História Você ainda é meu (Um conto SasuNaru) - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Naruto Uzumaki, Sasuke Uchiha
Tags Adultério, Família, Naruto, Sasunaru
Visualizações 63
Palavras 5.886
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo-Ai, Universo Alternativo, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Eu não resisto a você


Fanfic / Fanfiction Você ainda é meu (Um conto SasuNaru) - Capítulo 4 - Eu não resisto a você

Naruto sentou-se na escada ainda inerte com o que tinha acontecido, levou a mão até os lábios os sentindo inchados e provavelmente vermelhos, estavam formigando e Naruto estava atônito. A eletricidade ainda corria por suas veias e ele se odiou por isso, aquela com certeza era a boca errada, mas tinha desmontado com Naruto completamente.

Fechou os olhos lembrando de como as coisas costumavam ser entre eles no início, tudo muito intrínseco e o ar de flerte já era presente entre os dois, mas nunca se esqueceria quando a eletricidade finalmente os alcançou.

--

Naruto fechou o envelope com as quatrocentas páginas e suspirou se encostando na cadeira, olhou o celular e viu uma mensagem de Sasuke avisando que estava chegando pra buscar o manuscrito. Não resistiu e precisou tomar um banho rápido, colocou roupas confortáveis, mas bonitas afinal Sasuke estava chegando.

O loiro tinha interesse, claro que tinha, Sasuke era atraentemente arrogante, era inteligente com uma pitada de narcisismo, além de ser gostoso pra caralho. Os dois viviam flertando, mas nunca aconteceu nada entre eles, talvez Sasuke só gostasse da brincadeira.

A campainha soou e Naruto passou os dedos pelo cabelo molhado indo atender, abriu a porta sorrindo pro Uchiha que estava ainda mais bonito naquele dia, fazia frio no final do outono, ele usava roupas formais, mas uma jaqueta de couro preta por cima, bem no estilo dele.

- Oi, baixinho. – encostou-se na porta – Acho que você tem que me dar alguma coisa.

- Sim, eu tenho. – Naruto sorriu malicioso e saiu da frente da porta – Entra, Senhor Uchiha, vou dar o que você quer.

- Se você soubesse... – ele murmurou entrando e Naruto fechou a porta – Conseguiu terminar?

- Sim, com todas as modificações que prescreveu, Uchiha. – Naruto cruzou os braços – Você quer um café? Eu vou fazer pra mim, então...

- Nesse frio é bom, quero sim. – disse Sasuke, Naruto andou até a cozinha sendo seguido por Sasuke, ligou a cafeteira colocando tudo o que era necessário. Abriu o armário de cima e precisou ficar na ponta dos pés pra conseguir pegar duas canecas e ouviu Sasuke rir, virou-se para ele fechando a cara – Seus pais também tem um metro e meio?

- Pra começo de conversa, eu tenho um metro e sessenta e sete. – ele inflou as bochechas colocando as xicaras sobre o balcão – E não, minha mãe tem minha altura, meu pai e meu irmão mais velho são bem mais altos que eu. Eu sou o menor Namikaze. Satisfeito?

- Namikaze? – Sasuke se aproximou parando na frente de Naruto – Você assina e se apresenta como Naruto 'Uzumaki'.

- Meu pai é famoso em Nova Iorque, ele tem uma imensa empresa no ramo industrial, então eu teria certa predileção se usasse o nome dele, não quero isso, por isso eu uso meu nome do meio e o nome de solteira da minha mãe. – disse o loiro encostando as costas no balcão.

- Muito inteligente e corajoso. – Sasuke parou diante de Naruto colocando uma mão de cada lado do corpo do menor, Naruto gostou da proximidade e levantou o olhar azulado para o maior – Você combina mais com esse nome.

- Você acha, Sasuke? – perguntou com uma voz inocente. O maior afagou o rosto de Naruto, Sasuke mordeu o lábio inferior e o loiro quase gozou só olhando, estava duro e não era pouco.

- Acho, meu anjo. – Sasuke entrelaçou os dedos nos cabelos dourados de Naruto – Quanto tempo mais vamos flertar e parar por isso mesmo?

Naruto subiu a mão pelo peito do maior agarrando a jaqueta.

- Até você me beijar. – respondeu Naruto. Sasuke sorriu da forma mais sexy que pôde, usou a mão nos cabelos do Uzumaki para trazê-lo pra ainda mais perto, beijou-o com afinco prensando seu corpo contra a bancada, ele tinha gosto de menta e Naruto o adorou, era um beijo com pegada e extremamente fácil de se viciar. O loiro prendeu o lábio inferior de Sasuke entre os dentes o chupando de maneira quase obscena – Parece que o manuscrito não é a única coisa que você quer pegar.

Sasuke riu puxando o loiro para seu colo, Naruto envolveu sua cintura com as pernas e seu pescoço com os braços.

- Nunca foi. – confessou Sasuke fazendo o menor rir – Quarto?

- Corredor, terceira porta. – disse Naruto sorrindo – Vamos ver se Sasuke Uchiha é tudo o que dizer.

- Ah, bebê, você vai implorar por mais. – Sasuke começou a caminhar para o que podia ser a melhor noite da vida de Naruto.

--

Naruto afastou aquelas memórias, enfiou as mãos no bolso pegando seu celular, discou o número do irmão.

- Fala. – disse Deidara.

- Preciso que venha ficar com Hikari, tenho que sair. – disse Naruto.

∞∞∞

Sasuke se jogou no sofá ainda com um sorriso bobo nos lábios, fechou os olhos e acabou adormecendo pelo cansaço que já o dominava, só acordou ao ouvir a campainha tocando incessantemente, olhou no relógio e viu que tinha cochilado por meia hora. Esfregou o rosto tentando despertar e se levantou, espreguiçou-se andando até a porta e se surpreendeu ao deparar-se com Naruto.

O loiro não parecia bem, como se tivesse chorado e logo Sasuke quis abraça-lo, mas precisava entender primeiro.

- O que... ? – começou Sasuke, mas foi calado com um forte tapa no rosto que o fez virar a cabeça, levou a mão até a face ardente e olhou para Naruto sem entender – Mais que porra é essa?

- Você é a pior pessoa que eu conheço, Sasuke! – exclamou Naruto derrubando lágrimas de raiva – Nunca mais, nunca mais me beije de novo, entendeu?

- Qual é, Naruto? – Sasuke não parecia entender – Você também quis aquele beijo!

- Eu quis, Sasuke, é verdade, mas isso não te dá o direito de fingir que nada daquilo aconteceu! – Naruto secou as lágrimas quentes – Você não me quer de volta porque me ama, você me quer de volta porque o Gaara quer e isso é tão nojento que eu nem consigo me expressar.

- Não é verdade, você sabe que eu te amo! – se explicou.

- VOCÊ É UM IDIOTA! – Berrou Naruto – Você me magoou, me destruiu, me reduziu ao pó, e agora simplesmente resolve que quer concertar depois de dez meses? Vai pro inferno Sasuke, toca em mim de novo e eu te soco até você morrer!

- Por que você está negando a verdade? – Sasuke se irritou – Me bate, me soca, grita comigo, não vai mudar que você correspondeu ao meu beijo, que você me quer, que você é meu!

- Você me tirou tudo, eu tinha a vida perfeita que escrevia. – ele respirou fundo lutando contra as lágrimas – Um lindo filho, um marido que eu amava mais que a minha vida, uma casa bonita e o emprego dos sonhos. Eu sei que últimos dois meses do nosso casamento foram pesados, sei que brigamos muito e que dissemos coisas horríveis, mas eu te respeite até o ultimo dia, até você...

Sasuke quis bater a cara na parede, era a primeira vez que Naruto era aberto com ele.

- Naruto... – ele respirou fundo – Vamos conversar, por favor.

- Você pensou em conversar comigo quando saiu de casa no aniversário do nosso filho? Pensou em sair do trabalho e voltar direto pra casa e conversar comigo? – perguntou Naruto com os olhos estatelados – Eu sei que disse coisas horríveis naquele dia, Sasuke, sei que te magoei naquela briga, e me culpei durante todo o tempo em que esteve fora, eu nunca pensei que você faria aquilo, que me machucaria dessa forma apenas pra tentar se sentir melhor.

- Meu amor eu me arrependo tanto, tanto! Isso me corrói por dentro, isso me destrói todos os dias, Naruto. – Sasuke tentou se aproximar, mas Naruto recuou pro meio do corredor.

- Dez meses, Sasuke, dez meses longos e solitário, você nunca fez questão de se aproximar, nunca tentou. – Naruto pareceu confessar isso – É tarde demais, é tarde pra se explicar ou tentar se redimir, então para. Para com isso, ou eu juro que entro com o processo de guarda e sumo com o Hikari.

- Não pode tirar meu filho de mim! – Sasuke sentiu vontade de morrer só de imaginar ficar sem o filho.

- Então não destrói a convivência minimamente saudável que eu consegui suportar. – pediu Naruto – Você é meu agente, meu ex-marido, meu editor e pai do filho, nada mais. Então aceita que alguém pode existir na minha vida porque você abriu espaço pra isso.

- Você não o quer. – Sasuke engoliu o choro.

- Não, Gaara é como um amigo muito especial, mas eu te juto que eu vou usar todas as minhas forças pra tentar desejá-lo, gostar dele e quem sabe um dia amá-lo. – essas palavras de Naruto feriram Sasuke profundamente – Eu sei que é difícil pra você, mas uma vez na sua vida não seja egoísta, me deixe tentar te esquecer, deixa o Gaara tentar me fazer feliz, porque você teve sua chance e falhou.

Naruto virou as costas e Sasuke desejou intensamente segui-lo, mas o deixou ir tranquilo. Respirou fundo batendo a porta com força, sentia o coração partido no meio do peito, sentia o choro na garganta e o deixou vir violentamente. Andou até a mesa de bebidas as derrubando no chão, jogava as garrafas contra as paredes, acertava os vidros das janelas e chutava os moveis.

Estava totalmente possesso de raiva, raiva de si mesmo enquanto quebrava o apartamento inteiro, tudo que via pela frente e se machucava no processo, os vidros cortavam sua mão, as madeiras arranhavam seus braços, mas ele não parava, queria sentir-se mal, queria ser punido.

- Sasuke! Sasuke! – era Itachi, mas Sasuke quase não o escutava, sentiu os braços do irmão o envolverem por trás e o trazer para perto de si e os dois caíram no chão. Sasuke se debatia nos braços do irmão tentando continuar com a destruição, mas parou ao sentir-se abraçado por Itachi – Para com isso! Eu sabia que tinha coisa ruim quando o Deidara me ligou, mas não imaginei que seria tanto! O que houve?

- Eu o perdi, Itachi... ele me odeia! – gritou Sasuke aos prantos, a dor era surreal e agora ele entendia como Naruto tinha se sentido há dez meses, uma parte da vontade de afastar-se nesse tempo também era para não ter que lidar com a dor de perde-lo, e agora Sasuke sentia, agora Sasuke sabia que seria muito mais terrível – Ele me odeia!

- Shhhi... – Itachi afagava os cabelos do irmão – Não entende Sasuke? Tudo isso, toda essa vontade de te repelir, é porque mesmo machucado, mesmo com raiva e ferido, o Naruto ainda te ama, ele ainda é seu. Não pare de lutar, irmãozinho, não desiste da sua família.

∞∞∞

Naruto acordou mais tarde naquele dia, tomou um banho pra acordar e desceu pra preparar o café de Hikari, sabia que o filho gostava muito de panquecas e por isso resolveu fazer algumas, esquentou leite e fez um suco natural, cortou frutas e colocou tudo numa bandeja.

Adentrou o quarto do pequeno notando que ele ainda dormia, apoiou a bandeja sobre o pequeno criado mudo e abriu as cortinas para deixar o sol entrar, sentou-se ao lado de Hikari e beijou sua testa.

- Hora de acordar, mocinho. – disse Naruto e Hikari gemeu esfregando os olhinhos.

- Mas não tem escola hoje. – ele gemeu.

- Já passa das dez, meu filho, precisa tomar café e seu remédio. – disse Naruto o ajudando a se sentar, o menor gemeu de dor e fez beicinho – A dor vai passar, gatinho. Eu fiz panquecas pra você.

- Panquecas! – Hikari sorriu e Naruto colocou a bandeja na frente dele. Comeram juntos e rindo quando se sujavam, mas a pior parte foi fazê-lo tomar o remédio, Hikari era um ótimo menino, mas era muito mimado em alguns momento – Não 'quelo' papai, tem gosto ruim!

- Filho, é só engolir. – disse Naruto segurando o frasco amarelo, Hikari cobriu a boca.

- Quando o papa chegar eu tomo. – disse ainda segurando a boca.

- Tem hora certa, filho. – Naruto tentou explicar – E eu não sei se seu pai vem hoje.

Não sabia se Sasuke viria depois da briga de ontem e não podia explicar isso para o filho, muito menos prometer que ele viria.

- É claro que sim. – Sasuke estava na porta, Naruto se assustou com sua voz, ele carregava um embrulho de presente sob o braço – Desculpa entrar assim, a porta estava aberta.

- Bom dia, papa! – o menininho sorriu.

- Bom dia, amigão. – Sasuke aproximou – Olha o que eu trouxe pra você!

- PRESENTE! – ele gritou.

- Opa, alguém não está merecendo. – brecou Naruto e Sasuke o olhou sem entender – Ele não quer tomar o remédio.

- É ruim. – se justificou com um rostinho triste, Sasuke suspirou e se sentou do outro lado da cama.

- Hikari, precisa tomar o remédio na hora que o seu pai mandar, ele é mais velho e sabe o que é melhor pra você. – seu tom era firme, mas não rude – Entendeu?

- Sim... – abaixou a cabeça.

- Agora pede desculpas. – insistiu Sasuke.

- Desculpa, papai. – o moreninho olhou Naruto – Vou ser um menininho bom 'agola'.

Naruto desmanchou, sempre era assim, ele era o pai que mimava e Sasuke o que colocava limites, o loiro simplesmente não resistia ao rostinho triste do filho. Ajudou-o a tomar os dois comprimidos com a ajuda do suco e o beijou ao terminar.

- Agora sim. – Sasuke colocou o embrulho no colo do menininho enquanto Naruto retirava a bandeja. Hikari abriu o embrulho sem tomar cuidado, era um carrinho de controle remoto que parecia muito caro, semelhante a outros 5 que Hikari tinha.

- UAU! – Ele riu amplamente – Eu não tinha um vermelho antes! 'Obligado' papa! – ele parecia realmente feliz.

Naruto aproveitou a distração e levantou indo até a cozinha, começou a lavar a pouca louça quando ouviu passos e viu Sasuke entrar segurando o copo que Naruto esqueceu.

- Outro carrinho? – Naruto voltou a olhar pra pia – Sabia que ele ainda nem abriu o último?

- Ele fez uma cirurgia, me deixa mimar ele um pouco. – Sasuke sorriu e Naruto não entendeu, ele devia estar frio e chateado – Como anda o manuscrito?

- Me atrasei um pouco com tudo isso, mas estou finalizando, te entrego na sexta. – disse o loiro.

- Então teremos uma boa noticia pros acionistas da Flórida no Sábado. – disse Sasuke e Naruto gemeu estapeando a própria testa. Tinha uma viagem para Flórida marcada há um ano, antes de tudo aquilo e simplesmente esqueceu.

- Eu me esqueci completamente. – Naruto apoiou as duas mãos na pia.

- Escuta, você precisa ir, é a estrela da Editora e eles querem te ver. – Sasuke parecia calmo e até compreensivo – Mas se não estiver confortável com isso, posso ver se o Itachi consegue mudar a agenda dele e ir no meu lugar. Não vou te forçar a isso.

- Isso daria muito trabalho. – Naruto respirou fundo se decidindo, virou-se para Sasuke – Somos adultos e vacinados, é trabalho e precisamos ser profissionais. Vamos à Flórida no sábado e retornamos no domingo, isso não vai me matar.

- Se acha que não, vou confirmar tudo. – disse Sasuke.

...

Sasuke não tentou nenhuma aproximação desnecessária, talvez o medo de Naruto pedir a guarda total de Hikari era maior, o loiro sabia que o Uchiha era um bom pai, talvez ele mesmo não tivesse coragem de afastá-lo do filho, mas precisou ameaçá-lo, não tinha psicológico para lidar com isso.

A semana seguiu calma, Sasuke ia todos os dias ficar com Hikari que estava se recuperando bem, isso dava a Naruto tempo para escrever e com um pouco de esforço conseguiu finalizar o bendito manuscrito. Entregou-o a Sasuke sabendo que ele devolveria com algumas poucas anotações sobre alguns personagens, era sempre assim.

Quando o Sábado chegou despediu-se do filho ao deixa-lo na casa dos avós, odiava ficar longe dele, mas seria apenas um dia. Não havia necessidade de Naruto e Sasuke irem lado a lado na viagem, mas assim aconteceu por só restarem dois acentos na primeira classe, era desconfortável, nenhum dos dois falou nada por uma hora e meia e em parte Naruto ficou feliz por isso.

Sasuke parecia sério quando o carro mandado chegou, era como se pensasse em algum problema, mas Naruto decidiu que não era seu assunto, Sasuke não era problema seu. Ao chegarem ao luxuoso hotel descobriram a infelicidade de estarem em quartos vizinhos, o destino não era muito amigável com Naruto quando se tratava de Sasuke. Esperavam no saguão até que o check-in fosse aceito quando o celular de Naruto começou a tocar, olhou o visor e viu a foto de Gaara, soube que Sasuke também tinha visto ao ouvi-lo ranger os dentes, afastou-se.

- Gaara. – atendeu.

- Bom dia, Naru. – ele parecia bem humorado – Já chegou?

- Sim, estou esperando meu cartão pra subir e descansar um pouco antes do coquetel. – contou colocando a mala sobre o carrinho de bagagens – E você? Já foi pra casa?

- Estou indo, depois de um plantão de trinta horas eu preciso muito dormir. – ele riu e Naruto também – O Uchiha não tentou nada?

- Gaara... – Naruto mordeu o lábio.

- Me desculpa, não devia cobrar nada, somos amigos. – disse ele claramente desconfortável.

- Não, ele não tentou. – Naruto não precisava responder, mas achou melhor dizer, ouviu o ruivo suspirar aliviado do outro lado do telefone – Agora vá descansar, te ligo amanhã.

- Vou esperar, meu bem. – pareceu bem-humorado – Bom coquetel.

- Tchau. – Naruto desligou e enfiou o celular no bolso. Voltou para o balcão onde a recepcionista esperava com seu cartão nas mãos, viu quando Sasuke saiu na frente claramente mal-humorado, Naruto não se importava com o ciúme idiota dele enquanto mantivesse isso para ele.

Sasuke não disse nada ao entrar em seu quarto, Naruto não sentiu falta, mas gostaria de saber se todo aquele mau-humor era realmente por conta do Gaara. Entrou fechando a porta e jogando a mala na cama, esticou o pescoço o estalando, estava dolorido pela viagem, só queria um copo de água e dormir um pouco.

Pegou um dos belos copos de vidro e abriu o frigobar pegando uma água gelada, despejou no copo e o levou até boca, ao abaixá-lo girou-o na mão, era parecido com um dos copos de sua casa, um copo que ele quebrou ao arremessar contra Sasuke.

--

Hikari não estava em casa, era seu aniversário e Kushina o tirou da cama cedo para passear, assim Naruto e os tios podiam arrumar sua festa de quatro aninhos, mas a manhã já começou conturbada com mais uma das inúmeras brigas que o casal andava tendo.

- Eu não acredito que vai trabalhar no aniversário do seu filho! – esbravejou Naruto cruzando os braços, Sasuke terminava seu café e estava pronto pra sair.

- Eu preciso me reunir com os escritores pra dizer o que eles devem mudar, é normal e você sabe. – Sasuke parecia tentar se controlar – Precisa mesmo fazer uma tempestade?

- Sim, eu preciso! Você tem noção do quanto está trabalhando, Sasuke? – perguntou Naruto, possesso – Você passa mais tempo no trabalho que na sua casa!

- Eu estou trabalhando! – Sasuke gritou – Você devia ser grato porque é o meu emprego que mantem essa casa!

- Estava demorando pra você bater no peito e dizer que eu dependo de você! – Naruto riu indignado – Não seja imbecil Sasuke, eu sou o maior escritor da Editora, as pessoas esperam pelos meus livros e sem eles você não teria o que editar ou vender! Você depende de mim!

- Até parece. – Sasuke se levantou colocando a caneca na pia – Se não fosse por mim você teria afundado a sua carreira com o seu jeito idealizador e ingênuo de um adolescente.

- Um adolescente que salvou a sua editorazinha! – provocou Naruto e Sasuke o olhou com raiva.

- Você está se ouvindo? É seu trabalho também! – abriu os braços.

- E é por isso que eu não entendo de onde você tira tanto serviço, Sasuke! – rebateu o loiro – Nem o Itachi trabalha tanto quanto você.

- Já parou pra pensar que eu prefiro ficar na Editora do que aqui nesse inferno?! – disparou o moreno.

Naruto parou e o olhou sentindo o solhos queimarem, bateu as mãos no balcão da cozinha.

- Inferno? Então seu marido e seu filho formam um inferno? – perguntou e o Uchiha moreno pareceu amolecer.

- Não foi isso que quis dizer. – seu tom era mais baixo – É que você me sufoca, eu não posso demorar uma hora que seja que você torna tudo um auê desnecessário! Tudo o que eu quero é o melhor pra você e pro Hikari.

- Eu estou pouco de fodendo pro dinheiro, Sasuke! Eu quero a porra do meu marido em casa de vez em quando! – acusou Naruto – Se não me suporta mais, pelo menos faz isso pelo seu filho.

- Não coloca o Hikari nisso! – Sasuke subiu o tom – Eu sou o melhor pai do mundo, sabe disso?

- Melhor pai do mundo? O que você faz? – provocou o menor – Sou eu quem o coloca pra dormir e quem o acorda, eu dou banho nele, eu brinco com ele. E você? Comprar presente qualquer um faz!

- Então coloca alguém no meu lugar, caralho! – gritou Sasuke – Nada está bom pra você, mais que porra! Se for pra fazer e jogar na minha cara, não faz que é mais bonito! Isso não é ser um bom pai.

Naruto agarrou a primeira coisa que viu na frente, um copo extenso de vidro cheio de água, lançou-o na direção de Sasuke que se abaixou e deixou o copo explodir na parede, levantou-se olhando incrédulo para Naruto.

- VOCÊ TÁ MALUCO, PORRA? – berrou.

- Eu devia era te socar, eu sou um ótimo pai para aquele menino, muito melhor que você! – Naruto apontou na direção de Sasuke – Eu achei ter casado com um homem e não com um rato de escritório!

- Agora eu não sou homem pra você? – indagou Sasuke, irritado – Se eu não sou porque ainda está aqui?

- Eu não faço ideia de como ainda te suporto, Sasuke Uchiha! – respondeu Naruto – Eu não te conheço mais!

- Então vai embora, caralho! – soltou Sasuke, irado com tudo aquilo.

- Olha que eu vou, hein! E levo o meu filho comigo! – Naruto passou para a sala e ouviu Sasuke o seguir.

- Pode tirar isso da sua cabeça! Eu nunca vou deixar você levar o meu filho, ouviu? – gritou Sasuke enquanto Naruto subia as escadas – Eu te coloco na justiça.

- Coloca, porra! – Naruto virou para ele – Quero ver que juiz vai colocar uma criança na guarda de um alcoólatra!

- NARUTO! – gritou Sasuke em tom de ameaça.

- Vai pro seu trabalho, vai Sasuke, se conseguir vem pra festa do seu filho, seja pai uma vez na porra da sua vida! – Naruto subiu as escadas e ouviu quando Sasuke saiu batendo a porta.

--

Naruto sabia que tinha se exaltado naquela briga, assim como Sasuke, mas nunca imaginou no que aquilo resultaria.

Colocou o copo sobre uma mesa e foi para a cama.

∞∞∞

Sasuke se olhou no espelho do banheiro e suspirou satisfeito com suas roupas, usava calça e sapatos pretos, camisa preta e gravata cinza, colocou o blazer por cima e ajeitou os cabelos, passou um pouco de perfume e colocou o celular junto com a carteira no bolso e saiu, ao abrir a porta deu de cara com Naruto também saindo de seu quarto.

O coração de Sasuke sempre acelerava ao vê-lo, ainda mais estando tão bonito daquele jeito, a calça era mais apertada do que Sasuke gostaria que fosse, era preta assim como os sapatos de veludo, a camisa era de um vermelho muito escuro que ficava lindo nele, usava uma gravata borboleta preta e blazer slim, estava maravilhoso e Sasuke notou que o olhava fixo por muito tempo.

- O carro já chegou? – ele perguntou desviando o olhar.

- Já sim. – respondeu Sasuke – Estamos atrasados, mas não acho que vá ser um problema.

- Eu odeio os acionistas da Flórida. – disse Naruto caminhando na frente até o elevador, Sasuke tentou com todas as forças, mas não resistiu e deixou os olhos caírem sobre a bunda apetitosa de Naruto, pigarreou forçando-se a desviar o olhar – Quando mais bebem, menos engraçados parecem.

- Nisso você tem razão. – disse Sasuke apertando o botão e esperando o elevador chegar – Pelo menos espero que o Connor esteja lá, ele ri como um porco e sempre parece que vai morrer.

Naruto riu lembrando-se junto com Sasuke, ele tinha o sorriso mais lindo do mundo.

- Ele vai, mas seria triste se morresse no meio de uma das horríveis piadas sobre a Editora ser como os foguetes de Cabo Canaveral. – ele foi perverso e Sasuke riu.

Desceram para o Hall e pegaram o carro na frente do hotel de luxo, não falavam nada e Sasuke sentiu-se estranhamente incomodado com isso. O salão estava muito cheio dos acionistas e funcionários daquela filial e assim que entraram foram o centro das atenções, Sasuke por ser um Uchiha e Naruto por ser o maior escritor da editora.

Um garçom se aproximou com uma dose de uísque e algumas taças de champanhe, Naruto pegou uma delas, mas Sasuke negou e o garçom se afastou, o loiro o olhou com as sobrancelhas douradas.

- Eu acho que é a primeira vez em oito anos que te vejo rejeitar uma dose de uísque. – disse ele bebendo um gole de champanhe, Sasuke sorriu de lado.

- Eu falei sério quando disse que estou mudando. – contou Sasuke e Naruto suspirou.

- As estrelas da noite! – Connor se aproximava e Sasuke lutou contra a vontade de sair correndo, ele estava junto com outros dois acionistas que sorriam de forma débil – É um prazer vê-lo, Naruto Uchiha.

- Na verdade é Uzumaki. – Naruto o corrigiu apertando sua mão. Sasuke ficou desconfortável e sentiu dor ao ver Naruto dispensando seu sobrenome, mas por fora continuou plenamente indiferente.

- Uzumaki então. – Connor continuou sorrindo e estendeu a mão para Sasuke – Senhor Uchiha, como vai?

- Bem. – disse Sasuke friamente.

- Naruto, estamos muito ansiosos pra saber sobre seu novo livro. – disse o primeiro acionista.

- Está em produção. – respondeu Naruto – Demorou um pouco mais por estarmos apostando em uma nova temática.

- Uma nova temática não é perigosa? – perguntou Connor olhando para Naruto – Quer dizer, nós sabemos que seus romances sempre venderam bem.

- Mas o sucesso do Naruto abriu espaço para centenas de outros romancistas açucarados. – explicou Sasuke enfiando as mãos nos bolsos – Sair da zona de conforto o fará crescer profissionalmente.

- E quanto aos lucros? – perguntou o segundo acionistas.

- Alguma vez já perderam dinheiro em uma aposta minha? – perguntou Sasuke e Connor sorrir.

- Não se esqueçam que apesar da matriz ser nova-iorquina, a Editora é como nosso próprio Apolo 11 deixando Cabo Canaveral! – brincou Connor gargalhando alto. Os outros riram com ele, mas Sasuke já não suportava mais aquela mesma piada a anos, trocou um olhar divertido com Naruto que já tinha previsto isso.

- Com licença, precisamos socializar. – Sasuke deu uma desculpa.

Mas Naruto resolveu se afastar de Sasuke e o Uchiha resolveu não se importar, ele sabia como sair das perguntas capciosas então o moreno não precisa se preocupar. Foi obrigado a conversar com muitas pessoas, mas a qualquer momento buscava Naruto para ver o que ele estava fazendo, e depois de algumas horas parou de contar as taças de champanhe ele tinha bebido.

O viu encostado no bar conversando com Connor, aproximou-se colocando-se ao lado dos dois.

- Mas eu tenho certeza que vamos faturar o dobro do ano passado. – disse ele sorrindo de lado – Você é uma mina de ouro garoto.

- Então renderei o máximo possível pra vocês. – era claro que Naruto não estava afim de conversar.

- Bom, vou tentar aumentar minha renda. – ele riu se afastando.

Naruto e Sasuke trocaram um olhar cumplice.

- Capuleto? – Sasuke perguntou.

- Capuleto, com certeza. – conformou Naruto e os dois riram. Sasuke se aproximou dele pedindo uma soda para o barmen, ele trouxe e entregou um Martini para Naruto.

- Eu paro de beber e você começa? – Sasuke o olhou de lado – Quantas taças de champanhe tomou nas três horas que estamos aqui?

- Acho que perdi a conta. – Naruto sorriu amplamente – Mas olha pelo lado bom, é meu primeiro Martini.

Sasuke não sorriu para que ele soubesse que a piadinha não resolvia as coisas, Naruto riu da cara de emburrado do maior e empurrou o Martini pra longe.

- Você tem razão, já chega pra mim. – ele se virou de lado e olhou o salão – É impressão minha ou eles parecem muito mais chatos esse ano?

- É o dinheiro, quantos mais ricos mais idiotas. – concordou Sasuke e Naruto voltou a olhá-lo.

- Me lembra certo Uchiha há oito anos em um salão como esse. – ele tinha o rosto agradável.

- Se ainda há tempo, em minha defesa preciso dizer que estava irritado. – disse Sasuke bebendo um gole de sua soda.

- E quando você não está? – perguntou Naruto e Sasuke fechou a cara – Admita que você sempre foi o mais irritadiço entre nós.

- Eu admito. – Sasuke se encostou de lado no balcão – Se você admitir que é o mais indeciso.

- Eu não sou indeciso. – disse Naruto, ofendido.

- Só um lembrete pra você: Paris e Istanbul. – disse Sasuke e Naruto riu constrangido – Eu te pedi pra escolher um lugar para irmos no nosso primeiro aniversário de casamento, eu ainda reduzi as opções para Paris e Istanbul, e você demorou quatro meses pra decidir.

- É diferente, eram coisas igualmente satisfatórias, era primavera em Paris e temporada de balões Istanbul. – Naruto se defendeu e Sasuke riu de sua cara, ele sorriu – Dá um tempo, sou de Libra.

- Sabe que não acredito em signos, Naruto. – lembrou Sasuke e Naruto deu os ombros.

- Devia, você é de Leão, e cabe em todas as características de um leonino. – ele sorriu derretendo o coração de Sasuke – É narcisista, egocêntrico, antissocial...

- E Dominador. – Sasuke soou rouco e Naruto corou desviando o olhar, mas logo se recompôs.

- Agora acredita em signos? – perguntou o menor e Sasuke sorriu de forma galante.

- Não, afinal se isso fosse real, Hikari também seria indeciso por tambem ser de Libra. – comentou.

- Hikari não pode ficar indeciso porque ele não tem que escolher entre opções, você dá tudo pra ele. – acusou Naruto fazendo Sasuke rir alto.

- Não vai me convencer, Naruto. – pontuou.

Viu Naruto mexer no bolso e retirar o celular que tocava, pela foto Sasuke soube que era Gaara, mas não teve tempo de ranger os dentes pois o loiro bloqueou o celular e o devolveu ao bolso sem atender.

- Não vai atender seu namorado? – perguntou e Naruto suspirou.

- Ele não é meu namorado, pare com isso. – voltou a ficar de frente para o balcão.

- Eu posso fazer uma pergunta? – questionou e Naruto assentiu o olhando – Você se arrepende? Se arrepende de ter ficado comigo ou de ter dito sim pro pedido de casamento?

Naruto olhou para as próprias mãos como se pensasse por alguns instantes.

- Não. – respondeu com firmeza – Tudo isso me trouxe uma dor inimaginável, mas trouxe coisas boas também. Não estou falando só do Hikari, que é a coisa que eu mais amo nesse mundo, mas também da Sakura e da Ino, do Deidara e do Itachi, da amizade das nossa mãe... tudo partiu de nós dois, não tem como me arrepender

- Falou sério quando ameaçou ir embora? – Sasuke quis saber.

- Já fez a pergunta que tinha direito, Sasuke. – ele aprumou a coluna – Vou embora, se quiser podemos dividir um taxi, fica a seu critério.

Naruto se afastou e Sasuke o seguiu.

...

Há meses não tinha uma conversa como aquela no bar e no caminho de volta para o hotel Sasuke ficou com medo de estragar tudo, por isso ficou em silêncio. Soltou a gravata abrindo os três primeiro botões da camisa preta, não havia ninguém no saguão quando pegaram os cartões e ninguém no elevador também.

- Você tem razão. – disse olhando para a porta.

- Sobre o que? – perguntou o loiro o olhando de canto.

- Como leonino, sou egoísta. – disse Sasuke enfiando as mãos nos bolsos – Eu... odiei quando você rejeitou meu sobrenome hoje, eu odiei saber que outro homem pode ser pra você o que eu não fui. Odeio isso, odeio ser assim, mas eu sempre fui desse jeito, como posso não ser egoísta com a coisa mais preciosa da minha vida?

- Sasuke... – ele começou.

- A verdade é que pra você eu posso dizer. – Sasuke parou quando o elevador chegou no andar deles, saíram e caminharam pelo corredor até parar entre as portas dos seus quartos, esperou Naruto o olhar – Estou morrendo de medo de perder vocês dois, mas você estava errado em dizer que eu fiquei parado dez meses por não me importa, eu fiquei parado dez meses porque estava com medo de sentir a rejeição, de assumir a dor de ter ferido quem eu mais amava...

- Não acredito em você. – Naruto virou o rosto, Sasuke segurou seu queixo o fazendo olhar para si, os olhos azuis estava cheios de água e o lábio rosado tremia – P-Para, por favor, não faz isso comigo...

- Eu devia te deixar com o médico, deixar você se apaixonar por ele e ser feliz, mas não posso, te amo demais pra abrir mão de você. – Sasuke fixou os olhos nos dele, o ônix fundiu-se ao azul, nenhum dos dois desviou o olhar – Eu realmente não me importo de esperar o tempo de for pra te convencer que você só consegue ser meu, só consegue me amar, só consegue ser feliz comigo! – o moreno tomou os rosto de Naruto nas duas mãos e se aproximou um pouco mais dele – Você é meu, baixinho, ainda é meu e eu não vou perder você.

- Por favor... – Naruto pediu, estavam muitos próximos, Sasuke podia sentir o hálito quente e doce do loiro sair por entre os lábios rosados, inclinou-se beijando-o mais uma vez, era sempre eletrizante beijá-lo e Sasuke nunca se cansaria. Sentiu as pequenas mãos dele pousarem em sua cintura e o sentiu que ele retribuía.

Sasuke soltou o rosto de Naruto virando o corpo e o prensando contra a porta, apertou sua cintura com força o sentindo arfar e enlouqueceu, o Uzumaki envolveu o pescoço do maior com os braços o puxando pra mais perto, Sasuke estava em êxtase por senti-lo retribuir.

Sasuke sentia a excitação crescer, fez questão que pressionar o quadril contra o corpo de Naruto para que o mesmo sentisse seu desejo e ficou surpreso ao sentir o dele também. Desceu mais as mãos apertando as nádegas fartas que chamaram muito mais atenção naquela calça justa, enlouqueceu quando Naruto gemeu.

- Só hoje, Naruto... – implorou mordendo o lábio inferior dele – Preciso sentir você, só hoje...

Naruto estava embriagado de prazer, respirou fundo afastando os lábios do de Sasuke, o moreno enfiou a mão no bolso pegando o cartão e abrindo a porta e indicou o Naruto para Naruto, agarrou Sasuke pela gravata frouxa.

- Não significa nada. – impôs a condição puxando Sasuke para dentro. Era impossível, mas Sasuke não se importava, só queria Naruto.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...