História De Volta ao que era Antes HIATUS - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Kakashi Hatake, Kankuro, Naruto Uzumaki, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Shizune, Temari, Tsunade Senju
Tags Kakashi Hatake
Visualizações 30
Palavras 2.265
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OLAAAAAA

Seus lindos! Como estão vocês?
Fora um torcicolo da mulesta no meu pescocinho, eu estou bem! ^^

E ai, ansiosos pelo capítulo de hoje?
Acho que tá valendo MUITO a pena eu continuar escrevendo essa história. Por quê? Por que eu tô amando DEMAIS! hahaha <3

Vai um desabafo pra vocês, agora: Eu comecei a entender, que, o motivo pelo qual, não estamos tendo tantas visualizações ou favoritos, é unicamente pelo fato de que é uma história "sem fãs". Deixa eu explicar! Não é uma história tipo: SasuSaku/KakaSaku/NaruHina, etc. Essas histórias já são mais buscadas por que tem um casal já shippado. Aqui não, eu criei uma personagem, uma história dentro da história, um par que nunca existiu pro meu Shipp eterno: KAKASHÃO! Eu tava começando a ficar com medo, mas dai, como um tiro, vem isso na minha cabeça. Pelo menos, isso me consolou e eu continuo escrevendo, hahaha
E vocês, concordam? Me fala ai em baixo nos coment's.

OBRIGADA AOS QUE FAVORITARAM, AMO VOCÊS! <3 Compartilha com o amigo pá ajudar noixx ! HAHAHA <3

Hayla, amiga, a proposito, OBRIGADA por comentar sempre, desde o primeiro capítulo você está aqui! AAAAAAAAAAAA, você é fofa demais!

Aos que estão vendo essa história agora, não julgue o livro pela capa, não, as vezes isso é mó roubada. Dê uma chance pra essa autora maluca aqui. Juro de dedinho, ESTOU DANDO O MEU MELHOR! :3

E outraaaaa, tenho outra história pra lançar, só esperem um pouquinho mais! HUAHUAHA

Então, acho que é só, né, falei demais já! Beijos de cereja no kokoro de vocês! Até os coment's.
BYE :*

Capítulo 4 - A Missão


A noite se passou longa, mas bem aproveitada, Hanna não dormia tão bem fazia tempo. Acordou as seis da manhã, arrumou suas coisas pra viagem, não sabia se era tão perto quanto a Hokage disse, mas sabia que não era longe, tomou um banho, arrumou um bom desejum, comeu e saiu, faltando dez minutos pro horário marcado.

No caminho antes de sair do prédio encontrara Kankuro aparentemente a sua espera na saída, ela sorriu e o cumprimentou.

-Bom dia! Conseguiu descansar?

Ela estava mais simpática que o costume, Kankuro não sabia ao certo se isso era resultado de uma boa noite de sono ou a conversa do dia anterior tinha surtido mais efeito que achava que tivera

-Bom dia! Bom humor?

-Hoje sim.- disse o desaprovando pela indelicadeza

Ele sorriu e começa a andar em direção aos portões de Konoha.

-Dormi bem. Não vou perguntar o mesmo, pois parece que a sua noite também foi boa.

-Pior que foi. Não dormia tão bem a anos.

-Konoha tem seus milagres. Ela tem esse clima gostoso ameno que faz a gente hibernar com muita facilidade, muito diferente de Suna, que é o sol de dia, e o polo norte a noite.

-Nem me fale.

Sabiam que o clima não era exatamente o motivo de tê-la feito dormir tão bem, porém não havia necessidade de expor tal coisa. Continuaram conversando coisas triviais e quando mal viram, já tinham chegado nos portões. O ninja que Hanna teria que escoltar ainda não estava presente, e ela se perguntava o por quê.

-Pelo visto Kakashi será seu companheiro. - disse despreocupado

-Como sabe?

-Ele não é uma pessoa pontual.

Entendeu o motivo pelo qual, a entrada da vila não tinha o ninja da missão. Já eram oito e quarenta e nada dele aparecer. Hanna já estava ficando impaciente. Kankuro estava se divertindo com a situação da companheira, mas confessava que quarenta minutos de atrasos era demais.

-Olha ele ai! Finalmente Kakashi-sama.

Ele estava com aquela mesma postura do dia anterior, despreocupado, despreocupado até demais, no ponto de vista de Hanna. O cara chega mais de quarenta minutos, atrasado pra uma missão, nessa lerdeza toda, dá uma desculpa esfarrapada qualquer e ainda não demonstra se importar com tal ato. Inacreditável!

-Como você se atreve a se atrasar tanto para uma missão? - disse irritada com o desinteresse do ninja.

-Tropecei numa pedra no meio do caminho…

-Ahhh, claro! - o interrompeu- É tão lento que não consegue nem ter uma recuperação de uma queda por uma pedrinha no caminho.

Kankuro a encarou incrédulo. Era normal se irritar com Kakashi, ele nunca fora pontual na sua vida, não seria agora que ele seria, mas Hanna se irritar dessa maneira já era novidade. A tempos que ela não demonstrava tanto assim, se ela estivesse no mesmo estado sombrio que estava, ela simplesmente não ligaria e já estaria a caminho da vila. Isso o fez rir.

-Calma Hanna. Agora que ele já chegou acho melhor vocês irem. Eu tenho que ir, já estou atrasado também. Boa missão pra vocês. E… Hanna, não se esqueça da nossa conversa.

Hanna volta toda sua atenção pra Kankuro, que falava sério, mas em tom amigo. Kakashi só observava, sabia que com toda certeza aqule assunto não era de sua importância, mas de certa forma ficou curioso.

-Pode deixar. Me sairei bem nisso. Obrigada pela confiança, Kankuro. - chegou mais perto dele e falou baixo – Espero que eu não tenha dado problemas pra você.

-Não se preocupe com isso, com meu irmão eu me entendo. - e piscou pra ela. - Kakashi…

-Kankuro.

E partiu dando uma última olhada pra Hanna, se despedindo.

-Ok. Agora, vamos. Eu serei sua ninja médica.- disse tentando conter a animação

Ele somente concordou e começou a andar e gradativamente aumentou o ritmo, deixando uma Hanna pra trás, pega de surpresa. Pra um lerdo, ele estava se saindo muito rápido agora.

Seguiram em silêncio a viagem. Hanna sempre com sua guarda armada e Kakashi não era diferente, numa pós-guerra pode-se esperar de tudo. Mesmo que tenha tido a aliança shinobe, havia aqueles que não concordavam com ela. Tinha o boato que alguns ninjas de vilas aleatórias, se juntaram em uma organização. Já estavam investigando sobre eles, mas pouco sabiam, mas as atualizações sempre eram feitas, e uma delas seria entregue na vila do jardim, perto de Konoha. A viagem duraria um dia e meio, haveria somente uma parada, dormiriam, partiriam logo cedo e chegariam no meio do outro dia na vila.

Anoiteceu, então Kakashi resolve que era a hora de parar, estavam em um lugar tranquilo, onde avistou uma caverna pequena, mas que caberia os dois sem nenhum esforço, teriam água pra beber, pois tinha um lago na frente, era o lugar ideal.

-Vem, vamos parar. Tem uma caverna logo ali na frente. Já é noite, amanhã acordaremos cedo. Pretendo chegar na vila ao meio dia.

-OK.

Hanna ouvia aquele preguiçoso falando devagar, mas reparou que sua respiração tinha pesado desde a ultima hora. Ele estava aparentemente debilitado, e seu passo diminuiu. Acreditava ser uma gripe. E se perguntava o motivo dele não ter se tratado antes dessa missão, ou ter recusado ela se não estava me condições. Na verdade, não sabia realmente como ele estava fisicamente, estava deduzindo pelo que via e ouvia, em base de suas experiências médicas. Se ele aceitou mesmo doente, é por que deve achar ter condições pra isso, confia em suas habilidades. Porém, ela não apoiava essa escolha, era adepta a recusar alguma missão se tivesse o risco de não poder cumpri-la adequadamente. Pelo menos, ela estava com ele. Pediria pra poder curá-lo e se o mesmo negasse o curaria durante a noite, faria isso com ele dormindo. Não teria escapatória.

Quando já estavam com a fogueira acesa, seus sacos de dormir devidamente alinhados um ao lado do outro, o peixe no fogo, e água no cantil, Hanna entendeu ser a hora certa. Seria rápida, iria ser o tempo do peixe ficar pronto.

-Kakashi, reparei que você não está em suas condições normais. Sua respiração está pesada, seu passo diminuiu consideravelmente antes de chegar aqui, e eu como sua ninja médica tenho o dever de cuidar de você, caso veja algum indício de que você estar mal.

Ele a olhou de lado. Admitia que não estava nos seus melhores dias. Seu chá tinha dado efeito no dia anterior, mas hoje, ele estava moído, achou que teria sido do esforço anterior, afinal, mal estava recuperado e já estava ajudando no pesado, nas construções. Ali, na caverna, com aquela ninja, ele viu duas opções: Uma, recusar e ignorar o fato que ela, com certeza, vai insistir o resto da noite, ou, aceitar, se curar logo daquela gripe chata sem precisar ir ao hospital. Pois se continuasse assim após a missão, com certeza, teria que aparecer para uma consulta. Gostou mais da segunda opção, afinal, odiava hospitais.

-Está bem.

-Olha, vai ser…- o olhou surpresa, achava que ele não aceitaria tão facilmente- O quê?

-Está bem. Prefiro você que ir pro hospital.

Hanna o olhou assustada, não sabia se entendia aquilo como um elogio ou outra coisa, mas ignorou, se focando no seu trabalho.

-Pois bem, preciso que se deite.

Ele se ajeitou no chão e observou a movimentação da Kunoich. Ela aproximou do seu lado, se ajoelhando com as pernas centímetros de distância de seu peitoral, esfregou ambas as mãos deixando fluir um chacra roxo delas e por fim no trajeto que iria fazer até o rosto do ninja, parou. Ele estava ligeiramente nervoso, olhava pra mão envolto de chacra aparentemente ansioso que aquilo acabasse logo. Hanna sentiu vontade de rir, mas não o fez, um ninja como ele com certeza não teria medo de médicos ou hospitais por qualquer motivo. Sentiu então a necessidade de acalma-lo.

-Relaxe. Não vai doer. Isso vai fazer limpar suas narinas e toda extensão respiratória, te deixando muito mais relaxado pra dormir e continuar com a missão. - não ajudou muito, mas Kakashi se mantinha firme.- Vamos fazer o seguinte…

-Termine logo com isso, Hanna.

Ela o olhou, com os olhos esbugalhados, pra ela não precisava desse tormento todo, e queria fazer o possível pra poder ajudá-lo a não ter medo. Mas já que ele não queria, não seria gentil.

-Ok, se é o que você quer.

Ela intensificou o chacra nas mãos e posicionou no rosto sem reverência, até mesmo um pouco brusca, o que fez Kakashi arregalar ligeiramente aquele olhar cansado.

-Ei. Você disse que não doeira.

-E não vai.

-Do jeito que você veio com essas mãos pra cima de mim não dar pra acreditar nisso.

Ela, bufou e se levantou do lado dele, virou de costas e assim ficou. Em silêncio. Não respondeu e Kakashi estranhou, se um atraso já fez ela ficar o cão, isso não era pre ter a deixado quieta

-Hanna?

-Só… Me da um tempo.

Kakashi estranhou. Esperou um tempo, razoável e quando não achava mais que aquele silêncio era normal, se levantou e foi na direção da moça, se aproximando vagarosamente.

-Ei, se foi pelo jeito que eu falei, me desculpa. Eu fico um pouco nervoso com essas coisas.

Não era de admitir sobre nada, muito menos sobre o seu “medo” de hospitais/médicos, mas sentia que devia isso a moça

-Não. Não é isso. Eu só…

Kakashi esperou, era além de tudo um bom ouvinte. Enquanto Hanna pensava se falava ou não com ele, seus olhos passeavam pelas costas da moça que usava o uniforme que continha bordado o símbolo de um clã conhecido por ele. Então resolveu quebrar o silêncio

-Você era esposa de um Nataka, não era?

-S-sim.- disse se virando curiosa- Como sabe?

-Pelo símbolo nas suas costas.

Saber sobre o clã, talvez não era o mais difícil, mas ele apostar na ideia de que ela era uma esposa de algum integrante do mesmo, isso era. Pensou por alguns instantes, mas preferiu ignorar isso.

-Como… como você conhece?

Kakashi volta a se sentar perto da fogueira e a remexer o peixe que estava quase no ponto.

-Eu conheci muitos clâs ao decorrer da minha vida. Um desses foi o seu.

-Não é meu, não mais.

-Então por que ainda usa?

-Não sei. - pensou, sentando ao lado dele- Acho que perdi minha identidade no decorre da vida, voltar ao meu clã é quase impossível do jeito que eu estou hoje.

Kakashi virou-se razoavelmente pra ela interrogativo. Ela entendeu que ele queria uma explicação

-Depois que eu perdi meu marido, eu mudei drasticamente. Parei de atuar como médica no hospital de Suna e me afundei em missões perigosas, uma delas foi a Guerra. Fui uma das ninjas médicas do fronte de batalha. Eu só queria sangue. Me fechei pro mundo. Pra tudo. Até Gaara me mandar pra Konoha.

-Pelo jeito foi bom.

-Foi sim. - disse o olhando sincera- Aqui, mesmo que eu quisesse ser tão insensata, não poderia, afinal temos uma aliança shinobe, que dependendo das minhas ações posso prejudicá-la. Mas aqui, eu sou diferente, nem como eu era antes de tudo acontecer, nem como estava em Suna. Eu pareço, só ser quem realmente deveria ser.

Kakashi a observava sem desviar nenhum momento o olhar. Aquele rosto que viu ontem ao chegar na vila, estava, com certeza, mais iluminado. O olhar continuava com o sofrimento, mas agora havia um brilho nele, que ele não conseguia explicar qual era o motivo, muito menos o que ele queria dizer, mas concordava com a ideia de que ela estava diferente.

Ela parou de falar e o encarou, não tinha reparado o quão intenso era aqueles olhos, e como ele a admirava. Kakashi admitia que ela era uma mulher linda, mas estava longe de querer qualquer tipo de relacionamento, ainda mais com alguém, aparentemente, problemático. Só que a sanidade não estava o ajudando naquele momento. Ali, a luz da fogueira refletindo naqueles olhos quase transparentes de tão verdes, ele se perdeu. Era lindo demais. Sincero demais. Diferente de tudo que já tinha sentido.

Ela sem dizer nenhuma palavra, sorriu. E que sorriso. O mais sincero que ele poderia ter visto em sua vida. Era um misto de agradecimento, felicidade... reciprocidade? Não! Estava ficando maluco. Aquela mulher estava o deixando maluco. Não teria nenhum motivo que a levasse a ser recíproca com ele. Nenhum! Ela apoiou o cotovelo no joelho flexionado e com palma da mão sustentou seu queixo, o encarando ainda mais de frente, e mais perto. Nada poderia cortar aquele contato único de olho com olho. A não ser o cheiro insuportável de peixe queimando em suas narinas, que fez ambos se chacoalharem com o odor.

-Ah! Não! Perdemos nossa janta!

Kakashi riu da situação, ela toda estrambelhada tentando tirar o peixe que estava queimando e toda sem jeito o jogando no chão. Se antes não tinha condições de comer, agora menos ainda. Ele se levantou e começou a andar

-Ei, onde você vai?

-Vou arrumar um outro peixe pra gente. Você acabou com toda nossa possibilidade de comer.

-Eu? Ele tá todo queimado. - disse apontando o dedo ameaçadoramente pro peixe morto no chão- E não vem pôr a culpa toda em cima de mim, não!

Ai ele parou. Sabia que aquela última frase tinha um duplo sentido, afinal a culpa do peixe ter queimado foi a troca de olhares, que ele, Kakashi, começou. Olhou pra ela por cima do ombro, e mesmo escuro e ele com aquela bendita máscara, a silhueta de seu rosto o dedurou, ele estava sorrindo, e não qualquer sorriso, um sorriso satisfeito, que Hanna assim que viu, pegou pra si.  


Notas Finais


Não vou dizer nada, a não ser o que eu vou dizer agora:

ESSE CAPÍTULO FOI FOFO OU NÃO FOI?
Comenta lá!
Até o próximo, não sei quando sai, mas vai sair. rs! Obrigada, de novo ! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...