1. Spirit Fanfics >
  2. Você Sempre Será Minha! >
  3. "Você É O Ponto Fraco Dele."

História Você Sempre Será Minha! - Capítulo 19


Escrita por:


Notas do Autor


>< Boa Leitura, my little lovies!

Capítulo 19 - "Você É O Ponto Fraco Dele."


 

 

 

Pov's Maggie

 

 

Fiquei a tarde toda, enfiada dentro do quarto de Andrew, vendo filmes e mais filmes. Ouvimos música, comemos pipocas, rimos às gargalhadas, rimos até chorar, bebendo coca-cola e comendo batatas fritas. Andrew era legal. Super legal, na verdade. Tinha sempre assunto e não era mais um daqueles garotos chatos que só ficavam falando de futebol ou de carros, ou até de garotas; ele falava de tudo e mais, era muito irónico e eu não me cansava de rir. 

 

Ele se mudou porque sua mãe, uma famosa empresária, tratou de arranjar investimentos de milhões com uma empresa daqui, e por ter seu melhor amigo, Arthur Vilas-Boas, aqui também, decidiu permanecer aqui para viver durante uns tempos. Como o pai de Arthur é, o diretor desse colégio luxoso, ele rápidamente conseguiu uma vaga. O loiro, assim como eu, adorava escrever e era, acima de tudo, bastante inteligente. E, com tanta tagarelice, acabámos perdendo as horas para as aulas. 

 

 

- Que horas são?

 

- Sinceramente, não sei! - Tudo o que agora conversávamos era razão para desatarmos às gargalhadas, o que era estranho; mas era a verdade, eu não conseguia parar de rir, com ele. - São quase sete horas da noite.

 

- Nossa! Eu estou aqui, desde manhã, rindo e comendo pipocas.

 

- Parece que sim!

 

- Eu tenho de ir. Já é tarde.

 

- Não fui eu que expulsei você do quarto! 

 

- Que engraçadinho. Eu gostava de ficar, mas já está tarde. - Disse, me levantando do chão.

 

- Eu acompanho você até à porta. - Ele se levantou e foi o primeiro a chegar na porta, a abrindo para mim.

 

- Então, a gente se vê por aí. 

 

- Sim, nos vemos por aí. E obrigada por me ter ajudado, a esquecer aquilo tudo...

 

- Foi um prazer te animar, princesa! - Andrew sorria docemente, e sendo para mim em especial, quase me derretia.

 

- Então, tchau... - Corei, envergonhada com seu apelido novo. 

 

- Até mais, princesa! 

 

 

Não sei o que deu em mim, mas foi estranho. Ele me deu um beijo no meu rostinho, e eu devo ter ficado que nem um tomate. Estava envergonhada, e um sentimento esquesito percorreu meu corpo da cabeça aos pés. Como não sabia o que dizer, sorri pequeno e virei costas, caminhando até meu dormitório e, só quando vi a porta de seu quarto bater, é que olhei de novo para trás. De seguida, e chegando no meu quarto, Vicent não se encontrava lá. E, para variar, seu piano móvel também não. 

 

 

Meu celular tocou e eu o atendi, assim que me sentei na minha cama.

 

 

- Oie, garota estranha!

 

- Oie, Sol.

 

- Tudo bem com você?

 

- Sim...

 

- Não me parece.

 

- É complicado...

 

- Por isso, não foi às aulas. E, por isso, o Vince também não foi?

 

- Eu não tenho nada a ver com o que o Macedo faz ou deixa de fazer, Sol!

 

- Onde você esteve?

 

- No quarto do aluno novo. 

 

- O Andrew? O melhor amigo do meu namorado? - O tom da minha melhor amiga mudou para indecifrável.

 

- Sim, o melhor amigo do seu namorado. 

 

- Fazendo o quê? Quero que me conte tudinho.

 

- Por celular, não. Talvez, depois. Agora tenho de ir. Beijinhos!

 

- Vai aparecer na Sala de Convívio, logo, garota esranha?

 

- Não sei, depois eu vejo. Tchau, Sol!

 

 

Desliguei o meu celular, e o joguei num cantinho qualquer da cama. Observei em volta. E, consequentemente, minha atenção caiu sobre a porta do banheiro. Pesquei uma roupa, e fui tomar uma ducha. Cria que ia ou poderia me ajudar a me limpar, nem que por míseros minutos, a tirar todas aquelas coisas ruins do meu corpinho e da minha alma.

 

 

                                                                                     (-º-) 

 

 

As coisas com o Macedo ficaram complicadas, e quase sem jeitinho. A gente mal se falava. E, se trocava algumas palavras, eram as estritamente necessárias. Quando, à noite, chegava no nosso dormitório, ele ainda não estava lá; e, quando acordava no dia seguinte, as suas coisas já se encontravam perfeitamente arrumadas e dele não havia qualquer vestígio.

 

Passaram, assim, três semanas. Ele voltou, a se sentar com os seus colegas e amigos do time de futebol, e, por conseguinte, a estar rodeado de líderes de torcida. Já para não falar que as coisas entre ele e o Andrew iam de mal a pior. Andavam sempre na provocação um ao outro e, nos treinos, então, quando eram de equipes rivais, eles não tomavam mãos a medir e descarregavam tudo um no outro.

 

Eu confesso que até gostava de estar com Andrew. Ele era super simpático e carinhoso, e sempre me fazia rir. Na verdade, eu até podia falar que adorava estar com o loro. E, no caso, no outro dia, a gente quase se beijou, senão fosse a Lua aparecer em meu quarto. O clima começou aquecendo e quando eu dei conta, ele já se encontrava demasiado perto de mim e sua mão já estava colada em meu rosto. 

 

A visita escolar, foi adiada também. Surgiram uns problemas quaisquers com as autorizações e mais não sei o quê, e o diretor achou melhor adiar. Nesse preciso momento, pensando e refletindo sobre tudo isso, estava me arrumando e saindo de meu dormitório. Ainda não havia visto Vicent, para não variar. Mas eu sabia que, apesar dele não aparecer quando eu estava acordada, ele dormia lá.

 

E eu sabia isso porque sempre tinha sua roupa em cima da cama, e o seu skate e a sua bola de futebol, ora estavam lá, ora sumiam. E isso com frequência. Estava agora entrando na cantina, e fui até onde serviam a comida. Ocasionalmente, quem me seguia na fila, era ele. Vicent Macedo de Andrade! Que coincidência, não? Quando levei minha mão para pegar num pratinho, o moreno levou a sua mão também lá e vejam bem, tivemos os dois de escolher o mesmo pratinho. Nossas mãos se tocaram, e o lance fez com que a gente se perdesse entre olhares. Tirei a mão do prato, instantaneamente e pus uma mecha de cabelo meu, atrás da orelha.

 

 

- Pegue você. - Falei, baixinho.

 

- Não, pegue você! 

 

- Acho que você foi o primeiro a ver ele. - Andei com a bandeja para a frente, e de repente, vi uma mão que eu conhecia muito bem, pousando o pratinho em meu tabuleiro. 

 

- Acho que você está com mais vontade de comer isso do que eu. - Rasguei um sorriso, e ele também, de leve.

 

- Obrigada! - Cria que essa foi das poucas vezes que ambos voltamos a estar tão intimos e em paz um com o outro, depois de tudo de ruim que sucedeu entre a gente e qualquer relação que tínhamos. 

 

- Bom dia, amor! - Alguém rodeou minha cintura com as mãos, me abraçando e eu tremi. Virei-me para ver quem era, e nesse exato momento, Andrew me roubou um beijo. Me deixando totalmente sem jeitinho.

 

 

Eu não entendi nada. O que ele estava fazendo ou tentando mostrar com aquilo? O certo é que permaneci alguns segundos em estado de choque, sem saber muito bem o que fazer, ou pensar. E a primeira coisa que me veio à mente foi olhar para trás. Onde estava o Macedo. O mesmo, me olhava com surpresa e desilusão. Tentei dizer alguma coisa, mas nada saia de meus lábios trémulos. Apesar deles terem tomado mil e uma formas. O moreno mordeu seu lábio inferior e assentiu com a cabeça, discretamente cabisbaixa, como se tivesse entendido tudo e já tivesse certezas demais. 

 

 

- Bom dia para você também... - O moreno sussurrou, mostrando um sorriso forçado, repleto de dor, e saindo pelo mesmo lugar da onde entrou naquele refeitório. Deu com seu ombro no de Andrew, e depois saiu. Deixando sua comida abandonada.

 

 

Encarei o loiro, que sorria com satisfação, ainda me abraçando, como se tivesse ganhado um prêmio.

 

 

- Porque fez isso?

 

- Eu pensei que, após aquilo que rolou ontem no quarto, a gente pudesse...

 

- Não. Você me beijou para provocar ele! Você sabe que o Vicent não te suporta e sabe ainda mais que... - O loiro, não deixou eu terminar, me olhando sériamente.

 

- Você é o ponto fraco dele! Era isso que ia falar. Se era, acertou. E se for por isso? E se eu tivesse te beijado de propósito, só para provocar ele, só para o irritar?

 

- Se for essa a sua razão, a gente se vai dar mal! - Respondi fria, machucada e indignada. 

 

 

Deixei também lá, meu tabuleiro abandonado e corri em direção a um rumo qualquer...

 

 

 


Notas Finais


>< Espero que tenham goxtado.
Eu faço com todo o coração, e carinho.


Beijinhos e abracinhos;
BY: #GuidaCullen <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...