1. Spirit Fanfics >
  2. Você é Meu Tutor? - Jikook >
  3. Atitude porra, cadê tu?

História Você é Meu Tutor? - Jikook - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


Tô viva Brasil

GLOOOOORIAAAA

Eu simplesmente esqueci do Spirit kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Mas estouuuu de voltaaaaaaa

Capítulo 16 - Atitude porra, cadê tu?


Foi divertido passar um dia com o meu pai. Me deixou até mais alegre e cheio de vida, a alegria dele contagia.


-Pai, me conta como agradar uma pessoa que você gosta – ele me olhou meio sem entender. Então expliquei que era para agradar minha namorada inexistente. 


-Vou tentar te ajudar. Faça como eu fiz, tenha atitude...


-Atitude? Está namorado de novo?


-Sim, estou. Em breve serão apresentados, quando a gente partir você vai conhecer – o sorriso do meu pai era tão bobo. Realmente eu entendia. Estar apaixonado é muito complicado e idiota.


Naquele instante meu celular tocou. Era o nerd. Pedi licença para atender, meu pai todo compreensível e gentil disse que eu podia ficar a vontade. Corri para o banheiro.


-Oi, alô? 


-Alô... Jungkook, eu acho que troquei os cadernos. Peguei os seus ao invés dos meus. Será que podemos nos encontrar? Preciso deles para fazer algumas atividades para a aula de amanhã.


-Claro – era meu momento perfeito para usar isso como uma boa desculpa - Onde você mora? Posso deixar aí pra você rapidinho. – E foi assim que eu consegui o endereço dele. Sorri feliz demais. Subiu até um arrepio em saber que eu ia estar na casa dele - ai porra... Tô excitado. Caralho... 


Quanto mais eu tentava manter minha mente em paz, mas eu pensava em coisas sujas. Não aguentei. Me toquei ali mesmo no banheiro do meu pai. Jimin, Jimin, Jimin... Era a única pessoa que eu pensava naquele momento, era o centro dos meus pensamentos. Era o remédio para meu pau duro. 


Eu precisava muito tomar uma atitude, essa seria a oportunidade perfeita e juro, se eu fracassar, me mato na minha própria porra. Porque humilhação maior que isso, é não conseguir chegar na pessoa que você gosta e dizer o que sente. Me desfiz em minhas mãos e fiquei olhando para ela.


-Ainda vou jogar isso na sua cara você vai ver... – me recuperei dos meus hormônios e como um diabo vestido de anjinho, saí do banheiro, limpinho - pai, aconteceu um imprevisto com a escola, vou ter que ir, mas eu volto amanhã.


-Ta bom meu garotão – me deu um abraço e eu saí. Voltei pra casa ansioso para o que me esperava.


[...]

-Já? – ignorei completamente minha mãe, subi as escadas, entrei no quarto. Peguei minha mochila do jeito que eu trouxe da casa do Taehyung e desci as escadas novamente com a mochila nas costas - falei contigo porra!


-O que é mãe? Estou ocupado.


-Ocupado com o que seu filho de uma puta?


-Me chamou de filho da puta e você mesmo é a minha mãe. Enfim a hipocrisia.


Minha mãe é doida, quis me perseguir pela casa com a Melissa dela, mas saí à tempo. Peguei o busão e perguntei pro povo ali dentro se eles conheciam tal endereço. Teve uma garota que me ajudou, morava no mesmo bairro.


-Vai visitar algum parente?


-Um colega de escola – descemos rapidamente, não era longe como eu pensei que era. Jimin morava perto de uma farmácia. E a garota ainda estava ali comigo.


-Hum legal. Eu moro perto da praça.


- Muito legal, aquela ali? – apontei mostrando interesse por apenas educação.


-Sim. Se precisar de ajuda sabe onde me encontrar. Não é todo dia que encontramos garotos bonitos por aqui.


-E com certeza não é todo dia que encontra algum garoto bonito gay né?


-G-gay?


-De corpo e alma querida. Some – é toda garota? Que dá em cima da gente? Que nojo. Se fosse bonita eu posso até bancar o hétero de Taubaté. Mas quando é feia, é melhor assumir logo que é gay. 


Enfim, cheguei perto da tal farmácia. A casa ao lado era bem chique, coisa bonita. Eu só não sabia se era a casa do lado direito, ou do lado esquerdo.  Optei pela casa bonitinha do lado direito. Toquei a campainha e peguei meu celular para mandar uma mensagem avisando que eu já tinha chegado. Mas ao abrir o nosso bate papo, já tinha uma mensagem dele. 


"Estou te vendo da janela" 


Meu coração parou e olhei para cima. Ele acenava para mim sorrindo.


"Estou descendo" 


Eu juro. Tentei ler essa mensagem sem pensar nenhuma sacanagem. Mas quando se trata dele... Toda sacanagem é bem vinda. Veio correndo e abriu o portão.


-Obrigado. Cara, essas atividades é muito importante para mim. Entra.


-Se for pra gritar comigo eu prefiro esperar pelos meus cadernos aqui fora – eu ainda estava com a mochila mas costas. Sei lá, sumiu de mim toda aquela coragem que eu vinha guiado.


-Prometo... Entra. Preciso dos meus cadernos. – entrei - vem... – pegou minha mão e puxou agora dentro, estava com pressa - quero fazer logo antes dos meus pais chegarem. 


- Seus pais? – eu não tinha pensado nesse detalhe. Os pais dele... Da tempo de sair correndo? Dava mas ele continuou me arrastando, até pelas escadas em direção ao quatro dele cheio de livros.


-Toma esses são seus – abri minha mochila e tirei os deles.


-E esses os seus... – guardei os meus de volta. Era só isso? Agora era só ir embora? Eu ia broxar de novo? Vamos coração, faz alguma coisa porra - bem, eu já vou. Até amanhã... Tutor...


-Jeon espera...



Notas Finais


Até a próximaaaaaaaaaaaa


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...