de vergonha. Ela estava sentado atrás da gente. Não queria que ele ouvisse uma coisa dessas.

- Não sei do que está falando, Hinata.

Eu fui para o intervalo junto com Hinata, já que tinha conversado somente com ela e a garota parecia meio solitária também. Nós pegamos nossa bandeja de comida e sentamos em uma mesa mais no centro do refeitório. Logo Naruto apareceu gritando como sempre.

- SAKURA-CHAAAN! – alguns pessoas olharam pra ele e eu me senti nervosa instantaneamente. Esse era o dom do Naruto. Me estressar.

- Baka, eu não sou surda, por que não para de gritar?

- Gomen, gomen – ele disse com um bico e se sentou ao lado de Hinata, que sentava de frente pra mim.

- Essa é a Hinata, ela é da minha sala – apresentei e ele abriu um enorme sorriso pra ela, que pareceu desconcertada de repente.

- Oy, Hinata! Eu sou Uzumaki Naruto e um dia serei o prefeito dessa capital! – ele disse alto demais, me fazendo rolar os olhos e seu jeito idiota, é claro, deixou a garota sem palavras. Ela o encarava totalmente vermelha.

- Naruto, você tá assustando ela! – eu disse, levantando o punho direito e ele me olhou com pânico.

- Gomenasai, eu não quero assustar ninguém – ele disse olhando pra mim e depois pra ela.

- Tá t-tudo bem! – disse toda esquisitona e olhou para o outro lado, mordendo depressa seu sanduíche. Eu hein.

- Meus amoressss, e aí? – Ino chegou alegre e sentou ao meu lado com sua bandeja. Ela me olhou cheia de animação e seus grandes olhos azuis pareciam brilhar. – Eu amei essa escola!

- É mesmo? – eu ri para ela e depois me veio a mente a bunda do Uchiha mexendo pra lá e pra cá enquanto ele andava. – Eu também amei – disse suspirando e ela ergueu as sobrancelhas.

- Que isso? É algum boy? Eu espero que seja porque eu já tô começando a achar que você é assexuada, Sakura – eu rolei os olhos e então ela olhou para Hinata. – Oi! – disse com um sorriso.

- Oi... sou Hinata – disse de forma tímida. Ela não parecia tão tímida assim antes. Naruto tinha a assustado mesmo.

- Eu sou Ino. Nós temos mais alguém para o nosso grupinho? – ela bateu umas palminhas animada.

- Parece que sim. A Hinata é meio excluída porque é muito rica e o pai dela é investidor da escola.

- Mas o que? Ela deveria ser bajulada por todos então. Que massa, peituda. Cola com nós que é sucesso – ela disse fazendo um joinha pra Hinata, que na hora pôs o braço sobre o busto e ficou totalmente envergonhada. Eu ri.

- Então você é garota mais rica da escola, DATTEBAYO! – Naruto gritou, olhando para Hinata e a mesma se encolheu. Tadinha.

- Naruto, para de importunar ela já! – eu gritei, me erguendo e socando sua cabeça. Ele caiu pra trás no chão e Hinata e alguns alunos em volta olharam assustados.

- Naruto-kun – ela disse preocupada e pôs a ajudar o loiro, que levantou de uma vez, dando de cara com o rosto dela bem perto, então no segundo seguinte, ela quem estava esparramada no chão, desmaiada. Ino e eu nos olhamos chocadas e depois corremos pra acudir a garota.

- Quando ela disse que o primo era protetor, eu não pensei que fosse tanto ao ponto de ela ficar constrangida na presença de uma rapaz – murmurei e Ino riu.

- Eu acho que foi amor a primeira vista, isso sim! – Ino zoou e Naruto olhava pra garota com cara de "o que tá acontecendo?".

- Hey, Hinata, reage! – eu dei umas batidinhas em seu rosto e logo seus olhos se mexeram. Tinham alguns alunos a nossa volta e quando ela viu a roda de gente em volta de si, fechou os olhos novamente. Eu puxei seu tronco pra cima, a fazendo sentar.

- O que está acontecendo aqui? – Neji, o primo de Hinata, chegou empurrando todos com cara de poucos amigos. – Vocês novatos não devem saber ainda como são as coisas por aqui por estarem mexendo com a Hinata! – ele disse sem gritar, mas em um tom alto e Ino se escondeu atrás de mim.

- Ela desmaiou, cara – Naruto disse e Neji o olhou com certo desprezo.

- Não me chame de "cara", seu indestinado – quem xinga o outro de indestinado? Isso nem existe. Já não gostei desse Neji. Só quem pode xingar o Naruto sou eu.

- Fala direito com ele, oh Rapunzel – eu disse, fazendo alguns alunos em volta soltarem exclamações surpresas e ele me olhar surpreso.

- Do que me chamou?

- De Rapunzel. Tá cultivando esse cabelão aí pra jogar pela janela pro seu boy encantado, é? – eu me levantei olhando pra cima, sem me importar com o olhar de medo dos outros alunos. – Nunca mais chame o Naruto de... de indestinado. Ele vai ser o prefeito um dia! – eu, Haruno Sakura, que achava ridículo quando Naruto falava isso, agora estava o defendendo com as mesmas palavras vergonhosas. Neji deu um passo pra frente, quase encostando em mim, com visível raiva e logo fui empurrada pra trás por um braço forte.

- Se encostar nela eu te estraçalho – Naruto disse, pela primeira vez baixo e sua voz soou de um jeito que deu medo. Ele encarava Neji sério e todos se calaram, olhando os dois.

- Naruto, tá tudo bem – eu puxei sua mão mas ele nem saiu do lugar.

- Ih, primeiro dia de aula e já fedeu – Ino murmurou atrás de mim, com Hinata já em pé.

- Não chegue mais perto da minha prima, seu indestinado – Neji disse e depois foi até Hinata, que o olhou com reprovação.

- Neji-san, você os deve desculpas! Eu caí de repente e eles estavam tentando me ajudar! – Hinata disse calma mas séria e ele nos olhou e depois olhou pra ela e suavizou sua expressão.

- Ela me chamou de Rapunzel e ele me ameaçou, então estamos quites. Agora vem – ele disse emburrado e saiu puxando Hinata pra longe. A rodinha se dispersou e eu olhei para Naruto que continuava postado na mesma posição.

- Ele já foi, Naruto, se acalma – eu disse e entrei na sua frente. Ele me olhou, suavizando a expressão de raiva em seu rosto.

- Se ele te encontrasse um dedo, eu o quebrava em dois – ele disse baixo, de forma sincera e eu lhe dei um cocão, fazendo ele praguejar e choramingar. – Por que fez isso, Sakura-chan?

- Baka, não se meta em brigas por minha causa. Eu sei me defender! – eu disse brava e ele começou a pedir desculpa. Óbvio que eu fiz isso só para descontrair porque ele parecia possuído.

Naruto era órfão dos pais. Morou em um orfanato até os seus 7 anos, pois Jiraya viajava muito e não tinha como cuidar dele. Depois ele foi morar com Iruka, um homem que sempre visitava as crianças e se afeiçoou a Naruto. Jiraya sempre o visitava e gostava muito de Naruto. Agora que Jiraya sossegou com minha tia, seria legal pra eles morarem juntos mesmo e passar mais tempo em lazer.

Mas bem, Naruto só tinha os dois com quem contar e agora a Tsunade-san. Então as pessoas que ele gostava eram muito importante pra ele. Seus amigos, Ino, eu e alguns outros que ficaram na nossa cidade eram muito importantes pra ele. Acho que por isso ele quis se mudar comigo.

- Esse garoto não bate nada bem – Ino disse, olhando pra onde Neji tinha seguido e nós assentimos. – Mas assim que eu gosto, causando no primeiro dia, haha. – ela me olhou. – Sakura, me conta do boy magia que você se interessou.

- Hey, aquele não é o Sasuke? – Naruto apontou e nós olhamos. Lá vinha ele. Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça, ele é o Uchiha que vem e que passa, num danço balanço a caminho... podia ser da minha boca porém querer não é poder.

- Ele... – eu murmurei e senti Ino me dar um tapão no braço.

- Eita, Sakura, que bofe é esse. Entendi a demora pra se interessar em um gatinho. Você pensa alto. E põe alto nisso. Que que isso papai do céu – Ino babou nele, assim como o resto das garotas no refeitório. Já percebi que ele era cobiçado. Eu tinha muita concorrência.

- Oy, teme! – Naruto gritou, andando até o Uchiha, que pelo que ele disse, se chamava Sasuke e eu e Ino o seguimos.

- Naruto, não vai arrumar brigar com o menino atoa! – eu pedi apavorada mas Naruto já estava jogado em cima de Sasuke num... abraço? 

- Nem o Naruto resistiu, que babado – Ino se abanou e eu fiz careta se confusão. Várias pessoas no refeitório pararam para olhar. Realmente estávamos causando no primeiro dia.

- Me solta, Usuratonkachi - o Uchiha o empurrou de leve e eu observei a cena curiosa.

- Cara, a quanto tempo! – Naruto o puxou pra sentar na mesa mais próxima e eu não entendi foi nada. Eles se conheciam?

- Você continua muito escandaloso, dobe – eles se xingavam como se fosse normal, sem irritação. Eu fiquei com mil interrogações na cabeça. De onde o Naruto conhecia o amor da minha vida?

- E você rabugento. Mas que loucura a gente vir parar na mesma escola!

- Você veio para me importunar – Sasuke parecia irritado com Naruto, mas ao mesmo tempo não parecia. Como seria a personalidade dele?

- Não se ache tanto. Eu vim pra ficar com a Sakura-chan! – Naruto apontou pra mim sorrindo e eu me aproximei.

- Que impressionante existir alguém que consiga aguentar namorar com você – ele disse sério mas Naruto parecia não se importar. Era uma relação estranha entre eles.

- Você que é insuportável. Sakura-chan e eu nos damos muito bem – Naruto disse, fazendo Ino rir e eu o olhar com um tique nervoso nos olhos.

- Tenho pena dela.

- Ela é sortuda de namorar um cara como eu, seu invejoso – foi a gota da água para eu socar Naruto tão forte que ele deslizou por toda extensão do banco e caiu de cabeça no chão. Sasuke olhou a cena de sobrancelhas erguidas mas deu um sorriso de canto. Naruto não levantou e Ino foi ver se ele estava bem.

- Ah, é que eu não sou namorada dele. Somos só amigos – eu disse sem graça, me explicando e ele me olhou de forma desinteressada. Aquele era nosso primeiro contato verbal. Eu senti corações em volta de nós, que logo foram quebrados por sua ignorada a minha pessoa.

Pela segunda vez.

Haha, pode se fazer de difícil Uchiha Sasuke, mas saiba que você ainda vai implorar pela minha atenção.

Oh, se vai.

 

Continua...


Notas Finais


O que acharam do primeiro cap??


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...