1. Spirit Fanfics >
  2. Você é doce >
  3. Não abra a boca

História Você é doce - Capítulo 11


Escrita por:


Capítulo 11 - Não abra a boca


Max on

– Lívia não assistiu a nenhuma aula, ninguém a viu, o celular dela está desligado, o quarto dela totalmente revirado e tinha muito sangue no chão. (Falei mostrando algumas fotos)

– ok, você tem mais alguma informação? (Perguntou o policial anotando tudo o que eu dizia)

– ela estava recebendo algumas mensagens, eu desconfio do ex namorado dela, iríamos vir depois da faculdade para fazer o B.O. (Falei aflita)

– vamos tentar fazer de tudo pra descobrir alguma pista, assim que tivermos notícias te ligaremos (disse o policial levantando da cadeira)

– só isso? Como vocês não vão sair pra procurar ela, ela pode estar em perigo, deveríamos ir agora (falei brava) 

– Max, eles vão fazer a parte dele, vem cá calma (falou Nick pegando em meu braço). Obrigada qualquer coisa liga para nós.

– vamos ir procurar ela agora (falei pegando a chave do meu carro) 

– não Max, nós vamos pra casa dos seus pais esperar os pais da Lívia (disse nick pegando a chave de volta). 


Lívia algumas horas antes disso. 

Só lembro de ter acordado dentro de um lugar, era meio escuro e húmido.

– esse lugar fede (falei tentando levantar) que dor de cabeça do Caralho, onde eu tô? Que lugar é esse? GABRIEL (gritei mas ngm me respondeu). Pelo menos tem uma lanterna aqui e comida... Que nojo, como alguém chama isso de comida

– Lívia, para de reclamar, você vai passar muito tempo aí, até você decidir voltar para mim (disse Gabriel acendendo uma luz e entrando no lugar onde eu estava)

– aí Gabriel, eu morro, mas não volto com você (falei sentando em uma cama)

– você ainda não tá me levando a sério não é? (Disse ele chegando mais perto)

– tem como? Você é uma piada Gabriel (falei irritada)

– é bom você calar a porra dessa boca e me obedecer, se fizer alguma graça, a Lívia, eu acabo com você. (Disse Gabriel tirando uma arma do bolso)

– você tá totalmente louco (falei com medo)

– você não sabe o que te espera e se alguém conseguir chegar aqui, eles vão morrer também (disse Gabriel guardando a arma)

– tudo bem, sem gracinhas (falei para tentar não irritar mais ele)

– agora tira a roupa, tá precisando se limpar daquele vadia (disse ele chegando mais perto)

– toma (falei entregando todas as peças de roupa para ele)

– quero a calcinha também (Ele disse apontando para minha parte intimida)

Tirei e entrei para ele.

– continua uma gostosa, agora toma banho, volto daqui a pouco (disse ele saindo do lugar onde eu estava)

– sinto nojo de você (falei indo para o chuveiro) pelo menos tem água quente.

Não percebi, mas eu estava cortada e comecei a sentir muita dor na minha perna, olhei para atrás e estava saindo muito sangue, como eu nao percebi isso antes. 


Max on

– pra onde estávamos indo? (Perguntei limpando meu rosto)

– estamos indo para a sua mãe, todo mundo vai para lá (falou Nick prestando a atenção no caminho)

– eu nem sei como vou falar com os pais da Nick. (Falei preocupada)

– ei, a culpa não foi sua tá? Você vai chegar tomar um banho e tentar dormir, já é 2 horas da manhã (falou Nick pegando na minha mão)

– não vou conseguir Nick, que droga (falei batendo a minha mão na janela do carro)

– calma Max, chegamos já (falei parando o carro na rua mesmo)

Lívia on 

Eu não faço a mínima ideia de horas seja, como vim para aqui, mas estou com medo do que ele é capaz de fazer. 

– ainda está acordada? (falou Gabriel entrando no quartinho onde eu estava)

Não respondi, fingi que estava dormindo e senti ele chegando mais perto e deitando na mesma cama que eu. Não me toca, que nojo que eu sinto dele.

– não sei se está realmente dormindo, mas eu não queria estar fazendo isso, eu só nao sei viver sem você.

Uau, não sabe viver sem mim, vou sequestrar, ótima solução, otário.

– vou deixar você dormir, mas vou continuar aqui, sei que não consegue dormir sozinha

Era melhor estar sozinha do que com você.

Max on

Vi o dia amanhecer, não consegui dormir nada, não tenho uma notícia, esse silencioso todo tá me matando, Livi, onde você pode estar. 

– Max? (Falou alguém entrando no quarto)

– oi? (Respondi me levantando para ver quem era)

– os pais da Lívia chegaram (disse minha mãe vindo em minha direção e me dando um beijo)

– ok, estou indo lá (falei me levantando)

– oi Max como você está? (Perguntei Luiza, mãe da Lívia)

– oi Luiza, que bom te ver, mas uma pena que seja por causa disso tudo (falei me sentando no sofá)

– é uma pena mesmo, eu nem sabia que vocês tinham voltado (falou Luiza confusa)

– é, nós não voltamos na verdade, mas isso ela te conta (falei dando um sorriso pra quebrar um pouco aquele clima ruim)

– você poderia me contar tudo do começo? Como vocês se encontraram até agora (Perguntou Luiza, segurando em minha mão)

– a Lívia é colega de quarto da Nick e a Nick é minha melhor amiga, combinamos de sair e a Nick perguntou se ela poderia ir, enfim, ela foi se divertiu muito e no outro dia ela estava no meu quarto me esperando para gente sair, ela viu uma foto minha mais nova e acabamos lembrando uma da outra...

Fui contanto até chegar no momento do sumiço de Lívia.

– um amigo da família que é policial está vindo com o meu marido para cá, mas eu estou com tanto medo (falou Luiza com o tom de preocupação)

– estamos aqui com vocês, vamos achar a Lívia bem (falou minha mãe colocando sua mão no de Luiza)

Lívia on 


Acordei e percebi que estava sozinha, então resolvi procurar alguma breja para conseguir sair daquele lugar. Tem algumas partes que a Madeira está molhada, acho que consigo quebra ela. Que merda ele está voltando. 

– Lívia, Já acordou meu amor? (Perguntou Gabriel abrindo a porta)

– sim (falei sentando na cama)

– como foi a sua noite? (Perguntou Gabriel sendo irônico) 

– preferia uma cama de verdade (falei respondendo com deboche) 

–Você não perde uma oportunidade de reclamar não é? (Falou ele jogando minhas roupas para eu vestir) 

– obrigada (falei revirando os olhos) 

– vou ir buscar nosso almoço, não sai aqui (disse Gabriel num tom de piada) 

– idiotaaaaa (falei baixo para ele não escutar) 

Ok, vou esperar ele sair e vou tentar quebrar aquela madeira, se eu quebrar ela talvez eu consiga sair. 


Max on 

– você poderia contar o caminho por onde vocês foram? (Perguntou o policial amigo de Luiza)

Contei o trageto todo

– espero que isso ajude (falei esperando para que ajudasse) 

– vamos verificar se existe câmeras naquela área, quando tivermos informações ligaremos para você Luiza (falou o policial levantando o sofá) 

– bom Max, agora só temos que esperar (falou Luiza me dando um abraço) 

– o pai da Lívia vai vir para cá? (Perguntou minha mãe entrando na sala) 

– o Diego vai vir para cá daqui a pouco, ele foi para delegacia (disse Luiza levantando do sofá) 


– filha vem comer um pouco, ontem você não jantou, precisa continuar bem (disse minha mãe mexendo em meu cabelo) 


– tô sem fome, acho que vou dar uma saída, só pra eu respirar um pouco (falei pegando a chave do meu carro) 


– Max acho que você não deveria sair agora, ele pode estar atrás de você também. (Disse minha mãe sentando do meu lado) 


– eu não sou o alvo, não vou demorar (falei levantando do sofá) 


– cuidado Max (disse Luiza) 


Lívia on 

O carro dele não está mais aqui, acho que vou tentar sair agora. Impossível, isso aqui não quebra, mas que ódio. Eu estão tão preocupada com meus pais, a Max, aí meu Deus a Max. 


– falando sozinha? (Uma voz lá de fora disse isso) 


– quem está aí? ( Perguntei saindo de perto das madeiras) 


– vou ficar aqui enquanto o Gabriel não volta, ele me disse que você é esperta e iria tentar sair, só um aviso eu tô ganhando muito bem só pra ficar aqui, imaginar dar um tiro de leve (disse com um tom sarcástico) 


– quem é você? Você me conhece? (Perguntei sentando na cama) 


– eu te conheço e muito bem eu diria 


– qual seu nome? (Perguntei tentando olhar pelo vão que tinha na porta) 


– óbvio que não vou te falar  agora é bom você se comportar 


Max on 

Eu precisa desse tempo para mim,  um ar de toda essa loucura, eu daria tudo para saber pra onde ele levou a Livi e por quê ele faria isso. 

Meu celular toca 


~ligação on~

– Max?

–oi? 

– conseguimos a imagens de algumas câmeras, precisamos de você aqui. Vem direito pra delegacia. 

– ok mãe 

–toma cuidado. 


Na delegacia... 

– olha conseguimos essas imagens daquele dia e daquela mesma hora, agora só precisamos que você conheça o carro. (Falou Diego pai de Lívia sentado na cadeira)

– ok, eu não me lembro muito do carro, Lívia me disse para não olhar para trás, mas pelo o que eu vi era preto e se ela esteve na faculdade o que é bem provável facilitaria muito eu conseguir saber qual era o carro (falei olhando os vídeos da câmera para tentar localizar)

– pegamos também, mas só conseguimos fotos (falou um policial amigo do Diego) 

– ok, acho que consigo reconhecer (falei olhando a foto)

– agora só temos que olhar algumas outras câmeras e chegamos lá (falou Diego um pouco mais aliviado)

Sinto meu celular vibrar

Número privado: se você abrir a boca, a Lívia morre



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...