História Volcanic Love - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer
Personagens Ashton Irwin, Calum Hood, Luke Hemmings, Michael Clifford, Personagens Originais
Tags 5 Seconds Of Summer, 5sos, Ashton Irwin, Calum Hood, Luke Hemmings, Michael Clifford
Visualizações 92
Palavras 4.160
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 6 - Touch Part.2


Fanfic / Fanfiction Volcanic Love - Capítulo 6 - Touch Part.2

---JENNA---

                - AI! – grito assim que Michael pressiona o gelo contra minha pele.

                Puxo minha perna com toda força que tenho e ele ri. Sinto meus olhos merejarem por conta da dor e faço uma careta.

                - É só gelo, Jenna – ele diz tentando, mais uma vez, puxar minha perna. Mas eu resisto.

                - Ta doendo – faço um bico com meus lábios e ele sorri.

                Michael se senta ao meu lado e coloca sua mão esquerda em cima da minha perna direita. Sinto minha pele enrijecer ao seu toque e rezo para que ele não note.

                - Se você não me deixar colocar gelo, vou ter que leva-la ao médico – ele da de ombros e eu arregalo meus olhos.

                - NÃO – grito me afastando um pouco dele e, impulsivamente, me levanto.

                Não tenho a menor força para ficar em pé e, segundos depois, caio sentada. Bufo de raiva e bato as mãos no sofá frustrada.

                - Me deixa te ajudar – ele diz com um sorriso carismático no rosto e, mais uma vez, se ajoelha na minha frente e segura meu tornozelo – Não foi nada demais – ele diz colocando novamente o gelo sobre minha pele e eu faço uma careta. – Você nunca foi muito fã de saltos mesmo – ele diz entre risos e eu me surpreendo.

                - É, eu sempre fui meio desastrada mesmo – torço meu nariz e Michael sorri.

                - Eu me lembro – ele diz, sem olhar diretamente para mim e eu sorrio envergonhada – sabe, Jenna, nós nunca chegamos a conversar sobre o que aconteceu... – ele me olha e eu sinto meus lábios secarem só de imaginar sobre o que ele poderia estar se referindo.

                - Do que.. do que você ta falando? – questiono ainda extasiada e ele ri sem humor.

                - Você sabe – ele da de ombros e eu sinto meu peito congelar – você nem se despediu.

---ASHTON---

                Dou algumas voltas dentro do clube e não encontro nada que me interesse, nada que pudesse ocupar minha mente pelo resto da noite. Além disso, nem sinal dos meus amigos ou das meninas. Penso em voltar para o hotel, mas isso não é algo que eu normalmente faria, então, sigo os passos de Calum e decido que talvez hoje o melhor lugar para mim era o bar.

                - Nunca pensei que você fosse esse tipo de cara – ouço uma voz feminina um pouco famíliar e me viro. Reconheço Mia, que sorri e eu dou de ombros assim que termino de beber o liquido que tinha no meu copo.

                - Tipo de cara? – questiono curioso.

                - Você sabe... – ela se aproxima e se senta no banco ao meu lado. Mia estende o braço e pede mais um drink ao bartender, eu observo todos os seus movimentos – lobo solitário – ela da de ombros rindo e eu arregalo meus olhos surpreso.

                - Você está aqui agora, acho que não estou tão solitário assim – dou de ombros e a observo sorrir com o canudo entre os dentes.

 É a primeira vez que consigo prestar atenção em Mia e, puta merda, ela era incrivelmente bonita. A pele morena brilhava por conta das luzes da boate e os lábios avermelhados por conta da bebida deixavam tudo aquilo ainda mais interessante. Começo a me arrepender pela forma que nos conhecemos.

- Tequila pura? – ela pergunta me acordando do transe e eu dou de ombros – você vai se arrepender disso amanhã de manhã – ela ri e mais uma vez me perco observando a curva de seus lábios.

- Eu sempre me arrependo de algo no dia seguinte – dou de ombros mais uma vez e ela gargalha – Inclusive, Mia, - chamo sua atenção e ela me olha diretamente – me desculpe pela forma que venho agindo com você – coloco, delicadamente, minha mão sobre seu joelho descoberto e vejo seus olhos acompanharem meu movimento. Ela sorri.

- Tudo bem – ela da de ombros e eu sorrio – São águas passadas – diz mordendo o lábio inferior e eu respiro fundo. Puta merda, será se ela tinha noção de como aquilo era sexy? – Eu já lidei com caras piores do que você, acredite – ela diz, mais uma vez me acordando de meus pensamentos.

- Caras piores do que eu? – pergunto tentando parecer ofendido e ela ri – Ta certo, a sua primeira impressão sobre mim pode ter sido um pouco errada – cerro meus olhos e acho graça da expressão em seu rosto – mas eu sou do tipo de pessoa que você precisa conhecer para amar – dou de ombros.

- Sério? – ele cerra um pouco os olhos e eu sorrio – então se eu te conhecer eu vou te amar? – ela questiona passando a língua sobre o lábio inferior e eu balanço a cabeça na afirmativa – Amor próprio é tudo, não é mesmo Ashton? – ela diz e eu acho graça.

Por algum tempo estamos rindo e, de repente, o silencio se instaura e nenhum dos dois diz nada, deixando a porta aberta para um clima constrangedor pairar no ar.

- Então... qual é a sua história? – questiono tentando quebrar o silencio e Mia tem um olhar confuso no rosto.

- Eu não tenho história – ela diz dando mais um gole na bebida em seu copo – eu sou só uma garota no bar – ela da de ombros e sorri, timidamente, logo em seguida.

- Eu sou só um cara no bar – dou de ombros e ergo o copo que está em minha mão na sua direção para que possamos brindar.

----NORA---

- To começando a ficar entediada – digo encostando minhas costas em uma pilastra e ouço Luke rir.

- Entediada? – ele questiona com os olhos arregalados e eu dou de ombros.

- Você não? – pergunto e o vejo entortar os lábios – Os outros sumiram e chegou aquela hora em que a música fica chata – respiro fundo e Luke continua rindo – E se a gente tentasse se divertir um pouco? – pergunto e vejo um sorriso se formar em seu rosto.

- O que você sugere? – questiona aproximando seu corpo do meu.

- E se eu arrumasse uma pessoa para você hoje? – digo com um sorriso brincalhão no rosto e Luke me olha confuso.

- Uma pessoa para mim? – ele arregala os olhos e eu sorrio.

- Você sabe... para não terminar a noite no zero a zero – gesticulo com as mãos e Luke gargalha.

- E você? Vai continuar no tedio? – ele pergunta um pouco mais próximo de mim e eu dou de ombros.

- Você escolhe um para mim também, ué – digo simplesmente e ele balança a cabeça como se concordasse com a minha ideia.

---BROOKE--

                Calum me apoia contra a porta do quarto que ele dividia com os outros meninos no hotel e mexe em seu bolso a procura do cartão para abri-la. Sorrio entre o beijo com o desajeito do rapaz e me solto dele. Deixo que Calum passe na minha frente coloco meus braços em volta de seu pescoço, distribuindo beijos até seu ombro, o que o faz rir.

                Depois de alguns instantes, ele consegue abrir a porta e nós entramos. Calum sorri se virando para mim e puxando minha cintura com toda sua força e, em um único movimento, Calum me ergue do chão e eu prendo minhas pernas ao redor de seu corpo. Sorrio quando seus olhos se encontram com os meus e tento voltar a beija-lo, mas ele se esquiva e sorri.

                - Você tem noção de que quero fazer isso desde que te derrubei na piscina? – questiona com a voz suave e eu sorrio olhando para o quarto.

                - Qual delas é a sua cama? – sussurro observando todas aquelas camas bagunçadas e ele gargalha e apoia meu corpo sobre uma delas.

                Ele me empurra levemente para tras e percebo que eu estou sentada enquanto ele permanece em pé. Com uma de suas mãos em minha nuca, Calum puxa um pouco meus cabelos fazendo minha cabeça ir um pouco para trás e me beija. Sua língua parece apressada e carente. Solto um gemido em resposta ao beijo e prendo meus dedos em seus cabelos escuros. Sinto sua mão correr da minha nuca para o meu ombro e percebo que, com gentileza, ele abaixa a alça do meu vestido. É ai que ele solta meus lábios e começa a beijar meu pescoço fazendo cada centímetro do meu corpo enrijecer.

                Puxo os poucos cabelos de sua nuca e faço com que ele pare de beijar meu pescoço para voltar a beijar minha boca. Cegamente minhas mãos passeiam pelos botões da blusa que ele usava e eu começo a solta-los liberando seu corpo daquele tecido.

                Seu beijo é quente, sua língua e seus lábios adulam os meus até que minha língua encontra imediatamente a dele. Com um impulso, puxo seu pescoço e ele cai sobre mim. Com ele deitado em cima de meu corpo, sinto um volume pressionar a parte de baixo da minha barriga e percebo, naquele momento, que ele me quer. Que ele me deseja. Que ele precisa de mim. Assim como eu preciso dele.

----JENNA---

FLASHBACK ON

Austrália, Junho de 2013.

                - Deixa de ser sem graça, Jenna – Emily diz cachoalhando meus ombros e eu respiro fundo. Emily era a menina que dividia quarto comigo na casa onde eu estava morando na Australia. Ela era minha melhor amiga nessa cidade, embora o sei jeto de agir fosse completamente diferente do meu – É o seu último dia em Sydney, se solta! – ela diz me estendendo um copo de bebida, mas eu não o pego.

                De fato, era meu ultimo dia nessa cidade depois de 12 meses incríveis na Australia, mas a única pessoa que sabia disso era Emily. Eu não sou a pessoa mais cativante do mundo, então não tinha feito muito amigos aqui além dela e do Michael.

                E, por falar nele, olho de relance para as pessoas atrás de Emily e o vejo, sentado no balcão da cozinha, conversando com uma das lideres de torcida do colégio. Meu coração embrulha e eu sorrio sem humor. Percebo Emily olhar na mesma direção que eu e a ouço respirar fundo.

                - Você tem certeza que não vai falar o que sente para ele? – ela pergunta tocando meu ombro e eu dirijo minha atenção a ela.

                - Pra que? – pergunto com um tom de voz irônico? – Pra ele dizer que me vê como uma irmã? – sorrio sem humor e vejo Emily torcer os beiços.

                A verdade é que, desde o primeiro dia, meu coração sempre errava a batida quando o assunto era o Michael. E, embora fossemos próximos em alguns assuntos, eu sempre o via se envolvendo com líderes de torcida ou outras meninas muito mais bonitas, interessantes e experientes do que eu. Ele nunca se interessaria por mim.

                De repente, minha atenção foi roubada quando vi um garoto subir no balcão da cozinha e bater duas panelas para que todos prestassem atenção no que ele queria dizer.

                - Vamos brincar! – ele diz abrindo os braços e Emily me olha curiosa. Eu dou de ombros – 7 Minutos no paraiso, quem topa? – ele pergunta com um sorriso brincalhão no rosto e eu enrolo meus olhos impaciente.

                - Vamos! – Emily diz puxando um de meus braços, mas eu reluto.

                - Ficou louca? – questiono tentando puxar meu braço de volta, mas ela é mais forte do que eu.

                - É a sua chance de ficar com o Michael antes de voltar para Boston – ela diz entre os dentes e eu sinto o ar fugir dos meus pulmões – Não desperdice – ela diz puxando mais uma vez meu punho e eu me rendo seguindo seus passos.

                De repente, um circulo de adolescente se formou envolta de uma garrafa de vodka bem no meio da sala de estar da casa de um dos meninos mais populares do colégio.

                - As pessoas que estiverem nas duas pontas da garrafa serão trancadas no closet por 7 minutos e poderão fazer o que quiserem, sem restrições – o mesmo menino diz com um sorriso sacana no rosto e eu encolho meus ombros um pouco envergonhada.

                Isso aconteceu repentinamente por algumas vezes e diversos casais desapareceram depois dos sete minutos até que, por coincidência ou sinal de Deus, a garrafa parou exatamente entre Michael e eu. Ouço Emily gargalhar involuntariamente e olho para Michael que parece corar.

                Sem dizer nada, somos levados ao closet de um dos quartos e a porta é trancada com nós dois lá dentro. Meu peito parece que vai explodir a qualquer minuto e nem sequer consigo levantar a cabeça para olhar diretamente para Michael.

                - Jenna... – o sinto aproximar seu corpo de mim e eu sorrio sem humor.

                - Não precisa fazer isso por pena, Michael – dou de ombros com um sorriso irônico no rosto e o olho. Ele parece em choque.

                - Pena? – ele questiona e eu reviro os meus olhos impaciente.

                - Eu não sou como essas meninas que você ta acostumado – dou de ombros e o vejo sorrir.

                - Você tem razão – ele da de ombros com um sorriso brincalhão no rosto e eu sinto meu sangue ferver de raiva – Você é muito melhor que elas – ele da de ombros e eu o olho surpresa – e você não faz ideia do quanto eu esperei para fazer isso – ele sorri e, antes que eu pudesse dizer algo, ou reagir, Michael segura minha nuca e aproxima seu rosto do meu unindo nossos lábios como se fossem um só.

FLASHBACK OFF

                - Eu acho que ingeri álcool demais para falar sobre isso – sorrio envergonhada e desvio meu olhar, mas Michael é mais rápido que eu e segura meu queixo me forçando a olha-lo.

                - Você não tem ideia do quanto eu senti sua falta – ele diz e meus olhos encaram seus lábios rosados. Ele sorri. – Você não sabe quantas vezes eu quis ter você perto pra poder te beijar de novo – ele morde o lábio inferior e eu congelo.

                - Por que não faz agora? – questiono agora olhando diretamente para seus olhos e o vejo sorrir. Antes que eu possa dizer mais alguma coisa Michael me beija.

---ASHTON---

                - Você quer dançar? – quebro silencio depois de alguns instantes e Mia ri.

                Ri não, na verdade ela gargalha. Não sei o que isso significa, então não digo nada. Apenas a observo.

                Ela se vira completamente para mim, arruma a gola da minha camisa e inclina o corpo ficando ainda mais próxima de mim.

                - Por que a gente não pula esse lenga lenga e pula logo para a parte em que você me beija? – ela sussurra bem perto do meu ouvido e eu enrijeço. Ela morde meu lóbulo e, de alguma forma, aquilo me deixa ainda mais excitado.

                - É o que você quer? – pergunto ainda em choque com a sua reação e ela sorri.

                - Não é o que você quer? – ela morde o lábio inferior e eu sorrio me aproximando dela. Levo minha mão em sua nuca e puxo seu rosto para mais perto do meu, mas antes que eu possa encostar em seus lábios, Mia toca os meus com as mãos e me afasta – Aqui não.

---NORA---

                - Okay, que tal aquela ali – aponto para uma menina a alguns metros de nós dois e percebo o olhar de Luke analisar a garota.

                - Hmm, não faz o meu estilo – ele diz, pela milésima vez, e eu reviro meus olhos impaciente.

                - Tudo bem, já é a quinta vez que você diz isso e nós ainda nem procuramos alguém para mim – digo irritada e ele ri – Qual é o seu estilo afinal? Homens? – pergunto um pouco impaciente e o vejo engasgar com o liquido que estava bebendo.

                - Definitivamente não – ele da de ombros com um sorriso largo no rosto e eu respiro fundo - Eu gosto de morenas – diz simplesmente e eu tento me lembrar a cor do cabelo de todas as meninas que escolhi – eu gosto de meninas menores do que eu – diz e mais uma vez tento me recordar das minhas opções – e eu tenho certeza que não faço o estilo daquela ali – ele diz apontando para a ultima menina que lhe mostrei e eu a vejo beijar outra mulher. Meu queixo cai alguns centímetros e ele gargalha.

                - Tudo bem, me da mais uma chance – faço o numero um com os dedos e o vejo enrolar os olhos teatralmente.

                - Não precisa, eu já achei alguém – ele da de ombros e eu faço bico com meus lábios.

                - Serio? Quem? – pergunto curiosa e ele sorri. Antes que eu diga mais alguma coisa, Luke segura minha nuca, prendendo boa parte de meus cabelos em suas mãos e, sem eu ter como reagir, ele me beija.

---MIA---

                Ashton me pressiona contra a parede do banheiro masculino e eu sorrio entre o beijo. Agarro os poucos cabelos de sua nuca e com um único impulso ele me coloca sentada na pia. Sua língua tem pressa e o sabor amargo de seus lábios se misturam com os meus. Encosto minha língua na dele e elas se encontram em uma mistura de ritmos maluca. Desfruto cada segundo, até que afasto seu rosto do meu e Ashton começa a beijar a região do meu pescoço. Minha pele enrijece com o seu toque e eu começo a desabotoar sua camisa até que, em questão de segundos, ele não tem mais nada cobrindo seu abdômen.

                Sorrio, jogando sua blusa no chão e Ashton para de me beijar para tentar abrir o fecho do meu vestido, mas eu sou mais rápida e o distraio fazendo com que ele volte a me beijar.

                - Vamos.. la.. para.. dentro – digo um pouco sem folego apontando para uma das cabines do banheiro.

                Ele sorri, com malicia, e aperta minha cintura contra seu corpo. Nesse momento sinto um volume pressionar a região da minha barriga e sorrio, vitoriosa entre o beijo.

                Dentro da cabine, eu paro de beija-lo e me abaixo distribuindo pequenos beijos pelo seu tórax até que chego a barra de sua calça. Sem delongas, desato o cinto que ele usava e ele se livra do tecido imediatamente, a jogando para fora da cabine por baixo da porta. Sorrio ao notar o tanto que ele me deseja, passo os dedos pela barra de sua cueca, mas antes de abaixa-la eu o olho.

                - Droga, você tem camisinha? – mordo o lábio inferior e ele enrola os olhos impaciente.

                - Você precisa disso agora? – ele pergunta um pouco frustado e eu dou de ombros – No bolso da minha calça – ele diz em um sussurro e eu sorrio. Me levante rapidamente e selo seus lábios antes de sair da cabine para buscar o que quero.

                Me olho no espelho e tento ao máximo me recompor, o mais rápido possível. Junto todas as suas roupas caídas no chão e limpo o borrado do batom em meu rosto. Respiro fundo e começo a rir.

                - Nunca mais me chame de fácil, príncipe – digo bem perto da cabine onde estávamos.

                - O que? – ele abre um pouco da porta a ponto de me ver saindo do banheiro com todas as suas roupas.

---JENNA—

                Os lábios de Michael são macios, o que torna o beijo macio e delicado. Ele faz carinho na minha bochecha com seu polegar e eu descanso minha cabeça em seus braços enquanto nossas línguas se divertem uma com a outra.

                De repente, somos interrompidos por muitos gritos e, com o susto, nós nos afastamos. Uma multidão de pessoas começa a se aglomerar perto de onde estávamos e Michael me ajuda a levantar para que possamos ver do que se trata.

                - Mia? O que aconteceu? – pergunto olhando para todas as roupas em sua mão e ela da de ombros as entregando para o Michael.

                - Entregue para o seu amigo – ela diz com um sorriso vitorioso no rosto e eu a olho confusa.

                - O que você fez? – pergunto um tanto quanto preocupara e ela da de ombros.

                É quando o ambiente é tomado por gargalhadas estridentes e, ao fundo, consigo ver Ashton lutando para passar no meio de todas aquelas pessoas e cobrir seu corpo ao mesmo tempo.

                - Ele esta...? OH MEU DEUS! – grito cobrindo meu rosto com uma de minhas mãos e sinto Michael me abraçar. Escondo meu rosto em seu peito e imploro para que Ashton saia de lá.

                - Aonde você pensa que vai? – ouço sua voz em um tom nervoso e, por curiosidade, o olho.

                - A lugar nenhum, príncipe – Mia ri com deboche e eu respiro fundo.

                - Você não sabe com quem está brincando, Mia – ele diz nervoso e eu tiro suas roupas das mãos de Michael para entregar a ele.

                - Quantas vezes eu vou precisar falar que NÃO TENHO medo de você – ela questiona afrontando Ashton e ele puxa as roupas de minha mão com toda força do mundo.

                - Dude? O que aconteceu com você? – Somos interrompidos por Luke, que aparece ao lado de Nora, com uma expressão surpresa e assustada no rosto.

                - Essa vadia aconteceu – Ashton diz entre dentes e Mia ergue sua mão dando um tapa estalado em seu rosto. Automaticamente, Ashton reage segurando seu pulso com força e eu a ouço soltar um grito abafado, provavelmente por conta da dor.

                - O que está acontecendo aqui? – ouvimos uma voz grave e a imagem de um homem de quase dois metros se forma do nosso lado – Aonde estão os seus trajes, senhor? – ele questiona e Ashton começa a vestir sua calça – Queira nos acompanhar. – O homem diz puxando um dos braços de Ashton e eu me assusto.

                - Acompanhar? Para onde? – Luke questiona e eu olho para Nora com medo da resposta do homem.

                - Para a delegacia – ele diz simplesmente e Michael se coloca na frente de Ashton impedindo que ele acompanhasse o segurança.

                - Isso foi só um mal-entendido entre os dois – ele diz com um sorriso nervoso no rosto e o policial fecha ainda mais a cara – não acho que tenha necessidade de polícia – ele tenta, mais uma vez, e o policial empurra seu peito o afastando de Ashton.

                - Ele causou constrangimento aos clientes, vou leva-lo a polícia AGORA – o segurança grita e puxa Ashton com mais força ainda. – A menos que você queira fazer companhia ao seu amigo, sugiro que fique na sua - Ele prende os pulsos de Ashton atrás das próprias costas do rapaz e o empurra em direção a saída do clube

                Olho para Mia e ela parece um tanto quanto arrependida, passando a mão sobre o punho que Ashton apertara.

                É oficial, we are screwed.

----CALUM---

 

                - Hmm, tem algo vibrando no seu bolso – ouço Brooke dizer entre o beijo e eu a ignoro sentindo meu celular tocar no bolso de minha calça. Beijo seu pescoço e sinto sua respiração ofegar próximo da minha nuca. Ela geme, bem baixinho, quando eu dou um chupão na região entre seu pescoço e seu ombro.

                Mais uma vez sinto o celular vibrar e tento ao máximo não deixar que aquilo me atrapalhe, mas não posso fazer o mesmo por Brooke.

                - Pode ser importante – ela diz tentando procurar folego e eu enrolo os olhos incomodado com a situação – Atende, por favor – ela sorri gentilmente antes de juntar nossas bocas em um selinho rápido.

                Procuro o objeto e, assim que o encontro, o atendo sem delongas.

                - Alô – digo, com um tom de voz irritado. Olho para Brooke e ela sorri arrumando as alças do vestido que ainda usava.

                - Alô, Brooke? – ouço uma voz feminina do outro lado da linha e faço uma careta sem entender a pergunta.

                - O que? Não – digo com um sorriso no rosto e a menina me olha curiosa – Calum – dou de ombros.

                - Ah, Calum você esta com a Brooke? – pela primeira vez reconheço a voz do outro lado da linha. Jenna.

                - Não, por que estaria? –  minto. Não quero que eles saibam que estamos juntos.

                - Por que você atendeu o telefone dela então? – Jenna questiona e involuntariamente eu tiro o aparelho do meu ouvido para olha-lo. Merda. Definitivamente aquele não era o meu celular. Brooke ri.

                - Certo, estamos juntos – Assumo e posso ouvir alguns risos do outro lado da linha – vou passar para ela.

                - NÃO! Michael quer falar com você – Jenna diz antes que eu tire o celular do ouvido e eu resolvo esperar

– Ocupado demais para atender o próprio telefone, mate? – ouço a voz de Luke ao longe e respiro fundo.

 – Cala a boca, Luke! – ouço a voz de Michael mais perto do telefone – Mate, aonde vocês estão? – ele pergunta com um tom de voz mais sério e eu estranho.

- No hotel e vocês? – questiono agora um tanto quanto preocupado.

- Na delegacia – Michael responde e meu queixo cai alguns centímetros. Não sei o que dizer. Brooke parece perceber e se aproxima de mim tocando meu ombro suavemente – Ashton está com problemas – ele diz e eu fecho meus olhos com força, cobrindo meu rosto com uma de minhas mãos – Precisamos de você.

- Estamos indo – digo rapidamente e desligo o telefone antes mesmo que Michael possa dizer algo.


Notas Finais


EAI MINHA GENTE, O QUE ESTÃO ACHANDO?
Clima pesou ne? E essa situ vai mexer com todos nossos casais... ANYWAY! amores, amanha começam minhas aulas e atualizar a Volcanic Love vai ficar cada vez mais complicado portanto, a partir de agora, as atualizações serão feitas aos fins de semana.
No mais, não esqueçam de me contar a opinião de vocês sobre tudooo xoxo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...