1. Spirit Fanfics >
  2. Vivendo com um Vampiro >
  3. Capitulo Dezesseis

História Vivendo com um Vampiro - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


oioi, rapidin hj.
antes de tudo queria agradecer aos 200 favs, muito obg :) vocês são incríveis
e aí? gostaram da capa nova? continuo um fracasso, mas é o que tem pra hj
anyways, o cap de hj alimenta bem quem tava faminto por jaeyong.
boa leitura!

Capítulo 16 - Capitulo Dezesseis


VIVENDO COM UM VAMPIRO

CAPITULO DEZESSEIS

Taeyong chegou em casa e foi logo tirando a blusa encharcada de sangue. Deixou escapar um gemido baixo de dor ao erguer os braços, notando que tinha alguns arranhões na pele, mas nada de grave – tinha tido sorte por não ter sido mordido por algum lobo. Jogou a camisa no chão do quarto e foi desfazendo-se do seu cinto jogando no chão e logo em seguida a calça jeans.

O tronco de Taeyong era pálido, além de pálido era magro, a cintura era fininha, a pele era de uma maciez sem igual, o Lee tinha longas pernas, as clavículas eram fundas e sempre estavam em destaque, Lee Taeyong era atrativo aos olhos de cada um, até mesmo aos seus olhos.

O vampiro analisou a própria imagem no enorme espelho que tinha na parede do seu quarto, suspirando. Seu cabelo estava maior, as pontas quase caiam nos ombros, a cor estava meio desbotada, Taeyong não gostava mais dela.

– Talvez eu devesse voltar para o vermelho. – Comentou consigo mesmo. – Fico bem de vermelho. – Pontuou. Alisou com os dedos os fios longos e os bagunçou levemente.

Taeyong saiu da frente do espelho entrando no banheiro onde tomou um belo banho e esfregou sua pele até o sangue seco sair de vez. Taeyong enxugou o corpo todo ao sair do banheiro e jogou-se na cama completamente nu. Seu corpo estava cansado, um tanto dolorido, entretanto, estranhamente o Lee não conseguia tirar da sua cabeça as palavras de Minho.

Se tinha uma coisa que Taeyong odiava era ser provocado. E não havia sido apenas as palavras acidas de Minho a respeito do seu passado, foi o jeito que ele falou de Jaehyun que fez o vampiro perder as estribeiras completamente.

Taeyong não estava apaixonado, puf, que piada ridícula.

Não só não estava apaixonado como não tinha amolecido para um humano. Não, isso não aconteceria duas vezes.

Jaehyun apenas era sua responsabilidade. E Taeyong cuidava dele porque queria transforma-lo, era isso, apenas sua ambição em transforma-lo.

Chegava a ser ridículo pensar que poderia ser outra coisa, até porque... Bom, mesmo se Taeyong estivesse apaixonado, Jaehyun estava longe de estar.

 

Jaehyun se remexeu desconfortável naquela cama de hospital. Tinha mesmo que ficar uma noite ali? Sua perna havia quebrado e pronto, o adolescente voltaria para casa e cuidaria dela lá, ugh, Jaehyun estava quase como Taeyong odiando hospitais. John e Chittaphon não estavam no quarto, comentaram algo sobre comprar alguma coisa para comer e Jaehyun acabou pedindo algo também porque não aguentava mais a comida daquele lugar.

O adolescente se ajeitou melhor na cama pondo-se sentado. Levou os olhos para sua perna analisando o gesso e suspirou, seus pensamentos logo indo até Taeyong. Ele não havia voltado. Claro, ele não prometeu que voltaria, mas Jaehyun queria que ele tivesse prometido assim não estaria preocupado com o sumiço dele.

Algo de grave poderia ter acontecido com o vampiro?

Ok, Taeyong era poderoso pra caralho, mas ele estava lidando com lobos, uma alcateia, e se... E se algo tivesse acontecido? Por que ele não ligou para John? Por que não voltou a visitar Jaehyun? Ah, Jaehyun adoraria a presença de Taeyong naquele momento, já estava sentindo-se solitário naquele quarto de hospital.

O Lee mais novo balançou a cabeça tentando dissipar os pensamentos ruins que estava tendo; Taeyong estava bem, obvio que estava, droga, se algo houvesse acontecido com ele Jaehyun nunca iria se perdoar. Era aquele sentimento que odiava. Se não fosse tão fraco ele mesmo teria ido tirar satisfações com Lucas, mas não, era um simples humano e agora estava com a perna quebrada.

– Merda. – Praguejou.

– Olha a boca garoto. – Jaehyun se assustou ao ouvir a voz grossa de Johnny. O vampiro alto entrou no quarto sendo seguido por Ten.

– Ai, você me assustou.

– Desculpe, desculpe. Mas fizemos é barulho no corredor, pedimos até desculpa a uma enfermeira que passava, não ouviu?

– Não, eu estava... Estava pensando alto.

– Me parece preocupado. O que lhe aflige?

Jaehyun juntou as mãos e brincou com os dedos sentindo-se um tanto envergonhado.

– Tem noticias do Taeyong? – Perguntou baixinho.

– Hmm, não. Ele não me ligou.

– Acha que aconteceu alguma coisa séria?

– Com Taeyong? Duvido muito. – Foi Ten quem respondeu.

– Quer que eu ligue pra ele para que você fique mais calmo?

– Sim, por favor.

John concordou e puxou o celular do bolso discando o numero do patrão. Chamou algumas vezes e a espera parecia matar Jaehyun lentamente.

– Taeyong? – John perguntou e Jaehyun soltou um suspiro de alivio. – Já está em casa? Ah, desculpe se interrompi seu sono. Por que liguei? Hm, Jaehyun estava preocupado. – O adolescente abaixou a cabeça sentindo a ponta das orelhas queimarem e Ten sorriu de canto o observando. – Sim, não estou mentindo, ele estava inquieto pensando em você. Mas me diga, ocorreu tudo bem? – Depois de uma pausa John praticamente gritou no telefone. – Não sobrou ninguém vivo? – John perguntou abismado assustando Jaehyun por um segundo. – Yah, não brinque com isso Taeyong. – Jaehyun não podia ouvir, mas algo lhe dizia que Taeyong havia rido divertido com a reação de John. – Certo, certo, amanhã estaremos aí. Ok, quer falar com ele? – Ansiedade atingiu Jaehyun, mas partiu rapidamente quando Johnny apenas concordou com algo e desligou a chamada.

– Ele está ótimo, está em casa. Então não há motivo para preocupações.

– Obrigado por ligar.

– Jaehyun, diga-me, por que tanta preocupação com Taeyong? – Chittaphon foi ousado em sua pergunta, sentando-se na poltrona ao lado da cama de hospital. O questionamento repentino pegou Jaehyun de surpresa deixando-o sem palavras. – Será que é apenas preocupação mesmo? Quer dizer, Taeyong é forte, não é? Essa hora deve estar se gabando por ter matado alguém, então é um tanto estranho tanta preocupação com ele. Assim como ele com você. Quais são os seus sentimentos em relação ao Lee?

Ten era direto, muito direto. E talvez um de seus poderes fosse deixar outras pessoas extremamente constrangidas.

– Q-quê?

John deu um olhar de aviso ao menor e Ten sorriu divertido.

– Não precisa ficar envergonhado.

– Eu estou com sono. – Jaehyun puxou o lençol branco e se cobriu inteiramente. Sentia seu rosto arder de vergonha. – Preciso dormir.

– Vamos deixa-lo dormir Chittaphon.

– Essa tática de fugir mentindo que tá com sono é mais velha que o John, viu garoto? – Ten se levantou da poltrona e saiu do quarto com John na sua cola.

Assim que se viu sozinho Jaehyun se descobriu. Pegou o lanche que John trouxe e comeu um pãozinho com cobertura.

– Hmm, o que eu sinto em relação ao Taeyong? – Perguntou baixinho a si mesmo.

 

No dia seguinte Jaehyun foi para casa, recebeu muletas para que conseguisse andar e foi um tanto complicado pegar o jeito de usa-las, mas quando passou pela porta da mansão e encontrou Taeyong o esperando, Jaehyun estava com as muletas e por um momento ele quis correr até o Lee, mas era impossível daquele jeito.

Taeyong sorriu pequeno para Jaehyun pedindo mudamente para que ele sentasse no sofá.

– Como se sente?

– Melhor, só é muito estranho estar com a perna quebrada.

– Você já tinha quebrado um osso antes, lembra-se da bicicleta?

– Lembro, mas é diferente porque eu conseguia escrever com a outra mão.

Os dois riram.

– Eu tenho a solução para o seu problema. Eu só preciso morde-lo. – Taeyong sussurrou erguendo uma das sobrancelhas e estranhamente Jaehyun sentiu seu corpo inteiro arrepiar. – Isso se você não tiver desistido.

– Não, não desisti... – O olhar de Jaehyun caiu na boca de Taeyong e o mais novo jurou que em algum momento as presa de Taeyong iam sair para fora.

Taeyong sorriu de canto.

– Ótimo. Que tal hoje?

– H-hoje?

– Sim, assim o veneno irá fazer efeito mais rápido. Daqui a pouco seu osso estará novo em folha, assim poderá tirar esse gesso.

Jaehyun analisou por um momento as palavras de Taeyong e concordou levemente com a cabeça.

– Está com medo? Consigo senti-lo.

– Estou.

– Não precisar ficar, sabe disso. Vai dar tudo certo, vou cuidar para que você não sinta tanta dor. Só precisa confiar em mim. – Taeyong se levantou do sofá sendo acompanhado pelos olhos curiosos de Jaehyun. – Irei dar uma saidinha, logo mais estarei aqui então se prepare. – Foi tudo o que Taeyong disse antes de desaparecer da frente do garoto transformando-se em um morcego.

 

– O Taeyong surtou muito? – Donghyuck perguntou. Estava em vídeo chamada com Jaehyun, Mark jogado em cima do seu corpo na cama do seu quarto. – Confesso que fiquei com medo quando ele entrou no quarto.

– Se você ficou com medo eu fiquei mil vezes pior. Eu achei que ele fosse surtar mais na verdade. Mas já está tudo resolvido.

– Como assim tudo resolvido? Taeyong deu outra prensa no Lucas?

– Hm, digamos que sim.

– O que? – Donghyuck exclamou. – Mentira! O que ele fez dessa vez?

– Ele ameaçou quebrar uma perna do Lucas na minha frente, mas... Hm, não sei, só sei que não devemos nos preocupar com ele novamente.

– Graças a Deus, ô pai eu sei que tu me sondas.

Jaehyun riu divertido para o amigo.

– O melhor eu não contei pra vocês, ou pior, sei lá...

– O que, o que?

– Sabiam que o Lucas era um lobisomem?

Jaehyun não sabia se foi a internet do amigo ou o grito dele que fez a vídeo chamada travar por um momento.

– Tá brincando comigo?! Caralho, caralho, a gente realmente tá vivendo o próprio Crepúsculo.

– Eu tô falando sério, o Taeyong me contou.

– Isso é muito foda, e tipo... Lobisomens e vampiros não se dão bem, não é? Nossa o Lucas tava ferrado na mão do Taeyong.

– Sim, mas parece que eles tinham um tipo de acordo sabe?

– Tipo... Vampiros e lobisomens não se matam?

– Talvez...

– Mil vezes foda, puta merda. – Donghyuck tinha um sorriso de orelha a orelha.

– É... Eu tenho que contar uma coisa a vocês. – O tom de Jaehyun mudou drasticamente, seus olhos desceram até seu colo por um momento antes de voltar a tela do celular. Mark e Hyuck olhavam atentos o amigo do outro lado. – Eu e o Taeyong conversamos novamente, sobre... Vocês sabem, o negocio lá...

– Que negocio? – Mark perguntou perdido.

– O negocio sobre vampiros...

– Ai meu Deus, não me diz que é o que eu tô pensando. – Donghyuck foi o primeiro a sacar o que o Lee queria dizer.

– O que é amor? – Mark sussurrou baixinho a pergunta no ouvido do menor.

– Sobre o Jaehyun virar vampiro, Markie.

O canadense fez um som surpreso e levou os olhos arregalados até o mais velho dos três.

– Isso é sério?

– Vocês acham loucura?

– Não.

– Sim.

Mark olhou para o namorado confuso.

– Como assim não, Hyuck?

– Como assim sim, Minhyung? Você não viraria um vampiro se tivesse a chance?

– Não!

– Ah, eu viraria. Por isso eu não acho loucura.

– Pelo o que eu me lembre o Taeyong quer transformar o Jae em vampiro apenas por interesse. Quer que o Jaehyun seja o sucessor dele. É isso que você quer Jae? Ser sucessor do Taeyong?

– Não quero ser sucessor dele, eu só quero ser forte.

– Existe academia pra isso sabia?

– Não Mark, não forte desse jeito. Olha o Taeyong, ele provavelmente enfrentou lobos e saiu vivo. É assim que eu quero ser.

– Então você vai se tornar o próximo Lee Taeyong.

– Talvez o Taeyong não seja tão mal assim, não é? – Donghyuck se pronunciou. – Ele não tá cuidando de você Jae?

– Está.

– Então quer dizer que ele se preocupa. E se ele se preocupa significa que ele gosta de você.

Céus, será que todo mundo ia falar aquilo pra Jaehyun agora? Ele já estava confuso em relação à Taeyong, aquilo só piorava as coisas.

– A questão é; Se você quer isso faça, a gente não vai deixar de ser amigo por causa disso.

– É claro que não. Mas ele vai se tornar um vampiro Hyuck. – Mark sussurrou medroso.

– Por Deus Minhyung deixa de ser bunda mole, mesmo sendo um vampiro o Jaehyun não vai matar a gente. Não é, Jae?

– É claro, o Taeyong vai me ensinar a controlar os instintos e tal.

– Então fixa, tá tudo certo.

Mark abraçou apertado o namorado afundando o rosto nas costas dele.

– Então eu–

Jaehyun se calou no momento em que a porta do seu quarto foi aberta e John entrou sendo seguido por Taeyong. O adolescente travou por um momento, mas logo voltou a si.

– Eu tenho que ir. A gente se fala depois.

– Tá bom, se cuida cara. Te amo irmão.

– Também amo vocês, até mais. – Jaehyun desligou a chamada deixando o celular de lado. Se arrumou melhor na cama sentando com as costas encostadas na cabeceira.

Taeyong tinha um sorrisinho arteiro nos lábios ao fechar a porta e se virar na direção do maior.

– Me comove esse sentimentalismo todo. – Comentou irônico. – Então, está preparado?

– Não. – Admitiu.

– Olha, eu trouxe o John para que você fique mais calmo. Senta na cama com as pernas pra fora. – Taeyong pediu. Com um pouco de dificuldade Jaehyun fez o que foi pedido, sentando-se na beirada da cama. – Relaxa Jaehyun, consigo sentir sua tensão daqui. – Taeyong se aproximou do mais novo e, porra, Jaehyun sentiu seu coração acelerar automaticamente. Taeyong estava bonito, tinha trocado de roupa e a blusa grande que ele usava era um tanto transparente deixando o tronco magro a vista. Além disso o perfume dele estava mais forte. Jaehyun não sabia o que estava acontecendo consigo, mas já era de praxe ele ficar envergonhado e nervoso na presença do menor. – Você me dá permissão para que eu sente?

Jaehyun não entendeu muito bem a pergunta, mas concordou com a cabeça. Contudo, para a sua surpresa, Taeyong não sentou do seu lado na cama, o vampiro subiu devagar por cima do corpo se Jaehyun e se acomodou no colo dele, deixando-o completamente sem reação.

Taeyong parecia confortável ali, ele pegou o rosto de Jaehyun nas mãos e o analisou de perto. Sorriu ao notar a surpresa dele, os olhos levemente esbugalhados, a boca entreaberta, hm, Jaehyun era belíssimo. Com a ponta dos dedos Taeyong penteou a franja de Jaehyun para trás, descendo em seguida as mãos para o pescoço dele. O vampiro conseguia ouvir perfeitamente os batimentos frenéticos do coração de Jaehyun, conseguia sentir o sangue, o cheiro, hm...

– Relaxe.

Estranhamente Jaehyun estava mais relaxado do que nunca. As caricias de Taeyong traziam uma serenidade antes nunca sentida pelo Lee mais novo. Quando menos percebeu Jaehyun tinha fechado os olhos, atentando-se mudamente nos movimentos de Taeyong. Sentiu o nariz dele tocar a pele do seu pescoço e o arrepio foi involuntário.

Taeyong respirou fundo absorvendo o cheiro do sangue de Jaehyun.

Era tentador.

– Preparado? – Taeyong sussurrou, não recebendo resposta. O vampiro passou a língua nos lábios e deixou o musculo passear lentamente na pele do pescoço de Jaehyun para que só depois suas presas rompessem a pele macia.

Jaehyun ofegou baixo pela dor que sentiu ao ter as presas perfurando sua pele. Já Taeyong gemeu abafado satisfeito ao finalmente sugar o sangue do garoto. Uma das mãos do vampiro pegaram Jaehyun pela nuca obrigando ele a tombar a cabeça mais para o lado para que pudesse sugar mais do sangue.

Deus, Taeyong estava no céu. Nunca antes em sua vida havia sentido sensação mais prazerosa como agora. O sangue de Jaehyun era tão bom que Taeyong poderia suga-lo inteirinho. Completamente perdido no prazer de suga-lo o Lee foi empurrando Jaehyun até ele deitar na cama totalmente a sua mercê.

Taeyong não era o único que estava aproveitando da sensação.

Jaehyun sentia seu corpo todo mole, uma sensação de êxtase o invadiu assim que sentiu a mordida, sem que percebesse uma de suas mãos foram até a cintura de Taeyong como se quisesse prende-lo ali. Taeyong afundou mais suas presas em Jaehyun e o adolescente gemeu baixo, foi aí que John resolveu tomar uma providencia.

– Taeyong, chega! – O vampiro falou alto o suficiente para que o torpor de Taeyong fosse quebrado. O Lee tirou suas presas de Jaehyun e lambeu os dois furinhos no pescoço para que ele se cicatrizassem. Taeyong ergueu o tronco e passou a língua nos lábios manchados de sangue com os olhos fixos em Jaehyun e em como ele parecia sereno com os olhos fechados. – Você quase perde o controle. – Johnny alertou.

– Desculpe, desculpe, eu não sei o que deu em mim, mas... O sangue dele é formidável. – Taeyong percebeu a mão de Jaehyun em sua cintura e algo em seu interior se remexeu. O vampiro deixou o colo do maior e o chamou finalmente. – Vamos, sente-se.

Jaehyun abriu os olhos marejados e com dificuldade se sentou. Seu corpo estava mole, era como se ele estivesse morrendo de sono e mal conseguisse ficar de olhos abertos.

– Como se sente?

– Sonolento.

– Talvez eu tenha sugado mais sangue que o normal, peço desculpas. Mas preciso da sua atenção agora. – Taeyong novamente pegou no rosto de Jaehyun erguendo-o para si. – Precisa sugar meu sangue agora. Ok?

Jaehyun só acenou positivamente.

– Abra a boca. – Taeyong pediu rasgando seu pulso, o sangue escorreu e ele levou rapidamente o pulso até a boca de Jaehyun, que em primeiro momento quis recusar, mas foi só sentir melhor o gosto do sangue de Taeyong que algo ativou em Jaehyun e com gula ele segurou o braço de Taeyong passando a sugar o sangue com fome. Taeyong fez um carinho nos fios de Jaehyun enquanto ele sugava seu sangue.

– O que deu nele? – John perguntou.

– Não faço ideia, mas é melhor que ele sugue o máximo que puder.

Alguns segundos depois Jaehyun tirou a boca do pulso de Taeyong o vampiro respirou fundo ao ver a boca melada de sangue do humano. Taeyong pegou Jaehyun pelo pescoço e sorriu de canto para ele quando os olhos do garoto miraram seu rosto.

– Sente-se bem?

– M-muito.

– A partir de agora vai se sentir ainda mais. – Foi tudo o que disse antes de em um movimento rápido torcer o pescoço de Jaehyun, quebrando-o. O corpo do maior caiu na cama e Taeyong virou-se para Jonh. – Fique de olho nele e me chame quando ele acordar. 


Notas Finais


eu fiquei muito insegura nesse final, não sabia se escrevia ou não desse jeito, mas eh isso...
comentem o que acharam :)
qualquer errinho eu corrijo depois, ok?
bjão


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...