1. Spirit Fanfics >
  2. Você me chamou do que? >
  3. Treze.

História Você me chamou do que? - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


BOA NOITE CAPETADA [MARIA CURURU VOICE]

Trouxe mais um cap lalalalalalal, e eu juro que esse está incrivelmente FOFO DE VERDADE EU TO ATE COM INVEJA DESSE CASAL NAO VOU MENTIR ALGUEM ME NAMORA POR FAVOR.

3000 palavras de pura boiolagem, buaaaa. Espero que gostem de verdade, beijão na boca de vocês.

Fiquem com o cap.

Capítulo 13 - Treze.


Eren continuou a chorar mesmo depois das longas palavras de apoio dos dois amigos.
 

 

 

Ele não se sentia bem o suficiente para conseguir parar de chorar pelo acontecido entre si e seus pais. Eren viu o seu medo se tornar realidade num piscar de olhos, os pais realmente o expulsaram de casa sem mais nem menos. Levi e Armin precisaram de muito esforço e paciência para fazê-lo entrar no carro do Ackerman, este que tivera a ideia de levar Eren para um passeio leve para que talvez ele se sentisse melhor para desabafar, Levi estava ficando com o coração partido cada vez que ouvia um soluço dolorido escapar da boca do garoto, observar sua crise de choro lhe doía e por isso não queria ficar parado apenas desejando-o palavras e mais palavras, queria fazer algo além disso.

Eren sequer ficava entretido com as coisas da rua, sua mente somente fazia-o lembrar de que agora estava sem casa e sem família e isso o deixava com ainda mais vontade de chorar, seu desejo era de eliminar todo o líquido do próprio corpo e morrer seco, sem vida. Impossível claro, mas mesmo assim o desejo permanecia ali. Ele não abriu a boca desde que se jogou contra o piso da casa de Mikasa, a não ser para soluçar em agonia e total desespero. Armin e Levi não saíram de seu lado em momento nenhum mesmo assim, Eren lembraria de agradecê-los quando estivesse bem o suficiente para o fazer.

O carro parou e Eren pela primeira vez teve a iniciativa de olhar para fora para espiar aonde estavam, era a casa de Armin. O loiro havia insistido muito para Levi o deixar ficar e ajudar Eren a melhorar, mas o baixinho disse que precisava ficar só junto a ele e Armin depois mais algumas tentativas enfim desistiu, deixando que Levi o levasse para casa. Talvez tivesse desistido porque na cabeça de Arlert, o Ackerman iria se confessar direito a Eren e por isso, queria permanecer sozinho com ele, apenas uma teoria de um amigo que quer a felicidade do outro amigo.

– Bom, estou entregue... Eren, por favor, fique bem e pare de se culpar pelo que aconteceu, certo?! Você não tem culpa, de nada! Os errados são eles, nem ao menos se forçaram a entender sua situação. – Armin suspirou um pouco e aproximando-se do banco da frente, fez um carinho nos fios castanhos do Jaeger. – Você não está sozinho, não precisa ficar com medo pensando que agora vai ficar na rua, pois não vai! Tanto eu quanto Levi estamos lhe oferecendo nossas casas para você ficar o tempo que precisar... lembre-se, não vamos te abandonar por nada. Melhore logo, até amanhã, guerreiro. Tchau, Levi.

Antes de Armin sair, ele deixou um beijo contra a bochecha de Eren que pensava quieto ainda choroso sobre as palavras ditas e um aceno gentil para Levi que os observava. Quando ficaram sozinhos dentro daquele carro, Eren decidiu perguntar pois seu cérebro estava o forçando a isso.

– É... é verdade? – mantendo o olhar lá fora, em Armin que destrancava paciente a porta de sua casa, ele soltou.

– Que parte? – Levi deixou sua atenção em dar partida no automóvel novamente.

– De que tanto ele quanto você... estão me oferecendo suas casas para passar um tempo. – mordeu o inferior ao que em movimento novamente, secou os olhos não sentindo tanta vontade mais de continuar chorando.

– Sim, é verdade. Não me importo com isso, muito menos ele. – o Ackerman foi sincero, dando de ombros.

– Não sei se eu deveria... isso é abusar demais da bonda-

– Pirralho, acha mesmo que isso é abuso? – Levi revirou os olhos, mas sorriu um pouquinho. – Não é! Nós estamos oferecendo, então não se preocupe. Pense com calma e depois nos comunique... firmeza?

Eren gargalhou sem querer com a última palavra dita pelo Ackerman baixinho que ficou envergonhado e um pouco irritado, no entanto, ele gostava mais de Eren rindo do que chorando por uma culpa que ele não tinha. Isso fez um sorriso mais evidente transparecer nos lábios de um Levi totalmente bobo, um sorriso de idiota apaixonado de novo e se o loiro estivesse ali para ver, com toda certeza zombaria dele pois Arlert não mordia a língua por nada.

– Você fica tão estranho usando palavras como essa, Levi. – o Jaeger contou risonho balançando a cabeça em negação. – Firmeza? Hilário, bro...

– E você fica parecendo um traficante de beco, já disse Jaeger chorão... – murmurou se arrependendo depois pelo que disse, todavia, Eren pareceu não se importar e continuou a rir um pouco. – Tch.

– Obrigado, Levi... por tudo. – Eren agradeceu sincero mostrando-se um mínimo melhor.

O desejo de morrer desaparecendo juntamente da enorme tristeza que pesava em suas costas, a vontade de chorar era pouca e a única coisa que ele sentia no momento, era a gratidão por ter o nanico zangado ali, ao seu lado.

Levi deixava-o leve, com um sentimento de proteção e um desejo de que ele permanecesse ao seu lado para sempre a todo minuto, toda vez ficando ansioso para uma mensagem ou até mesmo ligação, suas entranhas se revirando em emoção cada vez que Levi lhe desejava algo, de um bom dia a um bons sonhos, era cômico. Eren já havia entendido a um tempo atrás que sentia algo além da amizade pelo Ackerman, somente não queria admitir a ninguém, nem a si mesmo, isso até o dia de hoje. Por mais que Levi já tivesse deixado claro seus sentimentos a Eren, o garoto somente conseguiu acreditar quando ouviu perfeitamente bem o "eu amo você, Eren" sair dos lábios do rapaz, aquilo o acendendo uma chama de crença. Não sabia realmente se Levi havia lhe dito aquilo apenas por dizer ou se as palavras saíram de sua garganta em puro desespero e desejo.

O Jaeger até mesmo criara uma batalha interna consigo mesmo entre dizer tudo de uma vez ou calar a boca sobre o assunto, seu coração palpitando rapidamente como se apoiasse a primeira opção. Que merda!

– De nada, pirralho. – o de fios negros disse suavemente um tempo depois e Eren decidiu ficar em silêncio depois disso.

 

 

[...]

 

 

Eren não suportou mais ficar calado quando sua bunda começou a doer por estar sentado tempo demais naquele estofado de couro, seja lá aonde Levi estava o levando estava demorando demais e isso deixou-o emburrado senão irritado. Foi nesse momento "adorável" que Eren começou a afogar o baixinho em perguntas como: "Aonde vamos?" "Por que está demorando tanto?" "Sabia que minha bunda tá doendo?" "Estamos chegando?" "Posso discar o número da polícia caso isso for algum tipo de sequestro?" "Tá me levando pra minha morte?" "É por isso que o Armin não veio?" "Levi, você vai arrancar minhas unhas como nos filmes em sinal de tortura?". Perguntas essas que tiveram como resposta apenas um: "Você vai ver quando chegarmos!".

No restante do percurso, o Jaeger ficou totalmente quieto e emburrado. Levi achando-o adorável e engraçado, nem mesmo parecia que Eren estava tendo uma crise de choro horrível horas atrás e por conta disso, o rapaz estava mais do que agradecido pela pouca melhora dele. Sabia internamente que Eren não estava cem por cento bem, mas só de vê-lo rindo e ficando emburrado, dava a entender que também não estava cem por cento mal. Já era um avanço, não é?!

Quando finalmente o automóvel parou, Eren não estava mais consciente para comemorar ou espiar aonde estavam, no pouco trajeto que ainda tinham ele acabou caindo no sono. Era duas da manhã afinal, ele não tinha culpa de qualquer forma. Levi precisou dar algumas cutucadas no braço e no rosto levemente inchado do garoto que resmungou sozinho algo que o mais velho não entendeu, mais algumas cutucadas no rosto e o Jaeger enfim abriu os olhos.

– Você baba enquanto dorme. – Levi brincou e Eren prontamente deslizou a mão pelo canto da boca, somente para encontrar nada.

– Vai se foder, Levi! – ele xingou bravo pela piada do Ackerman.

Eren suspirou esfregando o sono dos olhos e parou no lugar quando prestou mais atenção no som ao redor e não na irritação por Levi, este que não se encontrava mais ali. Barulho de água? se perguntou mentalmente e logo corrigiu-se, não! isso são ondas, estamos na... rapidamente retirou o cinto de segurança e ao sair do carro com pressa, buscou se colocar ao lado de onde o Ackerman baixinho se encontrava parado observando.

– Praia... – Eren pronunciou ansiado e surpreso quando enfim seus olhos verdes encontraram a bela paisagem.

– Você... gostou? – Levi perguntou com receio por talvez pensar que o moreno não tivesse gostado, no entanto, quando viu através do clarão da lua os olhos esmeraldas de Eren brilharem, ele não precisou da resposta mesmo quando ela veio estourada de animação logo depois.

Eren estava imensamente curioso e ansioso para descobrir como era a sensação das ondas lhe atingindo nos pés, ele nunca havia pisado numa praia antes a não ser quando pequeno, mas ele nem se lembrava de como havia sido. Agora maior, não teve mais a chance de o fazer pois Carla e Grisha não possuíam mais vontade de pisar em uma e Eren muito menos, pois claramente seria obrigado a usar um biquíni e isso ele não queria. Ele queria mais do que tudo mesmo era se sentir livre para aproveitar da sensação de não necessitar mais de algo lhe cobrindo o peitoral, somente. Todavia, ele agradecia um pouco a falta de vontade dos pais.

Mas agora, de frente para a bela paisagem de um mar extenso e uma praia lindamente iluminada pela luz do luar, ele sentia-se incrivelmente animado e feliz para aproveitar.

– É tudo muito bonito! – ele explodiu com um sorriso rasgado e Levi concordou contente. – Podemos descer até lá?

– Claro, mas não deseja tirar os sapatos primeiro? – Levi sugeriu e Eren piscou envergonhado.

Ambos os dois correram até o carro para se livrarem dos sapatos, meias, paletós e gravatas e sem muito pensar, Eren dobrou as barras de sua calça até os joelhos e incentivou Levi a fazer o mesmo pois iriam brincar na água juntos. Rapidamente, os dois desceram o longo morro em que estavam e Eren, ao atingir a areia fofinha da praia, gemeu em satisfação.

– Isso é incrível, parece que estou andando nas nuvens. – comentou pulando feito criança na areia e Levi apenas riu de sua comparação inocente e infantil.

– Você parece uma criança. – o baixinho contou ao Jaeger que reclamou irritado e até mesmo chutou um bocado de areia contra si. – Seu... pirralho! – chutou de volta o tanto que pode.

– Se eu sou criança você também é, senhor Ackerman! – Eren provocou dando de ombros. – Até mesmo retribuiu! Melhor, melhor ainda, devo te chamar de kitty, não é mesmo? – gargalhou animado quando Levi abaixou-se para amontoar um pouco de areia em suas mãos.

Antes mesmo que o Ackerman pudesse lhe atacar com aquilo, Eren disparou rapidamente a correr em direção oposta a dele ao que em questão de segundos, o mais velho estava perseguindo-o e xingado-o como nunca na vida. Quando pisou na parte aonde a areia era molhada e grudava em seus pés, o Jaeger parou de correr ofegando bastante enquanto buscava por um pouco de ar, Levi do mesmo modo se livrou da areia em suas mãos, limpou suas palmas e se apoio nos joelhos para recolher um pouco de fôlego pela corrida longa, ele se perguntava mentalmente se Eren corria rápido mesmo ou era apenas porque suas pernas um pouco longas demais, lhe favoreciam.

– Perdeu, Levi. – ele ainda provocou com a voz cortante, sem ao menos desmanchar o sorriso convencido.

– Cague-se, pirralho de merda. – Levi xingou e com esforço lançou o dedo do meio para o garoto, Eren riu com dificuldade.

Quando ambos recuperaram o tanto de oxigênio que precisavam, decidiram ir um pouco mais a frente para desfrutarem das leves ondas que iam e vinham sem pressa nenhuma. Eren estourou em alegria através de palavras de baixo nível quando uma onda gelada tocou sutilmente seus pés, fazendo Levi engatar em uma risada ainda mais bonita que a outra que ele tinha lhe dado uma vez, as entranhas de Eren ferveram em alegria com o som daquela risada adorável e até mesmo seu coração falhou algumas batidas, o rosto ruborizando por uma vergonha indecifrável. Como um disfarce, o Jaeger buscou iniciar uma guerrinha d'água boba chutando e espirrando água contra Levi que sem demorar muito, aprontou-se em fazer o mesmo.

O momento durou o suficiente para Eren se livrar da vergonha idiota e confusa que sentia e também, para que ambos os dois ficassem cansados e decidissem voltar até onde o carro de Levi estava estacionado. Quando chegaram ao topo do morro, o Ackerman pediu para que Eren esperasse um pouco pois ele iria encontrar algo em que pudessem se sentar sem sujar mais suas vestes, coisa que Levi não queria mesmo pois já se sentia sujo suficiente e isso já o deixava agoniado.

Levi voltou com uma toalha de piquenique e Eren riu com isso, será que o baixinho gostava de fazer piquenique e por isso andava com uma toalha dentro do carro? Ele não sabia e muito menos se atreveu questionar. O Ackerman esticou a toalha no chão pertinho da beirada do morro para que conseguissem admirar a vista e logo se sentaram lado a lado. 

– Obrigado por me trazer aqui... – Eren soltou com um sorriso sincero sem virar o rosto para Levi. – Eu realmente gostei muito. Muito mesmo!

– De nada, pirralho. – respondeu simples para prosseguir. – Você se sente melhor? Digo, sobre o que aconteceu... melhor?

Eren deu uma risada nasal antes de concordar um pouco, Levi pareceu não crer em sua resposta muda então ele respirou fundo para falar.

– Eu estou, Levi. – o Jaeger tentou transparecer a verdade. – Não cem por cento, mas estou melhor. Ainda um pouco chateado mas depois disso aqui, essa chateação com toda certeza vai embora, por isso estou te agradecendo...

– Não precisa, eu só quero te ver melhor e menos triste como estava horas atrás. Me doeu muito ver tudo aquilo e imagino que para você, a dor deve ter sido o dobro senão o triplo. – o rapaz respirou um pouco para dar continuidade. – De repente, tive a ideia de te trazer aqui pois talvez te ajudasse a melhorar e até te animasse um pouco... graças a Deus deu certo! Realmente eu pensei que ia enlouquecer por te ver tão mal daquele jeito, eu quase quis chorar junto, meu coração tava se apertando tanto por você estar naquele est-

– Eu gosto de você, Levi... – Eren o cortou repentinamente mordendo o lábio em vergonha pelo que, finalmente, disse.

Levi precisou de alguns segundos para processar as palavras do mais novo, ruborizando totalmente quando enfim entendeu, ele analisou com surpresa o rosto virado de Eren que parecia estar no mesmo estado em que se encontrava, o próprio tomate. O Ackerman gentilmente tocou a mão do garoto a envolvendo junto a sua, isso pareceu ser o suficiente para fazer Eren o encarar e ele o fez, totalmente acanhado e sem jeito.

– Você... – Levi tentou falar mas as palavras morreram no trajeto, Eren sorriu um pouquinho e balançou a cabeça devagar.

– Eu... gosto de você. – ele tornou a dizer como confirmação. – Levi, se lembra daquele ‘algo’ que você disse sentir? Bom, eu acho que também o sinto. – comprimiu os lábios por alguns segundos e encarou intensamente os olhos azuis quase cinza de Levi através do luar que os iluminava. – Eu me sinto ansioso quando estou com você, até mesmo quando não estou e fico igual um bobão esperando por alguma mensagem sua. Fico feliz toda vez que te vejo dar um sorriso ou uma risada, ainda mais quando sou eu quem os provoca. Me vejo triste quando nos afastamos, eu realmente entendi o porquê de eu quase enlouquecer quando me evitou por um dia inteirinho! Eu lutei contra mim mesmo sobre dizer ou não tudo isso, mas olha... eu não aguentei. Eu não consigo mais ficar calado para isso, eu gosto de você, Levi, muito mesmo! Você me ajudou tanto, eu não sei se isso vai parecer abuso ou até mesmo que eu estou te usando... eu não estou! – Eren grunhiu baixinho não sabendo mais o que dizer. – Eu amo você, Levi.

Eren deu risada para descontrair a enorme vergonha que sentia por estar enfim se declarando, enquanto que Levi estava em... choque? Um gay panic, talvez. O de fios negros somente mostrou alguma reação ao ver que Eren estava prestes a sair dali por achar que sua "paralisia" era uma resposta negativa, e essa reação foi deixar um grunhido fino e desesperado escapar ao que agarrava o braço de Eren, o garoto desatou a rir com isso e Levi ficou extremamente envergonhado, limpando a garganta para disfarçar.

– Desculpa... – pediu baixinho ao soltar o braço do mais novo. – Eu fiquei sem reação, isso foi tão... repentino. Eren, eu estou muito feliz, de verdade... – Levi foi sincero e da mesma forma, sorriu para ele. – Eu achei que esse dia nunca chegaria, sofri tanto pensando que você jamais me-

O Jaeger novamente o cortou mas não com palavras desta vez. Eren simplesmente teve o instinto - a ideia - de selar os próprio lábios aos do Ackerman que sequer protestou contra, Levi comemorou internamente por enfim ter o prazer e a permissão para aprofundar, como sempre desejou, aquele toque doce e macio, suas mãos deslizaram quase que automaticamente para o rosto suave de Eren na intenção de acaricia-lo enquanto que o pedido de sua língua fora permitido pelo garoto. E se Levi já sentia seu interior se revirar em ansiedade, Eren estava sentindo o dobro, isso por exatos dois motivos: um, ele estava beijando Levi, dois, ele estava beijando Levi sóbrio.

Ele estava quase apostando que seu coração ia saltar de seu peito de tanto que palpitava e que ele próprio iria explodir no ar como fogo de artifício com tamanha ansiedade, enfim o apaixonado, não?! Eren tremeu num espasmo enquanto ambas as línguas se envolviam mais e mais, o beijo antes leve e inocente se transformando em algo profundo e totalmente apaixonante. Levi e Eren exalavam amor, afinal.

Quando se afastaram pela maldita falta de ar, Eren mesmo buscando por fôlego agarrou-se ao corpo de Levi e afundou o próprio rosto contra o pescoço cheiroso dele. O Ackerman gentilmente abraçou-o deixando beijos calmos por seu ombro coberto, querendo mais do que tudo espantar a vergonha que Eren sentia e que talvez até ele sentisse.

– Obrigado, Levi...

– Você precisa parar de ficar me agradecendo toda hora, pirralho. – Levi riu e Eren resmungou baixinho.

O amorenado se afastou para se deixar cair deitado contra a toalha e sua cabeça gentilmente se apoiar no colo de Levi que calmamente iniciou um carinho nos fios castanhos de Eren.

– Posso te dizer uma coisa que eu sempre quis te dizer antes? – Eren perguntou simplista e Levi balançou a cabeça, aprovando. – Eu seriamente, incrivelmente e verdadeiramente acho que Another One Bites The Dust combina muito com você, hein?!

O Ackerman gargalhou e suavemente batucou a ponta dos dedos contra a bochecha de Eren.

– Então... but I'm ready, yes I'm ready for you I'm standing on my own two feet... – Levi cantarolou baixinho surpreendendo Eren. – Out of the doorway the bullets rip, repeating to the sound of the beat...






 

 

 

 

– Another one bites the dust. – Eren completou com um sorriso enorme nos lábios antes de se levantar o suficiente para selar os lábios de Levi novamente.


Notas Finais


E aí??? BORA COMEMORAR??? FINALMENTE UMA BITOCA DESSES GAY AF

Recomendo muito essa música hein, vazou o Thalles cachorrinho do Queen. 😳🛐

Beijão, fiquem em paz agora! 💗💗✨💁🏻‍♀️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...