1. Spirit Fanfics >
  2. Vivendo com um Vampiro >
  3. Capitulo Cinco

História Vivendo com um Vampiro - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


oioi, obg pelo apoio de vocês nessa fic, é tudo pra mim
boa leitura!

Capítulo 5 - Capitulo Cinco


VIVENDO COM UM VAMPIRO

CAPITULO CINCO

Mark suspirou entediado, apoiando a bochecha na palma da mão.

– Hyuck, acho que tá na hora da gente desistir. – o canadense falou.

– E eu lá sou homem de desistir, Mark Lee? – Hyuck estava sentado ao lado do maior, os olhos bem afiados na direção do casal.

– Mas Hyuck a gente já tá nisso há dias e nada. Tudo o que a gente vê é o Jaemin agarrando o Jeno. Nada de novo sob o sol. – reclamou. – Talvez a gente esteja paranoicos demais. – E com a gente, Mark queria dizer Donghyuck. O mais novo havia botado na cabeça que Na Jaemin era um vampiro, e conhecendo o Lee como Mark conhecia, ele não tiraria aquilo da cabeça tão cedo.

– Você notou uma coisa engraçada? – Hyuck ignorou o comentário de Mark, começando seu raciocínio. – Jeno sempre está com camisa de gola alta. Ele inclusive fica muito bem vestido assim.

Mark revirou os olhos. – Ele apenas deve gostar Hyuck.

– Ou ele pode estar tentando esconder as provas. Se Jaemin é um vampiro e se alimenta dele os furos na pele devem estar lá. – terminou seu raciocínio. – Já sei! – exclamou antes de Mark falasse algo. – Acabei de ter uma ideia.

– Lá vem. – Mark murmurou. – Diga.

– Precisamos fazer o Jeno tirar a camisa.

– Quê?

– Ele precisa tirar a camisa pra assim a gente conseguir ver os furinhos no pescoço, entende?

– Não...

– Ai Minhyung, pensa comigo.

– Eu sei onde você quer chegar, mas isso é muito estranho.

– É uma ótima ideia. Eu só preciso pensar em como eu vou conseguir essa proeza. Será que Lee Jeno é bom em esportes? – perguntou a si mesmo pensativo.

 

Jaehyun estava inquieto. Quase não havia conseguido dormir noite passada, com uma insegurança nunca antes sentida.

Era impossível. Claro que era impossível, seria até ridículo cogitar a ideia de que Taeyong era mesmo um vampiro. Vampiro era coisa de série de tevê, de quadrinho, filme, nada era real. Talvez Jaehyun estivesse vendo coisa onde não tinha nada. Mas então por que aquele sentimento estava ali?

O medo de Taeyong invadir seu quarto de noite e sugar todo o sangue do seu corpo nunca havia sido tão real.

– É ridículo, Jaehyun. – falou a si mesmo. – Vampiros não existem. – negou novamente.

Era a centésima vez que falava aquilo, como se quisesse e precisasse acreditar fielmente naquelas palavras.

O garoto saiu de casa cedo pronto para ir para a escola. Mandou uma mensagem a Yerim onde dizia que não poderia busca-la naquele dia; havia esquecido de botar gasolina, ou seja, foi a pé pra escola. Assim que entrou na sala notou os lugares de Mark e Donghyuck vazios, suspirou se sentando na sua carteira.

Apenas quando o sinal tocou que o casal deu as caras. Mark estava com o rostinho franzido, enquanto Donghyuck tagarelava sem parar no seu ouvido.

– E aí hyung. – Mark cumprimentou Jaehyun, sentando-se.

– Oi hyung. – foi a vez de Hyuck cumprimenta-lo.

– O que aconteceu? – Jaehyun perguntou.

– Meu namorado está obcecado com–

– Obcecado nada. Não é nada hyung. – Donghyuck desconversou. Não queria falar sobre o caso com Jaehyun ainda, apenas lhe contaria quando confirmasse suas suspeitas.

A professora entrou na classe, e todos se calaram.

– Pagina 57 do livro de matemática. – ela pediu.

Hyuck bufou. – Odeio matemática.

 

Jaehyun estava com o olhar fixo no quadro, mas a verdade era que ele só via a boca da professora se mexendo. Estava com a cabeça em outro lugar, mais especificamente em alguém; Lee Taeyong.

Sentiu uma bolinha de papelzinho atingir sua cabeça, fazendo com que ele acordasse daquele transe. Olhou para Donghyuck com o cenho franzido.

– Você tá com a cabeça aonde hyung? Tá todo aéreo aí.

Jaehyun negou com a cabeça.

– Não é nada.

– Tem certeza? Se tiver com problemas pode nos contar. – foi Mark quem falou dessa vez.

O Lee ponderou rapidamente. Tinha como dever compartilhar isso com seus amigos, talvez assim aquele peso estranho sairia de seus ombros.

– Tenho que conversar com vocês na hora do intervalo.

– Tá ok.

 

– E foi isso o que aconteceu. – terminou de contar, deixando o casal de amigo de queixo caído.

– E você acha mesmo que ele tentou te hipnotizar?

– Acho. Isso é muito assustador. Foi igualzinho aquelas séries sabe? Ele olhou fundo nos meus olhos e falou como se fosse uma ordem, mas eu não senti nada de diferente, eu continuo lembrando o que rolou.

– Estranho... – Donghyuck comentou, a mão no queixo enquanto ele pensava.

– Muito.

– E se você for imune a hipnose? – perguntou.

– O que? O foco aqui não sou eu, inclusive isso seria ridículo, o foco é o Taeyong. Eu tô começando a achar que ele possa ser mesmo um vampiro.

– Eu disse, e tô dizendo isso faz tempo. – Hyuck falou. – Faça o seguinte: finja que esqueceu. Finja que não suspeita de nada, mas continue de olho. Veja se ele age mesmo como um vampiro, teste seus poderes, suas fraquezas como vampiro.

– Como eu faço isso?

– Bota a cabeça pra trabalhar, oras.

– Tá. Você pode me mandar mais algumas coisas sobre vampiros? Talvez eu possa ler e tal.

Donghyuck abriu um sorriso de orelha a orelha. – Claro, claro. O TudoSobreVampiros.Com é ótimo.

 

Quando as aulas acabaram, Jaehyun saiu da sala com os amigos pronto para aceitar a carona de Mark. Entretanto, no meio do caminho o Lee encontrou Yerim.

– Até que enfim eu te encontrei. – a garota falou. – Não te vi o dia inteiro, achei que estivesse me ignorando.

– Não, não, nunca. Eu só fiquei com eles no intervalo.

– Ah, então tá bom. – ela sorriu doce. – E aí, quer ir lá pra casa? – ia falando enquanto eles saiam da escola.

– Eu não sei se é uma boa ideia, quer dizer, eu tenho que falar com o Taeyong.

– Você pede tudo a ele? Você disse que ele é amigo da sua família, né? Não é como se fosse seu pai.

– Sim, eu sei, mas–

– Poxa, por favor, Jaehyunnie. Não custa nada quebrar as regras as vezes. – ela pediu manhosamente.

Droga, Jaehyun estava a um passo de ceder.

Contudo, para a sua total surpresa, Taeyong apareceu naquele momento.

– Jaehyun. – O Lee chamou.

O garoto arregalou os olhos em espanto, enquanto Mark e Hyuck pareciam ainda mais surpresos que ele.

– O-o que faz aqui? – nunca em toda a sua vida Taeyong havia aparecido em sua escola, nunca, nem mesmo para reuniões.

– Vim busca-lo, vi hoje de manhã que seu carro estava sem gasolina.

– Não era necessário, eu ia de carona.

– Ah sim, mas já que estou aqui... – Taeyong levou seu olhar para Yerim, que lhe sorriu gentil. – Olá Yerim.

– Olá senhor Lee.

– Estava tentando convence-lo a ir contra mim? – Taeoyong atirou, entretanto sorriu gentil.

– Nunca senhor Lee. – o tom de Yerim era quase desafiador, mas talvez apenas Taeyong tenha percebido.

– Talvez você não seja a melhor companhia ao Jaehyun.

– Você não decide isso. – Jaehyun se intrometeu, desafiando o mais velho. O olhar que recebeu fez seu sangue gelar, mas ele continuou firme. – Não pode se intrometer desse jeito na minha vida, tentando dizer quem, ou o que, é bom para mim ou não.  Inclusive o que faz aqui? Você nunca ao menos pisou antes na minha escola, nem mesmo para uma reunião de pais, agora está aqui tentando fazer o que? Você não pode aparecer aqui desse jeito–

– Cala-se! – Taeyong vociferou. E pela primeira vez Jaehyun viu Taeyong sair dos trilhos. Algumas pessoas já observavam a cena de longe, e aquilo enraiveceu Taeyong. – Você é insolente demais, não acha? – Taeyong se aproximou perigosamente de Jaehyun, deixando atordoado. – Eu realmente odeio fazer cenas, não era o meu objetivo, mas já que você começou... Veja bem Jaehyun, você tem duas opções, vá com Yerim, ou vá comigo. A primeira terá consequências e você sabe disso. Escute-me quando eu digo que essa garota não é certa para você.

Donghyuck olhou para Mark abismado, enquanto mais longe Jeno e Jaemin também observavam a cena, Jaemin com os olhos fixos em Taeyong.

Jaehyun pensou rapidamente, quer dizer, ele nem precisava pensar. Yerim era sua primeira escolha, Taeyong não podia estar fazendo aquilo com ele, não daquele jeito, não naquele lugar.

– Eu vou com ela. – disse confiante e tudo pareceu parar naquele momento. Jaehyun estava desafiando Lee Taeyong e aquilo era uma afronta sem igual. O mais novo sempre respondeu atravessado ao Lee e podia até ser considerado mal criado, mas aquilo realmente era...

Taeyong não expressou reação, apenas assentiu.

– Tudo bem, vejo que fez sua escolha. – os olhos frios de Taeyong miraram o casal de amigos de Jaehyun, fazendo com que ambos dessem um passo para trás. De longe Jaemin notou que Taeyong lhe olhou rapidamente, logo desviando o olhar e caminhando até seu carro.

Ninguém disse nada quando o Lee saiu, todos ficaram calados. Hyuck ainda estava arrepiado com o olhar que recebeu e Jaehyun parecia não acreditar que ele tinha mesmo feito aquilo.

– Vamos? – foi Yerim quem quebrou o clima, não parecendo abalado pelo o que tinha acabado de acontecer.

 

– Atende logo, merda. – Taeyong praguejou, o celular estava no colo no viva voz e o vampiro esperava impacientemente a pessoa do outro lado da linha atender.

– Alô? – o homem atendeu finalmente.

– Yuta?

– Ty? – o japonês perguntou surpreso.

– O próprio, preciso de um favor.

– Não me surpreende.

– Não seja debochado. – Taeyong alertou, ouvindo a risada de Yuta do outro lado. – De qualquer forma, preciso que siga uma pessoa para mim.

– O nome?

– Kim Yerim. – virou na rua da mansão, parando em frente ao portão.

– Espera aí, Kim Yerim? A mesma Kim Yerim de...

– Sim, fique na cola dela e descubra aonde a cobra mora.

– Não irei cobrar barato. – Yuta alertou.

– Isso é o de menos, descubra tudo o que puder dessa garota o mais rápido possível, não quero ela no meu caminho.

– Certo, até mais Ty. – Yuta se despediu, logo a chamada sendo encerrada.

Taeyong assim que entrou na mansão sentiu um cheiro diferente no ar. Franziu o cenho em desconfiança, mas não deu importância, tinha coisas mais importantes para fazer. Entrou em seu quarto fechando a porta com força. Sentiu suas presas saírem e ele respirou fundo, estava tentando se controlar desde aquela maldita escola até chegar em casa.

Jaehyun havia o desafiado, simplesmente ousado o desafiar.

– Maldita Yerim... – e o vampiro jurava que a responsável por fazer a cabeça do garoto era Yerim. – Você vai pagar por isso sua cobra peçonhenta. – Taeyong rosnou, abrindo a porta do seu quarto e avançando nas bolsas de sangue daquela salinha. Entretanto, elas não saciaram sua sede. Não, ele precisava de algo mais fresco.

Irritado o vampiro saiu pela janela de seu quarto para bem longe dali.

 

– Jaehyun? – Yerim chamou o namorado, despertando-o de um pequeno transe. – Quer jantar? – convidou.

Jaehyun assentiu positivamente.

– Ainda estou surpreso que more sozinha nesse apartamento. – ele comentou.

– Pois é, pedi emancipação cedo aos meus pais. Eles me deram o apartamento e mandam todo mês uma pensão.

– Uau, mas não é solitário morar sozinha aqui?

– Não, eu me saio bem morando sozinha. – a garota serviu a comida industrializada que havia comprado.

– Ah sim, mesmo morando com o Taeyong é como se eu morasse sozinho, apenas Johnny está lá.

Yerim assentiu.

– Não vamos falar sobre eles, coma. – pediu. – Enquanto você come eu irei subir e tomar um banho.

– Não quer também?

– Eu não janto bobinho. – sorriu, subindo para o andar de cima.

Jaehyun ficou sozinho na cozinha do apartamento, pegando com os hashis a comida e levando a boca. A comida parecia seca demais, o Jung resolveu ir até a geladeira para ver se Yerim tinha algum suco ou algo do tipo. Encontrou uma garrafa com um conteúdo vermelho.

– Vinho? – murmurou a si mesmo.

Ah, Jaehyun não gostava de vinho.

Pegou a garrafa em mãos, olhando mais de perto. Abriu a boca, se preparando para cheirar o conteúdo, contudo, Yerim foi mais rápida.

– O que está fazendo? – pegou a garrada da mão de Jaehyun, olhando confusa para ele.

– Eu queria sentir o cheiro do vinho. Você não ia tomar banho?

– Ia, mas vim pegar... Olha, não mexa nisso, é só meu. – avisou. Tampou a garrafa, colocando-a de novo na geladeira. – Tem suco na dispensa, se quiser tomar.

– Tá bom. – Jaehyun concordou não entendendo o nervosismo da garota.

Yerim suspirou.

– Agora sim eu vou tomar um banho. Quando terminar suba para o quarto. – dito isso, saiu da cozinha.

Jaehyun terminou se jantar rapidamente, subindo para o quarto logo em seguida. Yerim ainda estava no banho quando seu celular tocou em uma vídeo chamada de Donghyuck.

– Oi – Donghyuck quem falou primeiro. – Como você tá? – depois da cena na frente da escola Jaehyun e Yerim foram embora deixando o casal sem qualquer explicação para trás. Donghyuck ainda estava incrédulo com o que tinha acontecido, era a primeira vez que via Taeyong ao vivo e a cores, e para o Lee não restava duvidas, Taeyong realmente era um ser sobrenatural; bastava apenas prestar bastante atenção para perceber. Aquele homem parecia tão surreal, e ao mesmo tempo ele transbordava uma aura tão assustadora.

– Tô bem, acabei vindo pra casa da Yerim, vou passar a noite aqui.

– E depois?

– Não sei, eu vou ter que voltar lá para pegar minhas coisas.

– Mas e ele?

– Ele quase não para em casa, eu vou no melhor momento, qualquer coisa eu ligo pro John e tal. – passou a mão no cabelo suspirando.

– Eu fiquei assustado hoje quando vi ele. Aquele cara é... – Donghyuck mal tinha palavras pra descrever Taeyong.

– Eu sei...

– Cara... Como você tem duvidas de que ele seja um vampiro? Tá meio obvio.

– Não viaja Donghyuck. – desdenhou, mas acabou sorrindo de lado.

– Eu tô falando sério cara, se fosse eu no seu lugar eu nem ia duvidar.

– Continuo cético.

– Pô, agora que vocês brigaram não vai dar nem para botarmos nosso plano em ação.

– É...

– Tá tudo beleza, fica bem tá? Qualquer coisa pode me ligar, ou pro Mark também.

– Valeu cara. – Donghyuck era mesmo um achado incrível em sua vida. Tanto ele quanto Mark.

– Boa noite, até amanhã.

– Até. – assim que desligou a vídeo chamada Yerim saiu do banheiro.

– Quem era?

– Donghyuck.

A garota já estava com sua roupa de dormir, uma camisola preta. Jaehyun acabou ficando envergonhado e Yerim percebeu. Ela sorriu pequeno, erguendo as sobrancelhas ao ver o garoto desviar os olhos de si.

– O que foi? – perguntou risonha.

– N-ada.

– Por que está envergonhado? – subiu na cama, ficando próxima de Jaehyun. – Nunca deitou antes com uma garota, Jaehyunnie?

A pontinha das orelhas de Jaehyun ficaram vermelhas, enquanto ele negava com a cabeça.

Yerim passou a língua nos lábios.

Você era melhor do que eu pensava. Agora eu entendo o Taeyong.

– Para tudo tem uma primeira vez, certo? – Yerim sussurrou, virando o rosto de Jaehyun para si, os olhos do homem desceram até os lábios rosados da Kim, mas foi ela quem tomou a atitude de puxa-lo para um beijo sedento.

Eu vou acabar com você Jaehyun. 


Notas Finais


ai gente markhyuck>>>>>>
taeyong putasso com o jaehyun e o gato desafiando ele, senti um cheirinho de que isso nao vai acabar bem
bem-vindo à estoria nakamoto yuta
yerim quase pega no pulo nék
bom, eh isso. qualquer errinho eu corrijo depois, comentem o que acharam e bjão


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...